O Príncipe Maquiavel | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Historiador mapeia o apoio financeiro norte-americano a governadores pré-golpe de 1964
>>> Oficina: Revisão de literatura traduzida Inglês/Português (EaD)
>>> DIA 5 DE OUTUBRO – BJÖRK DIGITAL ONLINE!
>>> Próxima Live do Grupontapé será realizada com o ator e diretor teatral do Grupo Galpão de Belo Horiz
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filosofia cai no gosto... (2)
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mudanças I
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> 7 de Setembro
>>> Vicky Cristina Barcelona
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Dogville e a poesia
Mais Recentes
>>> O Fundo do Ar e Outros Poemas de Alexandre Brito 2004 Ameop pela Ameop (2004)
>>> O Mínimo Tu Em Mim de Daniel Conte pela Trajetos Editorial (2017)
>>> Renascimento e a Lei do Carma de William Walker Atkinson pela Pensamento (1963)
>>> As Chaves do Reino Interno de Jorge Adoum pela Pensamento (1993)
>>> A Sabedoria Tradicional de H. P. Blavatsky pela Hemus (1982)
>>> Um Habitante de Dois Planetas de Phylos o tibetano pela Biblioteca Rosacruz (1994)
>>> Mito e Corpo - Uma Conversa com Joseph Campbell de Stanley Keleman pela Summus (2001)
>>> Trotski de Orlando Miranda pela Ática (1981)
>>> Missao, Motivo, Guerra de Patrick ness pela Pandora (2013)
>>> Cerejeira Rosa de Mario Mascarenhas pela Fermata (1954)
>>> A Morte da Verdade. Notas Sobre a Mentira na Era Trump de Michiko Kakutani pela Intrínseca (2018)
>>> Tópicos de Manejo da Fauna silvestre de Elias Silva pela Ufv (1993)
>>> Cielito lindo e LA cucaracha de Mario Mascarenhas pela Mario Mascarenhas (1959)
>>> Proudhon de Paulo-Edgar A. Resende & Edson Passetti pela Ática (1986)
>>> Atuação ano 19 n° 3 Revolução Farroupilha e Pelotas Parou de Diversos autores pela Ucpel (1985)
>>> Música 38 Gil Baby e Zezé de Sistema Imprima de cifragem pela Imprima (1980)
>>> Jazz para principiantes de Ron David pela Objetiva (1996)
>>> Beethoven Sonata op 79 Per Pianoforte de Casella pela Ricordi
>>> Deus fala a seus filhos de Maria cecilia Amarante pela Verbo Divino
>>> Altura 22 abril 1949 de Diversos autores pela Altura (1949)
>>> Hypnosis in the relief of paim de Ernest r hilgard josephine hilgard pela William Kaufmann (1975)
>>> Encontros de Redação de Jayme Barros pela Moderna (1986)
>>> Amigos de Pelotas.com de Rubens filho org. pela Mundial (2009)
>>> Versos e Crônicas do Acaso de Oswaldo Bender pela Mundial (1986)
>>> Tex especial de férias 9 de Mythos editora pela Mythos (2010)
>>> Tex especial de férias 11 de Mythos editora pela Mythos (2012)
>>> Sétimo Céu 248 de Diversos autores pela Bloch
>>> Sétimo céu 13 o máximo em fotonovelas de Diversos autores pela Bloch (1973)
>>> Quarenta e oito: Direitos Humanos de Bethânia Helder, Caroline Frantz e Tiago Bianchi editores pela Puc Rio Grande do Sul (2015)
>>> Herança Judaica n. 115 Leon Fetter 1902-1998: Tragetória de um lider de Vários pela B'Nai B'Rith do Brasil - Distrito 25 (2002)
>>> Again (Fox) de Lionel Newman dorcas cochran pela Todamerica (1948)
>>> O vendedor de amendoim rumba de Mario Mascarenhas pela Mangione (1932)
>>> Vassourinha Frevo de Mario Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1953)
>>> Dinheiro&direitos N.8 Automóvel de Vários pela Proteste (2007)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1941-1973 pela Mojo (2020)
>>> Diana de Paul Anka pela Robert Mellin (1957)
>>> Soy um extraño de Gonzalo Curiel pela Irmãos Vitale (1956)
>>> Para vigo me voy de Ernesto Lecuona pela Irmãos Vitale (1938)
>>> Que é O Sistema Mundial do Socialismo de G. Pirogov pela Edições Proguresso (1987)
>>> Atlas da exclusão social no Brasil de Diversos autores pela Cortez (2003)
>>> Desenvolvimento de competencias matemáticas com recursos lúdico manipulativos de Angel Alsina pela Base (2009)
>>> Coleção Grandes Astros do Cinema v. 18- Jeanne Moreau de Folha de São Paulo pela Folha (2014)
>>> Czerny etudes de mecanisme de Tyson Wolff pela Breitkopf
>>> Nuestra senora del Huerto de Juan franc aragone pela Casa lacano (1925)
>>> Antologia do Conto Moderno de Ignazio Silone pela Atlântida (1915)
>>> Reforma, revisionismo e oportunismo de Rosa Luxemburg pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Obras-primas do jazz de Luiz Orlando Carneiro pela Jorge Zahar (1986)
>>> Contos de Machado de Assis pela Movimento (2000)
>>> Anarquismo. Uma história das ideias e movimentos libertários Vol. 2 de George Woodcock pela L&PM (1984)
>>> Para Ler Gaúchos de Aldyr Garcia Schlee, Charles Kiefer, Josué Guimarães, laury Maciel, Lourenço Cazarré, Moacyar Scliar e Sérgio Faraco pela Novo Século (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/2/2003
O Príncipe Maquiavel
Alessandro Silva

+ de 31800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Senhoras e Senhores,

Estamos diante de mais uma tradução daquela obra de circunstância que tratou de distrair seu autor do tédio e do desespero durante algum tempo; uma obra sobre a qual não depositou muito, pela qual não esperava louros, e que se tornou por ironia do destino a mais famosa de suas composições: "O Príncipe", de Maquiavel.

A tradução de Roberto Grassi, se tomarmos como referencial a de Lívio Xavier ( Edição da coleção "Os Pensadores" ) iguala-se no rigor e leva a vantagem de um nariz pela linguagem ligeiramente mais moderna. Não obstante, não foi essa qualidade resultado de uma simplificação da obra, mas sim de uma obsessiva e resignada tentativa de aproximar-se ao máximo do texto original. E isso é louvável, pois as editoras estão sacando que a cultura impressiona, estão tentando popularizar tudo a qualquer preço; fazer de Schoppenhauer autor de gibis, enfiando uma melancia pelo buraco de uma agulha. Veja-se por exemplo "O Mundo de Sofia" que transformou nossos "meandros dialéticos" em literatura infantil; note-se en passant Harry Potter e a baboseira sagrada: ora, ora, a literatura infantil tomando o posto de Walter Scott ou Robert Louis Stevenson! Mas, senhores, sabemos como ficam as cópias tiradas no fax: ilegíveis e apagam-se com o tempo: as novas modas literárias não passam de cinco minutos na história da literatura. A filosofia das editoras é simples: se os homens não chegam ao topo da montanha, a montanha desce até eles. E assim vai crescendo a montanha de charlatanismo que engolimos diariamente: seja lendo as banalidades de uma revista chula como a "Veja", seja se informando com as baboseiras e gratuidades de Jô Soares. Chegamos a um ponto em que nos persignamos até mesmo diante da autoridade de um apresentador de TV!

Por favor não repliquem: "não confunda as coisas!", "cada macaco no seu galho". Certo: o galho do Caetano é entretenimento, mas se assim nos enganamos é apenas para poder gozar melhor aquilo que acreditamos ser a cultura. E, é claro, "a cultura dos povos" tem que ser respeitada. E é claro: é graças a isso, segundo Wilson Martins, que os estrangeiros nos vêm como índios de tanga desfilando pela avenida Rio Branco.

Chamamos tudo aquilo que há de frugal e passageiro de entretenimento, apenas para disfarçarmos uma palavra genuína que nos incomoda: cultura. Ao fim e ao cabo acabamos com a pulga atrás da orelha, um incômodo pernilongo zumbindo em nosso ouvido em nossa noite: mas eu não deveria zelar pelo meu espírito dando a ele as coisas elevadas produzidas por espíritos sublimes? Não obstante, continuamos elegendo o cinema fácil, a subliteratura, a literatura infantil e a MPB como ícones recorrentes. Vai-se assim empurrando com a barriga até que um dia a consciência clama por solidão e altitude: e nós nos vemos vazios como dispensa de escola pública. Até o momento de infantilmente exclamarmos: "Deixa! Eu não queria mesmo!"

Mas interrompamos essas digressões despropositadas e ataquemos nossa matéria.

Falávamos da tradução de "O Príncipe" por Roberto Grassi. Ao fim de cada capítulo do livro abundam as notas como guarda-chuvas em dias de verão em São Paulo. As referências utilizadas por Maquiavel para a construção de sua obra - em sua maioria relativas à antigüidade greco-romana - estão esmiuçadas, e de tal modo que por si só contam uma história em paralelo, como os deuses nas obras épicas produzindo a história da história contada pelo autor.

Como constituem por si só valiosos selos numa coleção cuidadosa, as notas reunidas para o rigoroso propósito do tradutor merecem uma leitura à parte. É altamente recomendável para o leitor que não quer perder nem um diálogo da projeção, e também ao "expert", que proceda primeiramente à leitura integral de todas elas antes de atacar o conteúdo total. É claro que esse é somente um tipo de leitura - normalmente empregado pelos "eruditos" - sendo que a mera leitura dos capítulos não perde em nada, pois estamos diante de uma linguagem vivaz e até mesmo algo espermática. A linguagem de Maquiavel advém de um espírito sagaz e suas manobras literárias correspondem efetivamente ao que pinta a Enciclopédia Britânica: "Maquiavel é considerado o maior prosador da literatura italiana; seu estilo, ligeiramente latinizante, é clássico sem retórica e realista sem vulgaridade, muitas vezes sarcástico e irônico".

Numa primeira leitura de "O Príncipe" sentiremos, ao ler por exemplo a dedicatória endereçada à Lorenzo Medici - se não formos demasiado caras-de-pau - algum repúdio em relação ao tom, algo bajulador e interesseiro, com que o mestre conduz a orquestra: "E se Vossa Magnificência, das culminâncias em que se encontra, alguma vez volver os olhos para baixo, notará que imerecidamente suporto um grande e contínuo infortúnio".

É claro que depois entenderemos que nos enganamos em nosso juízo, justamente por que descobriremos por trás do autor de "O Príncipe" um homem astucioso e desesperado pela pobreza e pela amargura para recuperar seu status. Claro que entenderemos que o próprio autor acha válido ser interesseiro e bajulador para obter o fim desejado. Ademais isso, partindo de um literato da grandeza de Maquiavel, é bastante admissível.

A obra Il Principe ( O Príncipe ) foi escrita entre 1513 e 1516, tendo portanto ela sido iniciada quando Maquiavel contava com 44 anos ( Nicolau Maquiavel, Niccolò Machiavelli, nasceu em Florença em 3 de maio de 1469 e morreu na mesma cidade em 22 de junho de 1527 ). A técnica literária utilizada para sua composição é o "aconselhamento". Maquiavel, o patriota, está aflito com a invasões "bárbaras" em seu país e para afugentá-los dá a luz uma obra cujo âmago parte da imaginação de um príncipe ideal, retrato algo fantasioso de Cesare Borgia, a quem se dá conselhos para conquistar o poder absoluto, acabar com as dissenssões internas e expulsar os estrangeiros da Itália. Para tanto são recomendados todos os meios, inclusive a mentira, a fraude, a violência e, enfim, a política totalmente amoral que se costuma chamar de "maquiavelismo" e que sempre foi condenada pela posteridade, inclusive por príncipes, prelados e magistrados que a praticaram. Também é preciso considerar que seus conselhos se dirigiram a um príncipe que não existia, assim como ele sonhava, mas que, por outro lado, todos os príncipes italianos da época praticaram aquela política, apenas para fins muito menos idealistas do que para enfrentar uma situação de emergência da república ameaçada.

No decorrer da leitura, vamos percebendo com mais intensidade a voz de um político patriótico sobre um piquete praguejando contra a invasão de São Paulo pelos camelôs nordestinos. Uma imagem vaga vai se desenhando em nosso espírito até que surge o rosto de Policarpo Quaresma falando em resgatar o tupi como língua nacional.

( O fervor patriótico de Maquiavel não se faz presente apenas em "O Príncipe". Vide um de seus escritos políticos mais característicos dessa síndrome: a ressentida análise do povo francês contida em "Della Natura Dei Francessi" ( Da Natureza dos Franceses ). )

Quando o Maquiavel exaltado quer falar ao ouvido de seu príncipe ideal, torna-se elegíaco: "Mas consideremos Ciro e os outros que conquistaram ou fundaram reinos: achareis todos admiráveis. E, se forem consideradas suas ações e ordens particulares, estas não parecerão tão discrepantes daquelas de Moisés, que teve tão grande preceptor."

A principal qualidade sobressalente em Maquiavel é sua sofisticação psicológica aliada à crítica política. Essa qualidade somente pode ser encontrada em grau semelhante em Friedrich Nietzsche, Karl Marx e Henry James. Magnífico também é o poder de caracterização do poeta Maquiavel: "Agátocles de Siciliano não só de privada, mas também de ínfima e abjeta condição, tornou-se rei de Siracusa. Filho de um oleiro, teve sempre, no decorrer de sua juventude, vida celerada; todavia, acompanhou seus atos delituosos de tanto vigor de ânimo e corpo, que, tendo ingressado na milícia, em razão de atos de maldade, chegou a ser pretor de Siracusa". Isso é digno de Plutarco, ou Salústio.

O amoralismo presente em Maquiavel provém de um homem que decidiu olhar para as coisas e falar delas como são, ao invés de levantar algumas dezenas de idéias acerca do que se pode imaginar que uma coisa possa ser. À época de Maquiavel - estamos falando do Renascimento - os homens estavam se libertando da influência de Platão. O problema que tira o sono de Maquiavel é a corrupção política e moral da Itália do seu tempo. Não tendo religião, Maquiavel não pôde explicar essa decadência pelo pecado original, sobretudo porque a Idade Média cristã não lhe parece ter sido moralmente melhor nem impecável. Mas, na grande crise de transição do seu próprio tempo, já não confia na providência divina nem na utilidade de seguir os caminhos da virtude. Substitui a providência pela fortuna, o destino ou as circunstâncias exteriores; e usa a palavra "virtude" no sentido de eficiência, sem consideração dos meios empregados para conseguir os fins visados. É o primeiro teórico moderno da política. Nele não há nada do sadio ceticismo de Michel de Montaigne ( 1533-1592 ). Maquiavel é o protótipo do homem político moderno: ambicioso e corrupto.

A espada do tempo tratou de partir o cômputo de Maquiavel em duas metades: a maior parte do conteúdo político, tendo em mente uma democracia, está morta. A outra metade, a do Maquiavel escritor e poeta permanece. Dissemos "morto" o conteúdo político, mas apenas para fins de classificação, pois o maquiavelismo é muito facilmente detectado como ferramenta de traficantes, ações da Rede Globo, vilezas de charlatães vulgares como o Padre Marcelo ou o Bispo Macedo - e nós que não queríamos meter a mão nessa sujeira!

Do maquiavelismo, mesmo os seres humanos mais aparentemente domesticados podem se beneficiar; é um código que pode servir de instrumento igualmente aos tiranos e aos homens livres, sendo que o resultado só depende da inteligência de quem usa o instrumento.

Talvez se argumente, em defesa de Maquiavel - e essa argumentação certamente derivaria de "bons cristãos" - que Maquiavel vivia em uma época brutal e daí a crueza de seus conselhos; naturalmente, ouviríamos, os homens de sua época não erguiam títulos de eleitores e sim espadas. A imputação "o fim justifica os meios" só se justificaria para Maquiavel em se tratando de falarmos das "altas finalidades de Estado."

Não obstante, diante de sua sarcástica peça "A Mandragora" ( 1529 ), tenderíamos a nos perguntar: mas os fins desse jovem inescrupuloso, a saber, conquistar a mulher de um velho imbecil, coincidia com as altas finalidades do Estado?

Não é anacronismo falar de Maquiavel como o disseminador do maquiavelismo. Erasmo denunciou a loucura dos padres; diríamos que Maquiavel a defendia. Maquiavel - por uma inversão no tempo - é nietzscheano; enquanto Erasmo é proustiano.


Alessandro Silva
São Paulo, 7/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
03. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
04. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
05. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/2/2003
22h41min
o paradoxo de Maquiavel é agente não conseguir definir a causa da sua imortalidade literária: Um visionário? um gênio? um filósofo dos vícios da política da sua época? Ou, simplesmente, o autor de "O Principe", retratou algo tão óbvio do carater humano, que ao criticar e sensurar Maquiavel, na verdade estamos sensurando-o por desnudar uma verdade que não se queria cojitar: "os meios justificam o fim".A criança pede ou chora, ou esperneia até obter o brinquedo. O homem ora na sinagoga, grita eloquente em praça pública... ou mata, para conseguir seu intento. Mas para não chegar a esse extremo, usa do maquiavelismo "básico" politicamente correto e imoral, isso tudo independente da época. - Maquiavel! teu pecado foi contar a verdade nua e crua.
[Leia outros Comentários de Luiz Guimarães]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS ÚLTIMOS LUSO - BRASILEIROS, SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE BRASILEIROS ...
PEDRO DA SILVEIRA
BIBLIOTECA NACIONAL
(1981)
R$ 23,79



NESTLÉ NUTRITION CURSO NESTLÉ DE ATUALIZAÇÃO EM PEDIATRIA 2007
VÁRIOS AUTORES
NESTLÉ
(2007)
R$ 6,90



P57 O ATENTADO
PERRY RHODAN
EDIOURO
(1977)
R$ 5,00



A GRANDE VIAGEM
ANITA GODOY
PORTAL DA LUZ
(1999)
R$ 10,00



VENEZA O ENCONTRO DO ORIENTE COM O OCIDENTE
FERNANDA DE CAMARGO
RECORD
(2004)
R$ 8,90



O JOGADOR
DOSTOIÉVSKI
BERTRAND BRASIL
(1987)
R$ 15,00
+ frete grátis



ATUALIDADES EM DOENÇAS INFECCIOSAS-MANEJO E PREVENÇÃO
LUCIA FERRO BRICKS/MARIA CÉLIA CERVI
ATHENEU
(2002)
R$ 30,00



O NOVIÇO O JUIZ DE PAZ NA ROÇA
MARTINS PENA
ED. SOL
R$ 5,00



ARTE BRASILEIRA PARA CRIANÇAS
MARLYN DIGGS MANGE
MARTINS
(2000)
R$ 6,90



TESOURO DA JUVENTUDE VOLUME 17
W. M. JACKSON
BRASILEIRA
(1954)
R$ 7,90





busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês