É descansando que se vai longe | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/11/2007
É descansando que se vai longe
Verônica Mambrini

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No meu último feriado, a última coisa que fiz foi descansar. Tinha uma penca de livros para ler, amigos para encontrar, projetos para discutir, bagunças para arrumar, textos para escrever, visitas para receber, pesquisas para terminar. O tempo foi escorrendo de mansinho e me peguei no domingo à noite, jogada no sofá com o laptop no colo e a tevê ligada, mais ou menos prestando atenção nas reportagens. A tela, no colo, brilhava em páginas sobre "ócio criativo". Sempre lembro dessa expressão quando estou absolutamente esgotada e sem forças para fazer mais nada de interessante. E nesse fim de feriado em particular, de quebra, estava desanimada. Tinha que escrever justamente sobre eles, os feriados. Não saía nada que prestasse. Cansada, larguei o texto e fui dormir.

No dia seguinte, o sociólogo italiano Domenico De Masi, autor da teoria do ócio criativo, acabou por responder ao meu pedido de entrevista. Simpático, com uma voz extremamente jovial e que em nada lembra acadêmicos rançosos tradicionais, ele me conta que feriado, na História, é sinônimo de festa. Na Atenas de Péricles os dias festivos eram quase tão numerosos quanto os de trabalho. "Ainda assim, Atenas, que tinha 60.000 cidadãos livres e 250.000 escravos, produziu mais arquitetura, escultura, poesia, filosofia, historiografia e teatro do que praticamente qualquer outra cidade do mundo", diz De Masi.

Eram muitas, muitas festividades. Para todos os deuses e todos os gostos. A vida produtiva da cidade parava e os atenienses começavam seus feriados em julho com as festas Saturnais, às quais se seguiam as Synoikia, que comemoravam a unificação política da região da Ática. Logo depois, vinha o Panateniense, uma festança em que a população toda, e não só os cidadãos, podia participar, em homenagem à padroeira da cidade (sim, eles paravam tudo em nome do Pan!). Em setembro se celebrava os Mistérios de Elêusis, cerimônias de iniciação ligadas a Deméter (protetora da agricultura) e sua filha Perséfone, além das festas para Apolo, deus da cura, das doenças e também das profecias.

Aí vinha o mês mais rico em festividades, outubro: os rituais e as procissões em honra a Dionísio, mais três dias de Tesmofórias (de novo, Deméter... ô deusa festeira), e outros três dias de festas cívicas em honra a Zeus e Atena. À Atena operária eram dedicados os festejos que fechavam o mês. Durante todo o inverno corriam as procissões solenes em honra a Dionísio, chamadas Faloforias. Como o nome sugere, o símbolo principal da festa era um falo enorme de madeira, que representava a força vital. Janeiro era o mês dos casamentos, com mais festas. Em fevereiro: a Antesteria em honra ao deus do vinho, e mais festa, a Cloia, em honra a Deméter (ela realmente está em todas!). Nesse mesmo mês, aconteciam as Diasias em honra a Zeus. Em março, vinha a primavera, celebrada nos ritos para Atena e mais uma festa chamada Grande Dionísio (outro que não fica atrás em termos de agito) que durava cinco dias consecutivos com apresentações de ditirambo (canto coral grego), comédias e trilogias (seqüências de teatro de três peças). Em abril era a festa de Muníquia, em honra a Artemísia. Em maio se celebrava o Targelie, para Apolo. Junho, último mês do ano ateniense, tinha três grandes festas. Ufa! É muita festa, mas não acaba aí. "Nos meses que não mencionei, havia celebrações menores mas não menos numerosas e festivas", completa De Masi.

O sociólogo italiano conta ainda que as comemorações incluíam atletismo, concursos líricos, musicais, dramáticos e de beleza. Durante o Grande Dionísio, todos os atenienses assistiam ao ditirambo e a pelo menos 15 óperas teatrais, com cerca de vinte mil versos recitados e cantados. "Não se tratava, porém, da preguiça improdutiva que caracterizava as atuais 'férias de gerente': era uma reflexão alegre, da qual surgiu uma das maiores civilizações de todos os tempos. Se tratava do ócio elevado à arte." E assim era também como a Florença renascentista, cidade de 19.000 habitantes que produziu pintura, escultura, palácio, igrejas, poesia e sabedoria incomparáveis. "Também na Viena do início dos 1900, Otto, Wagner e Hoffmann, Freud e Musil, Klimt e Mahler, passavam a maior parte de seu tempo no maravilhoso Caffè Liberty, onde foram geradas algumas das obras mais extraordinárias do século passado".

A essa altura, minha culpa pelos feriados "improdutivos" já foi para o espaço. "Na atividade criativa, estudo, trabalho e tempo livre coincidem e se confundem. Como no carnaval do Rio, onde se produz simultaneamente riqueza, aprendizado e felicidade", diz De Masi. E quando a pessoa detesta seu trabalho? E quando o trabalho é massacrante e esgota o trabalhador? Nesse caso, o professor italiano critica a massificação do tempo livre: o lazer vem pronto, numa torrente de eventos culturais e de entretenimento que pode ser tão massificante e opressiva quanto o tempo de labor. "Hoje, por sorte, dois terços dos trabalhadores desenvolvem tarefas intelectuais de caráter flexível ou criativo. Para parte deles, é possível evitar a separação das atividades industriais com que se produz riqueza, das de escritório com que se produz saber e das lúdicas com que se produz bem-estar e alegria. Isso é o que eu chamo de 'ócio criativo'."

Aos trabalhadores que dependem de um ofício manual, repetitivo e cansativo e para empregados que desenvolvem tarefas burocráticas, Di Masi recomenda aproveitar as pausas prolongadas para o descanso físico, o divertimento intelectual, os relacionamentos sociais e o amor. Os que têm trabalhos intelectuais flexíveis e criativos não devem separar os dias entre trabalho e descanso. "Dia e noite, trabalho e vida devem ser dedicados sempre e só ao ócio criativo: o mix de estudo, trabalho e lazer." Ok, não é tão simples assim. O mercado de trabalho, mesmo para empregos maçantes (às vezes até degradantes) é extremamente competitivo e difícil. Mas que essa teoria dá uma pontinha de ânimo, dá. Ela é o desdobramento de uma mais antiga: a de que a mecanização e a tecnologia aplicadas à atividade produtiva permitiriam que as pessoas tivessem mais tempo livre. O que se vê, na prática, é que parte do serviço braçal é, de fato, ocupado por máquinas. Mas a força produtiva foi parar em subempregos, ou nem isso. Uma outra parcela se realocou nos trabalhos intelectualmente mais interessantes. O que não diminui o valor de um modelo que preza tanto a produtividade como a essência humana de quem produz.

"Eu não teria medo de dias de festa. Nos dias de trabalho se produz e nos dias de festa se consome. A economia atual precisa tanto de produção quando de consumo. Além disso, no dias livres se pensa, se conhece pessoas novas, se assiste a espetáculos mais estimulantes", diz o sociólogo.

Ai, que bom, De Masi. Assim eu fico mais animada com meus feriados.


Verônica Mambrini
São Paulo, 12/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre viver em qualquer lugar de Lisandro Gaertner
02. A imprensa dos ruivos que usam aparelho de Vicente Escudero


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/11/2007
21h57min
De Masi estava na Oktoberfest de Blumenau-SC, este ano. Parece que anda por aqui, em projetos com o Governo do Estado. Mas pode. Encontrou um "filão" para ganhar e trabalhar pouco. Eu olho com um pouco mais de ceticismo para a História. É um percurso de miséria, opressão e, conseqüentemente, da necessidade de fuga, muito vinho, drogas, prostitutas, esportes sangrentos. Do jeito que vamos, não caminhamos para o ócio criativo, mas para o desemprego em massa, a informalidade e uma incongruência entre produção-consumo. Tanto que "neguinho", para ter um tênis legal, mete uma arma na cara. Fácil. Ócio criativo total, nem precisa trabalhar. Existe um império do lucro que molda o mundo, e (não sou esquerdista chato, apenas crítico) a vida não é prioridade para ele. Vejo a filosofia de De Masi como epicurismo, analgésico. Sou mais a favor da redução da jornada de trabalho para 4 horas diárias e, com isso, a multiplicação dos postos de trabalho. Política concreta. É o que penso. Abraço Verônica.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SANGUE DE ÂMBAR VOL 559 COL. ARGONAUTA
ROGER ZELAZNY
LIVROS DO BRASIL
(2005)
R$ 35,78



INSIDE WINDOWS COMMUNICATION FOUNDATION (DEVELOPER REFERENCE)
JUSTIN SMITH
MICROSOFT PRESS
(2007)
R$ 37,00



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 10,00



JACUBA É GAMBIARRA
SABRINA SEDLMAYER
AUTÊNTICA
(2017)
R$ 38,00



LIÇÕES DE MEDICINA LEGAL
A. ALMEIDA JÚNIOR E J. B. DE O. E. COSTA JÚNIOR
CIA. NACIONAL
(1971)
R$ 14,00



VISÕES DA TRADIÇÃO SOCIOLÓGICA
DONALD N. LEVINE
JORGE ZAHAR
(1997)
R$ 60,00



FABULAS DE LA FONTAINE TOMO
LA FONTAINE/IRACEMA COSTA
VERBO INFANTIL
R$ 10,00



OS TECELÕES DO DESTINO
EURÍPEDES KÜHL / DOMITILA
PETIT
(2001)
R$ 11,00



DIRETRIZES GERAIS PARA INTERCAMBIALIDADE DE PROJETOS EM CAD
HENRIQUE CAMBIAGHI
PINI
(2002)
R$ 15,00



ANTONIO CANDIDO: A PALAVRA EMPENHADA
CELIA PEDROSA
EDUSP / EDUFF
(1999)
R$ 22,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês