Ação e Reação, de Jean Starobinski | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/5/2003
Ação e Reação, de Jean Starobinski
Ricardo de Mattos

+ de 9000 Acessos

Jean Starobinski nasceu em Genebra no dia dezassete de novembro de 1.920. Filho de médicos, formou-se primeiro em Letras pela Universidade de Genebra no ano de 1.941 e posteriormente em Medicina, obtendo doutorado nas duas áreas. É membro de diversas academias e leccionou em não poucas Universidades, como a de Baltimore, Basileia e Genebra. Entre suas obras podemos citar Montesquieu Por Ele Mesmo, Jean Jacques Rousseau: A Transparência e o Obstáculo, Montaigne Em Movimento, A Invenção da Liberdade. Reparo nele uma certa preferência por temas relacionados ao século XVIII. Além destas, escreveu Ação e Reação: Vida e Aventura de um Casal, obra de semântica histórica farta de academicismo; na verdade, é a organização de sua recolha. Tudo o que encontrou sobre o tema acção/ reacção nas ciências naturais, na medicina, na política, na psiquiatria e na crítica, ele trouxe para este livro. É invejável a ordem e o rastreamento de raciocínios que ele faz, pesquisando entre vários autores, filósofos e cientistas o emprego dado aos termos acção e reacção, abrangendo séculos de história. Entretanto, rastrear raciocínios e desvendar a origem das palavras são operações que precisam estar necessariamente vinculadas a algum projecto, para então revelar-se a utilidade delas. Por mais consistente e elaborado que seja o texto, permanece a interrogação relativa à finalidade de todo aquele empenho. O entusiasmo obscureceu o discernimento.

"Acção" é um substantivo derivado do verbo "agir". Este verbo provém do latim agere, cujo significado é empurrar, fazer andar, tocar - fazer um rebanho movimentar-se. A acepção de mover o gado prende o termo ao universo rural e aparenta-o com ager - campo. Exclua-se o movido e mantenha-se a ideia de impulso ou influência. O termo "reacção" é de origem mais recente e presa ao anterior, nascendo nos tratados dos comentaristas medievos de Aristóteles - a física clássica, uma matéria a mais para a investigação dos filósofos, abrangia desde a concepção até o deslocamento dos corpos; por isso, até tarde, "médico" e "físico" designavam o mesmo profissional -, fortalecendo-se entre os escolásticos ingleses e renascentistas italianos até ser coroado por Isaac Newton (1.642/1.727) em sua Terceira Lei do Movimento: "A reacção é sempre contrária e igual à acção, o que quer dizer que as acções de um corpo sobre o outro, e vice-versa, são mutuamente iguais e de direcções contrárias".

Neste livro de Starobinski cuida-se inicialmente dos termos "acção" e "reacção", bem como do fenómeno a envolvê-los. Qual fenómeno? Primeiramente o físico, verificado quando um agente actua sobre um paciente desencadeando um processo que o atinge em retorno. As primeiras reflexões envolviam apenas um agente e um paciente - no lugar de "reacção", empregava-se "paixão" -, porém a maior atenção nas observações mostrou uma resposta deste atingindo, de alguma forma, aquele. Para explicar a existência do fenómeno, foram elaboradas teorias referentes às "potências activas" e "potências passivas" ou ainda, à simpatia e antipatia entre os elementos. Simpatia, antipatia, empatia, patético, patológico: termos todos que têm "pathós" em sua formação, palavra grega cuja nítida definição é muito difícil, visto significar tanto "sentimento" quanto "doença". Se um objecto age sobre outro que reage, então há simpatia entre eles, estava em cada um a possibilidade de agir e reagir entre si. Embora a reacção pareça dependente da acção e secunde-a no tempo, há quem as queira simultâneas, como Kant. Se hoje não prestamos atenção a esta ginástica do raciocínio, lembremos o longo período durante o qual tentava-se entender o movimento do mundo por um primeiro motor imóvel - Deus. Um motor que movia - kinein - sem sofrer uma reacção - no caso, antikinein - por parte do movido. Além de Deus ser este primeiro motor imóvel, é de apontar-se o liame entre as noções de "mobilidade - imperfeição" e "imobilidade - perfeição". Veja-se São Tomás de Aquino:

"5. Daqui se infere ser necessário que o Deus que põe em movimento todas as coisas é imóvel. Com efeito, por ser a primeira causa motora, se Ele mesmo fosse movido, sê-lo-ia ou por si mesmo ou por outro. Ora, Deus não pode ser posto em movimento por outra causa motora, pois neste caso haveria uma outra causa anterior a Ele, com o que não seria Ele a causa motora. Se fosse movido por si mesmo, teoricamente isto poderia ocorrer de duas maneiras: ou sendo Deus, sob o mesmo aspecto, causa e efeito ao mesmo tempo, ou sendo Ele, sob um aspecto, causa de si mesmo, e, sob outro, efeito.

Ora, a primeira hipótese não pode ocorrer, pois tudo o que é movido está em potência, ao passo que o que move está em ato (na qualidade de causa motora). Se Deus fosse sob um e mesmo aspecto causa e efeito ao mesmo tempo, seria necessariamente potência e ato sob o mesmo aspecto e ao mesmo tempo, o que é impossível.

Tampouco pode-se verificar a segunda hipótese acima apontada. Pois, se Deus fosse sob um aspecto causa motora, e sob outro efeito movido, já não seria a primeira causa em virtude de si mesmo. Ora, o que é por si mesmo, é anterior ao que não o é. Logo, é necessário que a primeira causa motora seja totalmente imóvel
".

Starobinski efectua uma meticulosa demonstração do raciocínio e emprego dos termos pelos filósofos franceses setecentistas, concentrando-se em Diderot. Este, assim como Rousseau e Voltaire, reservava um lugar para esta matéria em suas especulações, pois ainda em seu século os filósofos interessavam-se pela compreensão do mundo como um todo. Rousseau possuía um interesse pela botânica a ultrapassar o amadorismo. Voltaire compartilhou com Madame du Châtelet, no exílio provocado pelas Cartas Inglesas, o gosto pelas ciências experimentais, existindo até um laboratório no castelo de Cirey. Nos escritos de Diderot, grassam os termos químicos, pois químico também pretendia-se, porém denunciam um conhecimento predominantemente teórico. Exemplo disso foi seu debate com Rousseau sobre a inerência ou não do movimento à matéria. Rousseau considerava a matéria inerte por si, dependendo seu movimento de uma causa superior - Deus - ou, permanecendo fiel à terminologia, o movimento dos corpos seria uma reacção a uma acção proveniente de um ser superior. Diderot defendia a possibilidade de mover-se como característica da matéria, e para defender sua posição, elabora um pensamento a beirar o tortuoso, partindo da levedura e da fermentação para alcançar os distúrbios do sistema nervoso. Por trás dos discursos destes dois filósofos, há a defesa do dualismo por um - Deus está fora do mundo - e do panteísmo por outro - Deus está no mundo e em cada coisa. O autor do livro comentado exaure-se ao seguir os passos do filósofo devido ao seu interesse pelo duo acção/reacção que nesta pesquisa específica deve ter recebido um vigoroso alento. Sua consideração é terminológica; um físico ou químico modernos talvez não manifestem grande interesse pelo trato dispensado. Em todo o volume, Albert Eistein é mencionado uma vez.

Observe-se a fidelidade cega do estudioso ao tema. Tantos filósofos abordados escreveram obras importantíssimas, divisoras d'águas no caso de Descartes, ou no mínimo importantes para as respectivas épocas. Starobinski, contudo, segue procurando aqui e ali onde aparecem as palavras "acção" e "reacção", bom como o sentido do emprego. Deve ter perdido noites de sono querendo determinar o significado dos termos para Buffon, mas não apresenta uma destinação a estes estudos todos.

Não é uma obra de divulgação, mas de investigação. Exige um conhecimento prévio das matérias tratadas, bem como deve o leitor saber de quem se fala. Nada apresenta de tortuoso, é um texto claro e o interesse aumenta no capítulo VII, quando a política e a filosofia do século XIX são estudadas. Entretanto, voltarei ao livro apenas quando quiser caprichar na forma de uma pesquisa.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 8/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi - 27/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Gostar de Ler, Contos Brasileiros 2
Clarice Lispector; Outros
Atica
(2006)



O Segredo do Genesis
Tom Knox; Angela Pessoa
Suma de Letras Brasi
(2010)



O Gatinho Fofo Gueiro
Elaine de Prá
Paulinas
(2017)



Help! Sistema de Consulta Interativa - Língua Portuguesa
Estadão
Klick



Cândido Ou o Otimismo - Série Reencontro
Voltaire / José Arrabal
Scipione
(1991)



Nietzsche para Estressados
Allan Percy
Sextante
(2011)



O Livro de Jó - Saga O Turno da Noite Vol.3
Andre Vianco
Novo Seculo
(2007)



Tudo por um Feriado
Thalita Rebouças
Rocco
(2007)



Elis 1977
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo



O Valor Terapêutico do Perdão
Francisco Cajazeiras
Eme
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês