Trilogia Evil Dead | Nemo Nox | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
>>> Filhos - Novas Ideias Sobre Educação de Ashley Merryman pela Lua de Papel (2010)
>>> Lost de A a Z de Diversos autores pela Abril
>>> Homem-Aranha: a última caçada de Kraven de J. M. DeMatteis Mike Zeck Bob McLeond Mike Zeck Ian Tetrault pela Abril Jovem (1990)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Esperança Triunfante de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1961)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> A Mão de Deus ao Leme de Enoch de Oliveira pela Casa Publicadora Brasileira (1985)
>>> O Poder da Imagem de José S. Martins pela Artes Gráficas (1992)
>>> Os Caminhos de Deus de Floyd Rittenhouse pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> Os Iranianos - Pérsia, Islã e a Alma de uma Nação de Sandra Mackey pela Biblioteca do Exercito (2008)
>>> A era dos Impérios 1875-1914 de Eric J. Hobsbawm pela Paz Terra (2003)
>>> A Guerra do Iraque de John Keegan pela Biblioteca do Exercito (2005)
>>> A Democracia na América de Alexis de Tocqueville pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2003)
>>> Psicossomática Hoje de Julio de Mello Filho pela Artmed (1992)
>>> Leitura Dinâmica de Ricardo Soares - William Douglas pela Campus (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 13/5/2003
Trilogia Evil Dead
Nemo Nox
+ de 7400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sam Raimi é hoje cineasta celebrado, com sucessos de crítica como A Simple Plan (Um Plano Simples) e sucessos de público como Spider-Man. Mas sua carreira começou com filmes modestíssimos, que se tornaram cultuados e superestimados. É a trilogia Evil Dead, citada muitas vezes mas raramente avaliada criticamente.

O primeiro filme da série, The Evil Dead (EUA, 1981), conta a história de cinco amigos (dois rapazes e três garotas) que vão passar o fim-de-semana numa cabana na floresta. Lá encontram um livro antigo e uma gravação com a tradução de inscrições aparentemente indecifráveis. Inadvertidamente, eles ouvem a fita e despertam demônios que vão se apossando dos seus corpos, um a um.

Mas, apesar do tema, não se trata de um filme de horror. Pelo contrário, a violência exagerada lembra os desenhos animados de Tex Avery e a encenação infantilizada sofre forte influência de The Three Stooges (Os Três Patetas).

Pouca coisa acontece além de uma longa seqüência de pessoas sendo possuídas por demônios, transformando-se em criaturas nojentas e em seguida sendo mutiladas e desmembradas pelo herói Ashley, interpretado de forma extremamente caricata por Bruce Campbell, amigo de infância de Sam Raimi. No final, ele é o único sobrevivente, mas como convém ao gênero, há uma última cena que deixa em aberto seu destino: teria sido também vítima dos demônios ou foi somente um movimento de câmara mais ousado para terminar o filme com algum impacto visual?

Evil Dead II: Dead by Dawn (EUA, 1987) é uma das continuações mais estranhas da história do cinema, por dois motivos. Primeiro, em vez de dar continuidade à história, simplesmente o filme reconta a mesma trama com variações mínimas. Segundo, desmente basicamente tudo o que foi contado no episódio anterior.

Numa rápida introdução, ficamos sabendo como Ashley, novamente interpretado por Bruce Campbell, foi parar naquela cabana. Mas agora em vez dos cinco amigos temos somente um casal, e vários detalhes importantes são revisados, como a forma que o livro dos mortos é encontrado e os demônios invocados, ou o momento em que descobrimos que a ponte foi destruída e os personagens estão isolados na cabana maldita.

Sozinho por alguns momentos, Ashley protagoniza várias cenas que poderiam ter saído diretamente de desenhos animados, especialmente quando sua mão é possuída por um demônio (e posteriormente amputada pelo próprio Ash).

Como o roteiro pouco mais é que uma sucessão de vítimas para serem esquaterjadas, logo temos a visita de mais quatro personagens (a filha do dono da cabana, seu noivo, um guia e sua namorada) e a descoberta de um quinto (a mãe enterrada no porão, que ressurge ao ser também possuída pelas criaturas do além).

Segue-se muito sangue, muita gosma, e muita violência cartunesca, com destaque para o olho demoníaco que sai voando de uma cabeça possuída para entrar diretamente na boca da mocinha que grita. Assim como no episódio anterior, este também termina com a história em aberto, com Ashley sendo transportado através de um túnel mágico até a Idade Média, onde tem que combater demônios novamente.

Quando Sam Raimi parecia finalmente ter deixado para trás os tempos de Evil Dead (que não deveria render mais que um curta-metragem mas que ele transformou em dois longas), e apesar de já contar com um filme interessante no currículo, Darkman, ele voltou à série com Army of Darkness: Evil Dead 3 (EUA, 1993).

Mais uma vez reconta o que aconteceu nos filmes anteriores, e mais uma vez a história é desmentida e modificada sem pudores, desde de detalhes sem importância (como a namorada de Ash, interpretada por Betsy Baker no primeiro filme, por Denise Bixler no segundo e por Bridget Fonda no terceiro) a acontecimentos fundamentais (em Dead by Dawn, Ash chega na Idade Média matando demônios e é logo celebrado como salvador, em Army of Darkness ele não encontra demônio algum e é capturado como inimigo).

Desta vez, a ação não se passa na cabana da floresta, mas em castelos e florestas do passado, onde Ashley vai combater os mesmos demônios invocados pelo mesmo livro mágico. O tom de comédia também é o mesmo, agora com mais citações a outros filmes. Temos a frase de The Day the Earth Stood Still (Klaatu barada nikto), o moinho e o monstro reconstruído de Frankenstein, os liliputianos de Gulliver's Travels, a criatura de duas cabeças de The Thing with Two Heads, os esqueletos animados de The 7th Voyage of Sinbad, e mais uma vez as palhaçadas de The Three Stooges.

Esse terceiro episódio ao menos oferece uma história que vai além da matança em série numa cabana isolada. O roteiro, porém, é ainda primário, e todo o interesse se centra novamente nos efeitos especiais, que, apesar de melhorarem a cada filme e serem muitas vezes engenhosos, freqüentemente revelam a falta de recursos mostrando os fios que movem os objetos e outras imperfeições.

Vista em conjunto, a trilogia Evil Dead é uma obra formalmente claudicante e narrativamente rarefeita. Pode servir como exemplo de filmes onde os realizadores se divertem mais na produção que os espectadores na exibição, mas não como modelo a ser seguido por quem quer contar uma boa história nas telas.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Nemo Nox é editor do blog Por um Punhado de Pixels e do site Burburinho, onde este texto foi originalmente publicado.


Nemo Nox
Washington, 13/5/2003

Mais Nemo Nox
Mais Acessadas de Nemo Nox em 2003
01. The Matrix Reloaded - 20/5/2003
02. René Magritte - 7/5/2003
03. Jonny Quest - 15/1/2003
04. Jogos de escritores - 3/3/2003
05. Trilogia Evil Dead - 13/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/12/2003
21h13min
Desde que o vi o 1º Evil Dead, me encantei, não pelos efeitos, mas pela história e pelas idéias do autor, o 1º e o 2º são realmente clássicos do Terror. Neles, há o que realmente se quer em um filme de terror, há sangue, mortes, cenas de angústia e medo. Realmente nota 10!!!
[Leia outros Comentários de Márcio Marchesini]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Mundo Segundo Garp
John Irving
Circulo do Livro
(1978)



Amigos do Folclore Brasileiro - Mundo Mirim
Jonas Ribeiro
Mundo Mirim
(2010)



A Vida na Escola e a Escola da Vida 9ªed(1996)
Claudius Ceccon, Miguel Darcy de Oliveira
Vozes
(1996)



O Mundo é Eu
João Mohana
Agir
(1963)



Ninguém É de Ninguém
Harold Robbins
Record
(1967)



O Livro Verde - the Green Book - Pequenos Passos Que Cada um Pode Dar
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kosti
Sextante
(2009)



A Herança Scarlatti - Confira !!!
Robert Ludlum
Rocco
(2006)



Entre o Amor e a Guerra (1997)
Zibia Gasparetto
Vida & Conciência
(1997)



Amor de Salvação - Coleção Jabuti
Camilo Castelo Branco
Saraiva
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad, Grete Skevik
Record
(2006)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês