Quase uma Tragédia Grega | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
>>> Repensar as Familias de Fiona Williams pela Principia (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/12/2004
Quase uma Tragédia Grega
Andréa Trompczynski

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em uma revista de cinema, o entrevistador perguntou a Cameron Diaz se havia alguma coisa que ela gostaria muito de saber. "O que E=mc² realmente significa", respondeu ela. O entrevistador riu, ela resmungou que estava falando sério e a entrevista terminou. Nós, leigos, fingimos que entendemos a equação e nem mesmo instruções em primeira mão ajudam, conta Chaim Weizmann, que fez uma longa travessia pelo Atlântico com Einstein em 1921: "Ele me explicava sua teoria todos os dias e logo tive a impressão de que ele a entendia". Quem preparou o caminho para que Einstein chegasse ao mais brilhante insight (o segundo mais brilhante, por coincidência, é dele também) de muitos séculos, ou, talvez, descobriremos um dia, da história da humanidade?

David Bodanis, em E=mc² -Uma biografia da equação que mudou o mundo e o que ela significa, deixa de lado os foguetes, lanternas e diagramas incríveis e conta a história da equação desde seu nascimento, seus antepassados: homens e mulheres apaixonados por física, química e matemática. Guerras de egos, roubos de idéias e -uma constante- o total desprezo de acadêmicos consagrados pelas idéias originais de amadores. A história toda acaba por se tornar mais prazerosa do que tentar entender os meandros da genial mente de Albert, e o "como funciona" da famosa equação deixo para o dia em que eu verdadeiramente entendê-la.

Einstein não era um aprendiz humilde e exemplar. Questionava a autoridade de professores, contava piadas nas aulas, isto, quando estava presente. Há aquela famosa profecia do seu professor de gramática grega do curso secundário: "O senhor nunca chegará a ser alguém na vida" (anos depois, a irmã de Albert, Maja, comenta ironicamente que ele realmente nunca foi "alguém" mesmo, pois nunca foi mestre em gramática grega). Quando a equação nasceu, Albert cumpria expediente no escritório de patentes em Berna, na Suíça, um emprego arranjado pelo amigo Marcel Grossman -as referências do gênio eram péssimas. As horas trabalhavam contra ele e, quando saía, a única biblioteca de ciências da cidade estava fechada, nem sequer podia se manter em dia com as últimas descobertas (o que foi sua grande sorte, assim como John Forbes Nash Jr., Nobel de Economia, que se manteve longe do pensamento acadêmico tanto quanto do "da moda", sempre em busca da tal "idéia original", fato que havia acontecido no passado com Michael Faraday). Em minutos livres, rabiscava nas folhas que guardava em seu departamento de física teórica as idéias que tinha -o "departamento de física teórica" era como ele chamava uma pequena gaveta de sua mesa, fechada a maior parte do tempo.

O Nascimento de E=mc²
Numa das longas caminhadas que Albert fazia com o amigo Michele Besso, nas quais normalmente tagarelavam sobre música e a rotina do escritório, na primavera de 1905, Besso percebeu que o amigo estava inquieto. Einstein sentia que muitas coisas em que pensara nos últimos meses estavam finalmente fazendo sentido. Estava muito perto de entender, a excitação mental era enorme naquela noite. No dia seguinte, compreendeu. E=mc² tinha chegado ao mundo.

Quem esteve por trás disso tudo antes da chegada de Einstein
Michael Faraday vivia na Londres de 1810 e trabalhava como encadernador para fugir da pobreza de filho de ferreiro que era. O emprego tinha uma vantagem, nas palavras dele: "Havia muitos livros lá, e eu os li". Quando estava com vinte anos, um visitante da oficina ofereceu a ele ingressos para uma série de palestras na Instituição Real. Ouvindo Sir Humphry Davy falando sobre eletricidade e energias estranhas, imaginou uma vida melhor que aquela da oficina. Sem a mais remota possibilidade de entrar em Oxford ou Cambridge, pela pobreza extrema, pensou que poderia usar aquilo que sabia fazer muito bem: encadernar um livro. Redigiu por extenso as notas sobre a palestra de Davy, acrescentou desenhos de seu aparelho de demonstração, pegou seu couro, sovelas e ferramentas de entalhar e os encadernou em um livro extraordinário, que enviou a Sir Humphry Davy. Que, claro, quis conhecê-lo e contratou-o como assistente de laboratório.

Faraday fazia parte de uma seita cristã, os Sandemanistas, que acreditavam em uma relação circular divina. Assim: os seres humanos seriam sagrados e deviam obrigações uns para com os outros, eu ajudarei você e você ajudará o próximo e o próximo ajudará outro ainda, e assim por diante até que se complete o círculo. Seu conhecimento formal era limitado e enquanto os acadêmicos pensavam em linhas retas para explicar a relação entre magnetismo e eletricidade, ele via círculos rodopiando em torno dos imãs. Foi a descoberta do século, a base do motor elétrico. A unificação da Energia. Quando o fio foi arrastado circulando pelo imã, o cunhado de Faraday, George Barnard, contou que nunca pôde esquecer o olhar dele e suas palavras: "Você vê, você vê, você vê, George?". Os diferentes tipos de energia estavam vinculados, eletricidade e magnetismo, pela mente de um filho de ferreiro de vinte e nove anos. Então, Sir Humphry Davy o acusou de roubar a idéia em denúncias públicas de plágio, que fizeram Faraday enclausurar-se e somente voltar a trabalhar publicamente depois da morte de Davy.

Antoine Laurent Lavoisier era um contador. Trabalhava numa empresa de arrecadação de impostos. Durante uma ou duas horas pela manhã e apenas um dia inteiro por semana (que ele chamava de jour de bonheur, "dia de felicidade") ele trabalhava em sua ciência. Com a ajuda de sua noiva, ele desejava investigar como se comportava um pedaço de metal a queimar ou enferrujar. Queria descobrir se pesava mais ou menos do que antes. (David Bodanis pergunta antes de dizer o resultado o que você, leitor, acha? Um pedaço de ferro-velho pesará: mais; menos; o mesmo? Estamos tão preocupados com as coisas, aquele relacionamento amoroso fracassado, a velocidade de nossa internet, sapatos, o preço da gasolina ou o abdômen que esquecemos os joguinhos de ciência da infância, foi a minha conclusão ao perceber que eu não sabia). Mediram o ar perdido, o metal mutilado, e sempre, o mesmo resultado. Pesava mais. Descobriu que o oxigênio não havia sido queimado e desaparecido para sempre, havia aderido ao metal a mesma quantidade de peso que o ar havia perdido. Foi uma descoberta do mesmo nível da de Faraday, graças à seus dons contábeis, que logo também o matariam.

Jean-Paul Marat havia inventado um aparelho para exame por infravermelho, apresentou-o a Lavoisier, que o rejeitou e convenceu a Academia a fazer o mesmo. Achava que os padrões de calor não poderiam ser medidos da maneira como o médico estava proclamando que fazia. Marat amargou anos de miséria por culpa desta rejeição. Lavoisier continuava sua carreira, tanto na Academia quanto na arrecadação de impostos e teve a idéia de reconstruir um muro ao redor de Paris -havia existido um semelhante em tempos medievais- para que os cidadãos pagassem um pedágio, resultando numa maior arrecadação. O povo odiava o tal muro. Quando a Revolução Francesa começou, Marat fez questão de denunciar e lembrar e relembrar quem o construiu ao povo inflamado pela revolução, usando seu maravilhoso poder de oratória para isso. Vingou-se com todo o ódio que acumulou do homem que tinha a pele bonita dos saudáveis enquanto ele possuía a tez marcada pelas inúmeras doenças da pobreza. Lavoisier morreu na guilhotina em 1794.

Tragédia Grega
Há tantas histórias mais: de Lise Meitner que teve o estudo da fissão nuclear roubada pelo ex-amante Otto Hahn; Ole Roemer, jovem astrônomo que não conseguiu convencer o orgulhoso mestre Cassini e a Academia de que a luz não era instantânea; Marie Curie que morre de câncer por tanto estudar a radiação; e, até mesmo Albert Einstein que teve a equação brilhante quase totalmente ignorada porque não se ajustava, na época, ao que os outros cientistas estavam fazendo.

Uma história de vaidades humanas e paixões que fez os maiores avanços científicos de nossa época. Úrsula Iguarán em Cem Anos de Solidão, repetia sempre que sentia a qualidade do tempo mudar, envelhecia e via os dias ficarem mais curtos e as crianças crescerem mais rápido. Eu envelheço e vejo que a qualidade das pessoas mudou. Como tinham paixão! Hoje, vê-se que os tais jovens brilhantes querem fazer faculdade e ser alguém. Ah, querem tanto ser alguém! Nossas capacidades contábeis ainda hão de nos matar como a Lavoisier -sem o glamour da guilhotina. Este livro deu-me mais perguntas do que respostas. Quando o terminei, Albert Einstein (que odiava o esnobismo de Princeton e os amigos ouviam-no sempre dizer: "esta vila de semi-deuses insignificantes em pernas de pau") pairava acima da humanidade, com aquele olhar de indulgência com a desgraça e beleza da natureza humana que fez-me levantar os olhos do livro com um meio sorriso e pensar: "gênio, gênio...".

Vila de semi-deuses insignificantes em pernas de pau.

Gênio, gênio...

Saudosismo
Não se fazem mais jovens com idéias originais como antigamente. Hoje, emburrecemos. Um amigo convidou-me para um convescote artístico-social em Curitiba. "Haverá muitos artistas", disse ele, "poetas e escritores". Não, não, impossível. Poetas e escritores não, com aqueles óculos quadradinhos e olhar de poeta-e-escritor. Não me venham com intelectuais, por favor. Estou cansada deles, são tão intelectuais e citam tantos nomes e títulos impressionantes que minha cabeça dói. Farei um dia uma Caras só para intelectuais. Talvez se chame Letras e eles poderão mostrar a sua biblioteca-de-impressionar-mocinhas-que-me-acham-genial em página dupla e colorida. Poses pensando no sofá e lendo Goethe. Olhar perdido na janela fumando um charuto, meio Fernando Morais. Será um sucesso editorial! Eles precisam do mesmo espaço hoje em dia de uma modelo-e-atriz. É, queiram ou não ser poeta-e-escritor hoje é exatamente igual ao modelo-e-ator de alguns anos atrás. E, desgraça das desgraças, os verdadeiros poetas e verdadeiros escritores serão chamados de Monstros Sagrados da Literatura, como acontecia com os verdadeiros atores, e pelo Faustão.

Mundo dividido
Há, sim, uma conspiração. Contra os fumantes. Se você é fumante, tome cuidado com eles. Apesar de, por vários motivos, eu ter diminuído meus amados cigarros para o baixo número de cinco por dia, ainda considero-me fumante. O médico não-fumante disse-me horrores sobre o cigarro, de cima de seu bronzeado de quem caminha de manhã e tem ótima capacidade pulmonar. Já o Dr. Orlando, fumante sobrevivente de infartos, tossindo disse que minha falta de ar era por causa do pêlo do gato. Quando estava voltando para o Brasil, há uns três meses, um senhor estava fumando no banheiro do avião para Toronto. Foi um horror, só faltaram prender o pobre velhinho, a aeromoça e os passageiros não-fumantes olhavam para ele como a um criminoso. A esposa dele explicava aos comissários de bordo que não poderia ser ele quem fumou no banheiro (mas foi, pelo olhar de culpa e vergonha) pois havia parado há um mês. Umas três pessoas se entreolharam, eu inclusive, solidários com o velhinho em sua mentira e cigarros escondidos da mulher, mas em completo silêncio. Corríamos o risco de ser linchados e silenciosamente negamos três vezes nossos cigarros, comentando com quem estava ao lado: "oh... that´s so terrible". Somos uma sociedade secreta.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 20/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2004
01. Um conselho: não leia Germinal - 8/11/2004
02. Gênios e seus Amores Loucos - 26/7/2004
03. Em defesa da Crítica - 25/10/2004
04. Escrever para não morrer - 3/5/2004
05. Um Elogio à Loucura - 31/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/12/2004
01h33min
Viva a mediocridade! Viva os ladrões de projetos! Viva o apelo ao acadêmico/tradicional/familiar e vamos enforcar todos os loucos. Sim, vamos abolir as idéias absurdas, vamos abominar a gratuidade da possibilidade de um gênio. Vamos sufocar o que há de humano em nós, em nome de algo maior: a sociedade, ou o socialmente aceitável. Mas, me desculpe, estou sendo panfletário, chato, arrogante. É que gostaria simplesmente de estar em minha sala tomando chá, comendo bolachinhas, cercado de impersonalidades. Tudo isso me cansa e eu não consigo me livrar disso, da humanidade. É meu vício olhar para eles, olhar para mim. Entristeço. Então acendo um cigarro e os reclames de TV falam da vida saudável. Ora, ora... viva os comerciais de margarina!!! Mas quem vai me enganar? Todo o talento dos publicitários é absurdamente inútil. Mas estou digitando tanta coisa e não estou dizendo nada... onde chegar? Cinismo ou esperança? Ah... as crianças não se importam... pelo menos, parecem não se importar. O que eu queria mesmo é retornar a um estágio em que uma ignorância sublime tomasse meu ser e eu fosse conduzido pelas mãos de um ser benevolente (mesmo uma imagem assim já foi rechaçada em/por minhas convicções). Olha, Andréa, no fim, devo dizer que eu queria mesmo é ter uma idéia original de mundo. Queria que não fosse algo amargo. Mas é. Amargo e nada original. Lamento... E a vida deve seguir (vida ou subvida?), devo eu cuidar de tirar a poeira de meus 5000 livros amargos e que gritam histericamente "Use-me, use-me e obterá sucesso!". Bom, adeus por ora!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
27/12/2004
14h49min
Triste esse lance de uma porção da humanidade ficar batendo nessa tecla pusilânime do "politicamente correto". Tudo é proibido, nada é permitido. Abandono a vida para ela não me abandonar. Mas a vida que eu abandono é essa onde um Big Brother maquiavélico disfarçado de ser humano, cuja pretensão de levar aos quatro cantos do mundo seu discurso reacionário só encontra similar na hedionda limpeza étnica de Saddans Husseins e Slobodans Milosevics. Tudo está errado, então corrija. Tudo é vegetariano, adeus carne vermelha. Tudo é mente limpa, corpo idem, adeus “alcohol and cigarrettes”. Tudo é ler o último guru oriental, adeus literatura. Tudo é new age music, adeus rock, punk rock, jazz e blues. Tudo está desesperadamente perdido. A história de mentes inteligentes e da própria literatura não se escreve com letras de forma politicamente correta. Toda a literatura já é, em si, uma contravenção. Não poderia ser diferente.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A VERDADE SOBRE PELÉ
ADRIANO NEIVA
LITHOGRAPHICA YPIRANGA
(1976)
R$ 3.000,00



GRANDE AMOR - UM OBJETIVO DE VIDA
LAMA MICHEL RINPOCHE; BEL CESAR
GAIA
(2016)
R$ 25,00



EXODONCIA
A. BERGER
LABOR
(1934)
R$ 13,84



MAHA GITA PURUSHAM DO BEM AVENTURADO
SRI MAHA KRISHNAS SWAMI
SMKS
R$ 25,00



TEORIA ELEMENTAR DAS CHARNEIRAS PLASTICAS 1
TELEMACO VAN LANGENDONCK
A. B. C. D
(1970)
R$ 130,00



A VIDA É UMA FÁBULA
JEAN DIDIER VINCENT
TEMAS E DEBATES
(1999)
R$ 17,19



VIAJE AL ESPAÑOL VOL. 2 - LIBRO DEL ALUNO
UNIVERSIDAD DE SALAMANCA
SANTILLANA
(1997)
R$ 25,00



DOUTRINA E PRÁTICA DO ARRESTO OU EMBARGO
OVÍDIO A. BAPTISTA DA SILVA
FORENSE
(1976)
R$ 15,00



O GRANDE PRESENTE DE NATAL
PE. RODRIGO HURTADO
LEGIONÁRIOS DE CRISTO
(2013)
R$ 6,50



MINHAS ORAÇÕES
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(2003)
R$ 9,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês