Ação e Reação, de Jean Starobinski | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O paraíso de Henry Miller
Mais Recentes
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/5/2003
Ação e Reação, de Jean Starobinski
Ricardo de Mattos

+ de 8300 Acessos

Jean Starobinski nasceu em Genebra no dia dezassete de novembro de 1.920. Filho de médicos, formou-se primeiro em Letras pela Universidade de Genebra no ano de 1.941 e posteriormente em Medicina, obtendo doutorado nas duas áreas. É membro de diversas academias e leccionou em não poucas Universidades, como a de Baltimore, Basileia e Genebra. Entre suas obras podemos citar Montesquieu Por Ele Mesmo, Jean Jacques Rousseau: A Transparência e o Obstáculo, Montaigne Em Movimento, A Invenção da Liberdade. Reparo nele uma certa preferência por temas relacionados ao século XVIII. Além destas, escreveu Ação e Reação: Vida e Aventura de um Casal, obra de semântica histórica farta de academicismo; na verdade, é a organização de sua recolha. Tudo o que encontrou sobre o tema acção/ reacção nas ciências naturais, na medicina, na política, na psiquiatria e na crítica, ele trouxe para este livro. É invejável a ordem e o rastreamento de raciocínios que ele faz, pesquisando entre vários autores, filósofos e cientistas o emprego dado aos termos acção e reacção, abrangendo séculos de história. Entretanto, rastrear raciocínios e desvendar a origem das palavras são operações que precisam estar necessariamente vinculadas a algum projecto, para então revelar-se a utilidade delas. Por mais consistente e elaborado que seja o texto, permanece a interrogação relativa à finalidade de todo aquele empenho. O entusiasmo obscureceu o discernimento.

"Acção" é um substantivo derivado do verbo "agir". Este verbo provém do latim agere, cujo significado é empurrar, fazer andar, tocar - fazer um rebanho movimentar-se. A acepção de mover o gado prende o termo ao universo rural e aparenta-o com ager - campo. Exclua-se o movido e mantenha-se a ideia de impulso ou influência. O termo "reacção" é de origem mais recente e presa ao anterior, nascendo nos tratados dos comentaristas medievos de Aristóteles - a física clássica, uma matéria a mais para a investigação dos filósofos, abrangia desde a concepção até o deslocamento dos corpos; por isso, até tarde, "médico" e "físico" designavam o mesmo profissional -, fortalecendo-se entre os escolásticos ingleses e renascentistas italianos até ser coroado por Isaac Newton (1.642/1.727) em sua Terceira Lei do Movimento: "A reacção é sempre contrária e igual à acção, o que quer dizer que as acções de um corpo sobre o outro, e vice-versa, são mutuamente iguais e de direcções contrárias".

Neste livro de Starobinski cuida-se inicialmente dos termos "acção" e "reacção", bem como do fenómeno a envolvê-los. Qual fenómeno? Primeiramente o físico, verificado quando um agente actua sobre um paciente desencadeando um processo que o atinge em retorno. As primeiras reflexões envolviam apenas um agente e um paciente - no lugar de "reacção", empregava-se "paixão" -, porém a maior atenção nas observações mostrou uma resposta deste atingindo, de alguma forma, aquele. Para explicar a existência do fenómeno, foram elaboradas teorias referentes às "potências activas" e "potências passivas" ou ainda, à simpatia e antipatia entre os elementos. Simpatia, antipatia, empatia, patético, patológico: termos todos que têm "pathós" em sua formação, palavra grega cuja nítida definição é muito difícil, visto significar tanto "sentimento" quanto "doença". Se um objecto age sobre outro que reage, então há simpatia entre eles, estava em cada um a possibilidade de agir e reagir entre si. Embora a reacção pareça dependente da acção e secunde-a no tempo, há quem as queira simultâneas, como Kant. Se hoje não prestamos atenção a esta ginástica do raciocínio, lembremos o longo período durante o qual tentava-se entender o movimento do mundo por um primeiro motor imóvel - Deus. Um motor que movia - kinein - sem sofrer uma reacção - no caso, antikinein - por parte do movido. Além de Deus ser este primeiro motor imóvel, é de apontar-se o liame entre as noções de "mobilidade - imperfeição" e "imobilidade - perfeição". Veja-se São Tomás de Aquino:

"5. Daqui se infere ser necessário que o Deus que põe em movimento todas as coisas é imóvel. Com efeito, por ser a primeira causa motora, se Ele mesmo fosse movido, sê-lo-ia ou por si mesmo ou por outro. Ora, Deus não pode ser posto em movimento por outra causa motora, pois neste caso haveria uma outra causa anterior a Ele, com o que não seria Ele a causa motora. Se fosse movido por si mesmo, teoricamente isto poderia ocorrer de duas maneiras: ou sendo Deus, sob o mesmo aspecto, causa e efeito ao mesmo tempo, ou sendo Ele, sob um aspecto, causa de si mesmo, e, sob outro, efeito.

Ora, a primeira hipótese não pode ocorrer, pois tudo o que é movido está em potência, ao passo que o que move está em ato (na qualidade de causa motora). Se Deus fosse sob um e mesmo aspecto causa e efeito ao mesmo tempo, seria necessariamente potência e ato sob o mesmo aspecto e ao mesmo tempo, o que é impossível.

Tampouco pode-se verificar a segunda hipótese acima apontada. Pois, se Deus fosse sob um aspecto causa motora, e sob outro efeito movido, já não seria a primeira causa em virtude de si mesmo. Ora, o que é por si mesmo, é anterior ao que não o é. Logo, é necessário que a primeira causa motora seja totalmente imóvel
".

Starobinski efectua uma meticulosa demonstração do raciocínio e emprego dos termos pelos filósofos franceses setecentistas, concentrando-se em Diderot. Este, assim como Rousseau e Voltaire, reservava um lugar para esta matéria em suas especulações, pois ainda em seu século os filósofos interessavam-se pela compreensão do mundo como um todo. Rousseau possuía um interesse pela botânica a ultrapassar o amadorismo. Voltaire compartilhou com Madame du Châtelet, no exílio provocado pelas Cartas Inglesas, o gosto pelas ciências experimentais, existindo até um laboratório no castelo de Cirey. Nos escritos de Diderot, grassam os termos químicos, pois químico também pretendia-se, porém denunciam um conhecimento predominantemente teórico. Exemplo disso foi seu debate com Rousseau sobre a inerência ou não do movimento à matéria. Rousseau considerava a matéria inerte por si, dependendo seu movimento de uma causa superior - Deus - ou, permanecendo fiel à terminologia, o movimento dos corpos seria uma reacção a uma acção proveniente de um ser superior. Diderot defendia a possibilidade de mover-se como característica da matéria, e para defender sua posição, elabora um pensamento a beirar o tortuoso, partindo da levedura e da fermentação para alcançar os distúrbios do sistema nervoso. Por trás dos discursos destes dois filósofos, há a defesa do dualismo por um - Deus está fora do mundo - e do panteísmo por outro - Deus está no mundo e em cada coisa. O autor do livro comentado exaure-se ao seguir os passos do filósofo devido ao seu interesse pelo duo acção/reacção que nesta pesquisa específica deve ter recebido um vigoroso alento. Sua consideração é terminológica; um físico ou químico modernos talvez não manifestem grande interesse pelo trato dispensado. Em todo o volume, Albert Eistein é mencionado uma vez.

Observe-se a fidelidade cega do estudioso ao tema. Tantos filósofos abordados escreveram obras importantíssimas, divisoras d'águas no caso de Descartes, ou no mínimo importantes para as respectivas épocas. Starobinski, contudo, segue procurando aqui e ali onde aparecem as palavras "acção" e "reacção", bom como o sentido do emprego. Deve ter perdido noites de sono querendo determinar o significado dos termos para Buffon, mas não apresenta uma destinação a estes estudos todos.

Não é uma obra de divulgação, mas de investigação. Exige um conhecimento prévio das matérias tratadas, bem como deve o leitor saber de quem se fala. Nada apresenta de tortuoso, é um texto claro e o interesse aumenta no capítulo VII, quando a política e a filosofia do século XIX são estudadas. Entretanto, voltarei ao livro apenas quando quiser caprichar na forma de uma pesquisa.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 8/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corrupção ou esperança de Daniel Bushatsky
02. Deseducação Sexual: Boneca vs. Sapo de Débora Carvalho
03. O desempenho da China no desenvolvimento de costas de Vicente Escudero


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SÉRIE DIVERSOS - VELAS DA ESPERANÇA
SIMON WESENTHAL
IMAGO
(1992)
R$ 8,90



A FORMAÇÃO DA EUROPA: A ALTA IDADE MÉDIA
MARCO ANTÔNIO DE OLIVEIRA PAIS
ATUAL
(1995)
R$ 10,00



UNO - GEOGRAFIA - MÓDULO 18 - BRASIL: CLIMAS E DOMÍNIOS VEGETAIS - NO
AUTOR ADAS
UNO
R$ 16,00



ANNA AKHMÁTOVA - AHHA AXMATOBA (POESIA 1912 - 19644 )
ANNA AKHMÁTOVA
LEPM
R$ 40,00



ESCOLA DE PAIS - BIBLIOTECA DE EDUCAÇÃO
CARLOS DEL NERO
MELHORAMENTOS
(1967)
R$ 7,00



O FANTASMA
DANIELLE STEEL
RECORD
(1999)
R$ 7,00



CATALOGO DI MUSICA SINFONICA
RICORD MILANO
RICORDI MILANO
(1965)
R$ 27,90



A CRIADA
ISABEL MARIE
TERRAMAR
(1997)
R$ 40,00



DAS IST UNSER JAHR HUNDERT
ALFRED
DEUSTCH
(1966)
R$ 33,90



GUIA PSI
MARÍLIA ANCONA LOPEZ / LUIS C. MENDONÇA FIGUEIRED
MARCO ZERO
(1990)
R$ 8,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês