O que é um gênio? | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Literatura na poltrona
>>> Eduardo Arcos en el EBE 2008
>>> Nasce um imortal: José Saramago
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Coração generoso
>>> Música Discreta
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
>>> Sobre Sherlock Holmes
>>> 7 de Setembro
>>> Onde moram as crônicas
Mais Recentes
>>> Penso e Acontece de Bob Proctor pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> A Escada para o triunfo de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2016)
>>> O Pajé de Cristo de Homer E. Dowdy pela Sepal (1997)
>>> A Verdadeira Religião Christã 2 Volumes de Emanuel Swedenborg pela Freitas Bastos S/A (1964)
>>> Direito Previdenciário em Tempos de Crise de Ana Paula Fernandes, Roberto de Carvalho Santos, Marco Aurélio Serau Júnior pela Ieprev (2019)
>>> História Geral da Civilização Brasileira - III o Brasil Republicano de Boris Fausto Diretor pela Difel (1981)
>>> Rumo a uma Civilização Solar de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (1982)
>>> O Simbolismo das Religiões de Mario Roso de Luna pela Siciliano (1990)
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais de João José Bigarella pela Ufsc (2003)
>>> Jogos Radicais de Teresa M. G. Jardim pela Assírio & Alvim (2010)
>>> Brusque - Cidade Schneeburg de Saulo Adami/Tina Rosa pela S&t (2021)
>>> Psicología Y Alquimia (em Espanhol) de Carl G Jung pela Santiago Rueda (1957)
>>> The Beatles - a Biografia de Bob Spitz pela Larrousse (2007)
>>> Enciclopédia De Dificuldades Bíblicas de Gleason Archer pela Vida
>>> Wagner, Mitologo Y Ocultista de Mario Roso De Luna pela Glem (1958)
>>> Impactando cidades - 4 estratégias de batalha espiritual para avançar na conquista de sua cidade de Martin Scott pela Danprewan (2005)
>>> Cavalo de Troia 7 - Nahum de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Harry Potter and the Half Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Cidades médias- espaços em transição de Maria encarnação beltrão sposito pela Expressão popular (2007)
>>> Amor É Tudo Que Nós Dissemos Que Não Era de Charles Bukowski pela 7 Letras (2012)
>>> Juliette Society de Sasha Grey pela Leya (2013)
>>> Oeuvres Complètes de Rabelais pela Biblioteque de la Pleiade NRF (1938)
>>> A lei e ilegalidade na produção do espaço urbano de Edesio fernandes pela Del rey (2021)
>>> O espaço público na cidade comtemporânea de Angelo serpa pela Contexto (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/10/2003
O que é um gênio?
Alessandro Silva

+ de 5800 Acessos

No clube de xadrez de São Paulo, há uma figura lendária. Nome: Cajá.

Certa feita - estávamos reunidos em volta de um tabuleiro - ele disse:

- Sabe o que é a inteligência? Está vendo aqueles livros - eram muitas prateleiras -, inteligente é quem depois de lê-los os resume em três frases.

Somente muito depois eu vim a saber quem era o Cajá.

Aos dezesseis, havia chegado perto do título de campeão brasileiro.

A minha estupefação ocorreu antes de tomar conhecimento de "Xadrez para Principiantes", livrinho clássico da Ediouro bastante básico e divertido. Lá narram-se histórias incríveis, feitos memoráveis de grandes campeões, como as lendárias "partidas às cegas" do grande campeão norte-americano Morphi, do cubano Capablanca e do assombroso Bob Fischer.

O contato com esse livro à época, bem como com o irônico "Mitos em Xeque", do Fernando Arrabal, dava-me a medida do gênio, indo além, um padrão de análise para o Cajá.

Pude perceber que o Cajá não gostava de banhos, falava mansamente e jamais desperdiçava um gesto ou uma palavra. Era misógino e, indo além, não tinha sexo. Tudo que tinha era massa, muita massa corporal.

Fato é que seus lances sobre o tabuleiro eram como migalhas atiradas aos pombos; com efeito, tinha algo de desprezível pelo oponente. No mais, quando metia-se numa discussão, citava Pavlov com uma segurança olímpica e dava o tema por encerrado.

Cajá então era médico epidemiologista. Dava plantão em dois hospitais nas periferias de São Paulo e deslocava-se consideravelmente entre um e outro.

Naturalmente, na rua, os transeuntes não davam um tostão furado pelo Cajá. Dir-se-ia que não passava de um mendigo.

Depois que me desliguei do clube, sua figura permaneceu para mim como o paradigma do gênio. Muito tempo depois, lendo Henry James, nada pude encontrar de semelhante em Penberton, o jovem protagonista da maravilhosa novela "O Discípulo".

Exatamente porque Penberton é apenas um garoto - extremamente frágil, bastante vivaz e cheio de curiosidades e observações que normalmente só dizem respeito ao mundo adulto.

Na época, próximo da Faculdade Getúlio Vargas, eu costumava entre uma cerveja e outra disputar uma partida de xadrez naquela lanchonete que por muito tempo caiu nas graças dos travestis e dos invertidos, "A Vassoura das Bruxas". Então, certa feita meu adversário ergueu a cabeça do tabuleiro e me disse apontando o indicador para um mendigo enrrolado em um cobertor:

- Estudou comigo na Politécnica. Falava três línguas com fluência. Ficou desse jeito depois que a mãe morreu.

Na mesma época, eu descobria os poemas daquele poeta alemão, morto muito cedo, e que nos legou "De Profundis", Georg Trakl.

O meu contato se deu através das "Investigações Filosóficas" de Wittgenstein. Na introdução, era citada uma frase do filósofo segundo a qual o maior exemplo de gênio para ele seria o de Trakl. Wittgenstein havia criado uma bolsa de auxílio aos poetas e infelizmente Trakl não pôde ser ajudado porque veio a falecer na época.

Não é preciso citar Rilke para dar crédito ao que disse o filósofo. Quem conheça basicamente a poesia de Blake ou tenha familiaridade com algum dos cantos do Inferno do Dante, entende porque Trakl era gênio. Em singelos versos, ele nos faz enxergar um mundo quase pré-histórico.

E, naturalmente, como o que observa tem muito do observado, não posso deixar de mencionar os estados de superexcitação que nos trás o mundo das "Aulas" de Ludwig Wittgenstein, sendo que aquilo que disse do seu poeta preferido, deve ser aplicado em mesma medida a ele: pois é quem nos dá ainda melhor a idéia de gênio.

Coincidência ou não, ao fim da vida Wittgenstein vestia-se, tal como o Cajá, como um farroupilha.

Coincidência ou não com uma das particularidades do Cajá, a crermos nas notas de sala de aula compiladas por seus alunos em "Aulas", Wittgenstein sustentava uma segurança olímpica ao, muito decartianamente, pôr as coisas em dúvida.

Não obstante, há gradação de opiniões quanto à determinação exata do termo "gênio".

A crer em meu amigo Heraldo Vasconcellos, que gosta de citar o Millôr, a literatura talvez seja a prática que melhor define o gênio. Porque ele diz em relação aos enxadristas:

- Inteligência para quê? Para jogar xadrez?

Se é a capacidade de expressar-se laconicamente o que define o gênio, então é natural que pensemos em Rimbaud, pois ninguém mais do que ele levou tão ao limite um poder de comunicação elíptico ( sem considerar aqui o experimentalismo de Ezra Pound ).

( Quanto a James Joyce, é melhor não falarmos, pois Deus pode se sentir ofendido. )

Toda essa questão do gênio ocorre-me agora por um motivo.

Tem a ver com alguns poemas do Manuel Bandeira.

É sabido que "Libertinagem" é um dos livros exigidos para os vestibulandos da Fuvest. Sendo assim, é muito natural nos perguntarmos porquê de uma banca docente exigir de nós que saibamos, a exemplo, como funciona um liquidificador mas não uma batedeira, porque "Libertinagem" e não "Gabriela Cravo e Canela".

Confesso que mui presunçosamente, eu ataquei o material quase como um cão raivoso, afinal de contas, descobrir que o que nos pedem é simples como uma bolha de sabão é como descobrir que a mentalidade de quem nos pede é simples como um canudinho.

Agora me ocorre a palavra simples. Simples é o que são os poemas de "Libertinagem", são de uma simplicidade quase prolixa.

Sei que correrei o risco de escapar um pouco do meu tema, mas é que necessito dizer que, a mim não restam dúvidas, Manuel Bandeira fez pelo Brasil aquilo que Whitman fez pelos USA.

Um indivíduo, um poeta, constrói um poema que nos conta que sua primeira namorada, aos seis anos, foi um porquinho da índia. Isso nos põe perplexos exatamente por nos fazer interrogar: porque um tal poema foi aceito?

A chave para compreender Bandeira é aceitar a loucura de forma tão plena quanto desavisada, pois em "Libertinagem" reside uma espécie de loucura tão infantil quanto sábia. Ela nos põem de pé atrás, na verdade nos desarma. E é nisso que reside sua grandeza.

Aquela velha raposa ( O Bandeira ) deve ter percebido em dado momento que o que se produzia em matéria de literatura em sua época estava de tal modo eivado de competição, de academicismo, de preciosismo literário, que o que deveria levar adiante era exatamente o oposto de uma obra de punho e colarinho; em suma, que exatamente o ideal a se fazer era cantar com um lirismo quase santo em suas pretensões. O resultado dessa inclinação pura, em pôr de parte o mal, e por extensão, o egoísmo e as querelas de ciúmes que presidem muito naturalmente aos meios literários, em suma, o modo que encontrou para exorcizar a sua "fogueira de vaidades", foi através de um estado de espírito tão puro quanto não-competitivo, bem ao modo de Paul Valery.

Gasta-se uma hora na leitura de "Libertinagem" e a princípio nós vamos subestimar seu conteúdo. Mas com o passar dos dias a coisa vai fazendo efeito, vão nossos gestos sendo invadidos daquela alegria vadia

Uns tomam éter, outros cocaína
Já tomei tristeza, hoje tomo alegria

Até que nos põem perplexos.

No Brasil, o que me dá hoje em dia melhor a idéia de gênio são os poemas de "Libertinagem", do Manuel Bandeira.


Alessandro Silva
São Paulo, 1/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Orkut, ame-o ou deixe-o de Jardel Dias Cavalcanti
02. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo de Marcelo Miranda
03. Utopia de Juliano Maesano


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Interseccionalidade (Feminismos Plurais)
Carla Akotirene
Pólen
(2019)
R$ 28,00



livro de Oração comum da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil
Vários
Igreja Anglicana do Brasil
(2007)
R$ 55,00



Teatro Inédito Volume 1
Júlio Dinis
Civilização
(1979)
R$ 11,16



Monumentos Históricos de Angra dos Reis - 10704
Sueli Marques Messias
Asa Artes Graficas
(1987)
R$ 120,00



Revista de Protugal Serie a Lingua Portuguesa Vol. 2 - N. 6 a 10
Alvaro Pinto
Imperio
(1943)
R$ 140,07



Précis D´ Anatomie Topographique
N. Rudinger
Bailliére
(1894)
R$ 175,00



Trístega
Raymundo Amado Gonçalvez
Bitaurus
(1989)
R$ 34,00



Influenciar e Ser Influenciado 3
Norberto Odebrecht
Fundação Emílio Norberto
(1993)
R$ 29,00



Dom Quixote
Miguel de Cervantes (adaptação - Leonardo Chianca)
Dcl
(2005)
R$ 18,99



Nos Bastidores da Alma
Nilza Helena Kfouri
Psy
(1997)
R$ 5,00





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês