Alívios diamantinos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
Mais Recentes
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/8/2006
Alívios diamantinos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Ouvi a manhã. Era tão diferente do batente da capital, que eu ouvi a manhã. Ela tinha, assim, um som de folhas misturado com certo cheiro de mato. Mas também não era bem isso, nem só isso. Tinha céu aberto, de um azul quase inexprimível. Além disso, as pedras imensas faziam as vezes de montanhas milenares e delas também exalava um cheiro de dureza histórica.

Ao ouvir a manhã, atentei logo para as cores. O céu aparecia bem acima do telhado. Pela fresta atrás das cortinas, visualizei o dia. Amplo como os dias na cidade não costumam ser. Os tempos e os intervalos todos tão diversos. Tão comparativamente outros. Outrossim. Anotei na agenda: não precisarei de você. Parti.

O café, com leite e frutas, era servido num salão de onde se divisava um imenso arredor de pedra. Uns o chamavam montanha, outros, Diamantina, outros ainda diziam Cruzeiro. Lá no alto, bem em cima, uma cruz revelava a altura.

Daqui se vê o segundo pico mais alto de Minas. A segunda cidade mais alta do Brasil. O primeiro vestígio desta vida de fugazes. O suco e o açúcar pareciam lentos. A porta aberta se transformava numa varanda aberta, como as que Oscar Niemeyer gostava de planejar. O limpo, a curva, o seco. E eu. Vendo as árvores retorcidas da paisagem amarelada. Em alguns lugares, o fogo havia lambido as mechas, restaram sombras pretas. Carlos Herculano Lopes, escritor das Gerais, me dizia, de dentro do ônibus: coitado do gado, por aqui o fogo acabou de passar. E os bois fingiam mascar chicletes.

De dez às doze eram horas amenas. De doze às quatorze, o atípico horário de almoço. De então para agora, o entardecer vagaroso dos altos de Minas. A escola, ao lado a botique, ao lado a lanchonete, ao lado a padaria, o Banco do Brasil, a curva, a descida, o mercado velho ao largo, o restaurante. Por acaso, almocei no Apocalipse. Queria ali um suflê de fim de mundo. Nem precisou. Atrás do prato com folhas e relvas, divisei, novamente, a varanda. Por trás dela, um horizonte de pedra, mas agora em pose diversa da sacada do hotel. Comi santificada. O tempo mugia. Era lento como um chuvisco. As duas horas de almoço, que na capital têm sentido de distância e de correria, pareciam uma tarde inteira.

A volta foi constante. Velocidade de caracol. Lojinhas, do outro lado o casaco, do outro, o cachecol. De dia, sol quente. De noite, intemperanças. Diamantina faz frio, mas só quando a noite se veste de padre. Até soneca pós-prandial teve gente que fez. Preferi passear pelos paralelepípedos históricos, catedral, Chica da Silva, apreensiva com os beirais, querendo comprar ímãs e pés de moleque. Inconstei por uns tempos. Bolo, chocolate de inverno, xícara quente, vapor, banho pelando. Diamantina favorece as horas. Escamoteei o retorno ao trabalho, mas nem precisava. Às quatorze em ponto eu estava lá, como se fosse precisa. Na capital, esses minutos são diamantes. Parecem dinheiro, quando vistos de perto. Em Diamantina, os minutos são eles mesmos, sem tirar nem pôr.

A tarde passou muda. Assim, como quem caminha ao lado. Nem pompa, nem relógios de parede. Fizemos poesia por horas a fio. Cada verso, uma tonteira boa. Às dezessete horas ainda era dia. Cheiro de chá. Nem o lanche parecia ter a pressa dos desafortunados. Diz Maria, poeta aposentada, que Diamantina é lenta. Não acho. Diamantina é o tempo. A capital é que avança sem terminar de acontecer as coisas. E a gente vai junto, envelhece antes do necessário.

Às dezoito é hora do pão de queijo, do queijo só. Talvez um banho, a tevê, os ares da noite querendo esfriar. O casaco rosa espera em cima da cama. O cobertor faz diferença. Banho daqueles que nublam o espelho. Toalha. No lugar das buzinas histéricas, dos cheiros de gás, toca um sino. O sino da igreja matriz. Toca várias vezes. Eu me surpreendo. Nem há carros na rua. Nem pessoas atravessam fora da faixa. Nem é hora de correr pelas avenidas. É hora de ouvir o sino, a Ave Maria e do pão quente.

Anoitece. E é hora de Jorge chegar com o coração cheio de flores. E me dá-las todas, dizer que nasceram sozinhas, que foram cultivadas durante a viagem, com o sol da estrada, e que não morrerão jamais. E eu acredito. Tomar caldo quente, fumegar nossos olhos, dormir como anjos diamantinos.

Série diamantina

I
Diamantina foi cravada
na pele
de uma montanha

II
Dia de calor
Noite de frio
Diamantina tem
temperamentos

III
Alinhavo árvores
nas montanhas
para alcançar
o céu de julho

IV
Lua e Sol, daqui,
não me parecem inimigos
Diamantina tece contrários

V
Imagens, retratos, palavras:
Álbum de alívios
diamantinos

VI
desci a rua
ladeira, altitude
até minha respiração
garimpou pedras preciosas

VII
almoce no Apocalipse
e experimente o suflê
de fim de mundo

Festival

ainda não ouvi pássaros
cantarem em coro
talvez estejam em oficinas


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
02. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne
03. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini
04. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
05. Quando se abrem as portas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
02h14min
"...Diamantina é o Beco do Mota/ Minas é o Beco do Mota/ Brasil é o Beco do Mota/ viva meu país..." Belo texto, Ana.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
9/8/2006
05h58min
Quando temos uma ligação com alguma cidade do interior, só guardamos as boas lembranças e sensações. É tudo o que tenho da cidadezinha de meus avós paternos. Quando vou pra lá, até engordar em engordo! Tudo é diferente. O gosto da comida, da água, o ar, tudo. Em Diamantina não deve ser diferente. E pelo texto da Ana, quem não conhece a cidade, fica doido pra conhecer.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
9/8/2006
12h10min
Muitos anos distante de minha cidade natal, sinto-me recompensado pelo seu texto. É como se estivesse novamente subindo curvado àquelas ladeiras, com os olhos no formato das pedras em que pisava. Diamantina é uma cidade cravada em minha memória.
[Leia outros Comentários de Rodrigo L Caldeira]
9/8/2006
22h06min
Ana Elisa, você arrasou! Amei! Tô com mais vontade ainda de ir a Diamantina...
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
12/8/2006
14h28min
Ana, seu texto sobre Diamantina é uma delícia. Acho que todo mundo deveria ir a Diamantina pelo menos uma vez na vida (como os mulçumanos vão a Meca...). Você tem razão: o tempo em Diamantina é real (dá tempo de apreciar os madornentos rebanhos de nuvens no céu, na hora de sol a pique, escutar o coro da passarada à tarde - se não estiverem em oficinas - e ouvir estrelas à noite). Um beijão da aluna, Beatriz
[Leia outros Comentários de Beatriz Sampaio]
13/8/2006
17h57min
Lindo texto. Poesia pura, nem foi preciso chegar aos versos. Acho que tô precisando de um tempo assim diamantino... Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
14/8/2006
16h06min
Ana Elisa
rara poeta
entre flores
diamantes/diamantinos
diamantido
nesse tecer
alvos
nesse rever
algo
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODERNIZAR A ORDEM EM NOME DA SAÚDE: A SÃO PAULO DE MILITARES, PODER E ESCRAVOS (1805-1840)
RAFAEL MANTOVANI
FIOCRUZ
(2017)
R$ 35,00



A PONTE PARA O SEMPRE
RICHARD BACH
RECORD
(1984)
R$ 7,00



CRISTANDADE CLÁSSICA E BIZANTINA
JEAN LASSUS
BRITANNICA
(1979)
R$ 10,00



AS ILHAS DA CORRENTE
ERNEST HEMINGWAY
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 35,90



LA GUERRE ET LES HOMMES
GÉNÉRAL DEBENEY
PLON
(1937)
R$ 49,16



SOCIÉTÉS ANIMALES, SOCIÉTÉ HUMAINE
PAUL CHAUCHARD
PUF
(1956)
R$ 12,88



SISTEMA NACIONAL DE FOMENTO: FINANCIANDO O DESENVOLVIMENTO
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO ABDE
ABDE
R$ 22,82



GUIA FÁCIL PARA TRADUZIR INGLÊS-PORTUGUÊS
CECILE SUBKOFF
CÁTEDRA
(1978)
R$ 25,82



STORIA DELLA RADIO
LUIGI SOLARI
GARZANTI
(1945)
R$ 408,54



HIBERNATE EM AÇÃO
CHRISTIAN BAUER- GAVIN KING
CIÊNCIA MODERNA
(2005)
R$ 22,50





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês