Se ele não me lê | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> MAR | Luiz Martins || Galeria BASE
>>> MEMÓRIAS MUSICAIS COM NELSON AYRES
>>> OFICINA DE BONECAS ABAYOMI
>>> Órbita de Hélio
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 1 de Maio #digestivo10anos
>>> Chopin Andante Spianato
>>> Ideologia retrô
>>> 31 de Agosto #digestivo10anos
>>> 22 de Março #digestivo10anos
>>> A Sua Melhor Versão Te Leva Além
>>> Jornal e salsicha
>>> Um conto de duas cidades
>>> 19 de Maio #digestivo10anos
>>> Rejeição
Mais Recentes
>>> Norma de Vincenzo Bellini pela Editorial Notícias
>>> Que sais-je ? Esthetique du Cinema de Henri Agel pela Presses Universitaires de France (1971)
>>> Aprenda Aprenda Como Fazer: Laudo Técnico, Perfil Profissiográfico como fazer de Jaques Sherique pela Ltr (2001)
>>> Xamã de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> Excel 2003 de Rogério Massaro Suriani pela Senac (2003)
>>> Maria da Paz de Arnaldo Niskier pela Mondrian (2001)
>>> O Lapidador de Diamantes de Gueshe Michael Roachv pela Gaia (2007)
>>> Melhoramentos Dicionário Língua Portuguesa de Melbooks pela Melbooks (2005)
>>> Le film en Republique Fédérale D'Allemagne - un vade-mecum de Hns Günther Pflaum - Hans Helmut Prinzler pela Inter Nationes Bonn (1983)
>>> A Mulher Lagarto e Outras Histórias de Fernando Luiz Cipriano pela Annablume (2011)
>>> Seja Próspero com Qualquer Rendimento de Rennie Gabriel pela Celebris (2005)
>>> Dom Quixote O Cavaleiro da Triste Figura de Miguel de Cervantes pela Scipione (2010)
>>> Noções Básicas de Psicanálise de Charles Brenner pela Imago (1987)
>>> Resumos, Textos, Comentários - Iracema, o Primo Basílio, Memórias Póst de Célia A. N. Passoni pela Crítica Literária (1990)
>>> Comentário Biblico de Abingdon - Tomo 1 - A. T. - 2ª Edición de Federico C. Elseven; Edwin Lewis; David G. Downey pela Policarpo (1949)
>>> John Huston de Carlos F. Heredero pela Ediciones JC
>>> O Retrato de Dorian Grey de Oscar Wilde pela Penguin Companhia (2012)
>>> Fronteiras do Cinema de Walter da Silveira pela Tempo Brasileiro (1966)
>>> O significado da arte de Herbert Read pela Pelicano
>>> Introduçao a Sociologia de Sebastiao Vila Nova pela Atlas (2000)
>>> O Sonho Intacto Nas Palavras de Ugo Giorgetti de Rosane Pavam pela Imprensa Oficial SP (2004)
>>> Tempo de Convergir de Varios Autores pela Gente (2021)
>>> Tempo de Convergir de Varios Autores pela Gente (2021)
>>> Estudo perspicaz das Escrituras de Vários pela Soc torre de vigia (1990)
>>> Raciocínio à base das Escrituras + brinde de Vários pela Torre de Vigía (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/3/2013
Se ele não me lê
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4700 Acessos

Um escritor quer para si um outro escritor. Essa verdade é refreada pela minha escassa vontade de discutir sempre a mesma coisa no âmbito da casa, do lar, do doméstico. Mas, vez ou outra, me faz falta aquele ouvido absoluto de quem "entende do riscado", para me dizer das vírgulas mal-postas ou dos sentidos equivocados disto e daquilo. Mas aí me toco: o escritor quer para si ele mesmo? Um outro escritor que com ele se pareça e que o possa ouvir como se fosse uma "caixa de retorno"?

Há algum tempo, escrevi, aqui e ali, sobre a conquista de alguém pela escrita, o texto como "sereia", movimento de sedução que pode mover alguém na direção de outrem, impiedosamente. Ricardo Piglia, em seu livro O último leitor, trata do tema citando situações de Franz Kafka.

Qual escritor, será, não se identifica com a situação de escrever na tentativa de seduzir? As cartas (ou os e-mails) poderosas lançadas de lado a lado não nos soam como flechas? Um bilhete, que seja, pode almejar um século de paixão; um post it na tela do computador; um SMS no celular; um recado no espelho, com batom; um guardanapo levemente manchado, escrito com a caneta do garçom; um livro comprado com o intento de dizer, mais do que o de ser lido; um livro que eu gostaria de ter escrito. Quanta vez ganhei livro-mensagem, carta de apreço, alinhavos de alguém que queria um retorno fincado no coração (selvagem). Nem sempre aconteceu. Quase nunca, eu diria. Mas, como já disse antes, vez ou outra é o texto que me vence, antes do autor. E acontece quase sempre.

Mas e quem não me lê? Num dia desses, num passado muito recente, troquei mensagens com um amigo pelo chat do Facebook e estávamos tratando de uns reveses da vida, tombos e mais do que chegadas, partidas, quando ele me disse: "Ela não lê o que eu escrevo!". A exclamação era, então, muito mais que uma reclamação, era um argumento muito forte rumo ao não, rumo à conclusão de que "essa não é a pessoa certa".

"Ela não me lê". Onde se mostra mais o escritor? Em seu texto? Talvez não. Somente os muito parvos (literariamente, digo) são capazes de ver mesmo a pessoa no texto literário. Ou será que ela está escondida ali? Não creio. Já cansei de dizer: "O que aconteceu depende da narrativa". A narrativa é um perigo. A certa distância do fato, é só ela que pode construir as coisas ou reconstruí-las ou editá-las ou menti-las ou esquecê-las. Não é um perigo?

Se ela não te lê, o que ela quer? Você não a conquista pela escrita (então sua melhor arma não a atinge); ou ela sabe ofendê-lo em seu maior brio - sua escrita; ou ela o ignora porque sabe que é aí que o calo mais lhe dói; ou ela simplesmente não quer saber ao certo quem você é; ou ela prefere a versão em carne e osso, já que pode lhe parecer chatíssima a versão que você se dá pelo texto. Ou o que mais? Estou errada em tudo isso, eu sei.

Não é raro que o escritor tenha uma voz no texto; um tom, um ritmo, um jeito, um "estilo", sem polêmicas maiores, por favor. É até comum que o leitor escute o narrador (ou eu lírico) de um modo e sinta um ente naquele texto que lê... e essa voz não seja a mesma que escuta quando o escritor, em pessoa, dá uma entrevista ou um depoimento. E quem são esses? Fundem-se?

E se ela não te lê, meu caro, o jeito é desistir? Talvez. Ela não o visita onde mais você se sustenta, vive e está. Ela não se deleita com seu maior prazer. Ela não o deseja aí nesse universo onde você vive mais e melhor do que do outro lado. E então? O que você ainda está fazendo ao lado dela?

Eu, de cá, acho que perdi a imensa vontade de ter ao meu lado alguém que me lê em tudo o que escrevo. Somente mesmo faço questão de uma seleção muito mínima. Não precisa me ler, meu caro: vamos conversar, interagir de outras formas. Se eu precisar de leitores, ainda mais de especialistas, recorro a uns amigos e aos profissionais. De você quero outros olhos. Mas por quê? Porque não sei se é nos textos que quero que me descubram; e talvez porque nos meus textos eu jamais esteja inteira; ou jamais esteja de verdade; ou jamais tenha me encontrado; ou seja muito falsa. Faço questão de abrir fendas entre o que sou e o que escrevo.

Veja: ocorre que faço o outro sofrer com o que escrevo, percebe? Certa vez, ele me leu e sentiu imensos ciúmes. E, ao mesmo tempo, sentiu-se ridículo por sentir tanto ciúme de um texto, de um personagem. Mas o que mais lhe doeu foi a dúvida: será que é mesmo ela? E qualquer coisa que eu dissesse não o esclareceria. Para prevenir rugas desse tipo de preocupação, ele deliberou, um dia: "Não vou mais ler você nos textos". E não leu mais. Não leu porque evitou indiretas, carapuças, alfinetadas, mentiras e verdades. Não leu porque não precisava da narradora, mas da mulher. Não leu porque não queria acreditar naquela voz tão instável. Não leu porque não transitava bem entre a literatura e a vida, que podia ser melhor sem a literatura.

Eu não o julguei e não insisti. Eu me senti livre, sabia? Eu me senti uma narradora muito mais viável. Eu não tive mais vontades de autocensura quando escrevia isto ou aquilo. Eu me senti uma escritora bem mais invenção do que relato.

Mas se te magoa, amigo, vá lá. Vá saber por que ela não te lê. Eu vivi uma relação incerta, por anos, com um outro escritor (entre outros) e nossa avaliação recíproca não nos salvou do fracasso. No dia em que não o li mais, desligamo-nos. Foi assim como dizer: "Não te admiro" ou "não quero isso que você tanto ama". E a ofensa foi maior que tudo. E não é verdade que um escritor entende o outro. Não é verdade que um escritor desculpe melhor o outro.

Que um outro, mais recente, não me leia é a liberdade de ser quantas mulheres-narradoras eu quiser. E é como se ele ignorasse, alegremente, uma delas que lhe soa muito infiel. Ou muito popular. Esta aqui, sem teclas ou canetas sob os dedos, parece-lhe mais tangível, mais verdadeira e mais sua.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A redoma de vidro de Sylvia Plath de Renato Alessandro dos Santos
02. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I de Cassionei Niches Petry
03. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
04. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
05. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rússia e a Antiga União Soviética
Robin Milner; Nicolai Dejevsky
Folio



Tempo de Convergir
Gustavo e Magdalena Boog
Gente
(2003)



Amar, Verbo Intransitivo Idílio
Mário de Andrade
Vila Rica



A Volta ao Mundo Em Oitenta Dias
Júlio Verne
Ática
(2001)



Stiletto - Grandes Sucessos
Harold Robbins
Abril Cultural
(1984)



Encontro no Nevoeiro
J. M. Simmel
Nova Fronteira
(1977)



Comércio Internacional: Blocos Econômicos
Devani de Morais Júnior / Rodrigo Freitas de Souza
Ibpex
(2006)



Supernatural: o Livro dos Monstros, Espiritos, Demônios e Ghouls
Alexander H. Irvine
Gryphus
(2011)



As Profecias sem Mistério Paiva Netto
Paiva Netto
Elevação
(2002)



The Puzzle Volume 2
Branca Falabella Fabricio
Ática
(1998)





busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês