Como parecer culto | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
>>> COMÉDIA "LABORATÓRIO SEXUAL - FALANDO DE SEXO COM CARA DE PAU" ESTRÉIA NO TEATRO EUGÊNIO KUSNET
>>> Lançamento de revista trimestral impressa: Punãdo
>>> Dia 22 tem a festa
>>> Cia Fragmento de Dança convida para sessão de cinema e Festa no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Auto lá!
>>> Seu minuto, meu segundo
>>> A internet e os blogs
>>> Cleópatra, a rainha enigmática
>>> Sempre cabe mais um
>>> De fato e ficção
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
Mais Recentes
>>> Man Repeller (novo)
>>> Pedir Agradecer Admirar - As três orações essenciais
>>> Sobre formigas e cigarras
>>> 50 Regras de Ouro para Emagrecer
>>> O Castelo Interior
>>> Trilogia Completa A Seleçao
>>> A Escolha (da trilogia A Seleção)
>>> A Vida do Toxicômano
>>> O Livro que revela Deus Tao - te King
>>> Ela disse, Ele disse: o namoro - Nova Ortografia
>>> Hotel Atlântico
>>> Jung e Astrologia
>>> Breve História das Heresias
>>> Apócrifos. Os proscritos da Bíblia
>>> Meditação e Gnose - Como Desenvolver Tranquilidade e Sabedoria
>>> O Evangelho É a Força de Deus que Salva
>>> Arte como Terapia
>>> A Vida Eterna hoje;
>>> Qualidade e Produtividade nos Transportes
>>> O Homem e suas relações. Ciência humanas e experiências religiosas
>>> Sociologia da Religião
>>> Sociologia da Religião
>>> Testemunhas da Esperança
>>> O Cristo Místico de São João da Cruz
>>> Vinho novo em odres velhos. Sacramentos da Libertação
>>> História do Poder Legislativo no Brasil
>>> Por que não ser místico. Um convite irresistível para experimentar a presença de Deus
>>> O ministério da amizade
>>> A Religião e o desenvolvimento da ciência moderna
>>> Nascido a tempo. Vida de Paulo, o apóstolo
>>> Cristo minha vida
>>> PENSAR A FÉ teologicamente
>>> O Evangelho de Paulo
>>> Salmos Favoritos
>>> Paulo. Um documento ilustrado sobre a vida e os escritos de uma figura chave do cristianismo
>>> A Unidade Transcendente das Religiões
>>> Compreender Nietzsche
>>> A origem da obra de arte
>>> Harry Potter e a pedra filosofal -
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/11/2005
Como parecer culto
Marcelo Maroldi

+ de 17500 Acessos
+ 15 Comentário(s)

Atualmente, temos livros sobre praticamente qualquer assunto que se deseja ler. Há livros sobre as aranhas vermelhas do norte do Amazonas e sobre abduções extraterrestres de pessoas albinas, sobre gastronomia nas ilhas Faroe e sobre como conquistar garotas nas baladas GLS da Turquia. Absolutamente tudo tem um livro correspondente. Nos últimos anos, principalmente, tornaram-se comuns os livros for dummies ou "aprenda em 10 lições"... Os últimos que vi tratavam de ensinar como parecer culto, um intelectual, como se portar em museus, teatros, exposições, como conversar sobre literatura, sobre cinema e sobre artes plásticas e parecer que entende do assunto. Não, não é piada, leitor (e eu juro que gostaria que fosse). Você não precisa entender nada de literatura!, basta comprar o livro e fingir que entende. É uma fraude intelectual!

Antes de prosseguir, é importante dizer que estes livros não têm como proposta ensinar o básico do assunto, não é isso! Estes livros têm como objetivo apontar o que você precisa falar quando te perguntarem de literatura, por exemplo, se é que alguém te pergunta isso (aliás, se alguém te pergunta sobre este assunto, favor me apresentar tal pessoa). Por isso soa como piada! É quase um teatrinho: os autores mostram o que você precisa dizer e você não precisa estudar o assunto, basta repetir laconicamente o que te mandarem dizer. Minha crítica não é contra quem escreve e publica tais livros, eles têm, provavelmente, interesses econômicos. Agora, comprar um livro desse?, tenha santa paciência (aliás, expressões populares não devem constar no livro, elas não combinam com gente culta).

É difícil você encontrar alguém que admita ler tais livros, afinal, não é elegante ler tal literatura. O legal é você dizer que sabe tudo de literatura porque já leu muitos livros, lê revistas especializadas, participa de cursos, freqüenta uma biblioteca pública, e não porque comprou os "10 livros que você precisa saber falar quando te perguntarem de literatura". Entretanto, caso você conheça alguém que lê esses livros e o questionar, ele dirá, provavelmente: eu não tenho tempo para ler o que eu gostaria de ler. É claro que eu não irei discutir o assunto, cada um sabe o que fazer com o seu próprio tempo. Porém, acredito que quem lê um livro como este - e que, portanto, precisa ou deseja saber falar do assunto - deveria arrumar tempo para estudá-lo. Se a pessoa não arruma tempo para estudar o assunto, é porque não deve encará-lo como importante para sua vida. Ah, e se não o encara como importante, não deveria querer falar sobre ele e se importar com isso.

Tudo bem, tudo bem! A pessoa tem todo o direito de falar sobre filmes clássicos se quiser, mesmo que não saiba nada disso. E daí ele compra o livro. Mas, por que essa necessidade de parecer culto? Por que todo mundo atualmente tem que ser especialista em absolutamente tudo? Por que não posso dizer que não entendo nada de teatro russo, ou de cubismo? Isso vai radicalmente contra tudo o que vejo nessa minha vida. As pessoas estão cada vez mais estúpidas, fúteis e despreparadas, por que, então, devo me preocupar em me mostrar culto e discutir com elas? Por que todo mundo precisa ser culto? É muito raro encontrar pessoas intelectualizadas de fato, por que preciso ler teatro russo for dummies? Talvez, sendo assim, mostrar-me (mais) culto que elas parece demonstrar que sou melhor que as mesmas. Só isso. É quase uma competição e vence quem mostrar ser mais culto.

Dentre os assuntos que você precisa conhecer para não ser considerado um inculto (e para vencer essa competição bizarra), temos um interessante: filosofia, que está na moda. Hoje, proliferam-se cursos (não acadêmicos) de filosofia, livros de filosofia para leigos, artigos em jornais, revistas, etc. Antigamente, somente era necessário citar Marx para estar adequado. Agora, não! Se você não conhecer uma meia dúzia de filósofos, vai ter que apelar para os livros de auto-ajuda, como os supracitados. Colaboram para isso obras como O mundo de Sofia, a popularização (sic) do assunto, como o (péssimo) quadro "Ser ou não ser", do Fantástico e a presença de filósofos na televisão, como a Márcia Tiburi no Saia Justa. Embora a iniciativa seja louvável, filosofia não é algo que se aprende em poucos meses. Não é algo imediato e tampouco trivial. É necessário anos de dedicação debruçados sobre um mesmo autor para poder dizer que o conhece. Então, como é que as pessoas discutem filosofia? A moda entre a classe alta é discutir filosofia, e eu pergunto: qual?, o quê?, como assim? O sujeito assiste o Café Filosófico (TV Cultura) e sai dizendo que estuda filosofia? Um professor meu na Unicamp dizia que era preciso se dedicar 4 horas por página de obra filosófica para entendê-la. É claro, leitor, que ele estava brincando... 4 horas é muito pouco! A maioria das pessoas que conheço não lê 4 horas num semestre todo (incluindo a leitura das bulas de remédio e do horóscopo), como poderiam então conhecer e discutir este assunto em profundidade? Antigamente, a moda era dizer que se estudava crítica literária. A elite paulistana, por exemplo, enchia os cursos particulares sobre o assunto, pagando preços altos para ver nomes conhecidos lecionarem. Acho que a crítica literária ficou muito simples, todos já sabem tudo a seu respeito, e por isso partiram para a filosofia. Deve ser isso...

Outro assunto que você não poderá negligenciar é o cinema. Mas, não, não o Hollywoodiano. Tem que ser filmes de arte, aqueles que não passam na TV e nem na maioria dos cinemas comerciais. Cinema francês, ou Afegão, ou mesmo Bollywood já serve. O que não pode é não gostar de nenhum deles, desconhecer os nomes dos autores e diretores e odiar filmes "parados". Isso é uma falha irreparável!

Teatro, claro, é assunto indispensável. Mas não pode ser qualquer peça. Comédia, nem pensar. Precisa ver os clássicos, ou os de vanguarda, tão de vanguarda que quase não se entende nada. Aliás, esse é o ponto! Quanto menos inteligível, melhor é.

Na música, não se pode, jamais, dizer que se ouve pagode, axé ou sertanejo. Isso é inadmissível! É necessário gostar de MPB (por sorte, é um campo vasto demais para se complicar ao dar uma opinião), Bossa Nova e, se possível, música clássica. Seu Jorge, Los Hermanos e Lenine somam pontos também.

Sobre televisão, há 2 opções válidas: dizer que assiste (e então dizer o que assiste) ou dizer que não assiste, que também vale. Se decidir por dizer que assiste, tais (e somente estes) programas podem ser citados: Manhattan Connection, Roda Viva, Café Filosófico, Entrelinhas, [re]corte cultural, Conexão Roberto D'Ávila, Boulevard Brasil, Observatório da Imprensa, jornalismo em geral (preferencialmente CNN ou BBC).

É necessário, também, conhecer algumas pessoas e o que elas fazem ou falaram. Se você citá-los então, é perfeito! A minha lista tem: Diogo Mainardi, Olavo de Carvalho, Ferreira Gullar, Michel Melamed, Chico Buarque, 1 diretor de cinema, 1 diretor ou ator de teatro, 1 político de esquerda (PSOL, se possível), 1 filósofo qualquer, 1 poeta pouco conhecido, 1 artista plástico (vale parente ou vizinho), 1 teólogo qualquer (teologia da libertação não vale, está fora de moda), 1 jornalista que escreva para um grande jornal e 1 artista não reconhecido, mas "com muito talento" e que vai "estourar".

Na internet, você deve mencionar Le Monde e El Pais, Primeira Leitura e revistas similares, site do Canal Brasil, portais de cultura (literatura, música, etc) contidos nos grandes sites e alguns blogs de escritores, jornalistas. E você pode citar este Digestivo Cultural também, claro.

Uma outra característica que causa muita boa impressão é citações e comparações que pouca gente conhece. Por exemplo, dizer que um pensamento ou alguém é muito cartesiano (anticartesiano é melhor ainda!), ou que o behaviorismo radical é insustentável ou que a escola chilena de filosofia é muito interessante vai deixar a maioria das pessoas impressionada. Calma! Mesmo que você também não saiba o que seja isso, ninguém vai ousar te perguntar e demonstrar não sabê-lo, e em último caso, você diz que é um assunto muito denso para aquele momento e que vocês podem marcar um café qualquer dia desses (e, evidentemente, não marque!). A propósito, marcar de bebericar cafés em livrarias é algo típico da pessoa culta. Anote aí.

Se você fizer tudo isso vão te achar inteligentíssimo, creia-me. Para completar a fraude, meus amigos, falta só um detalhe: o seu perfil do Orkut! Sim, isso é muito importante. No seu perfil, você deve acrescentar todas as comunidades das personalidades acima e dos assuntos também. Comunidades como "Teatro Ucraniano moderno", "Bach" ou "Gothic Poetry" ajudam muito. Depois, peça a uns amigos seus (uns 3 ou 4) para escreverem depoimentos a seu respeito. Os depoimentos devem mencionar sua cultura vastíssima, suas viagens para o Egito e seus tempos de Universidade Pública, curso de teatro, aquele mico no Louvre ou namoro com personalidades. E, finalmente, o golpe final: sua autodescrição. Essa precisa ser matadora, como algo bem abstrato (um neosartreano em busca da consciência plena), romântico (procurando alguém pra dividir os sonhos) ou culto mesmo(gosto de Stravinsky e estudo Piaget...). É batata, pessoal! Se você for "solteiro", vai chover amigos querendo te conhecer melhor!

Isso sim é uma receita de fraude! Vão te achar culto! E eu nem cobrei nada por isso... Boa sorte!

Nota do Editor
Leia também "Sinais de Vulgaridade".

Até nunca mais por enquanto

Luis Antônio Giron nem parece um jornalista em seu último livro Até nunca mais por enquanto (Editora Record, 2004, 192 págs.). A literatura que ele faz impressiona por características que geralmente não são encontradas em jornalistas-escritores. Os seus 20 contos do livro são exemplos de que a literatura não tem limites quando feita por bons escritores como ele.

Em primeiro lugar, há de se destacar a ousadia do autor. Ele passeia confortavelmente por caminhos incomuns e quase sempre difíceis de se produzir. O texto é tão artificialmente construído que adquire mais significado do que de fato ele talvez o tenha. Os contos não deságuam em sonhos/pesadelos, como a contra-capa diz. São mais fortes que estes, são delírios, devaneios gratuitos, alucinações descabidas, absurdas, inconseqüentes. Sensacionais, porém.

Por vezes, o leitor se encontra no meio do conto e ainda não tem a mínima idéia do que está sendo dito. Embora seja possível extrair uma linha de pensamento comum a todos, cada conto se mostra inesperado e surpreendente ao longo das páginas. Muitas vezes, não é possível entender a cena, reconstruir o cenário do delírio do autor. Mesmo que se tente, algumas vezes a incoerência e o absurdo vencem a realidade, não tem jeito. E, ainda assim, é uma delícia. O absurdo é uma delícia. A linguagem, claro, acompanha o sonho. Em algumas partes, o texto flui tão rápido que nos deixamos seguir com ele, e o absurdo então cresce.

Entretanto, não é, certamente, um livro que agradará a todas as pessoas. É um livro que exige demais dos seus leitores. E sugiro lê-lo pouco a pouco, 1 ou 2 contos por dia. Assim, o texto pode ser melhor apreciado, a alucinação potencializada a cada página.

Para ir além






Marcelo Maroldi
São Carlos, 14/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/11/2005
21h05min
"...a presença de filósofos na televisão, como a Márcia Tiburi ...". O coitado do Sócrates deve estar chutando o caixão depois de ouvir isso. Claro que foi no sentido irônico. A melhor coisa que ouvi sobre filosofia foi o conselho do meu orientador de matemática alemão. Eu comentei com ele que estava querendo ler mais de Schopenhauer ou Deleuze só pare entender o que estas figurinhas fáceis na boca de alguns amigos cultos queriam dizer. Aí ele me disse: "se você preza sua sanidade e felicidade fique longe destas coisas. Especialmente os alemães". Como dizia Safrão: "Filosofus est tomo desperatae". Hoje em dia todo mundo quer é ser alguma coisa, menos si mesmo. Não entendo ainda a mentalidade de quem fica lendo coisas para mostrar aos outros. Será que é divertido isso? Deprimente...
[Leia outros Comentários de Ram]
11/11/2005
21h24min
Não tenho palavras. Foi seu melhor artigo. Só isso pra você: "clap, clap, clap".
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
14/11/2005
06h31min
Marcelo, Marcelo, estou rindo até agora. Você extravazou seu mau humor e o lucro foi nosso. Disse, por nós, o que não tivemos a oportunidade de dizer. Pergunta-se: por que querer parecer culto? Necessidade de afirmação. Insegurança. Desejo de se julgar "melhor" do que os outros. E mais alguma coisa...
[Leia outros Comentários de Claire]
14/11/2005
18h30min
Nada disso é novidade... pelos menos por aqui na Zona Sul do Rio de Janeiro – que tende a ter coisas ainda bem piores. Pois além disso é preciso se vestir como cult/intelectual. Não há problema algum correr atrás do conhecimento quando percebe que não saiba de algo, muito pelo contrário – é ótimo. Mas estudar para pesquisar – para saber e com isso poder trocar com outras pessoas que saibam do assunto. Na verdade o que eu vejo hoje é uma sídrome do intelectual/cult – própria do momento que vivemos – a mente mediana – o conhecimento superficial em prol do status intelectus. Por outro lado não existe nada mais gostoso que dizer: desculpe – eu não tenho conhecimento muito sobre esse assunto... Vc não precisa saber de tudo nem ser obrigado a isso. Saiba que inteligente não é somente conhecimento e sim o uso dele. Belo ponto de vista, estamos na era da banalidade – inclusive do conhecimento.
[Leia outros Comentários de Felipe Boclin]
17/11/2005
22h39min
E viva a cultura em tempos de globalização! No último festival de cinema que teve aqui no RJ, depois de assistir ao terceiro filme e não entender pooooooorra nenhuma, perguntei ao meu querido amigo cinéfilo que me acompanhava: esse filme, é pra gente gostar? Por isso é que as minhas comunidades do ORKUT vão da "eu já prendi a manga na maçaneta" a "eu amo grapette diet". No meio tem lá uma Clarice, um Fernando Pessoa, um Calvin, só pra não dizer que não falei das flores. Ah, e sem contar que dizem por aí que todo intelectual é meio broxa...
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
18/11/2005
10h01min
Genial, Marcelo! Voce sintetizou toda uma fauna em um artigo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Marilia Franco]
18/11/2005
15h34min
não entendi a preocupação. nem os aplausos. qual o problema de pessoas tentarem passar pelo que não são? quem tem autoridade para dizer que determinada coisa é ruim o boa? voce acha que esta certo. cada um acha que está certo também, e não está errado, pois está certo dentro da sua verdade. por que a irritação? não é acaso a vida um peso com variações determinadas por circunstâncias havidas em face de história prévia e herança genética? vai tirar o barato do sujeito que se sente melhor pensando-se sábio, culto ou algo que o valha? essa preocupação de vocês denota uma infração corespondente à que estão acusando. parem de encher o saco do pessoal, é desgradável para quem está tentando fazer valer uma tola existência, e pior para quem critica, pois, ao mesmo tempo em que não está respeitando limitações de uns pobres coitados, revela uma preocupação demasiada por algo que não conta. leiam, instruam-se, se quiserem, mas respeitem as opções de quem não tem opções. abraços a todos!
[Leia outros Comentários de carl]
18/11/2005
21h09min
Divertidíssimo o texto. Interessante é encontrar pessoas assim e, no primeiro espetáculo que pintar, descobrir que o pseudo "cult" (um rótulo tão sem graça quanto "pagodeiro") deu uma escapada a diversões mais mundanas. Ah! Vale lembrar que a pessoa não deve ter porte físico "bombado", porque isto é anti-cult. Tem que ser magérrimo, usar umas roupas "afrancesadas" e uma máscara melancólica ou ensimesmada. Se tiver jeitos delicados e detalhistas (efeminados), muito melhor. Afinal, homens são todos bárbaros, sem refinamentos para "sentir" as profundas emanações de energia das Quatro Estações de Vivaldi (para citar algo mais conhecido). Nem é de se lamentar tal comportamento. Rende umas boas gargalhadas. São modismos e, como todos, passam. Aprofundar-se nas belezas, vícios e abismos do ser humano ou no "sentido" disto tudo (tema das obras que valem a pena), é tarefa árdua – e elistista. Democracia, da maneira como é entedida, combina mais com prateleira de supermercado.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
25/11/2005
01h39min
Humor acima de tudo... Gosto disso... Adorei as dicas das fraudes... Ainda tudo de graça. Obrigada, Patricia R. Lara
[Leia outros Comentários de Patricia Rosa Lara]
6/12/2005
03h20min
Marcelo, acho que voce tem razão na maior parte das coisas que escreveu. Eu levei um ano inteiro pra entender Comte, e outro pra entender Nietzsche. Mas minha capacidade para assimilar todas aquelas dicas de fraude é limitada. Eu leio filosofia porque gosto, talvez seja um desvio de personalidade, sei lá. Claro que não conheço nem um terço daquele monte de programas, shows, peças, ou filósofos que voce citou. Muito menos autores, diretores e afins. Simplesmente gosto de filosofia. Achei meio precoceituoso voce colocar todos na mesma panela.
Todos merecem respeito.
[Leia outros Comentários de Jo]
10/2/2006
10h43min
Super legal o texto, bem humorado e verdadeiro! Concordo em gênero, número e grau! Estou de saco cheio das caras feias que os "intelectuais" fazem quando inocentemente digo que nunca li Nietzsche, que não sou expert nos assuntos relacionados a filosofia, enfim. Me sentia uma extra terrestre em meio a tantos cérebros extraordinários e pensantes!!! Parabéns pelo texto, adorei!
[Leia outros Comentários de Ana Carolina Moreira]
4/3/2008
14h56min
Quanto aos livros "para dummies", creio que vc precisava se informar melhor sobre eles. Há nessa série muitos livros bons, que se propõe, SIM, a ensinar o básico sobre o assunto. Apesar disso, você escreve bem. Abraço.
[Leia outros Comentários de Guilherme ]
9/10/2008
15h02min
Ah! acordei agora! Onde estou? Na Terra ou em algum outro planeta da galaxia? Na internet da Terra é difícil encontar um texto tão coeso como este. Parabéns, cara! Demais! clap, clap, clap!!!!!!!
[Leia outros Comentários de E. Land]
20/6/2011
01h14min
Nota interessante e relevante acerca do tema do artigo. Porém não vejo mal algum em desejar conhecer filosfia, literatura, música e teatro. Não é nessessário ficar 4 horas por dia lendo uma página filosófica, a não ser que se tenha muito tempo disponível para fazê-lo. Esse texto faz uma crítica correta aos que buscam falsamente o ápice intelectual, porém gera um entrave investigatório e curioso de jovens que amam o conhecimento. Parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de Alexandre alves trin]
17/7/2011
13h58min
Acho que nessa moda esqueceram do principal: arte foi feita para ser prazeirosa e transcender a vida, fazer pensar. Quando vemos/lemos algo que gostamos naturalmente vamos querer conversar sobre o assunto. E encontrar alguém que conheça aquilo e compartilhe interesses ou traga novas opiniões/sugestões é sublime. Já ter que aguentar alguém que palpite de tudo fazendo pose é horrivel! O nome disso é pedantismo. Do meu lado sigo lendo meus livrinhos devagar e sempre e torcendo para vez ou outra encontrar algum maluco para trocar uma idéia. Um abraço. Ps.: Sou Behaviorista Radical, e ele tem bastante sustentação. :)
[Leia outros Comentários de Marcela Ortolan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A DANÇA DA LIBERTAÇÃO
CLAUDIA CENCI
VITÓRIA RÉGIA
(2001)
R$ 19,90



ALFONSO SASTRE - CUATRO DRAMAS CLASSICOS (TEATRO ESPANHOL)
ALFONSO SASTRE
EDICIONES ALARCOS
(2008)
R$ 15,00



PERDIDO EM MARTE
ANDY WEIR
ARQUEIRO
(2014)
R$ 22,00



A CARTILHA DA NOVA MÃE
JOSÉ ANGELO GAIARSA
AGORA
(2003)
R$ 20,00



PLANEJAMENTO COM PERT-CPM E ANÁLISE DO DESEMPENHO
HENRIQUE HIRSCHFELD
ATLAS
(1974)
R$ 10,00



A VIDA PRÉ-HISTÓRICA O HOMEM FÓSSIL ED. ESPECIAL - COL. PRISMA
JOSUÉ C MENDES E MICHAEL H DAY
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 20,00



O FENÔMENO HUMANO
CHARDIN, TEILHARD DE
CULTRIX
(1995)
R$ 27,00



NOVO GLOSSÁRIO DE INFORMÁTICA
CONRADO F. CAMPOS
CIÊNCIA MODERNA
(1995)
R$ 21,80



NOVO TESTAMENTO-COMENTÁRIO E MENSAGEM- II CORINTIOS
KARL HERMAN SCHELKLE
VOZES
(1967)
R$ 13,50



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês