O Disperso Alberto Moravia | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/5/2003
O Disperso Alberto Moravia
Urariano Mota

+ de 2800 Acessos

A recente publicação de "Contos Dispersos" de Alberto Moravia acende na gente alguns pensamentos. O primeiro deles já anotamos em outra oportunidade, quando chamávamos a atenção para o discutível que é anunciar-se um volume póstumo como obra de um escritor. A não ser, é claro, "As Memórias Póstumas de Brás Cubas", os autores não podem ter culpa do que vem à luz em seu nome, quando já do corpo não são. Fiquemos por ora nesse primeiro pensamento.

Ainda que um escritor assine um relato, ainda que assine e publique em vida trinta relatos, não se pode pôr a sua assinatura no conjunto enfeixado desses trinta relatos. Uma narração, um conto que se publica, não tem necessariamente a perspectiva de futuro, ele, esse conto, não guarda organicidade com o que se lhe seguirá, ele, no momento em que se publica, é uma obra autônoma, um momento da vida criadora. Assim como a soma dos momentos não produz o total mover-se, como o queriam os sofistas na Grécia antiga, assim também a reunião desses momentos criadores é distinta do tempo final em que um criador assina esse conjunto produzido. A assinatura de um autor em um livro é a garantia de organicidade que a sua consciência dá ao respeitável público. Numa situação ideal, o conjunto de contos daria a ilusão de romance, como até hoje dá o "Vidas Secas" de Graciliano Ramos, tão orgânico e amarrado que nem de longe o leitor imagina que Graciliano escreveu contos cujos personagens voltam, em movimento, rumo ao Sul. E essa garantia do autor não é só de organicidade. A sua assinatura é, bem antes, uma garantia de qualidade, de respeito a si mesmo. A assinatura é um legado que o autor nos deixa, uma vontade expressa de como ele quer ser lembrado.

Imaginem-se agora contos escritos durante vinte e três anos, de 1928 a 1951, como os agora reunidos sob o nome de Contos Dispersos. E como se tal não bastasse, assinados por um autor defunto, um "ser" distinto de um defunto autor, como o personagem de Machado. Que dizer? Esqueçamos qualquer insinuação de engodo, de estelionato, porque os contos jamais tiveram sua autoria negada por Moravia, e os selecionadores foram bastante criteriosos, como pesquisadores. Esqueçamos a insinuação também porque, refletimos, e perguntamo-nos, o que deveria ser feito da obra de um importante autor não publicada em livro? Queimá-la, como alguns editores fazem com a obra de desconhecidos? Ou mesmo, mais leve, desconhecê-la, deixá-la às traças nos arquivos empoeirados? Imaginamos uma saída, mas não é fácil. O diabo, a dificuldade, é que os livros precisam ser vendidos, e, ao mesmo tempo, reconhecidos como produtos espirituais. Como se fossem prostitutas puras. Daquelas que iriam à cama por amor, se recebessem dinheiro. Imaginamos então algo como um "Contos de Alberto Moravia reunidos por....", ou melhor, um "Selecionados por ...Contos que um dia foram assinados por Alberto Moravia". Menos mal, mas apesar da violência cometida contra a vontade de um autor que em vida não os destinou a volume, esses contos jamais seriam publicados. Porque não seriam comerciais se assim fossem editados. Pois quem é mesmo que teria interesse em ler contos reunidos por Fulano? O mercado precisa é do nome.

E assim chegamos à segunda reflexão. Assim como os produtos nas lojas do shopping, os textos que se escrevem têm griffe. O mercado transforma toda e qualquer humanidade, mesmo aquela que se quer mais espiritualizada, em mercadoria. Ou melhor, quanto mais "espiritualizada", quanto maior o espírito, vale dizer, quanto mais artístico, quanto mais poético, bem antes de ser mais verdadeiro, mais alto é o preço. Perdoem-nos o óbvio, mas esse é o óbvio que nossos narizinhos empinados fingem desconhecer. Portanto não nos surpreendamos se o que lemos, dizem, até, o que devemos ler, não nos espantemos de que consumimos obras eleitas por griffe. Assim, são editados aos montes contos de Hemingway, todos, porque afinal são contos de Hemingway. Edita-se, o mercado exige!, tudo que um cochilo de Saramago deixar, porque afinal é produto de um Nobel. Ninguém se dá conta, pior, não está nem aí, se o Hemingway, o Saramago publicado, tem mesmo algum valor estético, literário. Ninguém se envergonha de ler, de erguer a obra fina, genuína, sibilina, um rascunho esquecido, obscuro, apressado de Kafka. Pois qualquer linha garatujada de Kafka já está griffada pela metamorfose do K. Esta é a sua qualidade. Daí que se editem enfim os contos escritos por Moravia nos primeiros 23 anos de sua vida literária, contos perdidos em jornais, que o autor excluiu de volume na longa maturidade. Que reunidos recebem um nome esperto, verdadeiro, mas daquela verdade ambígua: "Contos Dispersos". Sim, são Contos, mas Dispersos, dispersos por quê? Abramos o volume.

A epígrafe da Introdução é um primor, de ambigüidade. Cita-se uma declaração do escritor, extraída de "Vida de Moravia", uma longuíssima entrevista biográfica, publicada no ano da sua morte, em 1990: "O segredo da escrita está, provavelmente, em deixá-la, por um tempo imperfeita: esta imperfeição vai se revelar depois como o máximo da perfeição possível.". Incisões de um discurso à parte, é de se notar que este é um bom começo para a aceitação, pelo leitor, da maioria dos 69 contos escolhidos para o livro. É como se nos dissessem, "o que você achar imperfeito, inacabado, é ilusão de primeira leitura, tente reler passado um tempo". Ora. Incisão por incisão, seria bom que se citasse do mesmo Vida de Moravia estas palavras:

"Depois dos Indiferentes, e afora 'Inverno di malato', nunca mais escrevi algo tão fundamental até 1942, quando em Anacapri reencontrei minha inspiração original e escrevi Agostino. Foi portanto uma longa batalha entre experimentação e impotência....Durante quinze anos eu nada mais tive a dizer." Note-se que esses quinze anos confessos de esterilidade cobrem, pelo menos, de 1928 a 1942, período de onde são arrancados do esquecimento, pelo Contos Dispersos, 29 contos. Ora, achando pouco, Moravia mais adiante declara, com a honestidade de um verdadeiro criador: "[Nesse período] eu também tive que superar algo muito parecido com a morte, isto é, a morte da inspiração". Ora. Ainda que concedamos a essas palavras um excesso de rigor, de aguda modéstia em Moravia, é de todo frouxo o conceito expresso pelos selecionadores na Introdução do livro: "O abandono, por parte do autor, de um ou outro de seus escritos publicados em antigos jornais tem motivações as mais diversas: esquecimento, insatisfação, escolha consciente, intervenção de acontecimentos externos. Mas, considerado em seu conjunto, é um fenômeno que confirma a vitalidade quase biológica, inquieta e impaciente, da busca narrativa moraviana...", para concluir, de matar: "O ato de escrever, mais do que o que fica escrito, é o que define o escritor" (!!!) . Se bem entendemos, isto quer dizer: O QUE DEFINE O ESCRITOR É O ESFORÇO. Nada a acrescentar. Melhor ir aos contos.

A sina da gente que escreve uma resenha é dura. Lê com o preconceito de que vai ficar contente. (E se escreve para grandes publicações, sente até o peso de que deve e tem que ficar contente.) Lê, mas a primeira leitura não confirma semelhante predisposição, mas luta, luta, e lê, e lê, e no final, entre os limites da honestidade e da oportunidade de uma Bienal que homenageia a literatura italiana; no final, entre os limites do reconhecimento da criação de Moravia, de seu valor como escritor e homem, e o volume patente nas mãos, no final, enfim, é isto: "Contos Dispersos" é um livro para ser lido de trás para a frente. São boas as narrativas que vão da página 395 à 271. Vá lá, na verdade, em seu conjunto, são razoáveis. Mas são, com certeza, excepcionais os contos "A Viúva", "As Contradições de Rodolfo", e, fundamentalmente, essa coisa rara de melancolia, delicadeza e verdade, "A Morte no Mar". E aqui encerramos a nossa dureza, pois já nos sentimos pagos em atingir o conceito, em pôr em nossa própria cabeça a carapuça do escritor por esforço. A Moravia, portanto, porto de "A Morte no Mar":

"Eu dizia que a morte no mar é preferível a todas as outras, porque é a mais limpa, e o mar salgado descarna melhor que as chamas e a terra. E os ossos que o mar devolve, depois de tê-los guardado longamente em seu regaço, são leves e limpos como pequenos galhos de alguma planta submarina. Um de meus amigos preferia o enterro, o outro a cremação. Em certo ponto vimos algo boiando entre uma onda e outra, à pouca distância da margem. Pensamos que fosse o morto, mas não era senão um velho impermeável escuro, já em pedaços, e esfarrapado, que logo a seguir uma onda atirou na praia, onde ficou secando ao sol, com os braços abertos."

Para ir além





Urariano Mota
Olinda, 16/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRILHE A SUA LUZ!
SEBASTIÃO BICALHO
DO AUTOR
(1996)
R$ 14,00



CRIANÇA LIVRE - SEU FILHO SOB UMA VISÃO HOMEOPÁTICA
CARLOS BRUNINI E CARLOS DO AMARAL SAMPAIO
NÃO CONSTA
(1988)
R$ 10,00



O SEGUNDO SEXO NA POLÍTICA
ANA CECÍLIA DE MORAIS
EDUFAL
(2011)
R$ 150,00



LAZER E TURISMO - CONCEITOS E REFLEXÕES - VOLUME 2
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
PLÊIADE
(2009)
R$ 33,00



O LIVRO DAS INVENÇÕES
MARCELO DUARTE
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 10,00



GREGOR, O GUERREIRO DA SUPERFÍCIE (VOL. 1)
SUZANNE COLLINS; EDMO SUASSUNA
GALERA RECORD
(2008)
R$ 15,00



O ANTÓNIO MARIA - A PARÓDIA VOL 33 DA COL. TESTEMUNHOS CONT...
RAFAEL BORDALO PINHEIRO
ALFA
(1990)
R$ 39,07



O VAREJO DE MATERIAL DE CONSTRUÇAO NO BRASIL
JOAQUIM RAMALHO DE OLIVEIRA FILHO
DVS
(2006)
R$ 25,00



A EVOLUÇÃO DA FÍSICA
ALBERT EINSTEIN E L EOPOLD INFELD
ZAHAR
(1980)
R$ 24,00



ZAC POWER - MISSAO ALTO RISCO
H. I. LARRY
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 14,50





busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês