O nome da águia | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
>>> Alma Nua
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
Mais Recentes
>>> Capitão Swing
>>> A Experiência Burguesa - A Paixão Terna
>>> 3001- A Odisseia Final
>>> Zacarias 1 a 3
>>> O Justo viverá pela Fé
>>> Contos Novos
>>> O Noviço
>>> Fogo Morto
>>> Macunaíma
>>> Antologia de Estética Teoria e Crítica Literária
>>> Ana Karenina
>>> Suas Mãos Podem Curá-lo
>>> Mudras - As Mãos Como Símbolo do Cosmos
>>> Dos Crimes Contra o Patrimônio V. 9
>>> O Gerente Minuto e a Administração do Tempo
>>> Peça e Será Atendido - Aprendendo a Manifestar seus desejos
>>> O Encantador de Cães
>>> Paz Interior
>>> Marley & Eu
>>> Poder Sem Limites
>>> Milagres da Cura Prânica
>>> Um Dia Minha Alma se Abriu por Inteiro
>>> Auto-estima, Liberdade e Responsabilidade
>>> O Paraíso Fica Perto
>>> A Nova Dieta dos Pontos
>>> O Poder Dentro de Você
>>> Contos Antológicos
>>> Nova Gramática do Português Contemporâneo - 3ª ed. revista
>>> Prime Time (inglês para o ensino médio) - Volume Único - 2ª ed.
>>> Essential Grammar In Use - second edition
>>> As Medicinas Tradicionais Sagradas
>>> Espanha - Pequena História das Grandes Nações
>>> O Homem
>>> Teatros Do Corpo - O Psicossoma em Psicanálise
>>> Direito Tributário - Parte Geral
>>> Direito Civio - Contratos
>>> Meu Primeiro Milhão
>>> Lições Práticas de Processo Penal - O Caderninho do Criminalista
>>> Direito Financeiro na Constituição de 1988
>>> Poderosa - Diário de Uma Garota que Tinha o Mundo na Mão
>>> O Diário da Rua
>>> Os Invertebrados: uma Síntese
>>> Carta Aberta aos Gurus da Economia que nos Julgam Imbecis
>>> O Fim do Euro
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios
>>> O Futuro dos empregos
>>> A Economia Irracional
>>> O texto na TV- Manual de Telejornalismo
>>> Conto de escola
>>> O inimigo secreto
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Terça-feira, 24/6/2008
O nome da águia
Gian Danton

+ de 4200 Acessos

Um dos males de Machado de Assis foi ter, com sua obra de incontestável qualidade, a idéia de que um romance só vale pela análise psicológica dos personagens, ou pela construção sociológica da história. A predominância de Machado em nossa literatura fez com que o modelo literário brasileiro passasse a ser uma marcha lenta constante, como diz Guga Schultze em seu texto no aqui no Digestivo. No Brasil, autores como Isaac Asimov, que sempre centraram suas obras na trama, seriam relegados pela crítica ao ostracismo. Claro que isso tem relação direta com diferença entre Brasil e EUA. A literatura norte-americana se formou em meio ao fenômeno da massificação e da industrialização. De repente, uma enorme massa de pessoas alfabetizadas e com dinheiro estava interessada em diversão e comprava tudo que saía, de jornais aos famosos pulp fiction, passado pelos gibis. Embora, evidentemente, houvesse autores que centrassem sua atenção mais na psicologia dos personagens, ou nas questões estilísticas, havia uma boa tradição de obras escritas com pé na trama. Uma tradição que vem de Edgar Allan Poe. No Brasil, o guia literário sempre foi Machado, um funcionário público que escrevia livros, com ritmo de uma vela que queima, para um público aristocrático.

O único gênero em que a ênfase sobre a história pareceu sobreviver foram os livros juvenis e infantis. Foram neles que surgiram grandes autores, tais como Monteiro Lobato e Marcos Rey, que deliciaram gerações de leitores. Lobato, aliás, costumava dizer que não fazia literatura, para diferenciar sua obra dos "acadêmicos".

Mas essas crianças e jovens, que moravam nos livros de Lobato ou de Marcos Rey, quando ficam adultos, ou se acostumam com a literatura brasileira em marcha lenta, ou buscam autores estrangeiros. São poucos os escritores que se dedicam a gêneros mais populares.

Essa longa introdução é, na verdade, para falar de O Nome da Águia (Novo Século, 2008, 320 págs.), de autoria de Alexandre Lobão. O livro não tem nada do que se tem visto como qualidade nos autores nacionais: não há longas análises de personagens, nem preocupações sociológicas. Também não há um estilo rebuscado. Há apenas uma história intrigante e bem amarrada, que poderia dar um bom seriado ou (melhor) uma história em quadrinhos.

Lobão, que é roteirista de cinema e quadrinhos, aposta todas as suas fichas na ação e no suspense causado pelos vários ganchos jogados ao longo da história. Além disso, o livro apresenta narrativas alternadas, um capítulo no presente e outro no passado, mostrando encarnações passadas dos personagens. Lembra os bons quadrinhos da década de 1980, período em que os artistas exploraram ao máximo as potencialidades narrativas da nona arte, em histórias pouco convencionais e não lineares.

A história de O Nome da Águia começa em 3497 antes de Cristo, numa pequena tribo de hebreus. Sete personagens recebem dons especiais. Entre eles, dois se destacam: Hebel encarna o amor de Yahweh; Qnah, a paixão.

A narrativa, em seguida, pula para o ano de 2012 depois de Cristo, quando um arqueólogo alemão descobre um documento em hebraico nos restos do bunker de Hitler e comunica a um amigo.

A partir daí, vamos acompanhando as descobertas dos dois cientistas e a perseguição sofrida por eles, alternadas com a narrativa das várias encarnações pelas quais vão passando Qnah e Hebel, que tomam rumos completamente diferentes. Enquanto Hebel difunde a palavra de Deus através de exemplos e da bondade, Qnah tenta fazê-lo através de impérios. Nesse sentido, a trama é um tanto óbvia. Torna-se evidente que Qnah irá encarnar reis, como Alexandre, O Grande e Alexandre Janeu, rei da Judéia ou mesmo Átila. Por outro lado, Hebel irá encarnar Buda e mesmo Jesus. O interessante aí é não só adivinhar que personagens eles personificarão, mas perceber como o autor irá explicar as inevitáveis incoerências, como o fato de Qnah encarnar Herodes, que manda matar o menino Jesus, e depois irá encarnar papas ferrenhos defensores do cristianismo. Ou como esse personagem, sendo originalmente hebreu, virá a ser Hitler, o maior perseguidor dos judeus.

Surpreendentemente, Lobão consegue atar os fios soltos da trama, explicando até mesmo as incoerências. Essas incoerências, aliás, acabam se tornando, na narrativa, uma forma de ironia.

Algo interessante em O Nome da Águia é o uso da reencarnação. Num país em que há uma parcela considerável da população que acredita no espiritismo, é surpreendente que outros escritores não usem esses preceitos em seus escritos. Na verdade, os livros que falam sobre o assunto são exclusivamente religiosos. Lobão percebeu a possibilidade narrativa que a reencarnação oferece, ao mostrar como a atuação dos personagens no presente está calcada em suas vidas passadas. E faz isso sem dogmatismo. Ele não quer converter o leitor, quer apenas usar um artifício narrativo pouco usual.

A edição da Novo Século contribui para o bom resultado da obra. Diagramação correta, papel de encorpado, capa com ilustrações em alto relevo. Só faltou uma maior preocupação com a revisão, especialmente com o tempo verbal, que oscila do passado para o presente, às vezes no mesmo parágrafo, como no trecho a seguir: "A multidão abriu espaço enquanto o grupo se encaminhava ao centro da aldeia. Lá chegando, Hebel e Qnah sobem em um pequeno palco no canto da área central". Não é o fim do mundo, mas essa ida e volta dos tempos verbais incomoda o leitor mais atento.

De resto, O Nome da Águia acaba sendo um bom thriller de ação num mercado que carece desse tipo de obra.

Para ir além






Gian Danton
Macapá, 24/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
02. Isto não é um trote de Marta Barcellos
03. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
04. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
05. Eu podia estar matando, podia estar roubando de Adriane Pasa


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2008
01. Autobiografia teológica - 12/3/2008
02. Histórias de robôs - 3/3/2008
03. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos - 7/4/2008
04. Coisas Frágeis - 4/8/2008
05. O nome da águia - 24/6/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIÁRIO DA SOLIDÃO
TIAGO PENA
LYNCE
(2016)
R$ 32,33



HABITANTES DE BABEL
JORGE LARROSA E CARLOS SKLIAR
AUTÊNTICA
(2001)
R$ 33,00



ARTE NOS SÉCULOS VOL I DA PRÉ HISTÓRIA AO CLASSICISMO
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1969)
R$ 25,00



PSIQUIATRIA
ANA FERNÁNDEZ ESPINOSA
MCGRAW HILL
(2002)
R$ 15,00



CONJUGAÇÃO DOS VERBOS EM PORTUGUÊS
MARIA APARECIDA RYAN
ÁTICA
(1998)
R$ 16,00



PÁSSAROS DA LIBERDADE + JOVENS, JUDEUS E REVOLUCIONÁRIOS NO BRASIL
CARLA BASSANEZI PINSKY
CONTEXTO
(2000)
R$ 10,00



PORTUGUÊS PARA O CURSO TÉCNICO PRIMEIRO ANO
JOSÉ CRETELLA JÚNIOR
COMPANHIA NACIONAL
(1954)
R$ 30,00



A BELA ADORMECIDA - PRINCESAS INESQUECIVEIS
NÃO CONSTA
BICHO ESPERTO
R$ 5,00



ISIS SEM VEU:4 VOLUMES-OBRA COMPLETA(LIVROS NOVOS)
HELENA BLAVATSKY
PENSAMENTO
(2013)
R$ 300,00



EFÉSIOS 4 A 6 - ALIMENTO DIÁRIO
DONG YU LAN - EDITOR
ÁRVORE DA VIDA
(1993)
R$ 4,90





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês