Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
>>> Silibrina é uma das bandas brasileiras selecionadas para o SXSW
>>> Chapel Art Show comemora 50 anos e homenageia German Lorca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
>>> Verão Poesia Internacional BH
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> O grande livro do jornalismo
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Bambodansarna
>>> Sobre Caramujos
Mais Recentes
>>> A arte da Guerra - Os treze capítulos - 2ª ed.
>>> Sua Eminência o Cardeal Dom Lucas Moreira Neves
>>> A Princesa Vermelha
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Envergonhada - Vol. 01
>>> Estudos sobre os Lusíadas////Estudos da Língua Portuguesa
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Escancarada - Vol. 02
>>> Hamlet
>>> Fedro
>>> Número Zero
>>> Roma Antiga - De Rômulo a Justiniano. Convencional
>>> Essencial Franz Kafka
>>> The Communist Manisfesto And Other Writings
>>> Harlequin (The Grail Quest) Vol. 01
>>> Nova Visão em Ortodontia-Ortopedia Facial
>>> Sociologia - Introdução à ciência da sociedade (4ª ed.)
>>> Diagnostico,Planejamento e Condutas Clinicas na Técnica Ortodôntica
>>> The Child With Traumatic Brain Injury Or Cerebral Palsy
>>> Teoria Geral do Estado
>>> Roteiro para Mídia Eletrônica - TV, rádio, animação e treinamento corporativo
>>> The Art of The Advocate
>>> O Problema da Obediência em Hobbes
>>> Mitos e Mitologias Políticas
>>> 1946 - Le Droit Mis en Scéne
>>> Enfermagem em Cardiologia
>>> Fundamentos de Dentistica Operatoria
>>> Saude EM Contingencia Com Prudutos Quimicos
>>> O medo de Montalbano
>>> Pátria de Histórias Bahia prosa e poesia
>>> Torrentes Espirituais
>>> Azincourt
>>> A Sarsa de Horeb ou o Mistério da Serpente
>>> Homem e Mulher A Integração como caminho de desenvolvimento
>>> Terra à vista. Histórias de náufragos da Era dos Descobrimentos
>>> A Voz íntima do Amor
>>> Desenho Arquitetônico 2ª ed.
>>> Morar Só - Uma opção de vida
>>> Homens Maus Fazem o que Homens Bons Sonhas
>>> Cidades Historias Mutações Desafios
>>> Sonetos escolhidos 1992-1996 Espelho Partido
>>> Pré-Suasão
>>> Como Identificar um Psicopata
>>> Manual de Persuasão do FBI
>>> A Grande Arte
>>> Jim George ( um jovem segundo o coração de Deus )
>>> Philip yancey ( oracao ela faz alguma diferença? )
>>> Deus, a Liberdade e o Mal
>>> Zeca e o pequeno dinossauro voador
>>> Francisco de Sales - Um Mestre de Espiritualidade
>>> Meninos sem Pátria - Série Vaga-lume
>>> Novíssimo Aulete Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa
COLUNAS

Terça-feira, 1/5/2007
Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
Marcelo Spalding

+ de 22100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

De uns tempos para cá as lojas ditas chiques, quando em liquidação, resolveram dizer que os preços estão "50% off" e estampar a estranha palavra "sale" nas vitrines. Não chega a ser novidade num país em que as pizzarias têm serviço de "delivery", e não de "telentrega", e as pessoas no intervalo dos congressos fazem um "coffee-break", e não uma "pausa para o café", mas o assunto voltou ao debate com a decisão do juiz federal substituto da 1ª Vara de Guarulhos, Antônio André Muniz Mascarenhas de Souza, de determinar que o governo federal fiscalizasse o uso de estrangeirismos em anúncios publicitários sob pena de multa. Se posta em prática, expressões como "sale" ou "off" deveriam aparecer acompanhadas de tradução no mesmo destaque em peças publicitárias em qualquer tipo de anúncios, vitrines, prateleiras ou balcões, pois para o juiz a decisão segue determinação do Código de Defesa do Consumidor e apenas a publicidade que não contenha algum tipo de oferta terá liberdade para o uso indiscriminado de qualquer símbolo, palavra ou gesto.

Em 1999, o deputado Aldo Rabelo (PC do B) já havia apresentado um projeto de lei que causou enorme polêmica proibindo o uso de "termos estrangeiros" em documentos oficiais (só para constar, na França desde 1994 é obrigado o uso do francês em publicações oficiais do governo, na educação e em contratos legais, motivo pelo qual a Academia Francesa de Letras cria equivalentes nacionais para os termos da ciência e tecnologia). Mas será essa submissão lingüística do português brasileiro uma questão de política pública? Será que um juiz ou um deputado, ou melhor, será que todos os juízes e deputados juntos conseguiriam mudar essa cultura dos neologismos?

Primeiro, é preciso pensar por que uma palavra como "gol" ou "sutiã" não é considerada estrangeirismo e outra como "shopping", é. Tanto "gol" não é uma palavra do nosso idioma que o plural dela é "gols", um caso único de plural com "s" depois do "l" (em espanhol, por exemplo, é "goles", e em Portugal, "golos"). Mas com o passar do tempo, depois de uma ou duas gerações, a palavra perdeu o "a" original, tornando-se "gol" e não "goal", bem como "penalty" virou "pênalti" e "back" virou "beque". Mas são todas estrangeiras, ou melhor, de origem estrangeira (como, aliás, nosso idioma não é propriamente brasileiro, mas herança do colonizador português).

Segundo, não podemos ficar dando voltas ao redor da história. Já no começo do século XX alguns intelectuais reclamavam da invasão de termos franceses, muitos dos quais ainda permanecem, como "démodé" e "menu", enquanto outros intelectuais retomavam termos do latim para demonstrar erudição, trazendo de volta palavras como "status". Sem contar, é claro, o fato do português falado no Brasil ser uma grande mistura, com termos árabes, vide "alface", e africanos, vide "bunda" (como de resto nosso povo é uma mistura de raças).

Dessa forma, não precisa de mais do que dez minutos de leitura de um jornal para identificarmos uma grande quantidade de empréstimos lingüísticos, muitos antigos e já incorporados ao nosso idioma, termos que não assustam nem motivam projetos de lei ou liminares judiciais (caso emblemático é o da palavra "performance", transformada em única proparoxítona sem acento do português).

Mas o que chama a atenção são os novos termos, a maioria provindos da informática, termos que lutam por reconhecimento e espaço como "scanner", "delete" e "plug", que já têm variações aportuguesadas como "escanear/escaneado", "deletar/deletado" ou "plugar/plugado", ao lado de termos já reconhecidos e pronunciados por qualquer criança brasileira como "mouse", "light" e "sexy" (bem, talvez nem toda criança pronuncie "sexy"...). Sem contar as siglas, como "VIP" e "AIDS", esta última inclusive já transformada em radical em "aidético".

Particularmente não acho que seja positiva essa adesão incondicional ao que vem do inglês, mas também não parece uma solução inteligente a repressão pura e simples da língua porque essa adesão é cultural, não apenas lingüística. A incorporação de tantos termos de língua inglesa hoje é apenas um sintoma de que o "american way of life" é o grande modelo do viver brasileiro e quiçá ocidental: mais do que incorporar termos, incorporamos hábitos, como ir ao shopping, usar equipamentos high-tech, estudar marketing, consumir o show business, comer fast-food e tomar refrigerantes lights.

Não seremos um país melhor ou pior por causa disso. É possível que daqui a cem anos se fale algo mais próximo do inglês, mais distante do (conservador) português de Portugal, e quem sabe não se possa falar em uma língua brasileira, com gramática e dicionário próprios. Difícil saber. Ruim mesmo é dentro do próprio país termos de viver com grupos sociais que insistem em diferenciar a língua portuguesa daquela falada por outros grupos, e para tanto são facilmente seduzidas por qualquer termo em inglês disponível, caso do "off", do "coffee-break" e do para mim estranhíssimo "it". Mas aí a questão já é outra, de neocolonialismo, e de novo passa mais pela cultura do que pela língua.

Dados curiosos
Resolvi escrever sobre este tema por causa de um trabalho que fizemos para a faculdade sobre empréstimos lingüísticos, trabalho no qual chegamos a alguns padrões interessantes sobre os empréstimos contemporâneos. A partir de um conjunto amostral de 50 palavras, identificamos que 90% delas são substantivos, como as palavras "jeans" e "pager", e 10% são adjetivos, como "sexy" e "expert". A predominância da língua inglesa, evidente no dia-a-dia dos falantes de português, também está refletida em nossa pesquisa, onde 88% das palavras são provenientes da língua de Shakespeare. A tecnologia é a área que mais incorporou termos estrangeiros modernos ao nosso léxico, sendo 42% da amostra composta por palavras que estão associadas à tecnologia.

Outro fato que chama a atenção nestas palavras incorporadas ao português é a grafia. Mais de 70% delas são escritas apenas com as 23 letras convencionais do alfabeto português, enquanto 16% das palavras são grafadas com "Y", 10% são grafadas com "K" e 6% são grafadas com "W", letras já incorporadas ao dia-a-dia do brasileiro. Por curiosidade, notamos ainda que o corretor ortográfico automático do Word em Português (Brasil) reconhece 50% dos termos, enquanto na versão Português (Portugal) apenas 8% dos termos são reconhecidos como do léxico, o que é apenas mais um sinal de como nossa cultura é mais aberta aos empréstimos lingüísticos do que a cultura portuguesa.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 1/5/2007


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
04. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007
05. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/5/2007
19h13min
Pecisamos separar a invasão da língua estrangeira da pura autoria das palavras por seus inventores. Quando os carros foram inventados, a língua francesa era considerada a mais culta, por isso carros tem palavras "francesas" como garage, embreage, marcha ré... O mesmo acontece com os computadores de autores (inventores) americanos. Agora, tem alguma invasão também. ;)
[Leia outros Comentários de Diego]
1/5/2007
21h15min
Pesquisa super instigante, mas a gente precisa lembrar que o inglês tem, por sua vez, 60% de latim e 40% de outras misturas linguísticas. O latim que influenciou o inglês, por sua vez, já era o latim vulgar, derivado da língua culta. E assim vai... Falar de "controle" linguístico seria demonstrar uma enorme ingenuidade em relação ao processo da fala humana, cujo enigma de nascimento até agora, afinal de contas, ninguém conseguiu decifrar: se a fala constitui a realidade ou é por ela constituída, eis a questão (lembrando outra vez o bardo). Isto posto, fico pensando como seria a aplicação de uma possível (e inaplicabilíssima) lei. E me provoca o riso sua aplicação. Ser censurado por falar ou escrever uma palavra estrangeira é, no mínimo, andar na mais absoluta contramão da História, negar todos os princípios de comunicabilidade humana e tentar desperdiçar os benefícios da tecnologia que nos dá, na primeira vez de todos os tempos, a oportunidade de mergulhar na babélica torre...
[Leia outros Comentários de Marcia Rocha]
5/5/2007
21h19min
Tema oportuno considerando a aceleração que as novas tecnologias possibilitaram. A adoção de verbetes e as influências de outras raízes idiomáticas é, desde sempre, uma das razões dinâmicas da construção e constituição da linguagem. É preciso que o nosso magistrado, quando julgue estas ações, que carecem de conhecimento específico, peça perícia de ligüístas e até dos gramáticos antes de assinar uma sentença que revogue a lei da gravidade. Culturas predominantes por valor material ou cultural deixam marcas nas culturas mais abertas com as quais se relacionam. Podemos por posicionamento ideológico acreditar neste fenômeno de neocolonialismo, embora, honestamente, esta caracterização não se sustente. A língua é dinâmica e quanto mais plástica e permeável ela for, mais expressiva tornar-se-á, possibilitando comunicação efetiva e estreitando as distâncias entre o universo representado por cada indivíduo. Positivo é saber do seu trabalho na faculdade registando e qualificando estas influências.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
7/5/2007
11h19min
A incorporação de termos estrangeiros em nossa língua existe, existiu e sempre existirá. Basta lembrar a origem da nossa língua, quando da invasão romana, na Península Ibérica, a influência dos termos árabes, e por aí vai. A língua é uma entidade viva e, portanto, sujeita a mudanças, ainda bem! O que me incomoda é o excesso, é a inadequação de certos termos da Língua Inglesa no nosso cotidiano. Imagina como isso cria uma barreira maior ainda, para aqueles que têm grandes dificuldades de entender o Português escrito, o que diremos então, das palavras em Inglês? É mais uma vez a elite ditando as regras, e o povão se contorcendo para entrar nesse meio, pronunciando termos em Inglês, de uma maneira hilária, grotesca. Bem, muito interessante a sua pesquisa e demonstra mais uma vez como é distante a língua falada da língua escrita. Pena que só uns poucos conheçam bem o segundo registro. Parabéns, pelo seu artigo. Um abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
9/5/2007
07h57min
Moro na Inglaterra ha 13 anos e cada vez que visito o Brasil percebo o aumento do uso de palavras em ingles. Talvez nao seja preguica? Pois no lugar de "sale" deveria usar "liquidacao" e eu sei qual prefiro usar!
[Leia outros Comentários de Alessandra]
31/5/2007
03h47min
Enquanto isso, vejo nos EUA a incorporação de palavras em espanhol a conversas do dia a dia. Mas também vou dizer uma coisa, não devemos cometer o erro francês. Por exemplo, se muita da tecnologia digital foi inventada nos Estados Unidos, faz bastante sentido usar os termos técnicos do inglês... Senão fica muito difícil de ler a literatura técnica. Tive aula de circuitos digitais com um livro em francês... Foi terrível! Flip-flop é um flip-flop, e bit é bit... Claro que em "marketing", poderíamos inventar uma palavra em português. Temos algumas das melhores empresas de marketing do mundo...
[Leia outros Comentários de Ram]
27/4/2011
17h53min
Abolir a língua estrangeira iria retardatar "ainda mais", porque o inglês está sendo uma língua universal. Convenhamos que, no Brasil, existe uma precariedade.
[Leia outros Comentários de Natasha de Oliveira ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OPEN SOURVE LICENSING SOFTWARE FREEDOM AND INTELLECTUAL PROPERTY LAW
LAWRENCE ROSEN
PRENTICE HALL
(2005)
R$ 50,00



COACHING DE CARREIRA
JOSÉ ROBERTO MARQUES
SER MAIS
R$ 34,95
+ frete grátis



UMA CURA PARA MEU FILHO
RUPERT ISAACSON
FONTAMAR
R$ 35,00



COLEÇÃO OBJETIVO: FÍSICA 4 VOLUMES
EDUARDO FIGUEIREDO E RONALDO FOGO E CAIO SÉRGIO V. CALÇADA E RICARDO HELOU DOCA
CERED
R$ 40,00



PROGRAMANDO PARA PROCESSADORES PARALELOS
DAVID B. KIRK
CAMPUS
(2011)
R$ 12,50



NISE. ARQUEÓLOGA DOS MARES
BERNARDO CARNEIRO HORTA
AEROPLANO
(2009)
R$ 250,00



FEIRA DE VERSOS - PARA GOSTAR DE LER (VOL. 36)
JOÃO MELQUÍADES F. DA SILVA, LEANDRO GOMES DE BARROS E PATATIVA DO ASSARÉ
ÁTICA
(2011)
R$ 12,00



INTRODUÇÃO CRÍTICA AO CONHECIMENTO
FRANCISCO LUIZ GARCIA
PAPIRUS
(1988)
R$ 12,00



EL MÉTODO DE LAS ACCIONES FISICAS - CONSTANTIN STANISLAVSKI
CONSTANTIN STANISLAVSKI
EDITORIAL PUEBLO Y EDUCACIÓN - CUBA
(1983)
R$ 28,00



ULYSSES
JAMES JOYCE
PENGUIN COMPANHIA
(2012)
R$ 45,00





busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês