Srta Peregrine e suas crianças peculiares | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
>>> Cabelo faz finissage no BNDES Rio
>>> Palombar realiza temporada gratuita em Cidade Tiradentes durante o mês de Junho.
>>> VIVA NANÁ! homenageia o saudoso percussionista pernambucano Naná Vasconcelos no Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
Mais Recentes
>>> A Literatura no Brasil
>>> A Revolução das Moedas Digitais- Bitcoins e Altcoins
>>> O Menino de Capivari - Volumes I, II e III
>>> Por uma Geografia Nova
>>> Oriundi - os Italianos em Capivari
>>> Filosofia da Realidade e da Projeção
>>> Astrojildo Pereira - in Memoriam
>>> J. Prata - Belas Páginas
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Ensinar a Pensar -Teoria e Aplicação
>>> Na Escola que Fazemos - Uma reflexão interdisciplinar em edução popula
>>> Educação e Mudança
>>> Acompanhantes Terapêuticos e Pacientes Psicóticos
>>> A Beleza da Arte
>>> A Ronda das Ruas
>>> O Combate a Corrupçao Nas Prefeituras do Brasil
>>> Ciencias e Tecnologias Col. Pesquisas e Praticas Em Educacao
>>> Prática Pedagógica Competente: Ampliando os Saberes do Professor
>>> Os Segredos do Gerente 8020
>>> Excelência no Secretariado: A Importância da Profissão nos...
>>> Segurança E Medicina Do Trabalho
>>> Gestão de Investimentos - Pocket
>>> Plano de Negócios
>>> Marinheiros e professores: crônicas simples ade, construtivismo
>>> Jogo de Areia
>>> Pare de Dar Murro em Ponta de Faca
>>> Administração de Vendas
>>> A Grande História da Evolução. Na Trilha dos Nossos Ancestrais
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Os Verdadeiros Líderes da Mudança
>>> 50 Técnicas Essenciais Da Administração
>>> A Arte de Vender Idéias
>>> Geração de Valor 2
>>> Team & Leader Coaching
>>> Tudo é óbvio, Desde Que Você Saiba A Resposta
>>> Twitter Influenciando Pessoas E Consquistando Mercado
>>> A Aprendiz
>>> Que Crise é Esta?
>>> A era da Competência
>>> Gerenciamento da Tecnologia
>>> Gestão de Carreiras e Competências Empresariais
>>> Somos Todos Extraordinarios
>>> Guia Politicamente Incorreto Da Historia Do Brasil
>>> Estudos de Complexidade - Volume 2 - Livro
>>> Organizacoes Em Aprendizagem C Olecao Debates Em A - Livro
COLUNAS

Segunda-feira, 5/9/2016
Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Ricardo de Mattos

+ de 2000 Acessos

"...não me fale sobre meus defeitos, eu sei sobre todos eles..." (Ismael Azevedo)

Talvez o leitor já tenha ouvido falar ou lido algo a respeito dos freaks. Há um filme norte-americano de 1932 dirigido por Tod Browning com este nome no título. O grupo de pessoas que deu origem ao termo, e posteriormente ao filme, é composto por indivíduos portadores de alguma deformidade congênita que eram apresentados como curiosidade em circos e feiras. Eram as chamadas "aberrações". Seria o caso de gêmeos xifópagos, mulheres barbadas, anões, etc. Desconfio que casos psicopatológicos e paranormais também tenham sido incluídos.

Michel de Montaigne, no segundo livro de seus Ensaios, inclui o texto nomeado De uma criança monstruosa, a respeito de pessoas que encontrou em seu tempo. Diz o filósofo: "Vi anteontem uma criança que dois homens e uma ama de leite, que se diziam o pai, o tio e a tia, conduziam para obter alguns vinténs exibindo-a por causa de sua estranheza". O texto é curto e Montaigne ainda menciona certo pastor desprovido de genitais. Sem deixar de se referir ao uso político e profético que poderia ser dado a um caso asism, o ermitão de Bordeaux conclui: "Chamamos de contra a natureza o que acontece contra o costume: tudo que existe está de acordo com ela, o que quer que seja. Que esta razão universal e natural expulse de nós o erro e o espanto que a novidade nos traz".

Estas pessoas não devem ter conhecido o melhor lado da humanidade. A família explorava-os ou abandonava-os. Entre as famílias ricas, o nascimento era ocultado e o indivíduo afastado do convívio social, seja no cômodo afastado de uma mansão, seja numa instituição. Basta lembrar da atitude do pai de Benjamin Button, no filme baseado na obra de Fitzgerald. Posso estar romantizando, mas é crível que os sobreviventes da repulsa social, quando finalmente reunidos em circos, por exemplo, tenham adotado entre si uma organização familiar.

Foi pensando em encontrar uma narrativa a respeito destas pessoas que comecei a cercar o livro O orfanato da srta Peregrine para crianças peculiares, do escritor norte-americano Ransom Riggs. Uma leitura adiada pela outra, até que, num intervalo, encontrei-o com um bom desconto. Não nego a leitura envolvente. Contudo, procurava pela narrativa fictícia, histórica ou mesclada - que deve ser o gênero dominante, no final das contas - a respeito da vida real destes indivíduos. Algo mais realista a respeito do que suportaram, do que sucumbiram e do que superaram. Deixei-me limitar pela fotografia de capa da menina levitando e pelas citações elogiosas da quarta capa. Os personagens, acrescento, não são portadores de deformidades físicas, mas detentores de habilidades paranormais.

Compreendi a ideia de Riggs e gostei. O autor reuniu diversas fotografias, descobertas sobretudo em coleções particulares e feiras, e integrou-as numa sequência que ilustra seu texto. Pode-se ler o romance sem elas, mas o resultado é pobre. É curioso saber como se deu o entrelaçamento: se a narrativa veio primeiro e as imagens depois; ou, obtidas as imagens, a criatividade do autor estabeleceu uma sequência entre elas e disto derivou o texto.

Evidente que, para o bom curso da narrativa, o autor faz os devidos agradecimentos mas não assinala nem a data provável nem a origem geográfica das fotos. Ignoro quanto ao leitor, mas fotografias em preto e branco ou em sépia, em geral, transmitem-me certa impressão sinistra. À página catorze, encontra-se a fotografia do que seria o personagem Millard. Na página 108, duas meninas vestindo preto e de costas. Na 206, uma pessoa deitada num leito. São seres humanos, são hábitos de determinadas épocas, mas a aparência do registro, o suporte, o cromo parece-me tétricos. Sequer pelas fotografias de família eu tenho grande atração.

Este livro de Riggs, o primeiro de uma trilogia, envereda-se pela fantasia. Há uma fenda no tempo que permite o trânsito entre a época atual e determinado dia do passado. Por que há crianças vivendo numa determinada casa em remota ilha do litoral britânico, o que as permite continuar vivendo em determinado dia, como este dia renova-se e quais as ameaças que sofrem formam a base do romance e da trilogia. O segundo volume, A cidade dos etéreos, eu não li e não sei se lerei. Pelo que pude descobrir o folhear um exemplar, o esquema de fotos e texto será mantido.

Se o leitor prestar atenção, há aspectos psicológicos que merecem atenção, como a superproteção e a rejeição plena do horror do mundo. As crianças são mantidas num mundo a parte, impedidas de crescer no físico, embora amadurecidas mentalmente. São mantidas neste meio superprotegido, ainda que anseiem conhecer o que veio depois. Na senhorita Peregrine, reconhecemos a afeição pelas crianças, mas reconhecemos o autoritarismo e a insegurança. Quando uma criança escapa de debaixo das asas de Peregrine e vem para a atualidade, seu corpo envelhece em seguida, ajustando-se. Foi interessante Riggs ter delineado esta situação, pois resume o que já vimos acontecer com uma pessoa o outra: no momento em que elas consentem em abandonar seu mundo interior e ter contato com a realidade exterior, há perceptíveis mudanças biológicas e de humor.

Gide

Terminei O imoralista, do francês André Gide, prêmio Nobel de literatura de 1947. O que encontramos foi a jornada de autodescobrimento do personagem Miguel e a incompatibilidade desta jornada com o estilo e vida herdado de seus pais e com o casamento celebrado. Tenho entendido que por "moral" pode-se entender certa lei não escrita derivada dos costumes (mores) vinculados ao tempo-espaço. À regionalidade da moral opõe-se a universalidade dos valores, o que torna necessário discriminar com maior cuidado o que um autor ou outro quer dizer com "valores morais". A oposição de Miguel à moral vigente não é uma bandeira que ele levanta, mas uma consequência da jornada que faz ao centro de si. Reconhece naqueles de sua sociedade a máscara da chamada civilização, mas prefere envolver-se com tipos diversos em busca da humanidade autêntica. Portanto, o personagem parece ser mais "amoral" do que "imoral".

Porque a autodescoberta para o personagem foi uma eclosão e não um processo, houve prejuízo para ele e para os que estavam a sua volta. A propriedade rural da família foi desperdiçada por sua incúria. É difícil cuidar daquilo pelo que não se interessa e entre o baixo - mas constante - rendimento e o descarte, esta opção prevaleceu. A esposa que dele cuidou durante a tuberculose, dele adquiriu a doença sem que houvesse reciprocidade de atenção. Gide consegue fazer-nos imaginar o que foi para Marcelina acompanhar seu marido pela Europa e pelo norte da África sem que estivesse sequer em condições de sair do quarto. O que resta de polêmico em Gide é a pedofilia. No começo do romance, Miguel aproxima-se de meninos e pode-se entender que ele tenta aproximar-se do menino que foi um dia. A ausência de erotismo permite que se interprete desta maneira, que se enxergue no autor uma tentativa de confronto coma s idades pelas quais já passou, na tentativa de desvendar o que possa ter dado errado, o que possa tê-lo feito deixar de lado sua autenticidade. Nas últimas páginas, porém, a pedofilia é clara. Perdoe-me o leitor se falo algo que o fere, mas entendo que orientação sexual envolve decisão, nem que seja a decisão de aceitar e deixar fluir uma tendência inata. Crianças não têm condições de decidirem-se neste campo e devem ser mantidas física e psiquicamente intactas, ainda que cuidadosamente esclarecidas.

Mengele

Se a Logoterapia de Viktor Frankl foi posta à prova nos campos de extermínio, como ele mesmo afirmou, entendo necessário recolher informações a respeito do meio, do campo onde suas observações desenvolveram-se. Por isso a leitura de Mengele, o último nazista de Gerald Astor. Na coluna anterior, assinalei que a narrativa de uma vítima e testemunha ocular destes campos causou-nos pouca impressão. Há uma certa imprecisão no referencial de Astor - o psiquiatra Lyfton é mencionado diversas vezes mas anda consta da bibliografia, acabo de revê-la -, mas suas páginas trazem uma renovação do horror. Ao mesmo tempo, reforça a importância deste Logos que organiza a vida e impulsiona o indivíduo para frente a despeito do que ele possa ver ao seu redor.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 5/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2016
01. A biblioteca de C. G. Jung - 15/2/2016
02. Livrarias - 30/5/2016
03. Ação Social - 25/4/2016
04. Srta Peregrine e suas crianças peculiares - 5/9/2016
05. Fragmentos de Leituras e Sentido - 8/8/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESAFIO DE NOSSO TEMPO ( CHANGE AND HABIT)
ARNOLD J. TOYNBEE
ZAHAR
(1968)
R$ 13,00



O CONTEXTO - ROMANCE
LEONARDO SCIASCIA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1979)
R$ 8,99



MUITO ALÉM DO VÔO
MARA LUQUET E RUY MARRA
LETRAS E LUCROS
(2015)
R$ 14,00



DIANTE DO ESPELHO
RICKY MEDEIROS
VIDA E CONSCIENCIA
(2018)
R$ 20,00



A CELESTINA - FERNANDO DE ROJAS (TEATRO ESPANHOL)
FERNANDO DE ROJAS
COORDENADA BRASÍLIA
R$ 8,00



5 PUZZLES ANIMAIS SELVAGENS E SUAS CRIAS
VÁRIOS
IMPALA
(2006)
R$ 24,90



SENHORA CALIBAN
RACHEL INGALLS
ART
(1987)
R$ 8,00



SAMANTHA SWEET, EXECUTIVA DOLAR
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2007)
R$ 24,00



CIÊNCIA E DESENVOLVIMENTO
J. LEITE LOPES
EDIÇÕES TEMPO BRASILEIRO
(1964)
R$ 8,00



CONEXÕES COM A HISTÓRIA: VOLUME ÚNICO
ALEXANDRE ALVES E LETÍCIA FAGUNDES DE OLIVEIRA
MODERNA PLUS
(2010)
R$ 89,00





busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês