O Twitter e as minhas escolhas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
Mais Recentes
>>> A Senhora do Jogi de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> A Palavra Perdida de Lino de Albergaria pela Atual (1991)
>>> O Desafio Amazonico de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1989)
>>> Alguém Para Amar a Vida Inteira de Roniwalter Jatobá pela Positivo (2015)
>>> O Céu está caindo de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Alquimistas e Quimicos de Vanin Jose Atilio pela Moderna (1994)
>>> Trafico de Anjos de Luiz Puntel pela Atica (1992)
>>> O Plano Perfeito de Sidney Sheldon pela Record (2012)
>>> As Aventuras do Marujo Verde de Glaucia Lemos pela Atual (1990)
>>> Posso Te Dar Meu Coração? de Ganymedes José pela Moderna (1989)
>>> O Segredo do ídolo de Barro de Elisabeth Loibl pela Melhoramentos (1987)
>>> O Elefante Assassino de Pedro Bandeira pela Atual (1987)
>>> Lover in the rough de Elizabeth Lowell pela Avon books (1994)
>>> O Passado Esteve Aqui de Stella Carr pela Moderna (1988)
>>> O Guarani - de José de Alencar pela Reddiel (1997)
>>> A Maldição da Fabrica de José Americo de Lima pela Atual (1989)
>>> Vinda Com a Neve de Odette de Barros Mott pela Moderna (1982)
>>> Qual é a Minha de Marcia Leite pela Scipione (1990)
>>> Um Cadáver Ouve Rádio de Marcos Rey pela Atica (1984)
>>> O Caso da Ilha de Odette de Barros Mott pela Atual (1987)
>>> Literatura Comentada de Mário Quintana pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de José Lins do Rego pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de Graciliano Ramos pela Abril Educação (1981)
>>> Literatura Comentada de Camilo Castelo Branco pela Abril Educação (1980)
>>> Literatura Comentada de Antonio Callado pela Abril Educação (1982)
COLUNAS >>> Especial Twitter

Sexta-feira, 11/7/2008
O Twitter e as minhas escolhas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O que é que é?
Tu o quê? Tuíter? Ah, tá, com dábliu e dois tês. Entendi. Mas pra quê serve mesmo? Ué, mas não é um Orkut mais cult? E tem que ser jornalista (ou achar que é) pra caber aí dentro? Um mundinho à parte, tipo um mural de recados. Não, né? Mas isso eu faço por e-mail, desde que o mundo é wide, uai. Eu nunca sei direito o que estou perdendo. Mas é que, atualmente, a gente está sempre perdendo alguma coisa quando escolhe um lado para onde olhar. A despeito do tantão de possibilidades que eu tenho, continuo tendo apenas dois olhos. E o pior não é isso. Minha acuidade visual é dada pelas minhas limitações biológicas (a palavra "limitações" não é bem o termo) e minhas fóveas dão mais foco ainda ao que meus parcos dois olhinhos ex-míopes podem ver. O mesmo acontece com minha pobre capacidade cognitiva. Segundo alguns filmes e livros (que ainda são ficção, fricção, meio masturbatórios, diga-se), ainda nascerão crianças com capacidades alteradas, assim meio homens-máquinas ou super-homens, ainda geneticamente modificados tal como batatinhas Chips, mas ainda não rolou. Estamos engatinhando, meu caro. Você e sua rede mundial que não balança, mas cai de vez em quando.

Marque uma opção, a caneta
Não fiz as contas ainda, mas se fizesse, verificaria que passo muitas e muitas horas do meu dia mexendo na minha caixa de e-mails. A maior parte disso é trabalho. Recebo, entrego, respondo, oriento, organizo, convido, aceito. Outra parte são os amigos que, não fosse o Gmail, já não seriam mais amigos. Neste caso, a distância física é amenizada pelo contato via Gtalk ou via mensagens mesmo. Nem que sejam apenas um "oi". Outra parte do meu tempo eu passo navegando por sites que visito sempre: a instituição onde trabalho, livrarias habituais, novidades da Biblioteca Nacional, acervos, cursos, universidades, o de sempre, garçom. Vez ou outra procuro por um endereço, um nome, um currículo. Nada assim tão desnorteado como querem fazer crer os teóricos da internet como um labirinto infinito. E eu, pô? Não conto? E meus objetivos?

Meu marido passa ainda mais tempo do que eu na rede. Fica on-line por horas a fio, fazendo nunca se sabe direito o quê. Não pensem bobagem. Vejo que não rola MSN e nem gracinhas no Orkut, embora eu até fiscalize de vez em quando (afinal, nós dois nos conhecemos pela internet e eu sei que de virtual isso não tem nada).

Meu marido, jornalista de carteirinha, difusor da idéia de que "o jornalismo morreu!", passa (ou gasta ou perde, não sei ao certo) mais tempo on-line do que eu não porque tenha mais o que fazer lá, mas porque tem mais contas disto e daquilo.

Mantenho, atualmente, além das contas bancárias herdadas dos tempos em que cada faculdade onde eu lecionava me obrigava a ser cliente de um banco, duas contas de e-mail no Gmail (freqüentemente usadas), uma conta no Hotmail (antigona), o acesso ao setup do Digestivo Cultural (desde 2003), além de contas em livrarias, provedor de internet, jornais de acesso não-pago, bancos de textos acadêmicos e três contas em sistemas que administram a vida escolar de alunos de três instituições de ensino. Já não basta? Todos eles têm logins e senhas. Todos eles gastam meu tempo.

Tive conta no Blig (em 2002, no extinto e divertidíssimo O Corvo), conta na agência Carta Maior, conta no Blogger (quando era gratuito, na atualmente improdutiva Estante de Livros), conta no Orkut (que não agüentei nem por um mês) e uma conta recém-aberta e recém-abandonada no WordPress. Twitter para quê? Pode haver alguma discussão muito inteligente lá e eu estou perdendo. Pode haver uma rede maravilhosa de contatos ali e eu estou perdendo. Por ser um jeito inovador de estabelecer relacionamentos e eu, de novo, estou perdendo. Mas o que é que eu não estou perdendo neste mundo de sensações paramnésicas? É isso aí, bro. Preciso escolher. Não dá tempo de trabalhar 10h por dia, corrigir 300 redações por semana, ler e estudar por algumas horas diárias, tratar com pessoas de verdade e ainda ter todas essas contas ativas. A não ser que eu trabalhe o tempo todo aqui, o que não é o caso. O meu caso.

Então vamos fazer assim: você aproveita tudo o que o Tuíter pode oferecer e depois me conta. Não consigo mais ser blogueira, snif, porque virei mãe de família e alguém precisa dar jeito na bagunça desta sala. É ou não é? Não consigo mais ser blogueira porque eu tinha de escrever todos os dias um textinho, um negocinho qualquer, pra não deixar morrer o clima entre nós, eu e o leitor. Mas aí eu vi que ficava difícil cumprir a tarefa. Cumprir bem, então... começou a ficar impossível. Daí deixei o blog à francesa. Remendo sem costura. E ninguém notou. Não consigo me adaptar ao Orkut, que caso sério! Não me adapto mesmo. Aquelas mãozinhas, aqueles recadinhos, aqueles avisos. Meu Deus, o que vou fazer da minha vida? E agora? Graças a Deus (ele mesmo) existe o e-mail. Este, sim, o sistema bacana que resolve, de fato, muitas coisas da minha vida.

Eu entendi sim, sô. Não sou burra. Não muito. Entendi que a lógica colaborativa é bacana demais. Que as pessoas distribuem informação, se ajudam. Meu marido recebe pencas de dicas de concurso, persegue casos da imprensa. A moda agora é a richinha do Pedro Doria com aquela história de propaganda política. Não é isso? Pois é. Não ligo a mínima, cara. Será que tenho algum problema?

Bom demais querer saber uma informação e jogar a pergunta na rede. Pescar um peixão em dois minutos. Às vezes menos. Outro dia fiz isso por e-mail. Precisava de alguém que soubesse muito espanhol. Estava lá o candidato em algumas horas. Mais de um, até. Bom demais. Melhor do que sair pedindo indicação por aí. Mesmo assim, fico pensando se não estou com algum grave problema. Nem sou velha nem nada, para dizerem que tenho resistência. Olha, tive blog muito antes de muita gente. O negócio é falta de tempo mesmo. E a certeza de que "você está perdendo" é default na vida da gente. O que é que estou ganhando quando faço minhas escolhas?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 11/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
02. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
03. Em Tempos de Eleição de Marilia Mota Silva
04. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini
05. A viagem e a experiência de Marta Barcellos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


Mais Especial Twitter
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/7/2008
14h27min
Oi, Ana, que bom te ler novamente. Já estava preocupada. Toda sexta, abro o Digestivo e não te acho. Pensei "deve estar de férias, deve estar no Flip ou, então, vai dar um intervalo mensal em vez de quinzenal". Entendo perfeitamente o que você diz. Muitas vezes me sinto perdida com tanta informação e tantos meios de comunicação (além das reuniões!!!), que chego a me sentir meio esmagada. Tem dias que até dá vontade de largar tudo e ficar na roça incomunicável e vivendo em um ritmo mais "humano". Precisamos degustar mais as comunicaões, as informações, as relações... Temos mesmo que poder escolher e digerir com mais calma. Por isso gosto tanto do Digestivo. Minha mãe dizia "não podemos abraçar o mundo com as pernas". Mas, por favor, não deixe essa coluna! Não nos abandone! Abraço grande, Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
13/7/2008
14h20min
Puxa! E não é verdade tudo isso que você disse? Um texto assim é bom ser lido de vez em quando e sempre. Muitas vezes ocorre-nos faltar as palavras adequadas por "n" fatores para expressar opiniões acerca de assuntos que aparentemente parecem banais. E então, sexta-feira surge você aclarando as idéias de alguns tímidos como eu, neste texto que expressa muito das incertezas presentes em mim e talvez em mais pessoas. Aclarou a minha massa cinzenta, em muitos pontos. Obrigado, Ana.
[Leia outros Comentários de Marco Félix ]
16/7/2008
17h17min
Cada avanço no setor tecnológico, significa também a necessidade de opção diante de situações ordinárias. A calculadora como instrumento tornou a tarefa de calcular mais rápida e colateralmente perturbou o aprendizado básico por acomodação; o controle remoto é sedentário e talvez até engorde. As ferramentas facilitam na utilização do tempo, mas também nos confronta com nossa capacidade de absorver e desfrutar da comodidade da própria tecnologia. As ferramentas de tecnologia que simplificam a comunicação e colocam dados e pessoas em contato em tempo real, questiona o aproveitamento do nosso tempo e a opção do ritmo que estas "urgências" passaram a ter em nossas vidas. As pessoas estão construindo outros formatos de relação, família, trabalho e finalmente o modelo de felicidade ficou estagnado na relação com o sucesso. Ter ou ser? Algumas ondas e ferramentas da moderna comunicação são só mais uma via para a incomunicabilidade. Seus rituais e senhas são as portas do confinamento...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F.Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudança Radical - do Islã para o Senhor Jesus
Samir Mustafa
Getsêmani
(2012)



Plenitude Visionária - Autografado
Márcio Catundo Gomes
Companhia das Musas
(2007)



Regra Constituições Diretório da Ordem dos Mínimos
Cura Generalicia da Ordem de Roma (1986)
Delegação Geral do Brasil (sp)
(1995)



Fascinação do Amor
Condessa Dorsay
Empresa
(1938)



Billy the Kid - História de um Bandido
Pat Garrett
L&pm
(1985)



Cantinho do Caminhoneiro
Sandra Casadei
Edicon
(1997)



Seus Problemas Acabaram! Casseta e Planeta
Objetiva
Objetiva
(2004)



Os Guerreiros do Tempo - 8a edição - Coleção Veredas
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1996)



Mundo da Lua e Miscelanea
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1950)



Teoria da Legitimidade do Direito e do Estado
Antonio Carlos de Almeida Diniz
Landy
(2006)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês