O centenário de Contos Gauchescos | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
14917 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
>>> Teoria do Buraco de Rua
>>> Soluções geniais para a escola e a educação
>>> Orkut, ame-o ou deixe-o
Mais Recentes
>>> A Doutrina de Buda
>>> Dívida de Sangue
>>> Com Maria, a Mãe de Jesus
>>> Leitura Dinâmica e Memorização
>>> Introdução à Morfologia
>>> Paulo Francis Nu e Cru
>>> Morte na Alta Sociedade
>>> Cupom Zero
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen
>>> Caçada Mortal
>>> O Santo e a Porca e O casamento Suspeitoso
>>> Sociologia do Direito (O Fenômeno Jurídico como Fato Social)
>>> Azeite e azeitonas
>>> O Prazer Dos Aperitivos
>>> Cozinha Das Caraibas
>>> Cozinha Mexicana Sabores sedutores de uma cozinha , picante e temperada
>>> Ovos Sem Casca
>>> Tentação Da Culinária Frutas
>>> O Melhor Da Cozinha Portuguesa
>>> Cozinha Das Caraíbas
>>> Cozinha Mexicana
>>> Deliciosas Receitas De Peixe
>>> Arroz e arrozes
>>> A Mesa Com Burle Marx
>>> Flores De Jardim
>>> Ikebana
>>> Para Sempre Sua (3º Livro da Trilogia Crossfire)
>>> Profundamente Sua (2º Livro Trilogia Crossfire)
>>> Toda Sua (1º Livro da Trilogia Crossfire)
>>> Truques de Mágica
>>> Mondrian
>>> Realismo
>>> Salmo 119- O Alfabeto de Ouro
>>> O melhor Da Música Clássica
>>> Pollock
>>> Felino Selvagem Psicopata e Homicida
>>> O mundo é Mágico
>>> La Démocratie et Les Partis Politiques
>>> Sopas Receitas Caseiras
>>> Soja Receitas De Chef
>>> Tofu Receitas Chef
>>> The New Portuguese Table
>>> Receitas Do Castelo
>>> Um Rei A Mesa
>>> A Cozinha Antilhana
>>> A Cozinha Marroquina
>>> Cozinha Indonésia
>>> Pratos Basicos De Arroz
>>> Literatura, Cinema e Televisão
>>> The Bedford Reader
COLUNAS

Sexta-feira, 17/2/2012
O centenário de Contos Gauchescos
Marcelo Spalding

+ de 6100 Acessos

Alguns livros marcam uma geração, outros uma nação. Os Lusíadas se confundem com a formação da nação lusa, A Divina Comédia forjou o idioma italiano, assim como as obras de Walter Scott e Shakespeare foram fundamentais para os ingleses. No Brasil, temos os romances de Alencar, que esforçou-se por representar a nação brasileira como um todo. Há outros livros, porém, que forjam não nações, mas culturas, em especial culturas regionais que não chegam a se configurar como nacionais. E este é o caso, decididamente, da cultura sul-rio-grandense.

No Rio Grande do Sul, lembramos de nossos heróis, fazemos feriado e comemorações no nosso dia, o 20 de setembro, e cantamos com entusiasmo o Hino Rio-Grandense. Mas esse gaúcho, hoje representado no Laçador, cantado em nossos CTGs e revivido no acampamento farroupilha, é acima de tudo uma figura criada pelos escritores, e poucos foram tão importantes como Simões Lopes Neto. Em Contos Gauchescos (1912) e Lendas do Sul (1913), esse pelotense forjou muito da personalidade mítica do gaúcho, sua valentia, sua honra, o amor pela terra e pelo cavalo.

Neste ano, comemora-se exatamente cem anos do lançamento de Contos Gauchescos, obra obrigatória nos bancos escolares e acadêmicos gaúchos, mas que poderia estar no cânone de qualquer seleção de literatura brasileira. A obra traz, além da apresentação em que Blau Nunes surge como narrador, 19 contos: "Trezentas onças", "Negro Bonifácio", "No manatial", "O mate do João Cardoso", "Deve um queijo!", "O boi velho", "Correr eguada", "Chasque do imperador", "Os cabelos da china", "Melancia - Coco verde", "O anjo da vitória", "Contrabandista", "Jogo do osso", "Duelo de Farrapos", "Penar de velhos", "Juca guerra", "Artigos de fé do gaúcho", "Batendo orelha" e "O 'menininho' do presépio".

Todos os contos são narrados por Blau Nunes, que em algumas histórias é protagonista, mas em tantas outros assiste como espectador interessado e atento. Outro aspecto fundamental do livro é a linguagem utilizada, que é representação da linguagem popular falada do gaúcho, mas retrabalhada de forma erudita a ponto de criar uma terceira linguagem rica e particular. O grande Guimarães Rosa, anos mais tarde, e confesadamente inspirado em Simões, utilizaria essa técnica em Grande Sertão: Veredas.

Trezentas Onças, o primeiro conto do livro, é um verdadeiro cartão de visitas da prosa e da linguagem de Simões, com seus gauchismos ("guaiaca, cusco"), espanholismos ("mui, cousa") e ditos populares ("brabo como uma manga de pedras"). A temática também começa a moldar os valores do gaúcho, estando a honra acima de tudo, mesmo quando grande quantia de dinheiro está em jogo.

Este trabalho peculiar com a linguagem exige um pouco do leitor contemporâneo, que talvez tropece em alguns trechos, especialmente nos mais descritivos, como este de "No Manatial": "Vancê acredita?... Nesta manhã, desde cedo, os pica-paus choraram muito nas tronqueiras do curral e nos palanques... e até furando no oitão da casa;... mais de um cachorro cavoucou o chão, embaixo das carretas;. e a Maria Altina achou no quarto, entre a parede e a cabeceira da cama, uma borboleta preta, das grandes, que ninguém tinha visto entrar..."

"No Manatial", aliás, é o mais belo - e talvez mais triste - conto do livro, revelando um pouquinho de como nascem as lendas e as assombrações. O que impressiona em Simões é que apesar do linguajar próprio, a narrativa flui com facilidade, tal qual um causo contado de mate na mão:

"E os dois, ¾ a que te pego! a que te largo! ¾ se despencaram por aquele lançante, em direitura ao manantial! E, ou por querer atalhar, ou porque perdesse a cabeça ou nem se lembrasse do perigo, a Maria Altina encostou o rebenque no matungo, que, do lance que trazia costa abaixo, se foi, feito, ao tremendal, onde se afundou até as orelhas e começou a patalear, num desespero!. A campeirinha varejada no arranco, sumiu-se logo na fervura preta do lodaçal remexido a patadas!... E como rastro, ficou em cima, boiando, a rosa do penteado."

O livro também pode ser muito interessante como um documento histórico, revelando um pouco do pensamento e da cultura gaúcha (e brasileira) de um século atrás. Em "O Negro Bonifácio", por exemplo, a representação feita da mulher e do negro causa estranheza e até revolta no leitor moderno, mas retrata os valores da época de publicação do texto:

"Os dentes [da Tudinha eram] brancos e lustrosos como dente de cachorro novo; e os lábios da morocha deviam ser macios como treval, doces como mirim, frescos como polpa de guabiju...  (.) No barulho das saúdes e das caçoadas, quando todos se divertiam, foi que apareceu aquele negro excomungado, para aguar o pagode."

Este famoso conto, a propósito, retrata a disputa de quatro gaúchos pela Tudinha, "a chinoca mais candongueira que havia naqueles pagos". A disputa evolui para um duelo sangrento, do qual emerge ao final a revelação de uma história de amor secreta, ardente e improvável da bela morena com o Negro Bonifácio.

Talvez o sucesso dos contos seja que sua essência não está nas palavras, nas frases, na linguagem popular retrabalhada, e sim no subtexto, no não-dito, naquilo que só o leitor acostumado com os meandros do gênero conto poderá perceber, como a relação de Tudinha com o Negro.

Hoje, passados cem anos, pode-se dizer que Contos Gauchescos é um clássico em todas as acepções de clássico para Calvino, "um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer", "uma obra que provoca incessantemente uma nuvem de discursos críticos sobre si, mas continuamente as repele para longe", "livros que, quando mais pensamos conhecer por ouvir dizer, quando são lidos de fato mais se revelam novos, inesperados, inéditos". É, enfim, um livro além de seu tempo e de seu espaço, pois embora o espaço seja bem definido, o sul do sul, o pampa gaúcho, o pampa gaúcho de um tempo de guerras, facões, cavalos e heróis, as temáticas são universais: traição, ciúme, honra, mesquinhez, saudades.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
02. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
03. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
04. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
05. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012
05. A polêmica da Feira do Livro de Bento Gonçalves - 4/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISICA III - ELETROMAGNETISMO
YOUNG & FREEDMAN
ADDISON WESLEY
(2003)
R$ 45,00



SISTEMA PRESIDIAL: REINSERÇÃO SOCIAL
ROMEU FALCONI
ÍCONE
(1998)
R$ 29,00



ORTOPEDIA MAXILOFACIAL-CLINICA E APARELHOS VOL 3
JOHN W. WITZIG / TERENCE J. SPAHL
SANTOS
(1999)
R$ 50,00



O DOM DE CURAR - UM PODER QUE NÃO É NOSSO, O DOM DAS LÍNGUAS - NOVO PENTECOSTES
GEORGE MARTIN, AGNES SANFORD, SCANLAN, SHLEMON, BRENNAN, JARAMILLO, FORREST, GAVRILIDES
LOYOLA
(1976)
R$ 14,90



TEOLOGIA MORAL: A BUSCA DOS FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS PARA UMA VIDA FELIZ
ANTÔNIO MOSER
VOZES
(2014)
R$ 38,00



DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E O VATICANO II
LUIZ GONZAGA SCUDELER
PAULUS
(2014)
R$ 17,00



20 POEMAS DE AMOR E UMA CANÇÃO DESESPERADA
PABLO NERUDA
JOSÉ OLYMPIO
(1978)
R$ 9,90



MAZE RUNNER - ORDEM DE EXTERMÍNIO
JAMES DASHNER
V&R - VERGARA & RIBA
(2013)
R$ 23,00



THETAHEALING AVANÇADO - UTILIZANDO O PODER DE TUDO O QUE É
VIANNA STIBAL
MADRAS
(2016)
R$ 41,90



REVISTA GRAÇA SHOW DA FÉ FRAUDE O CÓDIGO DA VINCI DESMASCARADO Nº 81
GRAÇA EDITORIAL
GRAÇA
R$ 3,00





busca | avançada
14917 visitas/dia
954 mil/mês