O Disperso Alberto Moravia | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
Mais Recentes
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> O dia em que o Presidente Desapareceu de Bill Cliton e James Patterson pela Record (2018)
>>> A Canção do Sangue de Anthony Ryan pela Leya (2014)
>>> Memórias de um Suicida (Obra Mediúnica) de Yvonne do Amaral Pereira pela Federação Espírita Brasileira (2003)
>>> Mundo Como Vontade e Como Representação - I Tomo de Arthur Schopenhauer pela Unesp (2005)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/5/2003
O Disperso Alberto Moravia
Urariano Mota

+ de 3300 Acessos

A recente publicação de "Contos Dispersos" de Alberto Moravia acende na gente alguns pensamentos. O primeiro deles já anotamos em outra oportunidade, quando chamávamos a atenção para o discutível que é anunciar-se um volume póstumo como obra de um escritor. A não ser, é claro, "As Memórias Póstumas de Brás Cubas", os autores não podem ter culpa do que vem à luz em seu nome, quando já do corpo não são. Fiquemos por ora nesse primeiro pensamento.

Ainda que um escritor assine um relato, ainda que assine e publique em vida trinta relatos, não se pode pôr a sua assinatura no conjunto enfeixado desses trinta relatos. Uma narração, um conto que se publica, não tem necessariamente a perspectiva de futuro, ele, esse conto, não guarda organicidade com o que se lhe seguirá, ele, no momento em que se publica, é uma obra autônoma, um momento da vida criadora. Assim como a soma dos momentos não produz o total mover-se, como o queriam os sofistas na Grécia antiga, assim também a reunião desses momentos criadores é distinta do tempo final em que um criador assina esse conjunto produzido. A assinatura de um autor em um livro é a garantia de organicidade que a sua consciência dá ao respeitável público. Numa situação ideal, o conjunto de contos daria a ilusão de romance, como até hoje dá o "Vidas Secas" de Graciliano Ramos, tão orgânico e amarrado que nem de longe o leitor imagina que Graciliano escreveu contos cujos personagens voltam, em movimento, rumo ao Sul. E essa garantia do autor não é só de organicidade. A sua assinatura é, bem antes, uma garantia de qualidade, de respeito a si mesmo. A assinatura é um legado que o autor nos deixa, uma vontade expressa de como ele quer ser lembrado.

Imaginem-se agora contos escritos durante vinte e três anos, de 1928 a 1951, como os agora reunidos sob o nome de Contos Dispersos. E como se tal não bastasse, assinados por um autor defunto, um "ser" distinto de um defunto autor, como o personagem de Machado. Que dizer? Esqueçamos qualquer insinuação de engodo, de estelionato, porque os contos jamais tiveram sua autoria negada por Moravia, e os selecionadores foram bastante criteriosos, como pesquisadores. Esqueçamos a insinuação também porque, refletimos, e perguntamo-nos, o que deveria ser feito da obra de um importante autor não publicada em livro? Queimá-la, como alguns editores fazem com a obra de desconhecidos? Ou mesmo, mais leve, desconhecê-la, deixá-la às traças nos arquivos empoeirados? Imaginamos uma saída, mas não é fácil. O diabo, a dificuldade, é que os livros precisam ser vendidos, e, ao mesmo tempo, reconhecidos como produtos espirituais. Como se fossem prostitutas puras. Daquelas que iriam à cama por amor, se recebessem dinheiro. Imaginamos então algo como um "Contos de Alberto Moravia reunidos por....", ou melhor, um "Selecionados por ...Contos que um dia foram assinados por Alberto Moravia". Menos mal, mas apesar da violência cometida contra a vontade de um autor que em vida não os destinou a volume, esses contos jamais seriam publicados. Porque não seriam comerciais se assim fossem editados. Pois quem é mesmo que teria interesse em ler contos reunidos por Fulano? O mercado precisa é do nome.

E assim chegamos à segunda reflexão. Assim como os produtos nas lojas do shopping, os textos que se escrevem têm griffe. O mercado transforma toda e qualquer humanidade, mesmo aquela que se quer mais espiritualizada, em mercadoria. Ou melhor, quanto mais "espiritualizada", quanto maior o espírito, vale dizer, quanto mais artístico, quanto mais poético, bem antes de ser mais verdadeiro, mais alto é o preço. Perdoem-nos o óbvio, mas esse é o óbvio que nossos narizinhos empinados fingem desconhecer. Portanto não nos surpreendamos se o que lemos, dizem, até, o que devemos ler, não nos espantemos de que consumimos obras eleitas por griffe. Assim, são editados aos montes contos de Hemingway, todos, porque afinal são contos de Hemingway. Edita-se, o mercado exige!, tudo que um cochilo de Saramago deixar, porque afinal é produto de um Nobel. Ninguém se dá conta, pior, não está nem aí, se o Hemingway, o Saramago publicado, tem mesmo algum valor estético, literário. Ninguém se envergonha de ler, de erguer a obra fina, genuína, sibilina, um rascunho esquecido, obscuro, apressado de Kafka. Pois qualquer linha garatujada de Kafka já está griffada pela metamorfose do K. Esta é a sua qualidade. Daí que se editem enfim os contos escritos por Moravia nos primeiros 23 anos de sua vida literária, contos perdidos em jornais, que o autor excluiu de volume na longa maturidade. Que reunidos recebem um nome esperto, verdadeiro, mas daquela verdade ambígua: "Contos Dispersos". Sim, são Contos, mas Dispersos, dispersos por quê? Abramos o volume.

A epígrafe da Introdução é um primor, de ambigüidade. Cita-se uma declaração do escritor, extraída de "Vida de Moravia", uma longuíssima entrevista biográfica, publicada no ano da sua morte, em 1990: "O segredo da escrita está, provavelmente, em deixá-la, por um tempo imperfeita: esta imperfeição vai se revelar depois como o máximo da perfeição possível.". Incisões de um discurso à parte, é de se notar que este é um bom começo para a aceitação, pelo leitor, da maioria dos 69 contos escolhidos para o livro. É como se nos dissessem, "o que você achar imperfeito, inacabado, é ilusão de primeira leitura, tente reler passado um tempo". Ora. Incisão por incisão, seria bom que se citasse do mesmo Vida de Moravia estas palavras:

"Depois dos Indiferentes, e afora 'Inverno di malato', nunca mais escrevi algo tão fundamental até 1942, quando em Anacapri reencontrei minha inspiração original e escrevi Agostino. Foi portanto uma longa batalha entre experimentação e impotência....Durante quinze anos eu nada mais tive a dizer." Note-se que esses quinze anos confessos de esterilidade cobrem, pelo menos, de 1928 a 1942, período de onde são arrancados do esquecimento, pelo Contos Dispersos, 29 contos. Ora, achando pouco, Moravia mais adiante declara, com a honestidade de um verdadeiro criador: "[Nesse período] eu também tive que superar algo muito parecido com a morte, isto é, a morte da inspiração". Ora. Ainda que concedamos a essas palavras um excesso de rigor, de aguda modéstia em Moravia, é de todo frouxo o conceito expresso pelos selecionadores na Introdução do livro: "O abandono, por parte do autor, de um ou outro de seus escritos publicados em antigos jornais tem motivações as mais diversas: esquecimento, insatisfação, escolha consciente, intervenção de acontecimentos externos. Mas, considerado em seu conjunto, é um fenômeno que confirma a vitalidade quase biológica, inquieta e impaciente, da busca narrativa moraviana...", para concluir, de matar: "O ato de escrever, mais do que o que fica escrito, é o que define o escritor" (!!!) . Se bem entendemos, isto quer dizer: O QUE DEFINE O ESCRITOR É O ESFORÇO. Nada a acrescentar. Melhor ir aos contos.

A sina da gente que escreve uma resenha é dura. Lê com o preconceito de que vai ficar contente. (E se escreve para grandes publicações, sente até o peso de que deve e tem que ficar contente.) Lê, mas a primeira leitura não confirma semelhante predisposição, mas luta, luta, e lê, e lê, e no final, entre os limites da honestidade e da oportunidade de uma Bienal que homenageia a literatura italiana; no final, entre os limites do reconhecimento da criação de Moravia, de seu valor como escritor e homem, e o volume patente nas mãos, no final, enfim, é isto: "Contos Dispersos" é um livro para ser lido de trás para a frente. São boas as narrativas que vão da página 395 à 271. Vá lá, na verdade, em seu conjunto, são razoáveis. Mas são, com certeza, excepcionais os contos "A Viúva", "As Contradições de Rodolfo", e, fundamentalmente, essa coisa rara de melancolia, delicadeza e verdade, "A Morte no Mar". E aqui encerramos a nossa dureza, pois já nos sentimos pagos em atingir o conceito, em pôr em nossa própria cabeça a carapuça do escritor por esforço. A Moravia, portanto, porto de "A Morte no Mar":

"Eu dizia que a morte no mar é preferível a todas as outras, porque é a mais limpa, e o mar salgado descarna melhor que as chamas e a terra. E os ossos que o mar devolve, depois de tê-los guardado longamente em seu regaço, são leves e limpos como pequenos galhos de alguma planta submarina. Um de meus amigos preferia o enterro, o outro a cremação. Em certo ponto vimos algo boiando entre uma onda e outra, à pouca distância da margem. Pensamos que fosse o morto, mas não era senão um velho impermeável escuro, já em pedaços, e esfarrapado, que logo a seguir uma onda atirou na praia, onde ficou secando ao sol, com os braços abertos."

Para ir além





Urariano Mota
Olinda, 16/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
03. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
04. A seleção de Dunga de Humberto Pereira da Silva
05. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia de Luiz Rebinski Junior


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIDE TO THE ANTIQUE SHOPS OF BRITAIN 1997 8
HARLEY ANTIQUES
ANTIQUE COLLECTORS
(1997)
R$ 88,66



CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRÍSICA
(2012)
R$ 5,00



O LIVRO DOS MÉDIUNS
ALLAN KARDEC
EDIT IDE
(1989)
R$ 5,00



FUNÇÃO CEO A DESCOBERTA DO AMOR
TATIANA AMARAL
PANDORGA
(2015)
R$ 13,00



PATOLOGÍA MORFOLÓGICA - EXPOSICIÓN DE LOS FUNDAMENTOS MORFOLÓGICOS ...
W. HUECK
LABOR
(1944)
R$ 189,52



SELEÇÕES DE LIVROS (DESCRIÇÃO)
VARIOS AUTORES
READERS DIGEST
R$ 12,00



NA COZINHA COM CAROLINA
CAROLINA FERRAZ
JABOTICABA
(2010)
R$ 45,00



O QUE TODO CIDADÃO PRECISA SABER SOBRE SINDICATOS NO BRASIL
CARMEN LÚCIA EVANGELHO LOPES
CADERNOS DE EDUCAÇÃO POLÍTICA
(1986)
R$ 7,50



O VELHO LOUCO POR DESENHO
ANDRÉ VIANA; FRANÇOIS DE PLACE
CIA DAS LETRINHAS
(2004)
R$ 10,00



A PROSTITUIÇÃO NA IDADE MÉDIA
JACQUES ROSSIAUD
PAZ E TERRA
(1991)
R$ 50,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês