As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> No III Seminário da Cásper
>>> Não gaste o seu latim
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva (2)
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
Mais Recentes
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (Coleção O Poder do Subconsciente) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> O Poder Do Subconsciente de Joseph Murphy pela Record (1963)
>>> Mesa & Harmonia de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1992)
>>> Festas & Férias de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1989)
>>> Gibi Magali N°96 O Sumiço dos panetones de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2014)
>>> Gibi Almanaque da Magali N°22 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2010)
>>> Gibi Magali N°34 A estrela cadente! de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Magali. N°55. Lady Magaga. de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2011)
>>> Lições Positivas de Lauro Trevisan pela Da Mente (1993)
>>> Gibi Cebolinha N°30 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Zé Carioca N°2338 de Disney pela Abril (2009)
>>> 7 Passos Para Dar a Volta Por Cima de Lauro Trevisan pela Da Mente (2004)
>>> O Poder Infinito da Sua Mente de Lauro Trevisan pela Da Mente (1980)
>>> O Poder Infinito da Sua Mente 2 de Lauro Trevisan 2010 pela Da Mente (2010)
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> 1480-1520 A passagem do século. Série Virando Séculos. de Serge Gruzinski pela Companhia das Letras (1999)
>>> Paris Rendez-vous. Les photos de légende d'une ville amoureuse de François Besse & Clara Mackenzie pela Parigramme (2014)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2005)
>>> Praticando o Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2005)
>>> Um Novo Mundo - O Despertar de uma Nova Consciência de Eckhart Tolle pela Sextante (2007)
>>> Viagem pelo Ombro da Minha Jaqueta de Lo Galasso pela Atica (1995)
>>> O cultivo do ódio. A experiência burguesa da rainha Vitória a Freud. Vol. 3 de Peter Gay pela Companhia das Letras (1995)
>>> El Valor Con Conocimiento de Causa de Pierre Michel Klein pela Fondo de Cultura Economica (1994)
>>> Mercado de arte. Ensaio de economia da arte de Diva Benevides Pinho pela Esetec (2009)
>>> Os Jesuítas e a Traição a Igreja Católica de Malachi Martin pela Record (1989)
>>> The Ultimate Vegetarian Cookbook de Roz Denny pela Smithmark (1994)
>>> As aventuras de Benjamim, O muiraquitã de Camila Franco, Marcela Catunda, Blandina Franco pela Companhia das letras (2004)
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2001)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Quinta-feira, 14/12/2006
As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues
Paulo Polzonoff Jr

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Fiz uma entrevista há muito tempo com Olavo de Carvalho, na qual ele dizia que "o otimismo é a ideologia dos assassinos". Nunca me esqueci da frase de efeito. Acho até que ele deve ter razão, num sentido político, que aqui não cabe. O otimismo pequeno e individual é que me interessa. Aquele que faz meus olhos brilharem não porque o Paraíso se aproxima, mas porque reconheço que felicidade é algo possível - sempre num contexto individual, minúsculo, restritíssimo. Este otimismo, defitivamente, não faz assassinos.

Passei os últimos três ou quatro anos da minha vida mergulhado num pessimismo macabro. Curiosamente, foi o reconhecimento da derrota que me libertou do sofrimento. Reconhecer-se derrotado no campo das idéias foi libertador. Já usei mais de uma vez a imagem militar, mas não me ocorre outra: recolhi as armas, retirei os exércitos, contei os feridos, enterrei os mortos - e voltei à vida. Anotem: lição de Montaigne.

O exemplo que interessa aqui: eu costumava pensar que a literatura brasileira estava fadada ao mais retumbante e assustador fracasso. Não temos autores que prestem, eu dizia, para quem quisesse ouvir. Nossos melhores escritores estão na casa dos oitenta anos - e não há quem os possa substituir, eu decretava, num tom sempre interpretado como raiva, mas, caramba, era só tristeza mesmo.

E, percebo agora, um tanto de cegueira.

Abri um longo e redentor sorriso ao terminar de ler As sementes de Flowerville (Objetiva, 2006, 136 págs.), de Sérgio Rodrigues. O livro me fez perceber que, apesar do ninho de cobras que é o mercado editorial brasileiro, apesar da falta de profissionalismo, apesar das desonestidades, apesar de necessidade de auto-afirmação, apesar de tudo (e de mim), a literatura brasileira continua a nos dar momentos únicos de realização. Garimpá-los pode ser penoso e desestimulante. Mas também pode ser recompensador.

As sementes de Flowerville é apenas um dos bons livros nacionais que li em 2006. Ana Maria Gonçalves nos brindou com um épico como há muito tempo não se via na nossa literatura, Um defeito de cor. Daniel Galera nos fez acreditar que há talento numa geração marcada pela transgressão estéril, com seu Mãos de cavalo. Antônio Fernando Borges concluiu sua trilogia metalingüística com Memorial de Buenos Aires. Fernando Molica encontrou amor em meio à violência em Bandeira Negra, Amor.

E deve haver outros, que não li por preguiça ou preconceito.

O grande problema, em relação a todos estes livros, continua a ser o despreparo do leitor médio. É o caso de Memorial de Buenos Aires, de Antônio Fernando Borges, lido apenas como um exercício de referências a Machado de Assis e Jorge Luis Borges. Não li um só comentário a respeito do livro que se aprofundasse nas relações do tempo, de que o livro tanto trata. O mesmo acontecerá, acredito, com As sementes de Flowerville. A simplicidade enganadora, entre a maioria dos leitores brasileiros, sempre sai ganhando.

Perdão. Não se trata de um insulto. É apenas um jeito trôpego de ressaltar a maior das qualidades de As sementes de Flowerville, isto é, a tal da simplicidade enganadora. Tudo ali é feito para enganar - e engana. A começar por quem se arrisca a localizar o livro no tempo. Todo mundo está dizendo que é futuro. Mas há algo de passado e mais um tanto de presente. O que é? Ou melhor, quando é? A estas perguntas eu retruco com outra, mais enfática: importa?

Também não é o caso de recorrer ao expediente acadêmico e dizer que As sementes de Flowerville é um romance atemporal. Não: o tempo existe. Só que a ambigüidade (antrigüidade?) proposital deve ser entendida como ela é: ambígua. Reduzi-lo a passado ou presente ou futuro é fazer com que a confusão se perca. E, com ela, uma das belezas do livro.

Não quero, com isso, dizer que o livro é confuso. A confusão, aliás, tem sido a marca de uma literatura que não me agrada. Livros que não vão e nem ficam, que não dizem nem se calam. Deles continuo mantendo distância. As sementes de Flowerville não é um livro confuso. Apenas não é reto e, em não sendo reto, não é torto. Confuso?

Eu realmente me impressiono com a capacidade que as pessoas têm de fazer sinopses de livros como As sementes de Flowerville. Não consigo. Qualquer coisa que eu escrevesse seria reduzir demais o romance. Fica aqui o pedido: compre, leia e depois tente dizer para si mesmo sobre o que é o livro. Se conseguir, se pergunte se não está esquecendo de alguma coisa. Estava, viu?

Claro que o fio condutor da história é Victorino Peçanha. E é claro que existe um mistério a ser resolvido nas páginas finais. Mas como me ater apenas à obviedade e deixar de falar sobre os personagens secundários, cujos nomes, veja só, sequer recordo? As histórias destes personagens secundários vão ficando pelo caminho. Mas que caminho? Ah, sim, como caminhos de biscoito que, na floresta da minha história de fada, levam a lugar nenhum.

Eu gosto desta sensação cada vez mais rara na literatura moderna: a de se sentir completamente fascinado por um detalhe da história que parece não interessar a mais ninguém, nem ao autor. E que, nem por isso, perde a força.

Para mim, o grande personagem de As sementes de Flowerville é Neumani, o matemático contratado, logo nas primeiras páginas do livro, para desenvolver um algoritmo que possibilitasse uma espécie de democracia na qual o meu voto teria mais valor do que o de um analfabeto, por exemplo. Neumani é um perdedor clássico, mas sem a violência dos romances juvenis. Eu percebo nele uma honra triste, daqueles que nadaram e perderam a medalha de ouro por um centésimo de segundo.

Mas cada um há de encontrar o que há de mais fascinante em As sementes de Flowerville: a estrutura de falsas pistas, a prosa cheia de efeitos metalingüísticos, a violência, a ambigüidade temporal, o sexo - e, por fim, o fim. Sim, porque, ao contrário dos livros que eu costumava, nos meus tempos de pessimismo, entender como representativos da literatura brasileira contemporânea, As sementes de Flowerville tem um fim que você, leitor, vai querer alcançar com ansiedade.

As sementes de Flowerville é a primeira aventura de Sérgio Rodrigues pelo romance, seis anos depois de publicar a coletânea de contos O homem que matou o escritor. Corre à boca pequena, porém, o boato de que o autor vai desistir da ficção. Sinceramente, não estou preocupado. Eu não me importo se o escritor demorar mais seis anos para publicar um livro, depois de muitas ponderações. Valem a pena tanto a angústia do autor (no final das contas, sempre produtiva) quanto a ansiedade do leitor.

Ah, sim. Só para não dizer que não falei das flores, há outros bons nomes a serem descobertos pelo leitor brasileiro. Dos mais novos cito Alexandre Soares Silva, que infelizmente só encontrou espaço em editoras pequenas e despreparadas. De uma geração intermediária, vale a pena lembrar o nome de Ruy Tapioca, que deve lançar um novo romance ano que vem.

Para ir além






Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 14/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
02. Como ser um Medina de Ana Elisa Ribeiro
03. 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida de Carina Destempero
04. Michelle Campos e a poesia dentro do oco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Elvis e Michael: do extrativo ao industrial de Diego Viana


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/12/2006
03h24min
É bom saber que talvez tenha um livro novo e bom na praça. Fui lá no Todoprosa checar o Sérgio Rodrigues (que não conheço), li os textos e, de cara, nota-se inteligência e cultura (muita). Esbarrei numas coisas: a ressalva que ele faz ao Norman Mailer (que é pretensioso; mas no caso de Mailer, é melhor que ele seja assim mesmo); uma defesa da "literatura que se dobra sobre si mesma" ("metalinguagem" e outros babados) e o fato dele (Sergio Rodrigues) me parecer meio machadiano num conto que tem lá. Já o Polzonoff, num outro texto (publicado aqui no Digestivo), diz que o Francis, como romancista, é "sofrível". Bem, na minha singela opinião, Machado é sofrível e poucos romances brasileiros chegam perto das duas cabeças de Francis. Acho que vou ter de ler o Sergio Rodrigues - vamos ver. Torço, sinceramente, pra ele ser mesmo um ótimo autor. Mesmo que eu não goste, sei que isso não quer dizer nada. Nesse caso, apenas não consigo ler inteiro. Mas torço pro autor.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
14/12/2006
17h50min
Que bom ler novamente um texto seu, Paulo! Bom ver que você ainda continua com seu olhar atento que realça qualidades de um livro que normalmente não são vistas!
[Leia outros Comentários de Leandro Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MILAGRE BRASILEIRO
MURILO MELO FILHO
BLOCH
(1972)
R$ 20,00



GUIA DE BOLSO DE CLÍNICA MÉDICA
AÉCIO FLÁVIO TEIXEIRA DE GÓIS , EDUARDO CAVALCANTI LAPA SANTOS , FERNANDO CÔRTES REMISIO FIGUINHA , LARISSA GUEDES DA FONTE ANDRADE , PATRÍCIA SAMPAIO GADELHA & 4 MAIS
ATHENEU
(2012)
R$ 50,00



PESQUISA CRIATIVA
EDUARDO PUCU
ELSEVIER
(2014)
R$ 37,00



SIMPLESMENTE FAÇA
DOUGLAS BROWN
PRUMO
(2008)
R$ 15,00



BANDEIRISMO DOMINAÇÃO E VIOLÊNCIA
JÚLIO JOSÉ CHIAVENATO
MODERNA
(1991)
R$ 5,00



O NOVO INCRIVEL HULK BLAZE VERSUS MOTOQUEIRO SEGUNDO ROUD
MARVEL
ABRIL JOVEM
R$ 6,90



O BRASIL TEM CURA
RAQUEL SHEHERAZADE
MUNDO CRISTÃO
(2015)
R$ 9,99



GAMIANI OU DUAS NOITES DE LOUCURA
ALFRED DE MUSSET
JCM
(1969)
R$ 9,90



DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO
DEJALMA DE CAMPOS
ATLAS
(2004)
R$ 5,00



KATIE KING UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS REAIS
WALLACE LEAL V. RODRIGUES
O CLARIM
(2014)
R$ 30,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês