Digestivo nº 295 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
>>> A Quebrada É Boa: Monarckas realiza evento que fomenta arte e lazer a partir da cultura hip-hop
>>> III Mostra de Artes do Ensino Médio Técnico do Senac Nações Unidas - “VEREDAS DE NÓS: Crendices, Val
>>> Filmado nos Lençóis Maranhenses, 'Betânia' terá sua primeira sessão no Brasil no Guarnicê
>>> Inscrições abertas para o Noronha2B
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A moral da dúvida em Mirandola e Nietzsche
>>> De Cuba, com carinho
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> Minhas 10 melhores digestões
>>> Sobre o hábito de cutucar o nariz
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
>>> A contradição de João Gilberto
>>> Entrando pelo cânone
Mais Recentes
>>> Oração De Criança de Flavio Cavalca De Castro pela Santuário (2006)
>>> Que os Anjos Digam Amém (Mini) de Artur Rodrigues pela Litteris (2006)
>>> Análise matemática - Introdução de Duílio Nogueira; Pedro Paulo Marques pela Fae (1984)
>>> Vetores e Matrizes de Nathan Moreira dos Santos pela Impa (1975)
>>> Algebra Linear e Geometria Analitica de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1980)
>>> Mecânica dos Fluídos e Hidráulica - Col. Schaum de Ranald V. Giles pela McGraw Hill
>>> Geometria Analítica de David C, Murdoch pela Livros técnicos e científicos (1975)
>>> Álgebra I - Sequencias progressões logaritmos de Cid A. Guelli pela Moderna
>>> Equações Diferenciais de Sérgio A. Abunahman pela Livros técnicos e científicos (1982)
>>> Como Melhorar a Sua Memória de Michael Fidlow pela Record (1961)
>>> O Homem Demolido de Alfred Bester pela Nova Fronteira (1978)
>>> Vive-se uma só vez? A reencarnação documentada... de Jeffrey Iverson pela Expressão e Cultura (1979)
>>> Um Herói do Holocausto (A lista de Schindler) de Thomas Keneally pela Record
>>> Casos Clínicos Em Medicina De Emergência de Eugene C Toy pela Mcgraw-hill Brasil (2014)
>>> ABC do ECG de Carlos Alberto Pastore pela Medcel (2013)
>>> Primeiros Passos Com A Bíblia de Paulo Bazaglia pela Paulus (2001)
>>> Dicionário Da Biblia De Almeida de Bible Society Of Brazil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2016)
>>> Emergências clínicas: abordagem prática de Herlon Saraiva Martins pela Manole (2009)
>>> Acuarela de Michael Clarke pela Blume (1994)
>>> The New Self-Sufficient Gardener de John Seymour pela Dk (2008)
>>> Antoni Gaudí - Une Vie en Architecture de Rainer Zerbst pela Taschen (1993)
>>> Dicionário de Artes Decorativas e Decoração de Interiores de Stella Rodrigo Octavio Moutinho, Rubia Braz Bueno do Prado, Ruth Rodrigo Octavio Londres pela Nova Fronteira (1999)
>>> Brasil Globalizado - O Brasil Em Um Mundo Surpreendente de Octavio de Barros; Fabio Giambiagi (org) pela Campus (2008)
>>> H. Dantas, 90 Anos - Uma História na Navegação Brasileira de Luiz Antonio Aguiar, Lucia Brandão pela Andrea Jakobsson (2006)
>>> 101 Plantas Para Sombra de Coord. Valerio Romahn pela Europa (2008)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/9/2006
Digestivo nº 295
Julio Daio Borges
+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Internet >>> Only time will tell
O mundo dá voltas. Na internet, um pouco mais rápido do que fora dela. Quem diria que a Netscape, mártir da resistência contra a Microsoft, na Guerra dos Browsers (1996-2000), se aliaria ao mainstream e combateria, ao lado da AOL (e da Time Warner), a inovação? Aconteceu agora, no meio do ano, quando o Netscape.com deixou de ser um portal (coisa que foi, relativamente bem, desde que deixou de ser uma marca de browser) para se converter no que Michael Arrington, o blogger da Web 2.0, chamou de “Digg-killer”... O Digg tem sido, para quem não sabe, a mais bem-sucedida iniciativa de “user-generated content” (conteúdo gerado pelo usuário) desde 2005, ao ultrapassar o Slashdot, e, diz Mike ainda em seu podcast, ao ultrapassar – em 2006 – o New York Times (!). Jason Calacanis, fundador da Weblogs Inc., relativamente recente aquisição da AOL, está capitaneando a cruzada da “nova” Netscape “contra” o Digg. Na Netscape, as indicações de leituras dos internautas são votadas pelos próprios e, se forem bem no ranking, atingem a homepage – como no Digg –, mas, de maneira inédita, podem sofrer a interferência de jornalistas, chamados de “âncoras”. Em resumo, o Digg, como portal, havia matado o editor; a Netscape, sob o guarda-chuva da AOL e a direção de Calacanis, absorve o conceito do Digg mas reintroduz a mediação do profissional de mídia. Desde meados deste ano, a discussão está fervendo na internet: o jornalista deve morrer como intermediário da notícia ou não? Os internautas têm condição (e maturidade) para serem totalmente autônomos? Quem vence a atual guerra: o Digg, em sua versão 3.0, tentando deixar de ser um recanto só de geeks; ou a Netscape, “Digg-killer”, misturando jornalismo e a “escolha da audiência”? [Comente esta Nota]
>>> Netscape.com | Digg
 



Gastronomia >>> Formigando a língua
Depois de séculos nas mãos dos franceses, a gastronomia foi tomada de assalto por um chef espanhol, Ferran Adrià. A gastronomia francesa continua com seu passado glorioso, de mãe fundadora, mas divide a liderança, no presente, com a anglo-saxã, e só tem uma certeza sobre seu futuro: de novo, Ferran Adrià. Para o Brasil é bom, porque Adrià já declarou, por sua vez, que o futuro da gastronomia passa por... Alex Atala, o chef brasileiro do D.O.M.! Adrià é, ainda, o chef que recebe mais de 10 mil currículos por ano, trabalha (ou abre seu restaurante, elBulli) só durante seis meses (dos doze), passa o resto do tempo inventando, recepcionando candidatos a discípulos e pesquisando... Essas e outras histórias – que você não encontra em qualquer livro sobre gastronomia contemporânea – estão na obra de Marcia Algranti, Conversas na Cozinha, pela Senac Nacional. Ao contrário dos nossos colunistas de gastronomia que não cansam de, anualmente, incensar os mesmos nomes do velho circuito brasuca, Marcia tenta discutir o assunto num patamar global, com algum isenção – e, no aspecto do rigor e da disposição, lembra o exemplar Mort Rosenblum (que chegou até nós em traduções). Quem imaginava um volume de entrevistas, por causa do título, ou mesmo um blablablá tipo Ofélia (que, tudo bem, já teve o seu momento), vai se surpreender com as informações atualizadas de Marcia Algranti – e até mesmo com seus capítulos de receitas que fogem, claro, do trivial (e do “trivial variado”). Em meia dúzia de capítulos introdutórios, ela procura dar um panorama histórico, depois parte para os ingredientes e, por fim, explora os grandes grupos: entradas frias, entradas quentes, pratos principais, pães, patês e sobremesas. Em 2006, e em português, é o livro sobre gastronomia com as melhores intenções. [Comente esta Nota]
>>> Conversas na Cozinha
 



Cinema >>> Entre umas e outras
Ao contrário da vasta maioria dos restaurantes que se propõem a realizar atividades culturais além da gastronomia (mas que, muitas vezes, não têm nem o espaço para tanto), o Chakras nasceu com essa saudável ambição e vem implementando – na prática – projetos nessa direção. Sua galeria, a IQ, é uma das mais movimentadas da cidade, com vernissages quase mensais (e quase todas, logo de início, “sold out”); seu lounge, o La Suite, não é apenas uma sala de espera ou uma recepção, é um espaço à parte, com conceito e programação próprios (independentemente do restaurante, e da galeria). E, agora em setembro, o Chakras implementa uma nova temporada de um de seus projetos mais afetivamente acalentados: o Jantar Cinematográfico ao Ar Livre. Com curadoria, em matéria de sétima arte, do crítico Sérgio Dávila, da Folha, o Chakras promove, todos os domingos, sempre às 21 horas, uma sessão da mostra Novo Cinema Americano, até o final de outubro. Cada fita indicada por Dávila – que acredita num boom atual semelhante ao que revelou grandes diretores dos anos 70 (como Coppola e Scorsese) – ganha acompanhamento, gastronômico, de uma criação especial do chef Nilson de Castro. Assim, Os Excêntricos Tenenbaums puderam ser assistidos, no último dia 3, à base de hambúrguer de atum (como prato principal) e muffins de maçã (como sobremesa). Sideways, no próximo dia 17, será acompanhado, por exemplo, por bombom de morango e rosbife de vitelo ao molho de Coca-Cola. Quero Ser John Malkovich, no dia 24, merecerá a clássica american pie e hambúrguer de javali. E por aí vai...: com Encontros e Desencontros (no dia 1º de outubro); Em Busca da Terra do Nunca (no dia 15 do próximo mês); entre outros, sempre na praça do Chakras – onde a inspiração de Nilson de Castro não encontra limites e onde Sérgio Dávila realiza, enfim, seu sonho de curadoria. O Chakras vai mostrando, inteligentemente, que existe alternativa aos centros culturais de marca em São Paulo. [Comente esta Nota]
>>> Chakras
 



Música >>> O Poeta do Som
Sivuca é, para muita gente, aquele albino sanfoneiro que se confunde com Hermeto Pascoal. Mas é, além disso, um virtuose paraibano que resolveu, neste ano, prestar uma grande homenagem a seu estado: Terra Esperança. O CD, lançado agora pela Kuarup, é o resultado de um trabalho de pesquisa, de Sivuca e de Glória Gadelha (a produtora), que reúne um repertório 100% ligado à Paraíba. Tem, logo na abertura, “Amoroso Coração”, com o Quinteto da Paraíba – um canto lírico de sanfona, quase “a capella”, anunciando a densidade e a vitalidade do álbum todo. Em seguida, na segunda faixa, “Um sol em mim”, alterna um quase-tango, um quase-jazz. “Barra vai quebrando”, com o Brazilian Trombone Ensemble, é a alegria do frevo, do xote, do baião – mas sem deixar de ser sério(!). “De bom grado” – se é possível aqui toda essa mistura – insinua um forró, marca uma valsa e tem bateria de bossa nova. “A doce canção de Nélida” é o momento melódico mais inspirado da dupla, Sivuca e Gadelha (que também compõe) – e nisso não chegamos nem na metade do CD... O encarte – ou melhor, Mario de Aratanha – nos conta que o virtuosismo, sabido e notório, quase atrapalhou Sivuca, que foi escrever partitura, arranjar e ser executado pela Orquestra de Rádio da Dinamarca, por exemplo, só de 20 anos pra cá. É certo que alguns instrumentistas, no Brasil, fariam melhor negócio não compondo (sem falar em alguns intérpretes...), mas está longe de ser o caso de Sivuca. A alternância de ritmos – quase uma obrigação em outros CDs – não incomoda. Já o flerte com o erudito não soa falso nem artificial: promove respiros e infunde, no ouvinte, um estado de meditação. “Sempre uma presença”, outro exemplo assim, quase no meio do disco (“a primeira do lado B”, se fosse um LP) lembra muito o Quinteto Villa-Lobos: é suave, saltitante e não agride (graças, também, ao Quinteto Latinoamericano de Sopros...). O disco segue nesse passo e outro grande momento, “Comigo Só”, um blues da mesma afinada dupla, é a antepenúltima faixa. Já quiseram, e tentaram, matar, na filosofia, a metafísica; felizmente, na música, ela persiste. [Comente esta Nota]
>>> Terra Esperança
 



Além do Mais >>> Symphony of Coffee
O Ateliê do Café – na sua incansável disposição de divulgar o melhor café brasileiro (tipo exportação) para os brasileiros – trouxe no último mês, a São Paulo, Klaus Thomsen, o barista vencedor do concurso internacional promovido pela Specialty Coffee Association (em 2006, em Berna, na Suíça). Thomsen, um dinamarquês que está nesse business de barista há 5 anos, e que vem se preparando para ser campeão há outros tantos, veio, ironicamente, mostrar aos brasileiros o que estão fazendo de melhor com seu café, no mundo... O Ateliê do Café e a Fazenda Daterra permitiram a Thomsen repetir a performance vencedora, na preparação de um expresso, de um cappuccino e de um drink especial, no Charlô Bistrô, mas sem a pressão do cronômetro e com todos os comentários do Número Um do Mundo. A Klaus Thomsen se juntou sua namorada, Sigga Dóra Halldórsdóttir, que, por coincidência, é juíza na mesma competição – e que pôde dar outros esclarecimentos de valor. Além do virtuosismo, Thomsen foi todo simpatia, demonstrando, didaticamente, como se decora, por exemplo, um cappuccino (com uma roseta ou com um romântico coração) – e proibindo, terminantemente, o pó de canela (para polvilhar no final – coisa que 99% dos vendedores de cappuccino da metrópole ainda não sabem...). O Ateliê do Café e a Fazenda Daterra conferiram esse privilégio, igualmente, a baristas selecionados da cidade de São Paulo, que participaram de um verdadeiro workshop, a portas fechadas, com Klaus Thomsen. O Ateliê e a Fazenda Daterra, ambos do Grupo DPaschoal, têm a mesma confiança que o mundo tem no nosso café. E mesmo o brasileiro que custa a acreditar quando é campeão do mundo, vai despertando, finalmente, para a posição que nunca perdeu de fato: a de detentor dos melhores grãos do planeta. [Comente esta Nota]
>>> A Day in the Life of World Barista Champion Klaus Thomsen
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/9/2006
09h23min
Sivuca é um artista e tanto e quando trabalhava com a sanfona e a voz... Deus me livre! Era de fato um biuchoi matuto dos bons, e isto é ótimo. Um artista bom de fato.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Mendigo, o Frio e a Touca
J. O. Rocha
Comunicar
(2016)



Livro de bolso Literatura Estrangeira Persuasão
Jane Austen / Fernanda Abreu (trad.)
Zahar
(2016)



A Bala Perdida E O Violino
Regina Gulla
Planeta
(2012)



Livro de Bolso Teatro de Animação
Ana Maria Amaral
Ateliê Editorial
(1997)



Nossas Noites
Kent Haruf
Companhia Das Letras
(2017)



Geração Alpha Portugues 7 Ed 2019 - Bncc
Cibele Lopresti Costa
Sm
(2019)



Livro Psicologia A Carícia Essencial Uma Psicologia do Afeto
Roberto Shinyashiki
Gente
(1985)



Varsóvia 1920
Adam Zamoyski
Record
(2013)



Pregão Presencial e Eletrônico
Diogenes Gasparini (Coordenador)
Fórum
(2009)



Novos Temas em Educação, Cultura e Comunicação nas Periferias Urbanas
Liliane Leroux, Neiva Vieira da Cunha
Garamond
(2012)





busca | avançada
96056 visitas/dia
2,3 milhões/mês