O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje | Alexandre Petillo | Digestivo Cultural

busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
>>> DAMA DE COPAS - O LIVRO É LANÇADO PELA SOUL EDITORA
>>> Novo livro do Padre Lício propõe reflexão para prevenção ao suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade
>>> Símbolos e Identidade Nacional
>>> Animismo
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
Mais Recentes
>>> Eles Continuam Entre Nós
>>> A Mente de Deus
>>> As Palavras do Buda
>>> A Professora
>>> A Professora
>>> O Silêncio Branco e outros contos
>>> O Processo
>>> Libertinagem / Estrela da Manhã
>>> Sartre em 90 minutos
>>> O pensamento vivo de Heitor Villa-Lobos
>>> O pensamento vivo de John Lennon
>>> O que é Cultura / O que é Indústria Cultural / O que é Semiótica
>>> Aphartheid / A República de Weimar
>>> O que é Linguística
>>> Drácula
>>> Teilhard, Sim ou Não
>>> Polêmica Sobre Teilhard de Chardin
>>> Itinerário do Cosmo ao Ômega
>>> O Homem no Mundo
>>> A ilha Perdida
>>> O Outro Lado da Ilha
>>> Os Barcos de Papel
>>> No Princípio
>>> Uma Palavra de Amor
>>> Warren Buffett - Lições do Maior de Todos os Investidores
>>> Velhinho Entalado Na Chamine
>>> Subliminar
>>> Sao Paulo Em Guerra 1924
>>> Reencarnação ou Ressurreição Uma Decisão de Fé
>>> Palácio da Meia-Noite
>>> O Rei das Palavras
>>> O Quinze
>>> O Labirinto dos Ossos - The 39 Clues - Vol.1
>>> O Céu Está Caindo
>>> O Ato Conjugal
>>> Nunca Deixe de Tentar
>>> Mentes Brilhantes Mentes Treinadas
>>> Ligando os 1000 Pontos Cidades
>>> Leis Secretas da Economia
>>> Honoráveis Bandidos Um Retrato do Brasil na Era Sarney
>>> Gente como a gente: Como Deus muda a vida de pessoas comuns
>>> Fundamentos dos Mercados Futuros e de Opções - sem Manual
>>> Filho do Fogo: O Descortinar da Alta Magia - Vol. 2
>>> Filho do Fogo: O Descortinar da Alta Magia - Vol. 1
>>> Feras Futebol Clube - Félix o Furacão - Vol. 2
>>> Fazer Amor: Como Fazer do Sexo Um Ato de Amor
>>> Falcão - Meninos do Tráfico
>>> Equilibrio e Resultado
>>> Eficiente e Elegante
>>> Domine seu iPhone
COLUNAS

Segunda-feira, 29/3/2004
O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Alexandre Petillo

+ de 5600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você escuta um estalo. Algo quebrou dentro do peito. Na tela grande, um close na boca gigantesca. A voz é conhecida, a música ainda mais. Marisa Monte entoa "Carinhoso", de Pixinguinha. Sim, é aquela, "meu coração/não sei por que...". É batida, já tocou milhares de vezes, mas não dá para evitar o nó na garganta e a taquicardia. A câmera só mostra a boca de Marisa durante quase toda a canção. Os olhos marejam. A voz de Marisa e o violão de Paulinho da Viola. Só.

E isso acontece lá pelo meio do filme. O coração já tinha ameaçado deixar o peito algumas vezes, mas você não está preparado. Nunca está. Meu Tempo é Hoje, documentário sobre a carreira e o cotidiano de Paulinho da Viola. É a intimidade de um astro tímido, as idiossincrasias de um gênio. É um dos mais belos filmes brasileiros já vistos e certamente o melhor filme de música produzido no Brasil.

Dirigido magistralmente por Izabel Jaguaribe - com roteiro e entrevistas de Zuenir Ventura - Meu Tempo é Hoje é poesia a cada polegada da película. Revela manias, joga sinuca, constrói alguma coisa em sua marcenaria, compra um livro raro. Coisas simples, prosaicas, mas que se transformam em poesia nas mãos de um homem que só sabe fazer bonito.

Paulinho atravessa a rua e entra em uma livraria. Lá, contente, recebe do livreiro o encomendado: o título do livro, "Saudade Brasileira". Paulinho se queixa: ele não sente saudade. Saudade e os efeitos do tempo são assuntos recorrentes no filme - assim como na obra musical de seu protagonista.

As teorias de Paulinho reinventam o tempo. Ele não sente saudades porque não vive no passado, mas sim o passado vive nele. "Meu tempo é hoje, vivo o agora", insiste Paulinho o tempo todo. Antes de tudo, é uma ode ao momento presente, à capacidade e à vontade que se deve ter em aprender a moldar, utilizar, viver o dia que se apresenta. Mas como seu chorinho, o filme de Paulinho não é melancólico. Passeia pela tristeza, pela alegria. É o mesmo homem que compôs "Sinal Fechado" e "Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida".

A leveza e a suave presença de Paulinho nos levam a um passeio pelo Rio, por histórias do samba, por telas maravilhosas de nossa música. Desse modo, transitamos da Barra da Tijuca ao bairro de Oswaldo Cruz. Passamos, de uma sessão refinada entre Marisa Monte e Raphael Rabello, para uma tarde rasgada, em Xerém, com Zeca Pagodinho, passando por uma peixada com samba com a Velha Guarda da Portela.

Os momentos, inclusive, que Paulinho passa com a Velha Guarda da Portela estão entre os mais emocionantes. Gênios da história da música popular brasileira, como Monarco, Argemiro do Patrocínio, Jair do Cavaquinho, entre outros, prestam reverência a Paulinho. Ele chega como um líder, como o escolhido. Mesmo sendo muito mais jovem, Paulinho é tratado como mestre entre os mestres. Quando cantam juntos, é de arrepiar. Monarco, inclusive, tem algumas das tiradas mais divertidas do filme, como quando explica que o samba afastou o amor da sua vida ("trabalhava na feira, depois ia beber e tocar, chegava em casa todos os dias depois das dez. Ela não aguentou") e da falta que faz a mulher no batuque ("samba sem mulher não tem graça. Vira só um bando de negão cantando").

Passam ainda pela tela, Sérgio Cabral, Marina Lima, Elton Medeiros, entre outros. Elton Medeiros faz milagres com uma caixinha de fósforo. Toca muito mais do que muitas bandas completas juntas. Meu Tempo é Hoje também relembra, em imagens preciosas, Pixinguinha, Cartola, Noel Rosa e Jacob do Bandolim.

A notória timidez de Paulinho é pouco notada. À vontade, ele nos apresenta a seus amigos de sinuca, a sua família. Fala de seus carros antigos que, ele mesmo, há de reformar. A pequena marcenaria é o xodó. A intimidade é tanta, que em alguns momentos você esquece que está no cinema e chega a se sentir na sala de estar de Paulinho. Você precisa se conter para não levantar a voz e fazer algum pergunta pra ele. É como se ele estivesse na sua frente. E está. Um exemplo vivo disso acontece quando, no aniversário de Paulinho, mulher e filhos estão sentados na sala, revelando manias esquisitas do homem. Como a vontade inesgotável de consertar tudo que encontra pela frente. É o gênio com jeito de homem comum.

A direção primorosa de Izabel comove. Ela capta as emoções instantâneas, os planos mais profundos. Mostra as cores do samba, as cores do Rio de Janeiro. O azul da Portela, o terno branco em silenciosa contraposição. Não há espaços vazios no filme.

"Só no cinema", como diz Zeca Pagodinho durante um samba na sua casa, em Xerém. Só no cinema. Cinema. Pelas mãos geniais de Paulinho da Viola, pela suavidade de seu ser, pela música espetacular, pela câmera de Izabel, Meu Tempo é Hoje é cinema, como não se vê há tempos. É cinema de verdade. Te faz sentir saudades, mesmo que Paulinho da Viola não aprove isso.

O melhor filme de música já feito em terras brasileiras.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no recém-inaugurado site Laboratório Pop. (Reproduzido aqui com a devida autorização do autor.)

Para ir além






Alexandre Petillo
São Paulo, 29/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
02. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
03. Na hora do batismo de Marta Barcellos
04. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
05. Uma entrevista literária de Marta Barcellos


Mais Alexandre Petillo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2004
09h35min
Parabens Alexandre, ótimo texto. Assisti o filme e realmente, na minha opinião, é "o melhor filme de música já feito em terras brasileiras".
[Leia outros Comentários de Anita Schwarzwalder]
7/4/2004
19h27min
Realmente é um dos melhores filmes que assisti nos últimos anos. Ainda não entendi pq não foi lançado em DVD, pois é certamente um filme para se ter em casa.
[Leia outros Comentários de Felipe Addor]
28/4/2004
09h56min
Adorei o filme e a sua matéria. E realmente concordo que deveria ter saído em DVD, gostaria de mostrar aos meus amigos e parentes toda essa maravilha que é o Paulinho da Viola.
[Leia outros Comentários de Lucimara Bispo]
14/5/2004
10h49min
Ainda não assisti o filme, mas depois de ler o texto do Petillo me identifiquei ainda mais com o estilo "Paulinho da Viola" e agora vou assistir e indicar a todos meus amigos. Parabéns pela matéria!!!
[Leia outros Comentários de André Luiz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EXECUTIVO E SUA FAMÍLIA: O SUCESSO DOS PAIS NÃO...
ICAMI TIBA
GENTE
(1998)
R$ 10,00



FLUSH MEMÓRIAS DE UM CÃO
VIRGINIA WOOLF
NOVA FRONTEIRA
(2003)
R$ 10,00



ORATÓRIA PARA ADVOGADOS E ESTUDANTES DE DIREITO
REINALDO POLITO
SARAIVA
(2016)
R$ 24,00



ODEIO REUNIÕES
STEPHEN BAKER
MELHORAMENTOS
(1995)
R$ 6,00



A ÚLTIMA GRANDE LIÇÃO
MITCH ALBOM
SEXTANTE
(1998)
R$ 12,00



O QUE É IDEOLOGIA (FILOSOFIA)
MARILENA CHAUÍ
ABRIL CULTURAL/BRASILIENSE
(1984)
R$ 7,00



O CONTRATO SOCIAL ONTEM E HOJE
PAULO J KRISCHKE
CORTEZ
(1993)
R$ 7,00



AMOR ALÉM DA VIDA
RICHARD MATHESON
BUTTERFLY
(2008)
R$ 11,90



ESTAÇÃO CARANDIRU
DRAUZIO VARELLA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 19,80



DAVE ROBERSON ( O ANDAR NO ESPIRITO O ANDAR NO PODER )
DAVE ROBERSON
AMD
(2008)
R$ 40,00
+ frete grátis





busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês