Acordei que sonhava | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/4/2003
Acordei que sonhava
Rennata Airoldi
+ de 4100 Acessos

Há maneiras e maneiras de se contar uma história. Aqui, nesta peça, este é o grande diferencial. Não é só uma peça, não é só um show, não é só um musical. A apropriação e o desenvolvimento do tema é sem dúvida surpreendente. Acordei que sonhava é o novo trabalho do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. Com direção e adaptação de Claudia Schapira, a peça é uma releitura do clássico de Calderón de la Barca, A Vida é Sonho. Para quem não conhece, o texto conta a história de um príncipe que é mantido prisioneiro por seu próprio pai durante vinte anos, até que... têm um dia de rei! Mas fica para ele a eterna dúvida: seria a vida um sonho ou seria o sonho uma realidade?

Bem, nada de novo até aqui. O que há de realmente renovador é que o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos tem uma ampla pesquisa mesclando teatro com a cultura Hip Hop e, a partir daí, surge uma mistura muito interessante que resulta nesta experiência cênica. A direção musical é do DJ Eugênio de Lima. Na peça, se entrelaçam a música, o texto, o ator, o DJ, a arte multimídia e proporcionam juntos, para o espectador, uma vivência. Ao assistir, toma-se conhecimento da estética e da cultura proposta, e a vontade de interferir ativamente é constante. É uma grande parafernália, sem dúvida. Televisões, câmeras, microfones. Mas nada sem propósito ou sem função. Tudo isso é muito bem aproveitado. Não vemos nenhum elemento poluindo ou deslocado do contexto.

A peça começa meio sem dizer exatamente "a que veio". Porém, aos poucos, vai tornando-se um organismo que respira, pulsa e fala. Mais que isso: que nos faz pensar! Refletir sobre nós mesmos e sobre nossa própria vida. É um ato de muita coragem e ousadia apropriar-se assim de um texto tão conhecido e de maneira tão precisa. Um dos momentos mais hilários é a transposição do texto para os dias atuais, através da crítica à mídia. Programas de TV e shows esdrúxulos que vemos todos os dias denegrindo a imagem do ser humano na pequena tela que invade nossas casas. Não basta criticar toda a situação mas é preciso saber criticar, saber colocar de maneira correta a situação para que o espectador seja capaz de tirar suas próprias conclusões. Agir, acima de tudo. Aqui, isso é feito de maneira sublime.

Outro fato que surpreende são mulheres fazendo personagens masculinos de maneira ímpar. Não há maneirismo, nem vozes ou corpos forçando um gestual caricato. Em nenhum momento, a cena repele o olhar do espectador. Isso porque fica muito claro que todos os atores sabem muito bem sobre o quê estão falando. Há uma segurança e uma verdade inquestionável.

É um grito que ecoa! A música presente, quase o tempo todo, os DJs e as frases rimadas do Hip Hop são um tempero extra. Poucas vezes, surge a oportunidade de se assistir uma peça onde o conjunto, ou seja, todos os elementos que compõem o espetáculo, funciona de uma forma tão harmônica. Nada se sobrepõe. A música não é mais que a cena, mas, neste caso, é impossível pensar a cena sem a interferência musical. Confuso? É como ver uma flor onde todas as pétalas se somam formando o conjunto com caule e aroma, resultando no requinte fatal.

Há uma grande diferença entre um grupo que se reúne simplesmente para montar uma peça e um núcleo de pesquisa que se propõe a pensar e realizar arte sob determinado ponto de vista. Aqui, além da qualidade artística, fica também a maneira inovadora e acessível de se contar um clássico. É preciso ressaltar ainda que o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos foi um dos contemplados pela Lei de Fomento ao Teatro. Acredito que, somente com incentivos e parcerias, é possível transformar o teatro em um mecanismo de transformação cultural, educacional e social. Tomara que esta iniciativa (de juntar música, teatro e vídeo) se mantenha e se propague, pois, no mundo de hoje, nenhum segmento artístico sobrevive isolado. É tempo de globalização! Mas é preciso, também, saber unir, somar os elementos e não juntá-los sem nenhuma coerência.

"Eu entendi com o coração o que devo expressar. Se não for urgente e preciso, é melhor calar" (frase dita na peça por Maysa Lepique).

Para ir além
Acordei que sonhava está em cartaz na Funarte (sala Carlos Miranda), que fica na Alameda Northmann, nº 1058. Sempre às sextas e sábados, 21 hrs.; domingos, 20 hrs. Até o dia 24 de junho. Maiores informações pelo telefone: (011) 3662-5177.


Rennata Airoldi
São Paulo, 16/4/2003

Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2003
01. Zastrozzi - 2/7/2003
02. Temporada de Gripe - 17/11/2003
03. As Nuvens e/ou um deus chamado dinheiro - 4/6/2003
04. O Belo Indiferente - 24/9/2003
05. Ânsia - 26/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês