Brazilionaires | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/6/2010
Brazilionaires
Marta Barcellos

+ de 2800 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Os brasileiros que visitam museus em outros países já estão acostumados: na hora de pegar fones para ouvir explicações sobre as obras expostas, ou folhetos com as informações do acervo, raramente há a opção do idioma português. Nos tempos em que éramos mais um país exótico do globo, onde muitos imaginavam que se falava espanhol, não me ocorria questionar a discriminação. Assisti com curiosidade até o chinês entrar no "cardápio" do turismo internacional, onde há décadas já eram obrigatórios os caracteres dos ricos japoneses, e continuava raciocinando que brasileiro tinha mesmo que conhecer um mínimo de inglês, ou pelo menos espanhol, para merecer o acesso a toda a grandeza da cultura europeia. Se não soubesse outras línguas, que se contentasse com aquela excursão "um ônibus brasileiro na Europa".

No entanto, em minha última viagem, em maio, acabei encasquetando. Em Paris, depois de dez dias na Itália, li na internet que os turistas brasileiros gastaram no exterior, segundo o Banco Central, US$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 70,3% a mais do que no mesmo período de 2009. Nos noticiários das TVs italiana e francesa, só dava Lula, tratado como respeitada liderança internacional. Tinha acabado de me despedir de um casal amigo que partia para Atenas, atrás das pechinchas oferecidas pelo turismo local para tentar compensar os estragos da crise econômica. Na Itália, me deparei com três manifestações contra a perda de direitos de funcionários públicos ― incluindo dez minutos de um protesto solene do corpo de baile do Teatro Massimo, de Palermo, antes da apresentação da ópera Maria Stuarda. E logo constataria que Paris estava ainda mais invadida por brasileiros. Se eles andassem em grandes grupos, tivessem olhos puxados e fossem os únicos com pequenas câmeras nas mãos, certamente a ocupação seria tão evidente quanto à dos turistas japoneses décadas atrás.

Não fiz o tour completo de museus parisienses (alguém consegue?) ― ao contrário: como só tinha dois dias na cidade, escolhi a dedo o D'Orsay, meu preferido. Portanto, não posso afirmar estatisticamente a quantas anda a oferta do idioma português no circuito cultural de Paris ― onde, aliás, os brasileiros sempre são vistos com simpatia. Mas achei emblemático que, depois de tantas evidências da nova posição do Brasil no jogo de forças político-econômico internacional, eu chegasse ali e observasse uma enorme oferta de idiomas para guiar os visitantes pelo espetacular acervo do museu, com exceção do português. Lá estavam o chinês, o russo, o grego...

Para termos algum grau de comparação, a população da combalida Grécia soma 11 milhões de habitantes, e pode-se imaginar que hoje um reduzido percentual esteja apto a engrossar o turismo internacional. Enquanto isso, do lado de cá do Atlântico, no antigo "terceiro mundo", que virou "país em desenvolvimento" e evoluiu para "emergente" até ganhar o status de BRICs, 4% do populoso Brasil faz viagens anuais para o exterior, o que representa cerca de 7,6 milhões de pessoas.

Já de volta ao Brasil, eu reconheceria como precipitada a minha conclusão de que a nova posição do país no cenário global estava sendo ignorada. Na pilha de jornais e revistas acumulada durante a viagem, li uma nota d'O Globo comentando que a Galeries Lafayette contratou vendedoras brasileiras para aproveitar todo o potencial de consumo da legião verde-amarela em Paris. Lá, somos conhecidos como os "brazilionaires". No mesmo jornal, outra reportagem dava conta da maior procura por cursos de português no exterior: o número de alunos nas escolas credenciadas pelo Itamaraty no exterior pulou de 13 mil, em 2000, para 27 mil no ano passado. Na Argentina, o governo decidiu incentivar o ensino do português, colocando-o como opção em toda a rede fundamental de ensino.

A revista Época trazia uma explicação extra para a voracidade dos compradores brazucas em galerias e outlets estrangeiros. A nossa elevada carga tributária faz com que uma diversificada gama de produtos seja muito mais barata no exterior. Nada que alguém que já tentou comprar um iPod não tenha constatado, mas mesmo assim os dados da reportagem impressionavam. Por sinal, nesta viagem tive que dar o braço a torcer: depois de dez dias lutando contra o consumismo no pequeno grupo com quem descia de carro pela Itália, acabei convencida a gastar algumas horas comparando preços e fazendo compras ― e estava feliz com a economia que fizera. No entanto, fique claro, não me convidem para uma viagem de compras a Miami.

Tentando juntar a profusão de experiências e indícios, e ainda zonza pelo fuso horário, acabei na dúvida: o novo peso relativo do Brasil na economia e na política mundial vai levar a um maior reconhecimento global em relação à língua portuguesa? Ou será que as hordas de turistas que preferem as compras aos museus (culpa do câmbio e da política tributária?) conseguirão no máximo colocar o nosso idioma nos manuais dos produtos e no vocabulário dos vendedores? Só sei de uma coisa: depois de constatar o orgulho de italianos monoglotas ("Não falo inglês, sou italiano!"), e ver como tantas nacionalidades conseguem impor seus idiomas por não terem uma cultura multilíngue, acho que chegou a hora dessa gente bronzeada (e às vezes milionária) perder a vergonha de não falar inglês. E, por que não, reivindicar fones em português. Protestar, como fazem os europeus.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 4/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2010
09h54min
Talvez, e eu disse só "talvez", o brasileiro, diferentemente de outros povos, não se incomode com o fato do português não ser falado em outros lugares. Estamos acostumados com o colonialismo e vamos carregar o "complexo de vira-lata" por muito tempo. Por outro lado, me incomoda a arrogância de quem chega em outro país e crê que sua lingua tem que ser falada no universo inteiro. Assim, não acho tão ruim a modéstia idiomática do brasileiro.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
7/6/2010
08h54min
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Para mim tanto faz se os outros sabem português. Quem não conhece, não sabe o que está perdendo. Antropofagicamente, eu como as outras línguas também. Quem só come um prato, não sabe o que está perdendo.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
14/6/2010
09h01min
Eu pertenço a um outro mundo, daquela minoria que não vê na língua qualquer pretexto para se fazer política. Outro dia encontrei um colega que disse conhecer toda a Europa e EUA, mas não conhece uma só praia do nordeste brasileiro. Fala fluentemente inglês e não está preocupado com o fato de o português ser ou não falado lá fora. Assim como ele, a grande maioria dos turistas brasileiros no exterior são míopes para problemas brasileiros. O Lula quando vai ao exterior fala apenas o português, e não cobre dele outro idioma. O FHC até no paraguai falava em inglês. A língua, voltemos à sua origem, quer apenas possibilitar a comunicação. É apenas isso o que ela deseja. Não a tome em manifesto ufanista, pois a comunicação será preterida. Agora, com todas as ferramentas de comunicação que estão surgindo no embalo da internet, muito em breve surgirá uma língua universal, de modo natural, sem imposições. A língua será de fato um idioma universal. A exemplo do beijo de língua.
[Leia outros Comentários de Roberto Escritor]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O URURAU DA LAPA
OSÓRIO PEIXOTO SILVA
IMAGO
(1991)
R$ 7,38



DETESTO WINDOWS! VERSÃO 3. 1 -
GORDON MCCOMB
CAMPUS
(1994)
R$ 9,00



LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
EQUIPE ATLAS
ATLAS
(1990)
R$ 4,28



DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO POPULAR EM SÃO PAULO 1870 - 1914
MARCIA LUCIA REBELLO PINHO DIAS
NOBEL
(1989)
R$ 13,94



ZEN E A ARTE DA MANUTENÇÃO DAS MOTOCICLETAS
ROBERT M. PIRSIG
PAZ E TERRA
(1984)
R$ 28,00



OS SERTÕES 16 CORRIGIDA
EUCLYDES DA CUNHA
FRANCISCO ALVES
(1942)
R$ 65,81



JOÃO SIMÕES CONTINUA
ORIGENES LESSA
ED. MODERNA
(1981)
R$ 4,90



OBRIGADO, COM LICENÇA, DESCULPE - PÉROLAS DO PAPA FRANCISCO
ROSSELA SEMPLICI
PAULINAS
(2014)
R$ 7,00



NEUROLINGUISTICA PRATICA PARA O DIA A DIA
NELLY BIDOT - BERNARD MORAT
NOBEL
(1997)
R$ 40,00



O TEATRO EXPLICADO AOS MEUS FILHOS
BARBARA HELIODORA
AGIR
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês