A fotografia é um produto ou um serviço? | Fabio Gomes | Digestivo Cultural

busca | avançada
35013 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Companhia de Danças de Diadema leva "por+vir" ao palco do Teatro Clara Nunes
>>> 38ª Edição da Feira da Comunidade acontece no domingo, 29 de outubro, na A Hebraica
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hellbox
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> Bio de Paulo Francis em vídeo
>>> Literatura engajada
>>> Entre o sertão e a biblioteca
>>> Prevendo o previsível
>>> O do contra
>>> Adiós, muchachos
>>> Bang bang: tiroteio de clichês
Mais Recentes
>>> O Contexto Social da Arte
>>> Histoire de Peinture en Italie I (1929)
>>> As Aventuras de Robín Hood
>>> A Ilha do Tesouro
>>> Como manipular Pessoas para uso exclusivo de pessoas de bem
>>> Sinopse dos Quatro Evangelhos
>>> Os Sonhos - o que são e quais as suas causas
>>> Matemática Paiva3
>>> Matemática Paiva2
>>> Matemática Paiva1
>>> Fundamento de Neurologia da Visão
>>> Neuropsicologia da Linguagem
>>> Terapia Bioprogressiva
>>> Manual de Iniciação em Neurocirurgia
>>> Fonoaudiologia e Ortopedia Maxilar na Reabilitação Orofacial
>>> Tratado de Audiologia
>>> Refratometria Ocular e a Arte da Prescrição Medica- 2ª ed.
>>> Conversação Linguagem e Possibilidades-Enforque pós-moderno da Terapia
>>> Hipnose para o Clinico-Uso da Hipnose na Odontologia
>>> Respirometria- A Tecnica
>>> Prevenção e Tratamento da Doença Periodontal Baseado em Evidencias
>>> Caderno de Enfermagem-18 Reanimação
>>> Como educar seus pais////// Obrigado esparro
>>> Os Dois Corpos do Presidente e outros Ensaios
>>> Cristo para Humanidade de hoje Científico, Social e Político
>>> Dias não esquecidos versos soltos-contos-crônicas
>>> A História está Errada
>>> Eram os Deuses Astronautas?
>>> Os Olhos da Esfinge
>>> Elementos de bibliologia volume 1
>>> Gigantes do Futebol Brasileiro
>>> O Dia em que os Deuses Chegaram
>>> Projeto Majestic - A Nave Perdida
>>> Ovni e as Civilizações Extraterrestres
>>> No Começo Eram os Deuses
>>> Avenida Nievski e Notas de Petersburgo de 1836
>>> O Universo em suas Mãos
>>> Antonio Nobre Correspondência autores portugueses
>>> O Mistério de Cygnus - Desvendando o antigo segredo das origens da vida no universo
>>> Dobras no tempo
>>> Administração De Marketing
>>> Meus Enigmas Favoritos
>>> Manual de Reanimação Neonatal
>>> O Enviado
>>> Ovnis S.O.S. à Humanidade
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil
>>> Patologia do Trato Genital Iferior
>>> Kris lundaard ( o mal que habita em mim )
>>> Os Astronautas de Yaveh
>>> Doenças Hepaticas e do Sistema Biliar em Crianças
COLUNAS

Segunda-feira, 31/7/2017
A fotografia é um produto ou um serviço?
Fabio Gomes

+ de 900 Acessos

Há alguns meses, uma cliente me perguntou quanto custava o meu pacote de ensaio fotográfico. Quatrocentos reais, respondi, esclarecendo a seguir que ela receberia todas as fotos produzidas, sem limite. Ah tá, mas eu quero só umas sete fotos, assim assim assado, ficaria quanto?, quis saber ela. Fiz algumas perguntas para entender bem o que ela queria, e orcei em R$ 250. Evidentemente que ela de imediato fez duas contas: a de que por "apenas sete fotos" eu cobraria mais que a metade do valor do ensaio, e de que ela estaria pagando mais de R$ 35 por foto. Concordei que, matematicamente, ela estava certa, mas que a questão não era esta. A questão é que, quisesse ela 7 ou 70 fotos, da mesma forma eu precisaria estar com o equipamento carregado, ficando X horas à disposição dela, mais aproximadamente Y horas editando o material, e que nem em sonho eu faria apenas 7 cliques - a chance de todos eles saírem "geniais" é tão mínima que pode ser considerada nula.

Evidentemente esta não foi a primeira (nem a última) vez que isto aconteceu, o que tem me feito pensar a respeito do assunto. Concluí que há um certo descompasso entre o que os clientes esperam (produto) e o que o profissional da fotografia entrega (serviço). 

Tradicionalmente, a economia foi sendo estruturada pelo ser humano com base em produtos. Antigamente, mesmo antes de existir dinheiro, se fazia o escambo: um agricultor trocava parte da produção dele de trigo por algumas cabeças de gado de um fazendeiro vizinho, ficando este com trigo para fazer seu pão e o outro com carne para comer e couro para vestir ou fazer tapetes. A criação do dinheiro gerou um parâmetro confiável de troca, já que ficava difícil a cada vez decidir quanto trigo equivalia a quantas reses. A população também ia aumentando, e com ela surgindo novas demandas e as especializações das funções. Em vez do pecuarista receber trigo em troca de seu gado e ele mesmo ter que fazer seu pão, ele passou a receber dinheiro, com o qual ia à padaria adquirir pães.

Então o pecuarista quando compra pão está adquirindo um produto, não é? Sim e não. Ou, melhor dizendo, ele está adquirindo um produto também. Inseparavelmente, ele também está pagando por um serviço. Se antes o pecuarista recebia trigo como escambo e ele mesmo fazia seu pão, agora está pagando para alguém - o padeiro - que vai atrás de trigo bom e a um preço razoável para fazer pão quentinho de hora em hora ao longo do dia. Sendo grande a demanda, só o padeiro e sua família não dão mais conta de tocar a padaria sozinhos, e então o padeiro precisa contratar outras pessoas que façam pão, cuidem do caixa, entreguem pão na vizinhança etc etc. Então o pecuarista, você, eu, todo mundo que compra pão está pagando pelo pão (produto) + pelos serviços que o padeiro nos presta (resumidamente, gerir todo esse sistema que nos garanta que a qualquer hora que cheguemos a seu estabelecimento haja pão quentinho), e no fim de tudo isso o padeiro ainda precisa ter lucro, do contrário não conseguirá manter essa roda girando. 

Então, a rigor, em quase tudo o que a gente compra está incluído o fator serviço. Algumas vezes ao serviço está acoplado um produto, ou seja, um objeto. Como não faz mais que quinze, vinte anos que a cultura digital passou a ser forte em nosso mundo, é natural que, ao efetuar um pagamento, boa parte das pessoas (ainda) espere receber algo material. Penso que este é um dos fatores que levaram à volta dos discos de vinil (os LPs) ou mesmo a explicação da longevidade da preferência pela foto em papel (já abordada por mim em outro artigo). 

É fácil entender o raciocínio da minha cliente, descrito no parágrafo de abertura deste texto. Antes de haver fotos digitais, você tinha que revelar todas as poses de um filme (havia os de 12, 24 e 36 poses) e o cliente escolhia quantas queria, e eventualmente se queria mais de uma cópia de determinada imagem, e aí o fotógrafo voltava ao laboratório para encomendar (ou eventualmente ele mesmo revelava). Eu mesmo trabalhava assim até por volta de 1993.

Esta cultura era tão forte que, mesmo na fase da foto digital, eu segui raciocinando nesses termos por algum tempo. Cheguei a fazer centenas de fotos de um show e levar ao artista para que ele escolhesse as fotos com as quais iria ficar - o que significa que precisei antes editar as centenas de fotos. Ou seja, eu mesmo seguia pensando em termos de produto. Esta experiência, e outras, acabaram me mostrando que o correto é tratar o trabalho de um fotógrafo como serviço. Não faz sentido ir cobrir um show, contratado pelo artista que o realiza, e depois vender as fotos individualmente para ele - sendo uma encomenda, você nem pode oferecer estas fotos para outra pessoa. 

Parei então de pensar em termos de fotografia como produto e passei a me considerar como um prestador de serviço. Tanto que em meu blog informo, no post de como encomendar um ensaio comigo, que a entrega das imagens se dará em formato digital; se o cliente preferir outro modo, que gere custos - por exemplo, que as fotos sejam impressas e dispostas num álbum -, terei que acrescentar estes custos ao valor orçado.

Pensando bem, como em praticamente todos os casos o fotógrafo produz as imagens especialmente para o cliente, hoje em dia só faz sentido pensar na venda de foto como produto se o cliente quiser adquirir fotos do acervo que o fotógrafo já possui - o que, convenhamos, é raríssimo.

A foto que ilustra o post foi feita em Maceió, no ano passado.


Fabio Gomes
Maceió, 31/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
03. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
04. Beijinho no ombro de Marcelo Centauro
05. Estação Esperança de Elisa Andrade Buzzo


Mais Fabio Gomes
Mais Acessadas de Fabio Gomes em 2017
01. Longa vida à fotografia - 20/2/2017
02. O que te move? - 29/5/2017
03. Inquietações de Ana Lira - 24/4/2017
04. Em defesa da arte urbana nos muros - 6/2/2017
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais - 11/9/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CASAMENTO BLINDADO - O SEU CASAMENTO À PROVA DE DIVÓRCIOS
RENATO E CRISTIANE CARDOSO
NOVA FRONTEIRA
(2012)
R$ 15,00



A REVOLUÇÃO NEUROTECNOLÓGICA
ZACK LYNCH - BYRON LAURSEN
CULTRIX
(2011)
R$ 15,90



AS BARBAS DO IMPERADOR
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 45,00



O PORTUGUÊS DAS COMUNICAÇÕES ADMINISTRATIVAS
ADALBERTO J. GASPARY
FDRH
(1983)
R$ 10,00



COMO PROGRAMAR
PAUL DEITEL E HARLEY DEITEL
PERSON
(2011)
R$ 85,00



STRINDBERG - TEATRO (TEATRO SUECO) EM ESPANHOL
AUGUST STRINDBERG
EDITORIAL NACIONAL DE CUBA
(1964)
R$ 25,00



COMO ENTENDER E MELHORAR O EMOCINAL DOS SEUS FILHOS?
MARGARETE BARASNEVICIUS VIDES
CHIADO
(2012)
R$ 15,00



A CORAGEM DE LEO
SÔNIA BARROS
FTD
(2014)
R$ 26,00



ARTE DE ENSINAR E ARTE DE APRENDER
NORMAN MACKENSIE/MICHAEL ERAUT/HYWELJONES
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1974)
R$ 11,00



MOLIÈRÉ - TARTUFO OU O IMPOSTOR (TEATRO FRANCÊS)
MOLIÈRÉ
MARTIN CLARET
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
35013 visitas/dia
947 mil/mês