Deus, um delírio, de Richard Dawkins | Digestivo Cultural

busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
>>> DAMA DE COPAS - O LIVRO É LANÇADO PELA SOUL EDITORA
>>> Novo livro do Padre Lício propõe reflexão para prevenção ao suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade
>>> Símbolos e Identidade Nacional
>>> Animismo
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
Mais Recentes
>>> Eles Continuam Entre Nós
>>> A Mente de Deus
>>> As Palavras do Buda
>>> A Professora
>>> A Professora
>>> O Silêncio Branco e outros contos
>>> O Processo
>>> Libertinagem / Estrela da Manhã
>>> Sartre em 90 minutos
>>> O pensamento vivo de Heitor Villa-Lobos
>>> O pensamento vivo de John Lennon
>>> O que é Cultura / O que é Indústria Cultural / O que é Semiótica
>>> Aphartheid / A República de Weimar
>>> O que é Linguística
>>> Drácula
>>> Teilhard, Sim ou Não
>>> Polêmica Sobre Teilhard de Chardin
>>> Itinerário do Cosmo ao Ômega
>>> O Homem no Mundo
>>> A ilha Perdida
>>> O Outro Lado da Ilha
>>> Os Barcos de Papel
>>> No Princípio
>>> Uma Palavra de Amor
>>> Warren Buffett - Lições do Maior de Todos os Investidores
>>> Velhinho Entalado Na Chamine
>>> Subliminar
>>> Sao Paulo Em Guerra 1924
>>> Reencarnação ou Ressurreição Uma Decisão de Fé
>>> Palácio da Meia-Noite
>>> O Rei das Palavras
>>> O Quinze
>>> O Labirinto dos Ossos - The 39 Clues - Vol.1
>>> O Céu Está Caindo
>>> O Ato Conjugal
>>> Nunca Deixe de Tentar
>>> Mentes Brilhantes Mentes Treinadas
>>> Ligando os 1000 Pontos Cidades
>>> Leis Secretas da Economia
>>> Honoráveis Bandidos Um Retrato do Brasil na Era Sarney
>>> Gente como a gente: Como Deus muda a vida de pessoas comuns
>>> Fundamentos dos Mercados Futuros e de Opções - sem Manual
>>> Filho do Fogo: O Descortinar da Alta Magia - Vol. 2
>>> Filho do Fogo: O Descortinar da Alta Magia - Vol. 1
>>> Feras Futebol Clube - Félix o Furacão - Vol. 2
>>> Fazer Amor: Como Fazer do Sexo Um Ato de Amor
>>> Falcão - Meninos do Tráfico
>>> Equilibrio e Resultado
>>> Eficiente e Elegante
>>> Domine seu iPhone
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 19/9/2007
Deus, um delírio, de Richard Dawkins
Julio Daio Borges

+ de 49700 Acessos
+ 21 Comentário(s)




Digestivo nº 345 >>> Desde Nietzsche, provavelmente, que não se atacava Deus com tanta veemência. Nietzsche, há mais de um século, em O Anticristo, estava, conforme o título, mais preocupado com o cristianismo. Richard Dawkins mira e atira em todas as religiões, e usa a palavra "Deus" mais como uma alegoria. Com elogios rasgados de gente como Ian McEwan e Steven Pinker, Deus, um delírio é um livro efetivamente brilhante, mas avançamos nas páginas sempre nos perguntando o que Dawkins pretende com toda essa artilharia. Afinal, é bastante difícil que os fundamentalistas leiam seu livro (é mais fácil, por exemplo, condená-lo à morte em vida, como fizeram com Salman Rushdie); e o "estado religioso", dos republicanos nos EUA, é passageiro, não é? Qualquer pessoa minimamente informada sabe que toda discussão de idéias, hoje, passa pela ciência e pelos cientistas. Se ainda existe uma "vanguarda do pensamento", ela está mais inclinada para o lado dos homens de ciência do que para os humanistas puros (estes desnorteados diante da supremacia do capitalismo, do avanço das novas tecnologias e do fim de seus antigos "feudos"). Ainda assim, ainda que Deus, um delírio acerte em cheio nos argumentos, sentimos falta de um certo brilho na linguagem, de um repertório ― vá lá ― erudito e até de alguma ambição, digamos, filosófica. O grande problema em matar "Deus" (leia-se: as religiões) ― mesmo desde Nietzsche ― talvez seja colocar outra "visão de mundo", com um acabamento de séculos, no lugar. Dawkins está certo: a religião sobreviverá como mitologia apenas; mas parece que ainda não surgiu o primeiro "filósofo" desta nova era...
>>> Deus, um delírio
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Para sempre teu, Caio F., por Paula Dip (Literatura)
02. De cabeça baixa, de Flávio Izhaki (Literatura)
03. Quebrando a banca, de Ben Mezrich (Além do Mais)
04. Quando os mercados falham (Literatura)
05. O Mundo é das Mulheres (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2007
13h35min
Ah, os primeiros filósofos são os artistas que populamos pelo mundo com seus gritos emudecidos. Sabe, essa coisa de mais ciência e menos humanismo me fez lembrar de Solaris, célebre obra de Tarkovsky. Bem, não é de hoje que o homem passa por essa vergonha délfica. Qualquer coisa que se colocar acima da própria natureza humana, seja o misticismo da religião, ou o objetivismo científico, fará com que nos percamos de nós mesmos.
[Leia outros Comentários de Danielle]
8/11/2007
13h30min
Discordo, Danielle! Acreditar em um deus é não acreditar em si mesmo! Quem se enche de fé religiosa, fé doutrinada, é porque é vazio por dentro... É possivel sim viver bem, fazer o bem, sem acreditar em nada disso... a simples libertação dessa doutrinação maléfica e manipuladora nos faz pessoas mais esclarecidas e livres, porém não melhores. Isso depende de cada um. Acho que já temos provas suficientes de que religião é e sempre foi apenas um negócio, ou não? De que ela sempre foi causa ou consequência da aquisição de poder e dinheiro. Se os próprios religiosos que tanto doutrinaram este mundo fossem tementes ao seu próprio deus, não teriam feito 1/4 do deserviço que fizeram até hoje. Respeito tua opinião, mas, pra mim, não há como defender a religião doutrinada, o catolicismo romano ou qualquer outra religião que se espelhe em uma figura de um ser maior. Deus (e o diabo) somos nós mesmos.
[Leia outros Comentários de Mario]
8/11/2007
14h43min
Oi, Mário. Mas sabe, eu acredito muito em mim mesma e nos meus ideais, tenho plena certeza de minha existência, o problema, não apenas meu, mas de todos seres humanos é que necessitamos dar um sentido, uma razão, um saber porquê, como e para onde vamos depois de morrermos, é aí que a idéia de um Deus ou uma força maior entra, consciente ou inconscientemente em todos nós, e toda religião se apropria dessa necessidade humana para levantar seus negócios, que indubtavelmente são doutrinários e coercitivos, além de ser mesmo o que disse. Mas a necessidade de ter uma idéia de Deus ou Força Maior, não necessariamente nos impõe uma religião a ser seguida, apenas nos acalenta de uma ausência de sentidos para a nossa vida tão efêmera. Afinal, ter a consciência da própria morte, faz grande diferença em nossas vidas!
[Leia outros Comentários de Danielle]
10/11/2007
23h32min
A idéia de um Deus que castiga nossos erros e premia nossos acertos é puramente humana. Enquanto o homem acreditar que existe um Deus que dá ouvidos aos seus desejos e que muda de idéia a seu pedido, há de pensar também que o criador gosta de bajulações. Então atravessa o homem sua curta existência contrabalanceando seus atos imorais com atos de devoção, na (vã) esperança de alcançar a vida eterna e a prometida salvação. Recusa-se o homem a morrer quando é essa a única certeza que temos. Pobres seres humanos... nascem na esperança de... vivem na esperança de... e finalmente morrem na esperança de...!!! Não é à toa que a esperança é o artigo mais vendável de todos os tempos!!!
[Leia outros Comentários de José Antonio Ribeiro]
30/12/2007
22h20min
A mente de uma criança quando nasce é um quadro em branco, a partir daí suas experiências somadas às influências externas farão dela um ser humano crente ou cético com relação ao místico. Mas, e se essa criança não tivesse influências externas, será que saberia da existência de um Deus? Se essa criança no decorrer de sua vida fizesse uma análise baseada no que viu aqui, será que acreditaria em vida eterna?
[Leia outros Comentários de Almir]
15/2/2008
12h04min
Infelizmente somos influenciados pelo nossos País e pelo fundamentalismo que nos rodeia, concordando com o sr. Almir. Por que acreditar em um Ser que não vemos? Por que atribuir nossa essência a este Ser? Quando será que o sólido se volatizará, o sagrado será profanado e os homens, finalmente, serão obrigados a encarar com sobriedade, e sem ilusões, sua vida na Terra?
[Leia outros Comentários de Ademar Costa Neves]
21/2/2008
19h15min
Concordo com o Almir. As nossas crenças dependem da cultura em que vivemos. No Brasil, país maciçamente católico, a maioria das pessoas nascem com essa crença. Depois, conhece outras alternativas e muda de opinião. Pode permanecer católico, se converter a outra religião ou se afastar de qualquer crença. No meu caso, nasci católico mas, com o tempo, depois de várias leituras e reflexões, me tornei ateu. Só que é extremamente difícil dizer isso para minha família. Ainda peço e bênção para minha mãe (questão de respeito). Enfim, para mim, Deus é um delírio coletivo.
[Leia outros Comentários de Cassionei Petry]
17/4/2008
16h21min
Deus, religião... são apenas para justificar a ignorância humana, para ter controle sobre os demais, obter riquezas às custas de quem acredita nisso. Sim, acredito que "acreditar em uma força superior" seja bom, nos faz bem, nos dá forças, porém nada que seja conciliado com religião: um chiqueiro, com porcos tomando dinheiro da pior maneira possível, pura chantagem psicológica... Quando o homem não encontra respostas, logo coloca algo como divino: com certeza a religião é, foi e sempre será um entrave em nosso desenvolvimento. Apesar de que religião tem também seu lado positivo, enfim... Penso que beato demais é aquele: ou de mente vazia, ou que muito erra e insiste no erro, pensa que a reza o livrará, não precisa mudar (que irá para o céu)...
[Leia outros Comentários de Code X]
25/1/2009
20h46min
Quando crianças nos impuseram três fantasias: Bicho Papão, Papai Noel e Deus. Por que derrubamos os dois primeiros mas o terceiro nos incutem com persistência? Porque dá dinheiro e porque ainda é fácil de mantê-lo devido a baixíssima escolaridade da humanidade. A crença auxilia em muitas coisas quando você quer e precisa, mas ela prejudica quando vira obsessão. É preciso acreditar, sim, mas em si mesmo(a).
[Leia outros Comentários de Ilvo]
19/3/2009
02h30min
Tudo que se pensa, é possivel! Cada um cria o seu mundo com suas regras e conceitos, sejam ifluenciados ou não. Infelizmente... não temos como escolher em que sistema queremos viver, pois todos estão aprisionados aos modelos já existentes e consequentemente aos pré-existentes... Alguns vão acreditar, outros não... e assim vai ser para sempre... só podiamos entender realmente se fosse provado um ou o outro. Alguém se habilita a provar essa existência ou não-existência? Eu me habilito sem resposta!
[Leia outros Comentários de Jean]
28/5/2009
12h05min
O autor é conceituado, é um fato, entretanto, sua notoriedade é muito maior pelo fato de ser alguém que defende e expressa largamente opiniões extremamente polêmicas para o mundo ocidental ainda hoje. O despreparo na abordagem à proposta do livro é de imediato notado ao relacionar Deus à religião. Sendo Deus um ser e a religião um movimento extremamente ligado a questões sociais, culturais, regionais e até geográficas às quais um ser humano pode estar submetido. Sem entrar no mérito da questão religião, desaprovo e ignoro esse tipo de abordagem, extremamente agressiva que sugere uma carência de dados e fatos para fundamentalizar uma ideia ou ideologia. Uma ideologia significativa coexiste com outras contrárias sem perder seu lugar e sem a necessidade de atacar qualquer outra. Bom que aqueles que buscam o desenvolvimento da verdadeira ciência não o fazem buscando desmentir ou provar Deus, apenas desenvolvem a ciência com a função de contribuir para o desenvolvimento da humanidade.
[Leia outros Comentários de Ari]
29/5/2009
17h57min
Nasci no berço de uma família extremamente religiosa e "politizada", se é que posso dizer assim, e rezava todas as noites. Mas, com o passar so tempo, reflexões sobre política e questões relacionadas a mazelas sociais corroboradas com estudos superiores e pós-graduacao em ciências naturais foram me afastando das crenças religiosas, até eu poder ver, hoje, o grande mal para o mundo que é essa doutrina. Seria bom se todos dessem valor à razão e ao conhecimento científico. Este mundo seria muito melhor. E acredito que este outro mundo será possivel um dia.
[Leia outros Comentários de Nezimar Borges]
6/8/2009
19h10min
Os medos internos do homem criaram os deuses, e o nosso conhecimento irá destruí-los com o passar dos milênios. Muitos deuses já não existem mais na mente humana. Hoje são encontrados em livros de história e apelidados de mitos. Não vejo por que também não imprimir a capa de um livro novo de história e atualizá-lo com mais um mito. Ia ser um presentaço para humanidade e um troféu para a natureza.
[Leia outros Comentários de Dimas]
17/8/2009
04h31min
Acreditar que a vida é uma só impõe aceitar que após a morte iremos "não existir", assim como "não existimos" até o momento de nossa geração. O medo da inexistência pode ser parte do nosso instinto de sobrevivência, já que é evidente que "existir" é muito mais interessante, mesmo que mais incômodo. Algum espertalhão que, talvez há uns poucos milhares de anos atrás, ao perceber a ignorância de algum povo primitivo diante de um trovão, doença ou alguma outra desgraça, resolveu ameaçá-los com "boas novas" que requereriam enquadramentos obrigatórios, a fim de lucrar vantagens escusas que lhe convinham. Aos desenquadrados, a pena seria um destino pior ainda do que a inexistência eterna: o fogo e as nojeiras eternas do inferno... e essa história colou fácil, fácil... E foi transformada em tradição e virou "religião", cada povo com a sua verdade, angariou até mesmo pessoas de boa vontade. Que povinho... Prefiro também as evidências aos ideais. Não senti nenhum desconforto enquanto não...
[Leia outros Comentários de Evandro Santos]
17/8/2009
04h49min
(continuação) Não senti nenhum desconforto enquanto não existi, portanto, não crio ideias sobre o que deverei temer e, assim, ganho mais tempo para pensar em como me "recompensar" em vida mesmo.
[Leia outros Comentários de Evandro Santos]
19/5/2010
13h00min
O livro é bom, mas peca por querer transformar o ateísmo numa espécie de religião! E olha que eu sempre fui ateu, mas penso que a partir do momento em que um ateu defende de forma tão visceral a sua crença, ou melhor, a falta dela, o negócio fica meio esquisito. Como ateu, não me importo em convencer os outros da "inexistência" do divino. Me basta não acreditar.
[Leia outros Comentários de Roberto ]
25/5/2010
14h42min
Em resposta ao Roberto: Os argumentos dos chamados ateus "atuantes" não seguem as regras do proselitismo religioso. Não são a pregação de um credo, mas a negação de credos que interferem nas vidas de todos. Nenhum ateu é contra as pessoas que consideram o aborto um pecado; o problema é que as agremiações religiosas querem impor suas leis morais como leis para toda a sociedade. E invertem, através de argumentos falaciosos, a verdade dos fatos. Legalizar o aborto não obrigará ninguém a abortar. Apenas dará uma perspectiva para quem desejar fazê-lo com segurança. Liberar o casamento gay não obrigará ninguém a casar com pessoas do mesmo sexo. Faça quem quiser. O ateísmo não possui templos, não tem uma doutrina e não cobra dízimo; logo, não é religião. Agora, por não ser religião, não quer dizer que devemos nos calar e assistir ao crescimento das religiões, até o ponto em que comecem a nos queimar em suas fogueiras.
[Leia outros Comentários de Amâncio Siqueira]
27/9/2011
15h45min
Vocês não consideraram o outro lado da moeda, leiam "O Delírio de Dawkins" de Alister McGrath (Universidade de Oxford), Doutor em Biofísica. Nesse compêndio, Alister revela sua perplexidade pela guinada irracional de seu colega de Oxford, não tanto pelo ateísmo em si, mas pela absoluta inconsistência de seus argumentos, aliados à intolerância desmedida. A respeito do livro de Alister McGrath, declara Francis Collins (Diretor do Projeto Genoma): "Alister McGrath (Universidade de Oxford) analisa as conclusões do livro 'Deus, um delírio' e desmantela o argumento de que a ciência deve levar ao ateísmo. McGrath demonstra como Richard Dawkins abandonou sua usual racionalidade para abraçar o amargo e dogmático manifesto do ateísmo fundamentalista."
[Leia outros Comentários de Jr.]
27/9/2011
18h27min
Acho que Richard Dawkins sabe muita coisa relacionada a genética, o cara vem trabalhando em pesquisas cientificas Há décadas, mas em questões filosóficas, como essa, ele não pode ir muito longe. Seria muito pedir que ele se aproximasse do nível intelectual de Nietzsche, assim como seria muito pedir a Nietzsche para compreender a teoria neo-darwinista (pois esta pressupõe um conhecimento profundo de genética e química). Em todo caso, não me importo com a ingenuidade com que Dawkins trata o tema, pelo menos ele teve coragem, foi lá e fez, deu a cara pra bater, saiu da gaiola que se chama "Scientific Society". Só pela coragem em não ter medo do ridículo, em não ter medo de perder seus amigos de trabalho, só por isso, ele se coloca acima de muito geneticista descobridor de DNA.
[Leia outros Comentários de Noah]
29/12/2011
18h22min
Para religiosos, quase sempre dogmáticos, já que as religiões são sustentadas por dogmas, "ateu bom é ateu calado". Quer dizer, os religiosos podem nos vender seu Deus 24 horas por dia, enquanto os ateus, depois de terem sido torturados, censurados, queimados, estripados, enforcados, agora eles podem viver, mas desde que fiquem calados. Sobre Alister McGrath, Francis Collins, como também outros, eles só criticaram a obra de Dawkins, não ofereceram qualquer argumento que invalidasse o livro - o Deus, Um Delírio.
[Leia outros Comentários de Assis Utsch]
9/2/2012
15h34min
Estou lendo o livro de Dawkins e entendo que suas considerações são racionais, mas não está trazendo nada de novo, nenhuma revelação surpreendente, sinto que a importância de nossas discussões é compreender os aspectos de uma nova realidade desconhecida até então que podemos considerar como a outra face do universo, a existência do mundo mental, buscar entender que a principal liberdade é a liberdade de pensar, por isso não importa se criticamos ou acatamos, mas sim, como podemos aprender a pensar e assim evoluir como seres humanos.
[Leia outros Comentários de Marcos Faccio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EXECUTIVO E SUA FAMÍLIA: O SUCESSO DOS PAIS NÃO...
ICAMI TIBA
GENTE
(1998)
R$ 10,00



FLUSH MEMÓRIAS DE UM CÃO
VIRGINIA WOOLF
NOVA FRONTEIRA
(2003)
R$ 10,00



ORATÓRIA PARA ADVOGADOS E ESTUDANTES DE DIREITO
REINALDO POLITO
SARAIVA
(2016)
R$ 24,00



ODEIO REUNIÕES
STEPHEN BAKER
MELHORAMENTOS
(1995)
R$ 6,00



A ÚLTIMA GRANDE LIÇÃO
MITCH ALBOM
SEXTANTE
(1998)
R$ 12,00



O QUE É IDEOLOGIA (FILOSOFIA)
MARILENA CHAUÍ
ABRIL CULTURAL/BRASILIENSE
(1984)
R$ 7,00



O CONTRATO SOCIAL ONTEM E HOJE
PAULO J KRISCHKE
CORTEZ
(1993)
R$ 7,00



AMOR ALÉM DA VIDA
RICHARD MATHESON
BUTTERFLY
(2008)
R$ 11,90



ESTAÇÃO CARANDIRU
DRAUZIO VARELLA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 19,80



DAVE ROBERSON ( O ANDAR NO ESPIRITO O ANDAR NO PODER )
DAVE ROBERSON
AMD
(2008)
R$ 40,00
+ frete grátis





busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês