E Essa Violência Que Enternece? | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/8/2003
E Essa Violência Que Enternece?
Daniel Aurelio

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

De segunda a sábado, do instante em que "Repórter Cidadão" da Rede TV entra no ar, até o desfecho caótico-pastelão do "Programa do Ratinho" no SBT, somos surpreendidos pela síndrome da indignação controlada. Impossível resistir à tentação de soltar alguma pérola furibunda do sofá - e concordar plenamente com as opiniões cabotinas urradas pelos apresentadores (a fórmula é xerocada, portanto prefiro referir-me no genérico). Dentro da anomalia lógica dos "populares da telinha", o que mostram é nada menos que a "realidade como ela é", "sem mascaras", a ecoar, em suas barbaridades apocalípticas, o timbre sufocado da voz do povo. E, bem sabe o velho matuto, vox populi, vox dei.

O que os legitima é o próprio pânico que provocam via satélite. E nada além disso. A espécie humana tem um óbvio pavor da marginalidade, sobretudo da probabilidade de morte precoce que carregam. Não se sentir ilhado em suas neuroses civilizatórias é consolador pacas.

O âncora, quanto maior cólera expurgar em sua intervenção, age feito deus arrojado e destemido. Hábil e comunicativo, de expressões teatrais e permeado por um clima dramático, oferece conforto amórfico ao telespectador que vê em sua esfinge o heróico "fiscal da sociedade", de terno bem cortado e que faz valer a "verdade que eles insistem em ocultar". Resta saber quem "eles" são. De todo modo, é um delegado socialmente aceito e linha de frente do combate ao vírus da maldade.

Não duvido que esse refúgio de falácias seja um sentimento genuíno do popular. É um bocado leviano afirmar categoricamente que são meramente suscetíveis ao insuflo de um timoneiro, quais as pasmaceiras teóricas do "psicólogo das massas" Le Bon. É evidente que não vou fechar os olhos para a história e seus líderes populistas, de Antonio Conselheiro a Vargas. Porém, todos tiveram por mérito tornar em reação unívoca um rebuliço subjetivo que atacava, via mazela sócio-econômica em geral, o cidadão à flor da pele. Benito Mussolini, em frase lapidar, considerava que era mais fácil convencer as massas do que uma só pessoa. Resume.

O estopim há de ser aceso por um homem, uma confraria ou instituição e é natural que seja; porém estamos a comentar sobre o tabu da morte, do reconhecer-se matéria frágil e finita. Não foi por outra razão que se deu a "invenção" da filosofia, das religiões e da ciência. Exatamente as formas elementares do pensamento.

O anseio do indivíduo é superar o próprio fenecer. Quase que por instinto percebeu que a vida coletiva, minimamente organizada, lhe traria maior segurança. É a utopia da felicidade. Quem não quer encerrar o mal-estar que lhe pressiona? E essa marginalidade demonizada é desconfortável porque nos concede a certeza imediata de nossa vulnerabilidade. Isso não parece bom.

Portanto, a maestria desse jeito de se fazer televisão é extirpar o leão interiorizado do indivíduo e sugá-lo até o último dígito do ibope. Seus diretores, hipótese mui provável, não leram direito romano, embora se fiem na certeza de que a violência e a contravenção sejam inerentes à existência social. Nada os distingue, por exemplo, de uma consultoria de recolocação profissional. Confiam o sucesso de seus empreendimentos no naufrágio atemporal da política monetária. Sua fonte de renda é a ausência da fonte de renda alheia.

E é por isso que a violência consumada, lavada em sangue borbulhante, não me comove. Nem sob luzes baixas e soturnas dialogando com um vulcânico Beethoven de trilha sonora. É a secreção pulsante e asquerosa dos alertas, o hostil sugerido em vertigem factual. Quem já foi vítima de assalto sabe o que é a "realidade de fato", tanto que não raro entregam a vida ao divã de psicólogos e comprimidos psiquiátricos, receituário dos profissionais de cátedra e devoção. São inúmeras as nuances da relação criminoso e trabalhador - algo como o predador e a presa - impostos pela hierarquia pelo terror. De qualquer maneira, o poder judiciário instituiu-se e instruiu-se pela premissa hobbesiana: o ser humano é capaz de executar maldades quando estimulado. O mal, impossível de ser erradicado, indubitavelmente deve ser amenizado e circunscrito. Resta-nos saber como. E donde nasce.

Programa da Eliana, TV Record. O infantil que os especialistas apontam como o menos pior dentre os que usufruem daquela outrora inesgotável receita "apresentadora-modelo + desenhos da moda + merchandising de apoio" descoberta nos anos 80 e bombardeada ao longo dos 90 (sou por sinal filho desta geração). Existe a verídica preocupação dos produtores do programa estrelado pela loira dos "dedinhos" com aspectos técnicos do vídeo, tal como o material usado na elaboração dos desenhos animados (pertinente, após casos recorrentes de epilepsia provocado em crianças japonesas por reflexo de uma famosa animação) ainda que a qualidade do conteúdo apresentado seja secundária. Eliana, de longe, é mais articulada e menos vulgar que suas similares e tem em talento e traquejo com a garotada o que Xuxa possuía de carisma e biografia retroativa. Hoje, por ter tomado o reinado da periclitante e "eterna" rainha dos baixinhos, à deriva após romper com o oráculo Marlene Mattos, tem sido varejada pela crítica, o que é absolutamente normal dada sua visibilidade. E também porque não foge a regra de três do ofício: voz doce com discurso moralista, vendedora compulsiva de discos e produtos de sua marca e mediadora do famigerado duelo "meninos X meninas".

Dia 24 de julho de 2003, manhã de quinta-feira. Entre uma peraltice e outra de Chiquinho, seu assistente de palco, Eliana anuncia uma corrida de bebês (sim! Corrida de bebês!) Um caso típico de violência normativa e consentida. Explico.

Procure imaginar o cenário: um palhaço engraçado e bonachão ladeado por uma loira belíssima e...Tão doce. O espaço tomado por cores de verão, crianças a chacoalhar pompons e uma música fofinha (aliás, a força ficcional da melodia agindo nas quimeras da tela mereceria uma tese própria). No centro do palco, no colo de duas moças simpáticas, quiçá suas orgulhosas mamães, as estrelas da companhia. Duas pequeninas criaturas humanas, ainda incapazes de locomover-se como bípedes e sem o benefício da verbalização, "prontas" para o embate numa pista que bem poderia ser uma rinha. Recém chegados ao convívio social, no instante em que mais precisam de carinho e educação, são abatidos - meigamente abatidos - e postos em competição. Não tem noção do que fazem ali, tudo é tão novo e aguça seus olhinhos. Um sorri expansivo. O outro estranha um pouco. Uma cândida cena que mesmo o mais niilista dos críticos seria facilmente persuadido a aceitar por encantamento. Não tive estômago para continuar a assistir. Jamais saberei qual rebento triunfou.

Fixei-me no que transcorria por menos de dois minutos. Mas não pude deixar de lamentar pelos assistentes sociais, psicólogos, pedagogos e cidadãos realmente imbuídos pela construção da cidadania a partir da aurora da existência. E essa primeira infância - do nascimento aos 7 ou 8 anos de idade - é vital para a constituição do adulto que virá. E aqueles bebês, a despeito de estarem inclusos num mundo cuja história é dividida entre perdedores e vencedores, não começaram bem.

Paulo Freire, um quadro histórico do Partido dos Trabalhadores, foi o grande artífice de uma nova formatação da educação, que sempre fincou-se como um pavilhão das esquerdas. Porém, não creio que o desleixo de cultura seja mais um vício da Direita. Pelo contrário. Até porque a política adotada pelo partido da estrela solitária é de matiz liberal. É algo que envolve a eterna cisão do mundo em dois pólos antagônicos: direita e esquerda, masculino e feminino, bom e ruim. A matemática e a informática seguem uma ordenação binária, e estruturalistas como Levi-Strauss demonstravam essa dualidade em ritos e na própria constituição da idéia de pessoa. Talvez sejamos de fato regulados por isso, o que explica em tese o fascínio pela ostentação e o desejo de ter além das posses do vizinho.

Seria algo menos nocivo, contudo, se pudéssemos reconhecer-se passíveis perdas (as chamadas mortes psicológicas) e que ela tivesse uma outra significação que não fosse tão humilhante e irreversível. O homem poderia chorar e não camuflar a fragilidade para tarefas de ação e arrojo, obrigação cultural imposta ao gênero, e a mulher tomaria a frente das decisões com força propulsora impetuosa e sistemática. O que somente agora tem se insinuado, timidamente. Guia e iluminação comportamental das camadas mais humildes, a igreja católica ainda veta postos hierárquicos de liderança para mulheres e lhes cobra servidão e pudor. E isso, a curto ou médio prazo, ainda faz muita diferença no conjunto final.

Se acreditamos em alguém somente quando interage com o grupo e reconhecemos a relevância da formação transmissiva do conhecimento, porque ainda não se promoveu uma reformulação no jeito de educar-se a criança?

Pergunta inescapavelmente ingênua e diluída no ar junto aos seus fins. Terá o silêncio ou o deboche como resposta. Cairia eu, ao negar às cegas o presente, em contradição com juristas e antropólogos mais abalizados que demonstram o homem como uma espécie competitiva, dotado de logos e um voluptuoso instinto animal, e que não mede conseqüências pelo bem estar individual e, no máximo, de sua pequena célula de convivência. Enfim, cutucamos nosso próprio sofrimento. E ainda reclamamos depois. Fica meu lamento absorto, inconcluso, sensorial.

Vivemos de remédios parciais (veja o caso dos sindicatos e determinados movimentos sociais que discursam poéticos por um outro mundo possível, porém se satisfazem com meia dúzia de melhorias corporativistas), de ação e reação que precisam sobreviver irmanados no desatino, tal o noticiário policial em comunhão com o crime (cuja relação é de mutualismo puro). Mas nada justifica a crueldade subliminar, que nos entope de ternura na mesma medida em que limita as opções do agredido entre a norma e a lei. Daí fica difícil comprovarmos as teses, tanto egoístas (por não ser posta jamais em xeque), quantos altruístas (pré-julgada ineficaz e romantizada). É o velho conto da sereia de lábios carnudos e letais.E agora das tenras corridas de bebê.


Daniel Aurelio
São Paulo, 8/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
03. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
04. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/8/2003
14h48min
A sacralização da morte nos faz olhar com respeito medroso aqueles que transpõem seus umbrais. Ao passarem para lá já se nos afiguram vestidos com sua toga negra e ameaçadora de juíza implacável. Também por isto só se fala bem dos mortos. São nossos medos infantis que, por tabu e desleixo, nunca foram corrigidos e ainda nos assustam e gelam com suas sombras enormes. Os medos sagrados.Permanecemos crianças diante deles, casonunca os tenhamos encarado, tocado, avaliado, derubado alguns, jogado outros fora, separado deles o aproveitável. Criancinhas assustadas, os olhamos preocupados pelo canto dos olhos, enquanto disfarçadamente brincamos. Não os tendo encarado a valer, acrescentamos-lhes terror ao longo dos anos até que, enfim, sua amplitude nos inclua totalmente e não consigamos dar um passo sem pedir-lhes licença e perdão. Este é um dos dois ou três fundamentos dessas religiões evangélicas e impérios de comunicação que proliferam aqui. Fornecem às mentes infantis da platéia adulta uma maneira falsa, porém muito lucrativa, de lidar com as imensas,geladas e apavorantes sombras onde transcorrem suas existências. Aquele, desses, que agora foi-se, nos proporcionou constatar tristes realidades. Que esta sirva-lhe de epitáfio, entre outros: você pode esculhambar, vituperar, agredir e assaltar uma nação inteira, desde que mantenha guarda-costas suficientes e satisfeitos.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
18/8/2003
14h45min
Concordo com tudo o que o autor do artigo disse, mas acho que entre os executivos da televisão brasileira insistem nessas fórmulas bizarras de se fazer tv,porque eles tiveram a concessão de tv,e por isso, estão eternamente presos,tudo o que passa na tv, é aprovado pelos políticos, afinal de contas, quanto mais burro o povo (que não é), melhor para os políticos, a tv só irá melhorar no dia que a educação saltar de qualidade, ou seja, quando tivermos uma escola pública boa.Há outors motivos,os executivos tupiniquins são regidos pela lei do sadismo, deve dar um enorme prazer aos egos deles ver cenas tão degradantes, são como o Príncipe de Maquiavel com o selo do ISO por trás deles.Quem pode contra a maldade institucionalizada? Um,dia um operário se tornou presidente da república, só que era uma república das bananas...
[Leia outros Comentários de Fernanda Pires]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DISCURSO DO MÉTODO - REGRAS PARA A DIREÇÃO DO ESPÍRITO
RENÉ DESCARTES
MARTIN CLARET
(2007)
R$ 9,29



PACESETTER: PRE-INTERMEDIATE TEACHERS BOOK
LINDSAY WHITE, DEREK STRANGE E DIANE HALL
OXFORD
(2000)
R$ 26,28



DECAMERÃO
GIOVANNI BOCCACCIO
ABRIL
(1970)
R$ 4,80



TESTES DINÂMICOS DE FUNÇÃO ENDÓCRINA
JOSÉ ROBERTO ANTUNES E JOSÉ A. M. MARCONDES
LABORENS (SP)
R$ 17,28



SANGUE E ESPLENDOR - 692
DANIEL MYERSON
EDIOURO
(2003)
R$ 10,00



A CANÇÃO DE MUCÁRIO
JOSÉ MANUEL HELENO
LIVROS HORIZONTE
(1986)
R$ 17,60



VENTOS DE OYA
WAGNER PINTO
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
(2014)
R$ 20,00



AQUELA IDADE... EM QUE TUDO SE QUER SABER
CELSO ANTUNES
PAULUS
(2016)
R$ 22,90



UM CASO DE SEXO ESPECIAL...
D. M. PERKINS
NOVA ÉPOCA
R$ 12,00



REVISTA DO INSTITUTO HISTORICO E GEORAPHICO DE SÃO PAULO VOLUME X
INSTITUTO HISTORICO E GEORAPHICO DE SÃO PAULO
TYPOGRAPHIA DO DIARIO OFFICIAL
(1906)
R$ 140,07





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês