Guerra é entretenimento | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Guerra no Iraque

Quinta-feira, 27/3/2003
Guerra é entretenimento
Adriana Baggio

+ de 3700 Acessos

A guerra entre a força de coalizão, composta pelas armas de Estados Unidos e Grã-Bretanha, e o Iraque, é a grande campeã de audiência nas televisões nos últimos dias. Não poderia ser de outra forma. Como nos dias de hoje estamos todos ligados uns aos outros, qualquer espirro lá dá uma convulsãozinha aqui. Por isso a importância de acompanhar de perto este conflito.

No entanto, para os meios de comunicação a guerra é mais do que uma cobertura jornalística obrigatória. Não é de hoje que a mídia procura inovar nas atrações na tentativa de prender a atenção do público. O resultado são produtos televisivos cada vez mais apelativos, para o sexo, para a violência ou para o mau-gosto. Por algum motivo que os psicólogos e os antropólogos devem ter explicação, sentimo-nos atraídos por este tipo de apelo e consumimos avidamente estes programas, independentemente das tragédias reais com as quais precisamos conviver diariamente. Pois bem, a guerra vem alimentar essa tendência de uma maneira mais perniciosa, porque é real, e não uma produção concebida para atrair nossa audiência.

Os conflitos têm sido apresentados de perto. Muita gente já comparou a guerra com o roteiro de um filme hollywoodiano, e realmente as semelhanças estão óbvias demais para negar uma associação. As câmeras de TV estão realmente muito próximas do front, tranqüilas como se estivessem na segurança de um set de filmagem com munição de festim e efeitos especiais. O enredo apresenta aquela famosa trama no qual o mocinho parece não ser tão mocinho assim, e o vilão talvez não seja tão mal. Estamos no meio do filme, e já não temos certeza sobre quem é o bom e quem é o mau, ou para qual devemos torcer.

Para completar, temos também uma cobertura metajornalística da guerra, onde a notícia é sobre como a notícia tem sido divulgada nos diversos cantos do mundo. Ou seja, os bastidores parecem não existir mais. A necessidade de apelo é tão grande que, para chamar atenção em meio à imensa quantidade de estímulos que recebemos todos os dias, é preciso chegar ao âmago e mostrar as coisas na sua forma mais crua.

Fico me perguntando o que vai ser da indústria do entretenimento depois da cobertura desta guerra. O que os filmes vão mostrar, se a gente está vendo tudo de verdade? O que vai ser da ficção se a realidade já alcançou o ponto de principal atração? Que mistérios serão urdidos para capturar a atenção do espectador, se o conhecimento sobre as tramas mais sórdidas está ao nosso alcance?

Deve ser por isso que houve uma leva de filmes com roteiros complicados, daqueles em que a gente pensa que é uma coisa, mas na verdade é totalmente outra, tipo Sexto Sentido, Vanilla Sky, Os Outros, e por aí vai. Ou então, deve ser em reação ao mesmo motivo que um filme bonito e agradável, porém ralo como Chicago, foi o que ganhou mais prêmios neste último Oscar. Já que não podemos competir com eles, vamos inaugurar uma nova fase na indústria do entretenimento. De volta aos roteiros belos, mas ordinários. Gangues de Nova York, feroz e violento, não teve a mesma repercussão. E olhe que as cenas de Gangues são repletas de sangue e brutalidade. No entanto, este representa a guerra, mas uma guerra fictícia, que não tem condições de competir em interesse com a guerra de verdade.

Preocuparam-se tanto com as possíveis armas químicas ou de destruição em massa, mas a força de coalizão não estava preparada para a principal arma dos nossos tempos: a informação. Enquanto as redes norte-americanas e britânicas salientam as vitórias dos aliados, as emissoras do lado de lá mostram que a invasão não tem o sucesso que Estados Unidos e Grã-Bretanha gostariam. Além disso, ainda capitalizam em cima das supostas vítimas dos ataques da coalizão. O resultado é que o mundo todo, que sempre abominou ditadores como Saddam Hussein, passou a quase apoiar as ações do Iraque. A arrogância, a falta de tato, de diplomacia e de sensibilidade fazem com que Bush assuma o papel do mocinho que talvez não seja tão bom assim. E o "mal", de repente, passa a estar com a razão.

Quem vai vencer a guerra? Não importa muito, se formos considerar seu aspecto de reality show. O que a mídia quer mesmo é muita polêmica e confusão. Enquanto houver intriga, mistério, sofrimento e histórias interessantes, a audiência está garantida. Só falta mesmo divulgar um número de telefone para a gente poder votar.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/3/2003


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


Mais Especial Guerra no Iraque
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




15 MINUTOS E PRONTO
JAMIE OLIVER
GLOBO ESTILO
(2013)
R$ 35,00



ENTRE A CIÊNCIA E A CONSCIÊNCIA
JOÃO CARAÇA
CAMPO DAS LETRAS
(2002)
R$ 32,38



UMBANDA: A PROTO-SÍNTESE CÓSMICA - 1ª EDIÇÃO - REVISTA E ATUALIZADA
YAMUNISIDDHA ARHAPIAGHA ( FRANCISCO RIVAS NETO )
PENSAMENTO
(2014)
R$ 54,95



GUSTAVO PIQUEIRA
VENETA
AR CONDICIONADO
(2018)
R$ 22,41



SOCIEDADES POR QUOTAS
AGOSTINHO ANTONIO F. CADETE
ELCLA (PORTO)
(1992)
R$ 26,82



MULHERES LIBERADAS
BARBARA RASKIN
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 10,00
+ frete grátis



VALSA NEGRA
PATRÍCIA MELO
ROCCO
(2010)
R$ 31,00



SALERNO: FOOTHOLD IN EUROPE
DAVID MASON
BALLANTINE BOOKS
(1972)
R$ 16,82



FELICIDADE A PRÁTICA DO BEM ESTAR
MATTHIEU RICARD
PALAS ATHENA
(2012)
R$ 39,90



ORGANIZE-SE
JOHN CAUNT
CLIO
(2010)
R$ 13,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês