Defensores da Amazônia | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
>>> Melhores Blogs
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Apontamentos de inverno
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Mais Recentes
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
>>> Através Do Espelho
>>> Watchman nee ( O Poder latente da alma )
>>> Oh! Dúvida Cruel 2
>>> Felicidade Em Um Mundo Material
>>> Coleção Enem & Vestivulares Volume 7 - Física
>>> Para Homens Na Crise Dos 40
>>> O Elo Perdido- Classe E Identidade De Classe
>>> Progresso Editora: Tribuna e Paixão de Pinto de Aguiar
>>> Criando Clientes
>>> Coroa Cruel
>>> Aurora Boreal
>>> Práticas Corporais - Volume 3
>>> A Rainha Vermelha
>>> Espada de Vidro
>>> Botânica Criptogâmica Volume 2 - Briofitos E Pteridófitos
>>> Abominação
>>> Afinal Por Que Nossos Alunos Não Aprendem?
>>> Branca de Neve tem que morrer
>>> Sexo: Bloqueios E Desbloqueios
>>> Dezessete Luas
>>> A Googlelização de Tudo
>>> Português Série Novo Ensino Médio Volume Único
>>> Talento Para Ser Feliz
>>> A livraria 24 horas do Mr. Penumbra
>>> Os Deuses Subterrâneos
>>> Pequim em Coma
>>> Para Gostar De Ler 29 - Nós E Os Outros
>>> O homem que foge
>>> Lincha Tarado
>>> Silas Malafaia ( lições de vencedor)
>>> Alongamento - Uma Abordagem Anatômica
COLUNAS

Quarta-feira, 19/2/2014
Defensores da Amazônia
Marilia Mota Silva

+ de 5300 Acessos

A revista National Geographic de janeiro traz na capa o rosto pintado de um menino índio e o título: "Guardiões da Amazônia".

São vinte e seis páginas dedicadas ao assunto. Dezesseis trazem cenas da vida na floresta, belas paisagens, corpos pintados, cocares magníficos, mapa da reserva, canoas de alumínio, índio fazendo compras em supermercado.

Coragem caiapó, diz o título da matéria. "A tribo da Amazônia venceu fazendeiros, garimpeiros e, famosamente, parou a construção de uma represa. Agora, com seu jeito de viver ameaçado, seus líderes precisam lutar de novo".

Chip Brown, jornalista da National Geographic, conta que fez a última etapa da viagem num monomotor Cessna e trouxe tabaco, anzóis e cerca de dez quilos de missangas tchecas de presente para seus anfitriões. Tabaco e pedrinhas de vidro, reafirmando a tradição, embora os caiapós usem celular e computador.

A equipe foi recebida por Barbara Zimmerman, diretora do Fundo de Defesa Ambiental Canadense-Americano, que trabalha com os caiapós há mais de vinte anos.

A reserva dos caiapós é uma das maiores expansões de floresta tropical protegida no mundo. Diz o artigo: "É do tamanho do estado de Kentucky, e nela habitam 9 mil índios, a maioria dos quais não sabe ler ou escrever e ainda segue uma economia de subsistência. Ainda assim, eles adotaram recursos e tecnologia moderna com grande facilidade: tem barcos a motor, computadores, páginas no facebook, armas de fogo, mas 'sem comprometer a essência de sua cultura'".

Graças ao especialista em caiapós, Terence Turner, da Universidade de Cornell, os caiapós usam video-câmeras para registrar seus rituais e cerimônias e suas interações com o governo brasileiro. E como na reserva há painéis de energia solar, antenas de satélite e alguns aparelhos de televisão, os índios assistem a seus próprios rituais e a novelas brasileiras. Difícil imaginar um meio mais eficaz e lastimável de aprender sobre a "cultura brasileira".

Voltando ao artigo: "Os caiapós fizeram acordos com empresas de mineração e madeireiras, dando-lhes concessão para exploração de ouro e mogno em sua reserva, mas se arrependeram, e isso diminuiu bastante".

Chip Brown reflete, a certa altura: "Uma das mais ricas ironias da Amazônia é que os 'civilizados', que passaram cinco séculos evangelizando, explorando e exterminando os aborígenes, agora se voltem para eles, para salvar o ecossistema, reconhecido como critico para a saúde do planeta - para defender áreas essenciais da terra não desenvolvida contra o insaciável apetite do mundo desenvolvido".

De fato, ironia não falta nessa história. Os caiapós são um povo inteligente, saudável, independente, dono de vastíssimo território, e que sempre soube se defender muito bem! Então o que fazem funcionários de governos, ONGs, antropólogos estrangeiros, estabelecidos em suas terras? Estão lá para defendê-los, para proteger o meio-ambiente?

The Lexus and The Olive Tree, livro de Thomas Friedman que fala de globalização, publicado em 2000, dá uma pista (pg. 36). Glenn Prickett, vice-presidente do grupo ambientalista de Conservação Internacional conta de sua visita a aldeia caiapó para inspecionar o progresso da estação de pesquisa biológica que eles mantêm lá:

"Os caiapós defendem um grande pedaço intacto da Amazônia, por séculos, na pura força. Agora eles estão aprendendo a proteger suas terras através de alianças com cientistas internacionais, conservacionistas, e homens de negócios socialmente conscientes. Sua vila tem uma pequena rua principal com uma loja da Conservação Internacional e uma filial da Body Shop, ecoconscientes fabricantes de sabão".

Essa marca vende uma infinidade de produtos, perfumes, cosméticos, uma vasta linha de produtos da Amazônia.

Imaginem a Natura, o Boticário, pesquisadores brasileiros, laboratórios ou universidades brasileiras, instalados em território americano, nos desertos do oeste ricos em urânio, no Grand Canyon, nos pântanos da Flórida. Se nem no setor bancário há reciprocidade! No Brasil, o Citibank, por exemplo, oferece todos os serviços, conta-corrente, poupança, fundos de investimentos, financiamentos. Nos EUA não há agência de banco brasileiro que preste esses serviços; não há nada equivalente.

Continuando com Friedman: "O pessoal do grupo de conservação se reuniu com os líderes da tribo na 'casa dos homens'. Eles notaram que os índios estavam atentos à televisão, mudando de canal a toda hora, entre um jogo de futebol e um canal de negócios que dava a cotação do ouro no mercado mundial. Os caiapós cobravam dos garimpeiros que trabalhavam na reserva de acordo com a cotação internacional. E usavam o lucro para proteger seu estilo de vida no meio da floresta tropical".

Um paradoxo e tanto! Garimpagem, mercúrio, destruição do meio ambiente, televisão, dinheiro, lucro: que estilo de vida é esse que estariam protegendo?

O artigo da National Geographic suscita muitas perguntas, nem uma delas tem resposta fácil.

As reservas dão ao índio o direito de viver como prefere: na floresta e da floresta; para proteger a floresta; fora da sociedade baseada em dinheiro; fora da sociedade de consumo. Ou dentro, desde que mantenham suas tradições? Quais seus compromissos?

Belo Monte: que tipo de desenvolvimento queremos, a que preço, quem paga, quem se beneficia, há alternativas, qual o custo-benefício?

Países mergulhados na produção industrial e no consumismo, usando gás, óleo e carvão como fontes de energia - cabe a eles dizer o que o Brasil pode ou não fazer em termos ambientais?

Tribos estariam se relacionando com nações estrangeiras como se fossem um país? Nossa constituição não permite; só existe uma nação, o Brasil.

Qual a reciprocidade que o Brasil recebe quando permite que pesquisadores de empresas e universidades estrangeiras -sempre implacáveis em questões de patentes e royalties - se estabeleçam em suas reservas, explorando a selva e os conhecimentos dos índios, sob o manto do ambientalismo?

O que me espanta é que uma etnia com esse número relativamente modesto de membros, os caiapós tenham conquistado uma área do tamanho de uma Islândia, enquanto a área do Parque do Xingu, dividida entre uma variedade grande de etnias, é bem menor", disse a escritora Vera Moll, que estuda os índios Guarani, há alguns anos, e está em fase de conclusão de seu livro sobre eles, seu sétimo romance. Estranho também que quem esteja ali para receber o autor da reportagem seja a senhora Barbara Zimmerman, representante de uma entidade canadense-americana.

Considerando que eles sabem de nós mais do que nós mesmos, como as denúncias recentes comprovam, essa campanha toda em defesa da Amazônia gera dúvidas e desconfiança.


Marilia Mota Silva
Washington, 19/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
02. Na hora do batismo de Marta Barcellos
03. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
04. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
05. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VALSA NEGRA
PATRÍCIA MELO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 9,00



PLANETA 44
VÁRIOS
TRÊS
(1976)
R$ 17,00



O SACRIFÍCIO
RENÉ GIRARD
É REALIZAÇÕES
(2011)
R$ 12,00



3X30 - OS BASTIDORES DA IMPRENSA BRASILEIRA
CARMO CHAGAS / JOSE MARIA MAYRINK / LUIZ ADOLFO P
BEST SELLER
(1992)
R$ 8,00



THE TRANSITION HANDBOOK - FROM OIL DEPENDENCY TO LOCAL RESILIENCE
ROB HOPKINS
CHELSEA GREEN PUBLISHING
(2008)
R$ 50,00



METODOLOGIA CIENTÍFICA EM CIÊNCIAS OCIAIS
PEDRO DEMO
ATLAS
(1989)
R$ 20,00



OS MAIAS - VOL. 1 E 2
EÇA DE QUEIRÓS
LELLO & IRMÃO
(1945)
R$ 49,90



CONTOS E LENDAS AFRO-BRASILEIROS- A CRIAÇÃO DO MUNDO
PRANDI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 12,00



A PAIXÃO DE CONHECER O MUNDO
MADALENA FREIRE
PAZ E TERRA
(2009)
R$ 55,00
+ frete grátis



TODO RISCO, O OFÍCIO DA PAIXÃO
DAMÁRIO DACRUZ
LIVROCOM
(2012)
R$ 55,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês