Parodiando a autoajuda | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/4/2010
Parodiando a autoajuda
Carla Ceres

+ de 4800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Os escritores da moda sabem que seus trabalhos de qualquer gênero precisam de um quê de autoajuda para obter sucesso. Muitos leitores, por sua vez, ficaram condicionados a encarar qualquer texto como um guru simplificador, cheio de bons conselhos para realizar seus sonhos. Parece um relacionamento perfeito, do tipo ganha-ganha? Nem sempre. Falando quase seriamente, vou arriscar um palpite sobre os erros que levam os livros de autoajuda a frustrar seus leitores. Pensando bem, vou arriscar logo uma porção deles porque palpite é bom assim, de bastante, para ver se algum cola.

O primeiro erro da autoajuda é a mania de achar que tudo o que pode ser resolvido deve ser resolvido. É o tipo da ideia besta de quem desconhece a malandragem dos problemas, suas táticas de guerrilha e espionagem.

Os pessimistas resmungam que viver é resolver problemas. Se concordarmos com eles, chegaremos à conclusão de que, depois de um problema, vem outro mais complicado. É assim que os problemas agem: mandam primeiro um facinho, depois começam a encrespar.

Fãs de ficção científica comparam o agravamento insidioso dos problemas a uma invasão de marcianos. Primeiro uma navezinha mixuruca aparece zanzando tranquilamente pelo nosso horizonte, como quem não quer nada. Mexemos com ela e a invasão começa.

Em geral, o problema está quieto no canto dele, isto é, bem no meio da nossa vida, esperando uma provocação. A melhor dica a esse respeito é: se o problema está quieto, não mexa; se ele se mover, fique quieto; se ele atacar, pau nele.

O segundo erro da autoajuda é a mania de querer que o leitor desenvolva suas potencialidades. Certos livros nos levam à exaustão de tanto detalhar o trabalho que teremos para aprimorar nossos "talentos naturais".

A palavra mágica é "potencial", e a trágica, "esforço".

Em potencial, somos todos gênios e podemos treinar nosso cérebro para ler, em cinco minutos, um relatório que levou cinco anos para ser elaborado e que está ultrapassado há cinco meses. Ultrapassados, também, parece que estão os velhos cinco sentidos. Agora somos todos paranormais. Podemos treinar nossa mente para adivinhar números de loteria (ação que os livros condenam, mas ensinam), ou formar uma rede de fofoca telepática (o que, por sinal, não vale a pena, pois você leva muito tempo para aprender os macetes e, quando consegue, não tem como trazer material impresso para provar que esteve lá).

Existem obras que nos ensinam a administrar conflitos empresariais com flexibilidade. Bons exemplos (com títulos traduzidos para o português claro) são os revolucionários Essa joça não vai! E agora? e Quando o sapo desce coaxando.

Tais escritos, para fugir do rótulo de autoajuda, revestem-se de uma pretensa seriedade científica. Seus autores, economistas e administradores de alardeado sucesso, aparecem na foto da contracapa com aquele olhar de "eu sei que você me inveja".

Ao menos nesse ponto, eles estão certos: são invejados mesmo! Nem adianta vir com esse papo de que esses caras se matam de trabalhar, sofrem do coração e, quando morrem, vão para o inferno direto. Se algum desses argumentos prestasse, essas obras-primas venderiam tanto?

Há pouca ciência e muita enrolação nesses "manuais para a fortuna". As estatísticas provam que é mais fácil acertar o nome do futuro marido com uma simpatia de São João do que subir na vida através de livros de embromação econômica. Empresários poderosos costumam dever seu sucesso (e sua frota de namoradas último tipo) às suas pontes de safena e à desgraça de outros empresários.

O pior é a trabalheira medonha por trás de tantos bons conselhos! Nosso sonho é nascer sabendo. Essa história de em potencial cansa muito.

O terceiro erro da autoajuda é a mania de amortecer e desvalorizar o desespero.

A solidão e o desespero favorecem a venda dos livros de autoajuda da mesma forma que o analfabetismo e a miopia garantem o sucesso dos audiolivros. É contra o desespero, não contra algum problema bem definido, que o leitor pede socorro. Os autores sabem (se aproveitar) disso. Amortecem nossa ansiedade mantendo-nos ocupados com longos rituais e treinamentos.

Digamos o seguinte: a sua paixão deu no pé, você engordou, está com o rosto inchado porque precisou extrair um dente do siso e, para piorar, terá que extrair os outros três logo, logo. Isso não é nada, passa em dois meses (num SPA, de preferência). O pior é como você interpreta a situação: ninguém, nunca mais, vai querer saber de uma baleia banguela com cara de lua cheia feito você.

Pensando assim, seu próximo passo será engordar mais e mais até se desesperar e recorrer a um livro do tipo A dieta do chuchu com água. Interessou-se? Com ingredientes variados, os autores compuseram um total de quarenta receitas (uma para cada dia de vida do leitor). Pessoas menos exigentes com sua beleza física podem abandonar a dieta após o trigésimo prato e contentar-se com uma elegante anorexia.

Optando por essas "soluções", chega-se a momentos em que desesperar-se faz sentido.

A "cultura do acalme-se" quer poupar os ouvidos da sociedade sensata, evitar que criaturas inconvenientes fiquem choramingando tolices sobre desamparo e dor. Em contrapartida, um movimento vem fazendo adeptos estridentes a favor do direito de berrar.

Meu medo é que essa oposição yin-yanguiana promova uma "burocratização do grito" que venha a resultar em fenômenos como: o desespero com hora marcada; a criação de gritódromos; maracutaias no fornecimento de tapa-ouvidos e a substituição dos verdadeiros sofredores por atores (que sofrem muito mais bonito).

Um bom palpite é: quando se desesperar, não choramingue porque isso é irritante; faça logo um escarcéu até alguém vir ajudar. Confie em mim, sempre vem um monte de alguéns, afinal, a humanidade é xereta, adora dar palpite na vida alheia.

Bem, chega de palpites! Espero ter contribuído para aprimorar esse gênero literário de primeira necessidade e parágrafos curtos.


Carla Ceres
Piracicaba, 23/4/2010


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Nerdcast e seu toque de Midas - 22/12/2011
03. Histórias de gatos - 4/4/2013
04. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
05. Um livro canibal - 9/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/4/2010
14h21min
Oi, Carla! Muito bom encontrá-la por aqui! Você captou com maestria o "espírito" da autoajuda. Foi perspicaz, irônica e divertida! Vou guardar em meus favoritos e visitar mais vezes este espaço. Abrs, Ivana
[Leia outros Comentários de Ivana M. F. de Negri]
16/4/2010
09h12min
OI Carla o texto é perfeito! Auto ajuda, burocratização do grito contindo! rsss sandra vacchi
[Leia outros Comentários de sandra vacchi]
23/4/2010
00h09min
As pílulas da felicidade instantânea são espalhadas como as pestes dos precários tempos de outrora. Todos os meios são justificáveis para Vencer. No entanto, a procura por medicamentos que aliviam as angústias tem crescido em progressões geométricas. Sentir-se entristecido tem sido compreendido como doença. O sofrimento - embora seja parte essencial de nossa evolução - é tragédia iminente. O fracasso não pode ser tolerado. Um enorme silêncio atinge então o coração do leitor que busca ajudar a si próprio. Será que vencer existe? E, em caso afirmativo, o êxito traz plenitude ao existir? Não seremos meros títeres, em palcos absurdamente artificiais? Cabe a nós seguir o caminho do Olimpo? Talvez a fragilidade não deva ser negligenciada. A sombra é essência. Ora, o horrível negrume dos defeitos. Ele merece ser esquecido? A verdade dos poetas desanuvia. O pecado confessado aquece. E o desconhecimento de si faz ninho.
[Leia outros Comentários de Mariana Portela]
26/4/2010
08h51min
Primeiro que o título é errado. Autoajuda? Então eu mesmo vou me ajudar. Realmente esses filósofos da vida alheia querem mesmo é um bom mercado para venda dos livros que na minha opinião é como "O Segredo", que coisa mais ridícula. Então se eu imaginar que já ocorreu... acontece mesmo. Ocorre que os pessimistas às vezes são realistas, porque as vidas das pessoas não são iguais, tem gente para tudo que é gosto, é melhor ser realista do que ser retardado. Geralmente esses livros dizem: faça isso, aquilo, que tudo muda na sua vida. Parece reza forte. Estou fora. Peço opinião às pessoas, mas resolver os meus problemas só eu que resolvo. E como diz o ditado Chinês: um problema sem solução, solucionado está.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
4/5/2010
22h43min
Seguinte: tudo nessa vida que realmente importa em qualquer situação é o bom humor. Tendo isso, já vale. Concordo que existem picaretas na seção autoajuda. Mas discordo que todos o sejam. Faz sentido achar errado que a vida é feita de regras prontas. Mas se alguém chegou lá e isso é possível, terei a curiosidade de saber como foi. O que é bom eu guardo e o que é ruim eu deleto. Assim como farei com seu texto. Até mais!
[Leia outros Comentários de André Crevilaro]
7/5/2010
14h47min
Existem "certas pessoas" que sempre dão um jeitinho de até inventar alguma notícia pior do que aquela que souberam, leram ou ouviram. Normalmente tais pessoas criticam alguém que procura algum tipo de ajuda. Falam mal da autoajuda, pois não querem que as pessoas se ajudem. Nunca enxergam seus próprios defeitos, pois sempre querem estar certas. Em vez de corrigirem algum erro, sentem uma angústia terrível de admitir que estão erradas. Tais pessoas não reagem bem às reformas ou tratamentos, seus casos são estacionários e não conseguem vitórias. Qualquer aprendizagem conseguida perde logo os benefícios. Se pegos em erro, prometem nunca mais fazer aquilo. Mas já no outro dia o estarão repetindo...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
24/5/2011
02h29min
Vou tentar ser conciso, pois tenho argumentos pessoais de montão contra esses livros. Minha visão de mundo é que existem coisas fatais na vida de todos. Nossos castelos se constróem sobre o terreno fofo da realidade. Às vezes o sofrimento tem que ser suportado, porém, com o tempo aprendemos, pensando por nós próprios, a saber que suportar não é eterno. Enquanto o tempo se encarrega de ir amemnizando qualquer "queda", podemos, com mais clareza e mais vivência, prosseguir. Uma coisa tóxica para as pessoas é que esses livros e até a mídia, a propaganda, etc. coloca o mito da felicidade. Quem não é feliz, é infeliz. Não é bem assim. A vida, mesmo bem realizada, está cheia de momentos bons, mas momentos ou até "pedras" no caminho, como diria Drummond. Às vezes somos abandonados, comemos e bebemos demais. Porém, se soubermos nos aprumar novamente, saberemos que a barriga e os excessos foram frutos de um período e podem ser eliminados, como você disse, num spa ou até em casa.
[Leia outros Comentários de José Solon]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JOSÉ DE ANCHIETA O SANTO QUE AMOU O BRASIL
PE LOURENÇO FERRONATTO
ACNSF
R$ 4,90



CALVIN E HAROLDO - O LIVRO DO DÉCIMO ANIVERSÁRIO
BILL WATTERSON
CONRAD
(2013)
R$ 25,49



TALVEZ NÃO TENHA CRIANÇA NO CÉU
DAVI BOAVENTURA
VIRGILIAE
(2012)
R$ 11,90



UM LIVRO SOBRE SEXO PARA HOMENS E MULHERES DE TODOS OS SEXOS
FERNANDO BONASSI
PUBLIFOLHA
(2002)
R$ 10,00



EDUCAÇAO INTERNACIONAL EM TURISMO
DAVID AIREY; JOHN TRIBEORG
SENAC
(2008)
R$ 11,39



MINING OF MINERAL DEPOSITS
L. SHEVYAKOK
FOREIGN LANGUAGES PUBLISHING
R$ 46,80



OS ENDEREÇOS CURIOSOS DE SÃO PAULO
MARCELO DUARTE
PANDA BOOKS
(2012)
R$ 24,00



A BORBOLETA PINTORA
EUNICE BRAIDO
FTD
(2010)
R$ 8,50



ARARIBÁ CIÊNCIAS 6
PROJETO ARARIBÁ
MODERNA
R$ 13,00



ESSENCIAL - MANUAL DA BELEZA INTELIGENTE
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês