A Conquista de Nenhuma | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 6/2/2013
A Conquista de Nenhuma
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

Da última vez em que respondi ao recenseamento no Brasil, a entrevistadora marcou "católica" quando eu disse "nenhuma" à pergunta sobre religião. Chamei-lhe atenção para o engano. Ela argumentou:

"Você não é de família católica, não foi batizada?"

"Sim, fui."

"Então você é católica, todo mundo é católico!"

Insisti: "Põe o xis no quadradinho de 'nenhuma', é só isso que você tem que fazer!"

Afinal a conquista de nenhuma tinha me custado anos de questionamento, uma jornada que marcou de angústia minha adolescência, a rejeição da família, o exílio dentro de casa. Não era para ser tomada com leveza.

Lembrei-me disso quando li artigo no New York Times falando sobre o significativo aumento dos que se declaram sem religião nos EUA. De 16% em 2008 para 20% em 2012.

O assunto tem estado na mídia. Os evangélicos reclamam da diminuição do número de devotos, da dificuldade em atrair adultos jovens, da perda de influência e de poder político. Falam em colapso, desintegração de sua igreja nos EUA.* Em 2004, diz o pastorJohn S. Dickerson, os evangélicos deram a vitória ao Presidente Bush. De lá pra cá a situação mudou drasticamente. "Nós evangélicos precisamos aceitar que nossas crenças estão em conflito com a cultura vigente. Não podemos mudar doutrinas antigas para nos adaptar aos dias de hoje. Mas podemos e devemos adaptar a maneira com que sustentamos nossa fé - com graça e humildade em vez de arrogância e hostilidade".

É um começo.

Alguns pastores defendem que é preciso procurar caminhos de doutrinação que assustem menos as pessoas. Uma religião mais voltada para a generosidade, a bondade e menos para a punição, o terror, as ameaças do inferno. É largo o caminho que leva à eterna danação e muitos vão entrar por ele (Mateus 7:13, Sermão da Montanha) já não produz o efeito de antes.

Parece que placas tectônicas da mente se deslocam afinal um pouquinho para se acomodar às mudanças dos últimos tempos. Ainda hoje o catolicismo considera a mulher como ser de segunda classe, religiões praticam a intolerância, a segregação, criam cismas enquanto falam de amor e solidariedade.

Se a doutrinação religiosa se orientasse para os aspectos positivos e sadios de nossas emoções e não tanto para o pecado, o castigo, o medo, os índices de paz e bem-estar geral subiriam muitos pontos e acabariam por se refletir no estado deplorável do mundo que temos hoje.

É comum a crença de que o comportamento ético é atributo exclusivo de pessoas afiliadas a alguma religião; só elas seriam capazes de bondade, compaixão, empatia, uma vez que sem temor de Deus, sem medo do inferno, sem as promessas de vida após a morte cairíamos na selvageria, no vale-tudo. Nada justifica essa crença.

Há uns anos, estava no CCBB, no Rio, assistindo ao Saramago, que vinha lançar um novo livro, quando, ao fim da palestra, uma senhora pediu a palavra, criticou Saramago por seu ceticismo e perguntou no tom indignado de quem conhece todas as verdades: "Como o homem sem Deus pode ser bom?" A pergunta cintilou como um golpe fatal, irrespondível. A plateia em silêncio. Saramago respondeu: "Como o homem com Deus pode ser mau?!". Quantas guerras, quantos crimes tem sido cometidos em nome de convicções religiosas. Não há como fugir dessa verdade.

Quando me defini por religião nenhuma, meus pais, mestras, padre confessor julgaram que, passada a rebeldia dos quinze anos, voltaria ao rebanho e ao bom senso. Não aconteceu; minha decisão tinha sido pensada exaustivamente; reconstruí minha cidadela interior, como diria Saint-Exupéry, um dos raros autores a que tinha acesso na época, sem dar lugar a dogmas, morbidez, medo, intolerância. Tenho vivido em paz e contente desde então.

A tranquila aceitação da vida, a aceitação de nossos limites, do que não nos foi dado saber, nos torna livres. Livres da pretensão, da onipotência, do orgulho, da ilusão, do medo. A vida aqui e agora se torna uma celebração. Sei que não sabendo (de onde viemos, para onde vamos) sinto-me em união com todos os outros seres do mundo; somos todos irmãos, passageiros do mesmo barco, compartilhamos o susto, a ignorância, o deslumbramento, a mesma história fantástica.

Não tenho pressa de morrer, adoro a vida, mas não tenho medo. O sono é bem-vindo depois de um longo dia bem vivido. Quando dormimos, não tememos nada, não sabemos de nada - apenas descansamos do dia. Sinto saudades mas não me angustio quando as pessoas queridas vão embora, a seu tempo. Faz parte da vida, do ciclo; nada é permanente. E tudo o que tiver que ser compartilhado com elas, tudo o que puder ser feito, é bom que seja enquanto estamos vivos. Essa consciência do tempo dá mais emoção, paixão à vida.

Livre e contente desse jeito, há memórias de minha infância católica que conservo e de que gosto muito. A arquitetura das igrejas, as torres e os sinos, as abóbodas em arcos e ogivas que se multiplicam nas alturas, o desejo de infinito! As pinturas, as luzes nos vitrais, os cálices de ouro; os paramentos bordados, as rendas, o incenso; e a música, o som das ladainhas, do órgão e dos corais; o canto gregoriano!

O arrebatamento a que me levavam esses rituais! A ternura!

Sem religião, agnósticos, mesmo os tranquilamente ateus, há algo em nós que espreita o céu, que reza, que anseia pelo que nos transcende, pela beleza. Há algo de religioso em nós, e esse mistério é mais um que nos contempla. Assim é, e assim seja.


Marilia Mota Silva
Washington, 6/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Orgasmo ao avesso de Débora Carvalho
03. Como se enfim flutuasse de Elisa Andrade Buzzo
04. Cartola de Ricardo de Mattos
05. Referências de Eduardo Mineo


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. O Nome Dele - 7/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês