O físico que era médico | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
Últimos Posts
>>> Perspectivas barrocas
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Meu Oscar vai para...
>>> Jason Calacanis matando o Yahoo
>>> Jim Clark e a Netscape
>>> O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas
>>> Máfia do Dendê
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
Mais Recentes
>>> Concordância bíblica crescer
>>> Dicionario Bíblico ilustrado ( crescer )
>>> Teoria da Literatura: uma introdução - 6ª ed.
>>> Uma reflexão sobre a Existência do Homem- O Sentido da Vida
>>> Psicotranse
>>> Benzedeiras & Benzeduras
>>> Massagem Para bebê
>>> O barquinho Vai
>>> Toquinho
>>> Iniciação Ao Piano e Teclado
>>> As 101 Melhores Canções Do Século XXI
>>> Ary Barroso Volume 2
>>> Blues Arranjos De Base
>>> Saxofone Fácil
>>> Harmonia ao Bandolim
>>> Brass Players Aqueimento & Guia PraticoTrumpet
>>> Noel Rosa Volume 1
>>> Otimismo nos Negócios
>>> Toquinho
>>> Noel Rosa Volume 3
>>> Foundations of Political Science
>>> Song Book Noel Rosa volume 2
>>> Mídia, Benção ou Maldição
>>> Bodas de Pedra
>>> Por que Não Pediram a Evans?
>>> Cortes de Cabelo Tecnicas e Modelagem
>>> Amar Vale a Pena
>>> Good to Greath Hair
>>> Trezentos parafusos a menos
>>> Viagem Pelas Provincias do Rio de Janeiro E Minas Gerais
>>> Bacall Fenomenal
>>> 318 citações do Padre Antônio Vieira, escolhidas e anotadas por Emerson Tin
>>> Viagem ao interior do Brasil
>>> Here youn find hundreds of t-shirts
>>> Bella
>>> Biologia 3 - Biologia das Populações - Completo - Box 5 Livros
>>> Biologia 2 - Biologia dos Organismos - Completo - Box 4 Livros
>>> Biologia 1 - Biologia das Células - Completo - Box 4 Livros
>>> Bio - Volume 1 - Ensino Médio - Manual do Professor
>>> Física - Mecânica - Volume 1 - Manual do Professor
>>> Física - Termologia, Óptica e Ondas - Volume 2 - Manual do Professor
>>> Física - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 3 - Coleção Aula Por Aula - Manual do Profesor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 1 - Mecânica - Col. Aula Por Aula
>>> Física 1 - Manual do Professor
>>> Química - Volume Único Para o Ensino Médio - 4ª Impressão
>>> Curso de Química - Volume 1
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 3º Volume
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 2º Volume
>>> Geometria Analítica
COLUNAS

Segunda-feira, 23/4/2007
O físico que era médico
Eduardo Mineo

+ de 13800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Qualquer livro que tenha pelo menos umas seiscentas páginas merece ser lido. Sou fiel a esta idéia simplesmente porque acho muito improvável que alguém tenha a habilidade de escrever besteiras durante tantas páginas seguidas. Mais cedo ou mais tarde, por mais que o autor lute contra isso, sai alguma coisa aproveitável dali, é impossível não sair.

O físico (Rocco, 1996, 596 págs., The physician), de Noah Gordon, por exemplo, merece bastante ser lido. Devo admitir que li suas primeiras páginas com o mesmo receio que eu teria ao folhear qualquer publicação de J.J.Benítez, porque tive a sensação - ok, o preconceito raivoso, melhorou? - de que O físico se tratava dessas coisas que as pessoas usam para simular leitura nos metrôs, mas mudei logo de opinião e me convenci de que este era realmente um bom livro.

É sim, um bom livro, mas se eu fosse o autor, eu evitaria bastante o uso do verbo "fuder" nas flexões mais impressionantes que já li na minha vida. E a tradução ruinzinha não me ajuda muito a falar bem do livro, a começar pelo título erradíssimo ("physicist" é físico; "physician" é médico). Não foi um erro tão primário, mas foi um erro feio. De qualquer forma, como isto não chegou a prejudicar a história, evitarei este assunto porque o tradutor já foi ridicularizado o suficiente pelos comentários no site da Livraria Cultura. Vamos guardar as nossas cintas por enquanto.

Mas enfim, a história. A história do livro acontece por volta do século XI (ou X? 1100, 1000 mais um...sei lá, por aí). Um menino inglês perde os pais e é adotado por um barbeiro-cirurgião, que é um sujeito que tem alguma noção de enfermagem e ganha a vida vagando pelas cidades inglesas e tratando das pessoas em troca de dinheiro e comida. Com o tempo, Rob Cole, o menino, aprende a profissão e passa a ajudar seu tutor até atingir a idade adulta.

Um dia Rob Cole conhece um judeu, um médico, um médico de verdade, formado na grande faculdade de medicina da Pérsia e a partir daí, o objetivo de Cole é se formar nesta faculdade. Começa, então, sua viagem que duraria dois anos. Esta é a melhor parte do livro, pois Noah Gordon descreve muito bem todo o trajeto, desde os vilarejos alemães até os desertos traiçoeiros do Oriente Médio. É uma boa experiência de leitura.

Evidentemente há uma grande questão aí, senão o livro não teria muita graça. A questão é que a faculdade de medicina não aceita cristãos; apenas mulçumanos e judeus. E Rob Cole, convencido de que seu destino era se formar na Pérsia, passa a estudar os judeus que encontra pelo caminho de sua viagem, seus costumes e sua língua para se passar por um deles e ser admitido na faculdade. Aqui é outro ponto com muita informação, muitos detalhes sobre a cultura judaica, assim como, a partir da chegada de Rob Cole à Pérsia, de muitos detalhes sobre a cultura mulçumana. E claro, uma boa discussão sobre fidelidade religiosa e fé que acompanha o personagem até o final do livro.

Em muitos momentos parece que Noah Gordon tende para o lado dos judeus, principalmente por causa de algumas implicâncias com os mulçumanos durante o livro - que no começo são engraçadas e que vão ficando irritantes com o tempo -, mas até alcançar a última página eu mudei totalmente minha opinião porque ele vai nos mostrando que em cada tipo, em cada religião, em cada país, em cada profissão, há os nobres e os imbecis. E claro, estes últimos em sufocante maioria.

Sendo um médico, era de se esperar que Noah Gordon desse ênfase aos detalhes da história da medicina e de suas grandes questões, como o debate sobre a utilização de cadáveres humanos para pesquisas, o teste de novos medicamentos em pacientes, etc. E o assunto no livro é ainda mais intenso pois era uma época de forte atuação da igreja, onde os médicos eram freqüentemente acusados de serem bruxos - se bem que alguns deveriam ser mesmo; já me consultei com cada tipo que não entendo como foram proibir a igreja de queimá-los. Portanto Rob Cole carrega sempre esta preocupação em controlar sua busca pela cura, que é a forma pela qual Noah Gordon discute o conflito entre a ética e o progresso.

Há ainda algumas passagens de sexo que eu estou pensando numa forma de comentar sem muito moralismo, mas não sei como fazer isso. Tudo bem, deve haver algo ali de sublime, de artístico, mas eu não consigo ler este tipo de coisa sem me sentir como uma velhinha da década de 60 que quebrava discos dos Beatles. Eu vejo a leitura como um contato muito direto, como se um estranho me abordasse na rua e me contasse uma história. E imagino que seria terrível ser abordado, digamos, tomando café na padaria, por alguém falando "Vixi, aí ela subiu na mesa, tirou a roupa e foi u-hu!, U-HUUUUUU!!!" com todas as devidas gesticulações e interpretações. Muito constrangedor. Evidentemente, eu não posso dizer que é errado escrever sobre sexo, assim como eu não poderia dizer que é errado comer com os pés, mas eu aconselharia, do fundo do meu coração, as pessoas a evitarem este tipo de coisa. É tão mais fácil.

Mas são apenas detalhes perto do que este livro tem a oferecer. Sua leitura é mesmo como tomar um café na padaria. Pode eventualmente espirrar sangue em você, ou sentar um elefante ao seu lado, mas na maior parte do tempo, é uma experiência agradável. Se puder, leia o original. Aliás, sempre leia os originais. Eles também merecem ser lidos.

Para ir além






Eduardo Mineo
São Paulo, 23/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
03. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
05. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2007
10h49min
Se o tradutor errou feia e grotescamente no TÍTULO, não quero imaginar o estrago que fez com o resto da história!!! Revoltante...
[Leia outros Comentários de AnnA]
25/4/2007
07h15min
Foi fidedigno. A terminologia é registrada nos bons dicionários como alternativa de sinonímia para medico. Aliás memsmo não se dando ao trabalho da busca vernacular seria o caso de se indagar sobre os radicais para Physician/Physicist no idíoma inglês. Cylene Gama
[Leia outros Comentários de Cylene Dantas d Gama]
26/4/2007
11h03min
Sim, o original não é tão ruim. The Last Jew é milhorzinho, menos pretensioso e tal, creio eu. O que me derrubou da cadeira, n"O Phísico", foi o cara ser circuncisado (circuncidado?) por um cavalo. Damn, nunca pensei que eqüinos tivessem uma quedinha por prepúcios. Agora sempre que passo perto de um (cavalo, não prepúcio; sempre evito passar perto de prepúcios), faço que nem jogador na barreira. É por isso que digo - sempre há conselhos práticos, mesmo nos mais fantasiosos romances. ;o)
[Leia outros Comentários de mauro]
27/4/2007
15h02min
A afirmacao do seu primeiro paragrafo e' desmentida por obras-primas como Ulisses (ninguem merece ler isso!), ou os calhamacos do Tom Clancy...
[Leia outros Comentários de Ram]
21/12/2008
17h58min
Sr. Eduardo Mineo, sou um fã de Noah Gordom e, pelo fato de já ter lido o livro "O Físico", cheguei à triste conclusão que o senhor NÃO leu o livro, ou não estamos falando do mesmo, pois, lendo a coluna (muito bem escrita) acima encontrei inúmeros erros a respeito da verdadeira história de Robert Jeremy Cole. Para sua informação, já foi provado que o tradutor não cometeu gafe nenhuma, pois na época em que é passada a história os médicos também eram chamados de físicos. A respeito das cenas de sexo, não as achei assim tão detalhadas como diz, mas sim inevitáveis, pois, como viu, o livro é um romance também. O primeiro médico que Rob conheceu não tinha se formado na Pérsia, e sim tinha sido aprendiz de outro médico inglês. Espero que, se não leu o livro, leia, em vez de fazer críticas sem fundamentos. E, se leu, leia de novo, com mais atenção. Um abraço.
[Leia outros Comentários de luan hadi massud Kad]
21/12/2008
19h13min
Primeiro: Quando um americano bate o olho no título "The physician", ele sabe que ali está escrito "O médico". A função do tradutor não é apenas interpretar, mas transmitir a mesma sensação que os leitores dos originais teriam. Um brasileiro que lê "O físico" vai pensar que ali está embutido o sentido arcaico de médico? Não vai e a tradução está errada. Segundo, não tenho mais o livro para transcrever o que afirmei no texto, mas transcrevo o que está na Amazon, confirmando o que eu disse: "Though apprenticed to an itinerant barber surgeon, it is the dazzling surgery of a Jewish physician trained by the legendary Persian physician Avicenna that inspires him to accept his gift and to commit his life to healing by studying at Avicenna's school." Em terceiro, se você achou as cenas de sexo inevitáveis, é um problema seu, é uma opinião sua e isto não me torna errado. E já que é para ser implicante, realmente não lemos o mesmo livro, pq quem escreveu o meu foi Noah Gordon, com N.
[Leia outros Comentários de Eduardo Mineo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ENERGIA ESPIRITUAL E SEU PODER DE CURA
DUDLEY BLADES
PENSAMENTO
(1979)
R$ 10,10



SUPERPREVISÕES - A ARTE E A CIÊNCIA DE ANTECIPAR O FUTURO
PHILIPS E. TETLOCK E DAN
OBJETIVA
(2016)
R$ 34,90



DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE PERSONAGENS DANTESCOS
EDGARD DE BRITO CHAVES JUNIOR
FORENSE
(2009)
R$ 64,90



METAL DO DIABO
AUGUSTO CÉSPEDES
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 11,00



O AMANTE DA NATUREZA
NADINE GORDIMER
CODECRI
(1982)
R$ 15,00



A ABOLIÇÃO DO HOMEM - LACRADO
C. S. LEWIS
MARTINS FONTES
R$ 40,00



FORMAS DE LITERATURA DRAMÁTICA (DRAMATURGIA)
RONALD PEACOCK
ZAHAR
(1968)
R$ 32,00



DEUSES DE DOIS MUNDOS - O LIVRO DA MORTE
PJ PEREIRA
DA BOA PROSA
(2015)
R$ 55,50



EM BUSCA DE UM MILAGRE
KATHRYN KUHLMAN
BETÂNIA
(1977)
R$ 9,80



PROCESSO CIVIL - TÉCNICAS E PROCEDIMENTOS
MISAEL MONTENEGRO FILHO
ATLAS
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês