Notas Musicais | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/7/2001
Notas Musicais
Rafael Azevedo

+ de 3300 Acessos

Yara Mitsuishi

Piano, pianíssimo
Ouço fascinado o 2o movimento do concerto para 2 cravos de Bach, tocado em 2 pianos, esplendidamente, por Clara Haskil e Géza Anda e, em meio à epifanias, atingiu-me uma questão que frequentemente me toma de assalto em minhas experiências musicais: a de que aquilo que eu ouvia era o que mais gostaria de fazer em minhas vida. Quero dizer, tocar. Este concerto é qualquer coisa de impressionante - e quase não pode ser chamado de concerto, já que a participação da orquestra se resume a algumas notas esparsas, meramente decorativas, em torno do inacreditável "esqueleto" musical das duas linhas de piano. Melodias incessantes, uma avalanche de beleza sendo desenvolvida de maneira impressionantemente precisa e organizada, emoções e sentimentos humanos sendo expressos da maneira mais divina. Eis um desejo meu: viver daquilo, dos sons extraordinários produzidos por dedos sobre um teclado, de maneira espetacular. Poder interpretar da minha maneira, a partir do silêncio absoluto, aqueles sons fantásticos, saber de cor cada uma das partes do piano, tocá-las separadamente, conhecendo-as como a mulher amada, em todos seus detalhes, em cada mínima semínima. Isto seria felicidade - pelo menos me sinto assim nos momentos em que sou arrebatado pela música. O pior é que sei de minha capacidade, sei que poderia ter aprendido, quem sabe ainda aprender, a tocar bem algum instrumento musical; então a sensação deste desejo não pode deixar de vir com um gostinho amargo de frustração. É o preço que pago, I guess, por minha inerte vida de observador.
Ou o fantástico concerto para 2 pianos de Mozart. Que brincadeira séria! Pode-se imaginar, em meio àquelas melodias virtuosamente brincalhonas, Wolferl e a pequena Nannerl, sua irmãzinha, tocando o concerto em sua estréia. Graciosidade inacreditável, beleza constante, em todas as melodias, e mesmo quando parece que Mozart, caprichoso por um instante se zanga, segue-se à sua elevação de voz a mais linda melodia já feita, tendo o efeito, embora infinitamente mais gracioso, daquela (escatológica, segundo o Salieri de F. Murray Abraham) risadinha sua no filme Amadeus. O segundo movimento é, não diria triste, melancólico - mas duma melancolia tão bela que não nos comove por sua qualidade emotiva, mas por puro encantamento estético. Nada nem ninguém é mais bem-humorado que Mozart; mas leio que ele viveu atormentado por um número infindável de doenças até sua morte um tanto prematura - e me sinto mal por reclamar tanto.

Theophilus
Kyrie Eleison, ouço Mozart nos dizer em sua missa (bem assim como em todas as outras) em dó menor. Senhor, tende misericórdia. Que Deus não pouparia e perdoaria a humanidade inteira ao ouvir estas palavras musicadas de tal maneira ? Nem o vingativo e ameaçador do Velho Testamento; talvez Alá, filisteu.

Arquitetura de verdade
Bach bota ordem na casa. Ao ouvi-lo somos imediatamente tomados pelas sequências de notas que lembram na delicada simetria e na perfeição racional de sua geometria aqueles jardins dos palácios contemporâneos de Herr Kapellmeister. A humanidade, por breves instantes, faz sentido. Deus existe. Se é feliz. Mesmo quando a melodia é triste, se é feliz ouvindo Bach. Ele dignifica e enobrece a tristeza. Certas obras deixam-nos estupefatos pela sua complexidade, pela imponência e intrincacy do arranjo, das harmonias - são verdadeiros castelos, arquitetonicamente impecáveis -, outras pela aparente simplicidade estonteante; o que ele fez com apenas um cello nas suas suítes não foi igualado por compositor algum, abrangendo de forma tão espetacular todo o ciclo de emoções e sentimentos humanos.

The Ol' Ludwig...
Stravinski, numa entrevista publicada no New York Review of Books, chama as sinfonias de Beethoven de "discursos públicos", dizendo preferir os quartetos e sonatas, que considera mais "íntimos". Acho genial sua opinião, e até penso que concordo; mas basta ouvir uma das sinfonias para que eu acredite preferi-las à tudo que ouvi... até mesmo a sexta, tão desprezada por pessoas de tamanho gabarito como o próprio Stravinski, Cony e Rossi, me diverte um bocado. Percebe-se em todas, no entanto, o excesso de rigidez com que Beethoven as construiu e que, apesar de não ter bloqueado, e sim estimulado, sua criatividade, retirou um pouco do humano delas, conferindo-lhes uma aparência olímpica, de monumentos de mármore - por exemplo, a oitava; fantástica, impressionante, mas não diz muito sobre nossos sentimentos, ou melhor, não diz nada. Música pela música. E embora sua estrutura seja rigorosamente clássica, Beethoven parece escolher sempre o caminho inesperado, o salto em vez do passo; desce quando o compositor médio de sua época subiria o tom; grita quando outros calariam, e abaixa a voz quando outros gritariam inflamados. Emociona todos às lágrimas para então explodir numa gargalhada cheia de repulsa; parece sempre ter essa intenção, de subverter mantendo-se dentro das regras.
A 5a é duma engenhosidade fascinante: o mesmo padrão rítmico, aquele da famosa melodia inicial, é repetido, como uma obsessão enlouquecedora, através dos três primeiros movimentos incessantemente, e ele leva essa loucura adiante - numa introspecção estranha para um "discurso público" - até uma espécie de clímax no terceiro movimento, que explode, na passagem do 3o ao 4o, e culmina com aquela "monumentalidade" inconfundível, construindo a nós um daqueles palácios de mármore gigantescos, este monumento à glória da humanidade que é o allegro final; glória esta que o velho Luís de Beethoven tentou, com razoável sucesso, provar tão insistentemente durante toda sua vida. Talvez soe piegas, em nossos dias, tanto a intenção como a melodia desse último movimento; mas ele jamais deixará de ser grandioso.
A nona é seu mais ambicioso monumento; e se talvez, no quarto movimento ele pareça ter se perdido em meio aos exageros da grandiosidade, foi exatamente essa sinfonia, e seu quarto movimento, com coros monumentais e a orquestra mais ruidosa que 500 mil Commendatori juntos que passou a pautar de maneira indelével os caminhos dos que viessem depois - im Beethovens Schatten - pela tortuosa via da Música. Há sim um certo deslocamento, if I may say so, dos vocais, que fica especialmente perceptível na parte dos solistas, com o resto da música, do instrumental. Wagner acreditava em erros na partitura, e reescreveu-a; Stravinski diz que a entrada do barítono é uma "intrusão chocante", e que "o cantor dificilmente ficaria mais deslocado nos Pagliacci". Existem momentos em que é humanamente impossível distinguir entre as diferentes linhas melódicas dos cantores, do coro e dos instrumentos; tudo se revolve e se contorce numa aparente mixórdia caótica, que ao contrário de todos não me apresso em desprezar - insanamente, prefiro crer que Beethoven tivesse um propósito nisso, que há como se encontrar algum sentido, ainda que em meio ao caos. As vozes que participam daquela balbúrdia há pouco entoavam a melodia principal deste movimento, feita com a visível intenção de ser a mais bela ode à alegria, à liberdade, à humanidade - "música alemã de banda estilo Kaisermarsch", segundo o incansável Igor - e agora irrompiam freneticamente em todas as direções. Stravinski nos diz ainda que as vozes induzem à música uma finitude que vai contra a natureza de sua mensagem, e vê mal-realizada a tensão dos gigantescos coros finais. Quem sou eu para discordar... mas não sei se tampouco posso concordar. Ele parece preferir o 3o movimento; confesso que gosto dele particularmente também. Há ali algo de wagneriano, tanto na intensidade das emoções como na maneira com que elas são executadas, com as cordas sendo tocadas duma maneira muito característica, contínua, ininterrupta quase, pelos arcos - quase não há um fraseado, propriamente dito, com pausas e staccatti; os arcos deslizam pelas cordas, como que "extraindo" sons do nada. O primeiro movimento é impressionante, desde seu início tonitruante, quando tudo desaba sobre os ouvintes, até as últimas porradas finais - é o Beethoven indomado, um animal feroz amordaçado, que faz os instrumentos explodirem com a ira de todo um universo após tocarem as mais lindas melodias. O segundo movimento, quando bem-regido, é uma experiência auditiva. Uma melodia iniciada pelos violinos é repetida rapidamente, e a eles se somam todos os outros instrumentos, um a um, num frenético contraponto, até que a orquestra inteira toma conta e acaba se deixando levar embora pelos devaneios da mente transtornada; mas retornando sempre à melodia inicial. Não há como discordar do que o velho Ludwig, num acesso de modéstia, disse certa vez: "Quem compreende a minha música, jamais poderá ser totalmente infeliz".


Rafael Azevedo
São Paulo, 27/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Querido site de compras coletivas de Carla Ceres
03. Memória insuficiente de Vicente Escudero
04. Dias sombrios de Elisa Andrade Buzzo
05. Primavera dos Livros do Rio 2005 de Cassiano Viana


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PERCURSO DAS PERSONAGENS DE CLARICE LISPECTOR
BERNADETE GROB-LIMA
GARAMOND
(2009)
R$ 14,00



PAPERAMSES
WALT DISNEY
MONDADORI
(1998)
R$ 30,00



GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA - 1ª EDIÇÃO - 5ª REIMPRESSÃO
MAURÍCIO SILVA & ELENICE ALVES DA COSTA
CONTEXTO
(2013)
R$ 12,95



NOVE PARTES DO DESEJO: O MUNDO SECRETO DAS MULHERES ISLÂMICAS
GERALDINE BROOKS
GRYPHUS
(1996)
R$ 13,00



BLADE - A LÂMINA DO IMORTAL 21
HIROAKI SAMURA
CONRAD
(2004)
R$ 4,40



O PODER SOBRENATURAL DA FÉ
BISPO MACEDO
UNIPRO
(2011)
R$ 7,00



EL CID O HERÓI DA ESPANHA - SÉRIE REENCONTRO
ADAPT DE PAULO REGINATO
SCIPIONE
(2000)
R$ 4,90



EL CREPÚSCULO CELTA Y LA ROSA SECRETA
W. B. YEATS
REINO DE REDONDA
(1900)
R$ 480,00



A ORQUESTRA DO REICH - 1ª EDIÇÃO - A FILARMÔNICA DE BERLIM E O NACIONA
MISHA ASTER
PERSPECTIVA
(2012)
R$ 62,95



ROSTOS INVISÍVEIS DA VIOLÊNCIA ARMADA
TATIANA MOURA
7 LETRAS
(2007)
R$ 14,80





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês