Curso superior de auto-ajuda empresarial | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
COLUNAS >>> Especial Ensino superior

Segunda-feira, 10/9/2007
Curso superior de auto-ajuda empresarial
Pilar Fazito

+ de 5600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Que o ensino universitário nunca esteve tão ao alcance de todos desde o governo FHC, todo mundo já sabe. As faculdades particulares pipocaram de tal jeito que basta ter disposição (e coragem) para financiar, em inúmeras prestações, o tão sonhado diploma. E em termos de pagamento de prestações, ninguém é mais fiel do que as classes baixas, como já descobriu o dono das casas Bahia e de outras grandes redes de eletrodomésticos voltadas para o povão e que estão espalhadas pelo país.

A comparação entre as lojas de eletrodomésticos e as faculdades particulares voltadas para o povão, entretanto, termina aí. E termina de forma sórdida: no geral, faculdades particulares são empresas quando querem e formadoras de pensamento quando convém. Já as lojas de eletrodomésticos não têm essa segunda opção.

Como empresa, o funcionamento de uma faculdade particular é simples: abrem-se vagas para um vestibular qualquer; se o número de candidatos não é o suficiente para lotar três turmas logo no primeiro semestre letivo, milagrosamente abrem-se novas vagas e realiza-se outro vestibular. Cada turma deve ter ao menos 65 alunos. Isso dá um lucro bom, já que, dependendo do curso, a mensalidade de cinco alunos já paga o salário de um professor.

Como formadora de pensamento e escondendo-se sob o manto sacerdotal da cultura e da educação, a coisa é bem menos simples: a reclamação de alunos, professores ou qualquer outro ente dessa cadeia capitalista-educacional só tem fundamento para a instituição se ameaçar os lucros da empresa. Se não pesar na conta da pessoa jurídica, que o sujeito se vire.

O ensino superior particular brasileiro se rende, cada dia mais, às exigências econômicas sem nenhum pudor ético. E assim vai sendo ampliada a oferta de cursos que estão na crista da onda. Medicina, Jornalismo e Fisioterapia já eram. E o Direito só "não foi" porque ainda é preciso entender as leis para fugir de impostos e de cobranças, de indenizações e outras coisas que possam atrapalhar o crescimento de uma empresa. A bola da vez está com a Administração, a Economia e todas as variações do mesmo tema: Marketing, Gestão disso e daquilo, Processos gerenciais, RH, Logística e toda uma pataquada de fundamentos teóricos voltados para a velha forma de vida em sociedade: a venda e o comércio.

Há alguns anos, tive o desprazer de ter nas mãos um manual do CDL - Clube dos Diretores Logistas de BH. Era uma espécie de cartilha fornecida aos pobres-coitados que faziam aqueles cursos de vendas. Numa linguagem irritante e artificialmente alegre, o manual listava princípios de uma venda bem sucedida. Segundo a cartilha, um bom vendedor é aquele que não deixa o cliente sair da loja com as mãos abanando. Se o cara entra numa loja de artigos de pesca, por exemplo, em busca de um abridor de latas e a loja não tem isso, deve-se dizer ao cliente que produtos enlatados contêm conservantes que fazem mal à saúde. Daí para convencê-lo a mudar os hábitos alimentares e começar a caçar e pescar o próprio alimento como os ancestrais faziam, é um pulo. O exemplo é exagerado, claro, mas é por aí que a coisa funciona, na base da manipulação escancarada, acreditem. Mas o pior é não admitir essa manipulação e tentar engambelar a todos com eufemismos.

O que me deixa estarrecida é ver que essa lavagem cerebral está saindo das cartilhas e indo parar em salas de aula. Não com essa simplicidade, logicamente. No ensino superior, ela adquire um tom sóbrio e complicado. Na academia, manipulação tem virado "conquista de cliente" ou "oratória". Mesmo revestido de novidade, o óbvio ainda mostra sua face: o que interessa é vender. E os cursos de Administração, Economia, Marketing e todo o resto da família que anda pululando em todas as esquinas ensinam a otimizar o funcionamento da empresa, reduzir custos, fidelizar o cliente etc. E fazem isso tudo com uma tal de "sinergia" absurda. É sinergia pra cá e pra lá, como se empregados, patrões e clientes vivessem em êxtase.

O fato é que há cursos e cursos, faculdades e faculdades. Mas há quem não perceba essa diferença e, quando dá por si, já está dentro de uma sala de aula, lendo livros de auto-ajuda empresarial para aprender a ser um bom líder ou para lidar com pessoas difíceis no trabalho.

Certa vez, observei uma professora de Psicologia Organizacional preparar suas aulas. Ela se desdobrava com os alunos em dinâmicas de grupo, brincadeiras, jogos e mais um punhado de atividades, digamos, lúdicas, para fazê-los aprender que uma boa interação entre os colegas reflete no andamento da empresa. Por que não assumir de uma vez que há colegas de serviço que têm vontade de se matar? E qual é o problema nisso? Não é mais sensato dizer "você não precisa gostar do seu colega, mas resolva suas diferenças fora da empresa. Aqui dentro, é o rendimento que importa"?

Há cursos que iludem alunos dizendo que devem amar seus colegas de trabalho, que os patrões são pessoas ótimas e que a tal Responsabilidade Social não é só mais um engodo. Iludem ainda dizendo que é preciso (e possível) se tornar um líder. Se isso fosse verdade, as faculdades formariam tantos caciques-líderes que seria difícil achar índio dando sopa por aí e aceitando o posto de empregado de uma empresa.

Muito provavelmente, essa legião de estudantes de baixa renda, aspirantes a executivos, continuará pobre e iludida. E nem é preciso muito para acordar desse devaneio: há muitos donos de faculdades particulares que sequer conhecem a área da educação. E é aí que mora o perigo: a educação como comércio.

O mais triste é saber que a maior parte dos alunos/clientes dessas faculdades é formada por gente que ganha uma mixaria num emprego de oito horas por dia, quando não fazem hora extra. Se somarmos duas horas para o deslocamento entre a casa e o trabalho e outras duas para o almoço, é possível perceber que essa gente passa metade do dia engordando o lucro do patrão. E a hora para estudar? Geralmente, de 18h às 7h da manhã. Dormir para quê?

Alguns estudos dizem que 85% dos executivos são infelizes. Isso é uma generalização, claro, mas chega a ser engraçada se pensarmos na quantidade de gente que entra nesses cursos.

Que seja. Se nada der certo, ao menos o aluno aprenderá a publicar e vender um livro de auto-ajuda ou um manual de sucesso empresarial. Mas veja bem: eu disse publicar. Sim, porque aprender a escrever são outros quinhentos. E faculdades a que me refiro não se importam em formar semi-analfabetos.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 10/9/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
04. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal
05. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


Mais Especial Ensino superior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2007
20h14min
Muito bom seu texto e suas colocações. Incluo em tua lista de fatores ilusórios o multi mega empresário bem sucedido Roberto Justus, responsável pelo programa de auto-ajuda empresarial "O Aprendiz", que é assistido, em sua maioria, pelas mesmas pessoas de baixa renda que enchem as salas de administração das faculdades citadas. Como resultado disso, é comum as pessoas acharem que todos podem ser executivos de sucesso, sem que para isso seja preciso saber escrever ou desenvolver uma vivência e cultura geral. Basta ser empreendedor e pró-ativo.
[Leia outros Comentários de Carlos]
30/9/2007
12h27min
Olá, Pilar. Parabéns pelo texto! Escrever deveria ser o requisito mínimo necessário para o ingresso em qualquer universidade, mas já não é. Estudo em uma universidade que está entre as 37 piores divulgadas na última semana e afirmo que a posição é mais que merecida. O aluno que quiser estudar lá precisa apenas ter o ânimo de se tornar devedor adimplente. Se um aluno faz uma prova de vestibular hoje e não passa, pode voltar lá no dia seguinte e tentar novamente e assim sucessivamente. É muito simples. E não precisa iniciar o curso em fevereiro ou agosto. Pode iniciar em abril ou outubro, por exemplo. E são esses que tiveram a infelicidade de estudar em uma época que não se reprova, não se cobra presença e é possível se formar sem saber escrever. Na minha sala, pessoas escrevem “serto”, “umano”... Ah, e se reprovar em Direito Civil I esse semestre, pode continuar o módulo II no semestre seguinte e pagar para acessar a DP pela internet. Se não puder pagar no semestre seguinte, continua e faz quando puder.
[Leia outros Comentários de liz]
30/9/2007
23h45min
Vivemos os dois extremos. De um lado as faculdades particulares, oferecendo algo de qualidade duvidosa. Do outro, as universidades "públicas", que vivem num mundinho à parte, distantes da realidade. Infelizmente, é muito cômodo para todos que tudo fique como está.
[Leia outros Comentários de Paulo Sérgio Vieira]
1/10/2007
02h16min
Se não me engano (li em algum lugar, há algum tempo) essa "onda" já começou com o criador do Universo, um cara chamado Milton Friedman, da Escola de Chicago (o pai desse tal de Neoliberalismo). Dizem que lá, quando a História já tinha acabado (Fukuyama), nos idos de 1990, já se distribuía fitas cassetes (tipo Shoptime, essas coisas) com programas completos para executivos e governos "enxugarem" suas máquinas — coisa garantida. Tem um outro termo para essa turminha também, os Yuppies. São eles os responsáveis pela "revolução" que estamos vivendo, segundo os próprios. É um mundinho de face sorridente e boboca, mas cheio de caninos raivosos por trás... O pior é que esse linguajar de "executivo" tem contaminado diversas áreas — e a minha área (o jornalismo) é uma das que caiu nessa, com esse mundinho assessoria de imprensa. Tem um autor, o Baumann (O Amor Líquido), que mostra como usamos isso até nos relacionamentos. Dizemos: estou "investindo" nessa pessoa. Dia desses, em vez de namorar, compramos...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TURISTA ACIDENTAL
ANNE TYLER
IMAGO
(1987)
R$ 6,00



VIDA DE MODELO
ANGÉLICA LOPES
ROCCO
(2006)
R$ 8,82



SINTESIS 2
IVAN MARTIN
ATICA
R$ 10,00



JESUS, O HOMEM MAIS SÁBIO QUE JÁ EXISTIU
STEVEN K. SCOTT
SEXTANTE
(2010)
R$ 9,80



ONE LOVE ONE DIRECTION
BARBARA BECKAM
VERUS
(2015)
R$ 9,00



COMUNICAÇÃO COM OS ANJOS E OS DEVAS - 1ª EDIÇÃO
DOROTHY MACLEAN
PENSAMENTO
(2001)
R$ 25,95



A PALAVRA MODERNISTA: VANGUARDA E MANIFESTO
PEDRO DUARTE
CASA DA PALAVRA
(2016)
R$ 15,90



O GRUMETE - ROMANCE HISTÓRICO MEDIÚNICO
LUIZ CARLOS CARNEIRO / ESP. AMÉDÉE ACHARD
LÚMEN
(1996)
R$ 7,60



HISTÓRIA DA ARTE - DO SIMBOLISMO AO SURREALISMO
VÁRIOS AUTORES
FOLIO
(2008)
R$ 14,00



LOG IN TO ENGLISH 1
RICHMOND
MODERNA
(2013)
R$ 9,39





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês