Cartas a um jovem escritor | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> O que é crítica, afinal?
Mais Recentes
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
>>> Os Cátaros e o Catarismo
>>> Quem matou Palomino Molero?
>>> Uma poética de romance - Matéria de carpintaria - ed. revista e ampliada
>>> Brasil: uma História a saga de um país
>>> The Hero With a Thousand Faces
>>> Treinamento total para jovens Campeões
>>> The American Folk Scenee
>>> Born to Win
>>> Novíssima Gramática Ilustrada
>>> Marketing Management, Millenium Edition
>>> Dicionário Básico de Filosofia
>>> Dicionario Técnico Industrial, Alemão Portugues
>>> Fundamentos dePsicologia Educacional
>>> As pedagogias do conhecimento
>>> The Extended Phenotype
>>> Parques de Diversões no Brasil
>>> Tabela de Composição Quimica dos Alimentos
>>> Estatistica Fácil
>>> Brazil's Second Chance
>>> Matemática Paiva Vol 2 Manual do Professor
>>> Matemática Paiva Vol 3 Manual do Professor
>>> Conexões com a Matemática Vol 2
>>> Conexões com a Matemática Vol 3
>>> Conexões com a Matemática Vol 1
>>> Matemática Paiva Vol 1 Manual do Professor
COLUNAS

Quinta-feira, 31/1/2008
Cartas a um jovem escritor
Marcelo Spalding

+ de 11400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O título é bom, ótimo, mas não é meu nem da minha coluna, e sim de um interessante livro escrito por Mario Vargas Llosa, Cartas a um jovem escritor (Elsevier, 2006, 188 págs.). A obra faz parte de uma coleção que vai desde Cartas a um jovem chef até Cartas a um jovem herdeiro, passando por um livro com cartas a jovens políticos escrito por Fernando Henrique Cardoso. Mas esqueçamos o caráter comercial da coleção, que não prejudica o ensaio de Llosa e talvez até explique alguns comentários superficiais.

Já nas primeiras páginas, o romancista pergunta: por que dedicaria seu tempo a algo tão efêmero e quimérico ― a criação de realidades fictícias ― aquele que está intimamente satisfeito com a realidade real, com a vida que leva? "A ficção", dirá então Llosa, "é uma mentira que encobre uma verdade profunda, é a vida que não foi, a que os homens e mulheres de determinada época quiseram levar e não levaram, precisando, por isso, inventá-la".

Adiante, o peruano irá lembrar a frase de Flaubert de que a escrita é uma bela vocação que nos absorve a tal ponto que não escrevemos para viver, e sim vivemos para escrever, para logo a seguir afirmar que "o escritor se alimenta de si mesmo", ponderando, porém, que "embora o ponto de partida da invenção de um romancista seja o que ele viveu, esse não é, nem pode ser, o ponto de chegada".

Particularmente, como jovem escritor e, mais ainda, com a mínima autoridade de professor de oficina de criação literária de uma universidade aqui de Porto Alegre, digo que o livro já vale por esses dois capítulos iniciais. Não que as considerações de Llosa sejam novas, mas ele começa as cartas com a pergunta mais sensível àqueles que escrevem: por que escrever? Escreve-se por vocação, escreve-se por vaidade, escreve-se por ganância? Para que escrever, criar realidades em vez de vivê-las, pôr mais um livro no mercado e batalhar insanamente para que outros o leiam?

Lançadas as perguntas, Vargas Llosa não as responde, prefere dar conselhos mais técnicos e objetivos, focando-se sempre na construção do romance, o que não é comum, pois normalmente as poéticas contemporâneas são feitas para o conto. Ao longo das doze cartas, abordará o estilo, o narrador, o espaço, o tempo, os níveis de realidade, as guinadas, o subtexto, a verossimilhança e outros conceitos teóricos que todo escritor, mesmo que rejeite a academia, deveria conhecer, pois nada mais são do que suas ferramentas de trabalho.

Sempre citando exemplos, de Joyce a Monterrosso, nos mostra como cada elemento formal interfere sobremaneira no "poder de persuasão" de um texto, tornando-o mais ou menos inesquecível. Não se pode separar forma e conteúdo, insistirá o romancista, e se romances como Dom Quixote e Moby Dick são bons é graças à eficácia de sua forma, pois a maneira como se conta e o que se conta, nesses romances, formam uma unidade indestrutível.

Como o leitor já deve ter percebido, Vargas Llosa se concentrará no texto, na concepção de romance como arquitetura, esquema narrativo, chegando a afirmar que nenhum romancista obteve sucesso fulminante, todos foram frutos de anos de disciplina e perseverança. E nesse sentido é interessante notar como a concepção de literatura, e, por conseguinte, do papel do escritor, mudou ao longo de cem anos.

Entre 1903 e 1908, Rainer Maria Rilke, considerado o melhor poeta de língua alemã do século XX, trocou cartas com um jovem que pedia juízo sobre sua obra e essas cartas hoje estão publicadas em Cartas a um jovem poeta (livro que não é mencionado em nenhum momento por Vargas Llosa mas que provavelmente serviu de inspiração para os organizadores da coleção Cartas a um jovem...). Em suas cartas, Rilke começa dizendo-se impedido de comentar a obra alheia, mas sugere que falta personalidade ao poeta, chegando a perguntar se ele TEM mesmo que escrever. A partir daí, passa a dar muitos conselhos para o jovem Kappus, todos eles relacionados à vida do rapaz, insistindo que ele deve viver mais, aprender com a tristeza, ler menos crítica literária. Não há uma carta sequer dedicada às questões formais, como em Vargas Llosa.

Mais do que opção estética de um e outro, esse fato demonstra como a literatura transformou-se ao longo de um século, apagando muito da influência do romantismo e recebendo muita influência da sociedade industrial, da cultura de massa, da tecnologia crescente. Já não se fala em inspiração, muito menos em musa-inspiradora, mas em trabalho, muito trabalho, disciplina, atenção. Mais do que criador, o escritor contemporâneo deve ser um construtor, um arquiteto capaz de aliar sensibilidade artística e estruturação quase matemática.

Não que o estilo não seja importante, pelo contrário. Vargas Llosa dedicará um capítulo inteiro ao tema, onde afirma que "não é possível ser um romancista sem ter um estilo coerente e necessário, e visto que você deseja tê-lo, busque e encontre o seu estilo lendo bastante, mas (...) procure fugir das reproduções mecânicas dos padrões e ritmos da escrita de terceiros, pois se você não for capaz de desenvolver um estilo pessoal, aquele que mais convém ao que você pretende contar, suas histórias dificilmente conseguirão se embeber do poder de persuasão que as fará viver". Mas esse estilo não nasce de uma hora para outra, é uma conquista. E precisa ser lapidado.

Por essas e outras reflexões, nada como levar para as férias esse livrinho de Vargas Llosa. Talvez muitos cheguem ao final constrangidos pelo que até então tenham escrito, mas também isso é parte do amadurecimento profissional de um escritor, inevitável àqueles que desejam ir além de leitores-amigos e blogs engraçadinhos.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 31/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... de Marta Barcellos
03. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini
04. Memórias de ex-professoras de Carla Ceres
05. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil de Luis Eduardo Matta


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2008
19h41min
Uma série de reflexões bem consideradas. Mas, por que será que quem consegue ser considerado escritore, tende a querer desestimular quem escreve e não tem tal status ou está começando?
[Leia outros Comentários de Edson B. de Camargo]
7/2/2008
22h23min
Gostei mais do livro de Rilke; Vargas Llosa é bastante previsível, inicia sugerindo que é preciso ter nascido para escrever, possuir características específicas de personalidade para conseguir ser um escritor, ter vocação, tendência, inclinação, depois passa a falar em trabalho e disciplina, que costumam ser conselhos de escritores-jornalistas, acostumados a regras e padrões textuais; que são importantes, sem dúvida, para a construção literária, mas a sensação que fica é a de ilusão: há uma promessa de aprendizado acessível a todos, bastando para isso conhecer as regras e se disciplinar em um trabalho contínuo, que requer muito esforço e atenção. Porém, você só conseguirá bons resultados se tiver vocação, o que ninguém ensina, mas isso fica em segundo plano quando o autor fala da técnica, da possibilidade de se dominar os recursos necessários à construção dos textos. Afinal, escrever é vocação ou é trabalho? Vale mais ter conhecimentos ou sensibilidade? Depende do escritor?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
16/8/2008
13h59min
Escrever é o exercício, ler é o alimento. Sou ex-viciado, ex-vagabundo, ex-presidiário, ex-marido, porém também sou estudante, escritor e espectador do mundo imaginário que crio, abastecido por vivências e leituras. Escrever é a forma que achei de deixar de ser escravo do sistema avassalador atual. E blablablá... Escrevo para ser lido e manter-me vivo virtualmente na mente do leitor. Ler é um diálogo, uma eterna comunicação.
[Leia outros Comentários de Ósi Luís]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOBRE FORMIGAS E CIGARRAS
ANTÔNIO PALOCCI
OBJETIVA
(2007)
R$ 10,00



UM DEUS DIFERENTE ( HONEST TO GOD)
JOHN A T ROBINSON
HERDER
(1967)
R$ 47,50
+ frete grátis



LOKI
MARVEL COMICS
PANINI
(2010)
R$ 20,00



HISTÓRIA E ENSINO DE HISTÓRIA
THAIS NÍVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2011)
R$ 20,00



IVANHOÉ
WALTER SCOTT
VICTOR CIVITA
(1983)
R$ 1,00



DE IBSEN A GENET: LA REBELIÓN EN EL TEATRO
ROBERTO BRUSTEIN
TROQUEL
(1970)
R$ 45,00



COMO SE DEFENDER DE ATAQUES VERBAIS
BARBARA BERCKHAN
SEXTANTE
(2011)
R$ 15,00



O PLANETA SIMBIÓITICO + UMA NOVA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO
LYNN MARGULIS
ROCCO
(2001)
R$ 50,00
+ frete grátis



OS JOGOS TEATRAIS DE VIOLA SPOLIN: UMA PEDAGOGIA DA EXPERIÊNCIA
KARINE RAMALDES E ROBSON CORRÊA DE CAMARGO
KELPS
(2017)
R$ 35,00
+ frete grátis



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
SOL
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês