Sob o sol da crítica | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Nesta quinta-feira, consumidores da capital poderão adquirir milhares de produtos com descontos
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
>>> Mídia em Foco debate as novas perspectivas do mercado da música
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
>>> Links & Links
>>> A suprema nostalgia
>>> O mundo aos olhos de um pescador
>>> A vingança dos certinhos
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
Mais Recentes
>>> Depressão!?!?!
>>> Viagem
>>> Matadouro 5
>>> Infância
>>> Memórias do Cárcere - 02 vols.
>>> O diário de
>>> Philobiblon
>>> Alexandre e outros heróis
>>> Insônia
>>> Vidas Secas
>>> Viventes das Alagoas
>>> Unidos Para Sempre
>>> Textos Clássicos de Português Contemporâneo
>>> Debates Sociais 63/64 Desafios - Araxás 30 Anos Depois
>>> Mandado de segurança - Técnica Processual - VOl. 3
>>> Análise Económica e Financeira de Projectos
>>> Cravo e Canela
>>> Luxúria
>>> Echos de Paris
>>> Tijolo de Segurança
>>> Amar, Verbo Intransitivo
>>> O Continente- Tomo 1
>>> Sebastiana Quebra-Galho
>>> As Origens da Cabala
>>> O Simbolo Secreto
>>> O Simbolo Secreto
>>> Deus Não Está Morto
>>> Die Botschaft der Nahrung
>>> Asterix e os Normandos
>>> Asterix na Hispania
>>> Rio Bossa Nova
>>> 1001 Livros Para Ler Antes de Morrer
>>> Dom Quixote
>>> Casa-grande & senzala
>>> Os Clássicos da Política 2
>>> Os Clássicos da Política 1
>>> Aprender a Viver
>>> Os devaneios do caminhante solitário
>>> Olga
>>> Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem
>>> Obras
>>> Prepare-se para Enriquecer
>>> O Deus presente
>>> A Velhinha de Taubaté
>>> Meninos Sem Pátria
>>> Elite Intelectual e Debate Político nos Anos 30
>>> Didática
>>> Psicomotricidade seu objeto, seu espaço, seu tempo
>>> Vestido de Noiva
>>> Didática do Nível Pré-Silábico - Didática da Alfabetização - Vol. 1
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Segunda-feira, 12/6/2006
Sob o sol da crítica
Eduardo Mineo

+ de 4300 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Eu sei que se eu falar que gostei do filme Sob o sol da Toscana vocês vão cuspir café em seus monitores e resmungar alguma coisa sobre minha calvície, mas, poxa, o filme é legalzinho.

Sim, sim. E não se deixem enganar pela sinopse. Ela deprime com tanta força que sempre vejo gente na Blockbuster segurando este filme junto ao peito, olhando para cima e tentando pateticamente conter as lágrimas. Às vezes, a emoção é tanta que gritam "Ó meu Deus" e correm chorando e fazendo caretas até tropeçar no banquinho da Disney e bater a cabeça no balcão. Mas o filme não tem nada disso, oras. Deixem de bobagem.

É sobre uma mulher que escreve críticas literárias, interpretada pela Diane Lane. Ok, eu também não sei quem é essa Diane Lane, mas isto não importa muito.

O que importa são as reações que os escritores tiveram ao serem criticados pela protagonista. Neste filme, dois destes escritores surgem com reações opostas: um truculento no começo e outro compreensivo no final, mostrando assim que nem sempre os escritores são idiotas com seus críticos. Eles podem ser piores.

Claro. Uma pessoa minimamente honesta que ouve alguém dizendo que seu trabalho é uma porcaria só pode reagir desejando, pelo menos, que aquele sujeito amargue em ruínas para poder torturá-lo e humilhá-lo com algum comentário bem perverso e sair sustentando um olhar de satisfação e vitória. Mas existe gente que, quando criticada, abre um sorriso cínico e fala obrigado. Dá para ser mais babaca?

Eu sou mais ou menos experiente nisso. Quando decidi escrever meu primeiro conto, ainda na escola, eu o levei para o melhor professor de literatura que conhecia e pedi sua opinião. Me disse que leria e depois me procuraria. Nunca mais o vi. Uma crítica brutal, sem dúvida. E até hoje guardo seu retrato na minha carteira para não me esquecer de sua cara mesquinha, má, odiosa e suja.

Hoje eu concordaria que o conto estava uma droga, mas não enxergava isto na época. Para mim, estava sublime, genial. E aquele sujeito que menosprezou meu trabalho só podia ser um calhorda.

Em partes eu ainda o considero um calhorda. No começo, eu procurava escrever textos melhores apenas para esfregá-los em sua cara. Hoje, eu continuo esfregando textos nas caras dos calhordas, mas compreendi a importância desses fulanos no meu processo de desenvolvimento. Sem eles, eu continuaria achando que aquele conto estava sublime enquanto que, na verdade, estava uma droga. E acredito que, daqui a alguns anos, eu também acharei este texto aqui uma droga, mas, por enquanto, ele me parece genial.

Calhordas são necessários, portanto. E são necessários principalmente enquanto somos novos escritores. Aliás, os novos escritores deveriam ser lidos apenas por gente calhorda. Às vezes, me vejo sendo um professor velhinho, calhorda de tudo, que ri malignamente segurando a barriga e, vez por outra, grita "misericórdia, que coisa mais ruim!" tapando as orelhas enquanto seus alunos lêem, cabisbaixos, suas mais sinceras linhas. Serão bons escritores, aposto.

Isto porque os escritores, assim como os cachorros, precisam estar constantemente cientes de seus lugares. Dê muita confiança e eles acabam se esfregando na sua perna. Em verdade, muitos escritores teriam sido salvos se seus leitores, de vez em quando, fechassem a cara e dissessem "Feio! Feio!".

Lidar com este conservadorismo não é tão ruim quanto vocês estão pensando, pelo que suponho olhando para suas caras de terror. É meio traumatizante no começo, confesso, mas depois vira um tipo de proteçãozinha. Sem isso, eu só seria capaz de conviver com gente do calibre intelectual dos, digamos, ursinhos carinhosos, cujas opiniões são formadas basicamente por coraçõezinhos e arco-íris. Seria tedioso.

Agora imaginem, por exemplo, se alguém se pusesse diante do João Cabral segurando seu Sevilha Andando e dissesse com cara de nojo: Cara, você não sente vergonha? Só por diversão. Aposto minha coleção de tampinhas de garrafa que, no dia seguinte, ele reinventaria a noção de poesia. Isto, claro, após sete horas chorando e jurando que nunca mais encostaria numa caneta.

Ou Camões. Duvido que este Lusíadas que lemos hoje seja a obra original. Ele deve ter feito alguma coisa bestinha e entregado, todo orgulhoso, para sua amante ler enquanto tomavam café da manhã. Consigo até visualizá-la mentalmente de camisola, descabelada e dizendo de forma cruel "Código secreto do Leonardo Da Vinci? Quem vai ler essa porcaria?". Foi aí que Camões furou o próprio olho com uma faca suja de margarina e se trancou no quarto todo emburrado para escrever a maior obra da língua portuguesa.

O ódio aos críticos é um sentimento perfeitamente válido e produtivo. De uma forma ou de outra, os críticos esperam que as reações das pessoas as melhorem. Eu, pelo menos, penso assim. Quando eu critico alguém, só o que eu espero é uma boa reação. E, depois, podem me xingar, fazer piadinhas sobre minhas orelhas de abano, etc., mas, por favor, sem sorrisinhos cínicos e obrigados. Toda vez que alguém faz isso, minha alma sangra por dentro. Enfim, reajam da forma como lhes agradar, mas reajam. Ou, pelo menos, guardem um retrato meu em suas carteiras para não se esquecerem da minha cara mesquinha, má, odiosa e suja.

Nota do Editor
Edward Bloom é autor do blog Introibo ad altare Dei.


Eduardo Mineo
São Paulo, 12/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. Projeto Itália ― Parte I - 1/6/2010
03. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
04. Projeto Itália ― Parte II - 14/6/2010
05. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/6/2006
12h08min
Por isso não sou amigo dos novos escritores. Eles provocam-me asco. Alguns escrevem bem sobre conteúdo duvidoso, mas a maioria deve ser jogada no lixo. Ambos são muito chatos.
[Leia outros Comentários de Lefebvre]
13/6/2006
11h05min
Eu sou a favor. De quê? Qualquer coisa, iclusive que seu professor de literatura tenha pego seu manuscrito e o tenha usado como rascunho, ou como motivo de risada entre a turminha dele. A grande diferença não é a genialidade, são as oportunidades. Meus amigos escritores decidiram ser engenheiros, computeiros e advogados, caso contrário não teriam chance de sobreviver no páis do futebol e pizza.
[Leia outros Comentários de olho grande]
13/6/2006
22h12min
Inclusive, como citado, porque a maioria dos tais escritores novos não compra literatura de novos escritores... Repito: o brasileiro é bicho esquisito.
[Leia outros Comentários de Phylos]
14/6/2006
19h46min
E o que se pode dizer dos novos críticos?
[Leia outros Comentários de Ayron de Melo]
15/6/2006
18h09min
Pois é,gostei tanto do seu estilo e artigo que já dei uma passada no blog pra ler mais... Fique com o sorriso da leitora do DF.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
13/12/2006
23h38min
Eu amei "Sob o sol da Toscana". Fiz resenha lá no Chá. Definitivamente, casa comigo? ;)
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
15/5/2007
09h48min
Interessante o texto "Sob o sol da crítica", do Edward Bloom. Recheado de ironia, o texto nos passa a impressão de que o autor escreve com propriedade, seguro de si. Parece, apenas. Afinal, como ele mesmo defende, quem garante que tudo o que se lê não são cópias maquiadas do que já foi escrito? Há muitos e muitos "escritores" mestres nessa arte. Repaginar, acrescentar parágrafos, incluir novos termos e mudar o título, mantendo a idéia central. Quantos já não utilizaram tal artimanha?
[Leia outros Comentários de Remisson Aniceto]
2/1/2009
22h18min
Não existe autor novo nem velho; há quem tenha talento e nunca foi publicado, e aquele que se deu bem, incensado pela mídia, mesmo fazendo literatura medíocre! Talvez, quem sabe, por este motivo, esteja cada vez mais difícil encontrar novos leitores! Cheios de asco... talvez!
[Leia outros Comentários de E.Landi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O VENTRE - ROMANCE
CARLOS HEITOR CONY
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 8,99



O MENSAGEIRO
LESLIE POLES HARTLEY
NOVA ALEXANDRIA
(2002)
R$ 15,00



DIREITO ADMINISTRATIVO - QUESTÕES DA ESAF COM GABARITO COMENTADO
GUSTAVO BARCHET
ÍMPETUS
(2004)
R$ 19,85



MISTÉRIOS DA HISTÓRIA DA MÚSICA - MORTE DE MOZART E MUITAS OUTRAS
EDGARD DE BRITO CHAVES JÚNIOR
EDIOURO
R$ 8,09



TRÓPICO DE CÂNCER - HENRY MILLER (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
HENRY MILLER
NOVA CULTURAL
R$ 8,00



O SISTEMA TRIBUTÁRIO DA CONSTITUIÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES
DAGOBERTO LIBERATO CANTIZANO
RIO
(1978)
R$ 5,00



TAQUICARDIA SUPRAVENTRICULAR - VOL. 3
MELVIN M. SCHEINMAN DR ROBERTO LAURO LANA
INTERLIVROS
(1990)
R$ 9,04



ANCIENT EGYPT THE BOOK OF THOTH
ALEX RAYNHAM
MACMILLAN EDUCATION
(2014)
R$ 15,00



QUANDO DOIS OLHARES SE CRUZAM - AUTOGRAFADO
IZA MARIA
LIVRE EXPRESSÃO
(2011)
R$ 30,00



AQUELE VERÃO
SARAH DESSEN
MODERNA
(2012)
R$ 13,00





busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês