Um brasileiro no Uzbequistão (X) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
Mais Recentes
>>> Sonhos Lúcidos - uma Iniciação ao Mundo dos Feiticeiros de Carlos castaneda pela Nova Era (1993)
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/1/2004
Um brasileiro no Uzbequistão (X)
Arcano9

+ de 6800 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Não é fácil acreditar que o país é reduto de "extremistas"

Vale de Fergana, 12.06

Durante o dia me veio à cabeça que foi Dia dos Namorados no Brasil. Que estamos na época das Festas Juninas, e lembrei de como era gostoso tomar um quentão no frio, à beira de uma fogueira. Mas isso tudo é a oito horas de fuso horário, milhares e milhares de quilômetros, do outro lado do planeta. Meu passado está a uma distância inalcansável deste mundo chamado Vale de Fergana.

Peguei um ônibus de Samarkand, passei a noite em Tashkent e hoje, às sete da manhã, estava degustando um saco de cerejas docinhas em um movimentado bazar em algum ponto da capital uzbeque. É o local, o único, de onde partem lotações para o Vale, lar de um terço da população de todo o Uzbequistão. Como, em nome de Alá, não existe nenhuma linha de ônibus regular para as cidades do Vale? Cansado após semanas e semanas digladiando com palavras russas espalhadas na cabeça, divaguei longamente em bom português de São Paulo, enquano esperava que o motorista, usando seu dom de lábia, convencesse outros passageiros a embarcar no nosso carro para Margilan, sete mil sums (sete dólares), e quatro horas de volante a oeste.

No caminho, as cerejas e as curvas infinitas de uma estrada que galgava sem parar uma das beiradas do Planalto de Pamir me fizeram muito, muito mal. Não sei quanto subimos, suponho que uns três mil metros, antes do carro começar a ziguezaguear em declive e eu, desesperadamente, me lançar à procurada da palavra "enjoado" e do pedido "pare o carro" no meu dicionário de bolso. Quando finalmente me fiz entender, uns 20 minutos depois, peguei um resto de água numa garrafa que tinha e, encostado no carro, o joguei na cabeça. Quando acordei de novo, estava vendo uma imensa planície fértil, plana, verdejante e fresca. Um lugar lindo. À minha frente, até perder de vista, apenas o céu azul e o pasto verde, meio pálido. À esquerda, montanhas distantes. À direita, parte do maciço que o carro havia acabado de transpor. À esquerda o norte, a fronteira com o Quirguistão. À direita, o sul; o Pamir e meus amigos franceses no Tadjiquistão.

O Vale é tradicionalmente, há séculos e séculos, habitado pelos uzbeques, que disfrutam das águas do Rio Syr Daria e transformaram a região em um centro de produção de verduras, legumes, o inevitável algodão soviético e frutas, muitas frutas. Também por ser o coração pulsante da nação uzbeque, ao contrário de em outras partes do país onde estive, o Vale não sofre de esquizofrenias: há poucos imigrantes, e os locais não falam quase nada de tadjique ou quirguiz ou mesmo russo, apesar dos 70 anos de dominação soviética. As pessoas nas ruas falam uzbeque, o mais puro uzbeque. Também, ao contrário de em outras partes do país, a região sofre os problemas que vem junto com tanta pureza: o islamismo é mais forte. E o governo secular não gosta disso. Ainda na estrada, terminado meu sofrimento, nos deparamos com um grande bloqueio militar. O motorista desce do carro, leva um longo papo com um soldado com seu uniforme. Depois, o motorista me diria que faz a viagem todo dia, e todo dia é a mesma história, ele desce para dar um "oi" a seu amigo soldado. O soldado também pega depois meu passaporte brasileiro, olha, olha de novo e o leva para uma salinha escondida, depois volta em três minutos e diz que está tudo bem.

Em Margilan, sol forte. Desço do carro e me despeço do motorista para, ainda meio enjoado, me sentar na calçada e olhar em volta, em busca de alguma placa que diga "Coca-cola". Estou suando, tenho vontade de tirar a camisa. É quase meio-dia. Mulheres passam por mim rumo ao bazar, logo ao lado. Estão completamente cobertas, com exceção do rosto. Usam vestidos multicoloridos de seda rutilante, purpúras, com detalhes em amarelo, vermelho, branco. Outros têm outras combinações de cores. O sol se reflete na seda e por milissegundos, me ofusca. Um sujeito acha estranho um branquelo europeu como eu estar sentado na calçada. Parece amistoso e me diz que sabe onde vendem Coca-cola. "Vamos para o bazar", diz. Tem cheiro de quem bebeu e não pára um segundo de falar. Eu não entendo o que ele fala, mas não preciso.

Dos bazares do Uzbequistão, talvez o de Margilan, a capital nacional de produção de seda no país, seja um dos menos acostumado a ver forasteiros. Muitas pessoas, especialmente mulheres, passam me olhando com curiosidade. Todas com seus vestidos de seda. Umas, inclusive, cobrem o rosto também com suas sedas ou com a mão, deixando só à mostra os olhos. E são os olhos a parte do corpo que mais importa para elas. Quando me desvencilho de meu amigo bêbado, venço o receio e tento fotografar algumas. No ocidente, as mulheres delineiam as sobrancelhas com lápis, penteiam os cílios, aplicam batom, blush, e ficam lindas. No Vale de Fergana, obviamente, os padrões de beleza são um pouco diferentes. Não vejo quase mulher alguma com batom, nem com blush, nem com as unhas pintadas. Em compensação, elas gastam muito mais com seus lápis para as sobrancelhas. Parece que quanto mais grossas e escuras elas são, mais bonitas suas donas são consideradas. Muitas vão além, e literalmente pintam com lápis uma ponte entre as duas sobrancelhas, na região que fica entre os dois olhos, acima do nariz. Criam a "sobrancelha única" que é tão abominada pelas mulheres ocidentais. Quando percebi isso, finalmente entendi o que levou meu amigo motorista a me perguntar, me trazendo ao Vale, se eu tinha uma esposa. Ele me fez a pergunta ao mesmo tempo em que passava o dedo indicador pela sobrancelha. Ou seja: estava perguntando se eu tinha uma esposa bonita, com bonitas sobrancelhas.

* * *

Uma pilha de casulos brancos. Vapor. O casulo se desfaz. Os fios são tratados com corantes e recolhidos em uma máquina manual, de madeira, que tem uma manivela que enrola tudo. O novelo é enviado às artesãs. Elas gastam seis meses para fazer um tapete, ou duas semanas ou menos para fazer um pano de 1,5 metro de comprimento por 0,5 metro de largura. Ficam em salas quentes, mas parecem felizes. Fazem o que suas mães e avós faziam. Se encontram com suas amigas. Conversam e tomam chá. Eu ainda me recuperava do grosso pão non do almoço quando cheguei à fábrica, onde vi como a famosa seda de Margilan é produzida. Nos tempos soviéticos, os governantes trouxeram para o Uzbequistão suas técnicas perfeitas, cientificamente calculadas, para produzir o máximo de tudo - especialmente algodão. Em troca, o preço foi sacrificar o meio ambiente com produtos químicos, desviando rios e devastando a fauna e a flora. No Vale de Fergana, a produção de seda também foi visada pelo progresso da grande pátria, mas a fábrica Yodgorlik permaneceu para contar a história sobre como era antigamente.

Fui recebido por um jovem que, quando eu disse que vinha do Brasil, abriu um imenso sorriso. Tinha os olhos meio puxados, como um chinês, mas com a pele mais escura. Profundamente enraizado em Margilan, ele falava um inglês melhor que o meu. Disse que recebia turistas freqüentemente e os levava para conhecer a fábrica. "Precisamos conversar", disse ele. "Tenho pensado em formas de ampliar nossos negócios. Você sabe dizer se a seda é popular no Brasil? É bastante usada? Em que tipos de vestidos?", perguntou empolgado, enquanto me levava de sala em sala na fábrica. Lhe respondi que não tinha muito conhecimento do mercado de seda do Brasil, mas que sabia que muitas noivas usavam o tecido em seus vestidos. Ele me respondeu que estava recebendo "muitos pedidos da China, mas que estava difícil exportar para o ocidente", porque ele não tinha "canais". Mas disse que estava otimista, que seu produto era o de melhor qualidade na região, e me levou para uma pequena sala, onde as sedas eram vendidas a peso de dólar. Uma em particular era hipnotizante: um pano longo, desses usados para piquenique, mas trançado com fios de duas cores diferentes, verde e vermelha - os verdes no sentido vertical e os vermelhos, na horizontal. O resultado disso é que, dependendo da direção em que se olha para o pano, ele parece ser ou vermelho ou verde. Uns poucos dolares e o coloquei na minha mochila. Fique pensando sobre os benefícios do capitalismo, a força dos empreendedores, os desafios do comércio internacional e, principalmente, a ironia de ter encontrado o mais ambicioso capitalista de todas as ex-repúblicas soviéticas em uma cidadezinha no local mais distante dos Estados Unidos no Uzbequistão.

Vista a fábrica, não havia mais nada para fazer na pequena Margilan. Percebendo que ninguém falava russo, pedi a meu novo amigo capitalista que me ajudasse a encontrar transporte para Namangan. Uma hora depois, eu havia chegado a uma grande cidade e, pela primeira vez na minha viagem, estava visitando um local por puro interesse jornalístico.

* * *

Em fevereiro de 1998, uma série de bombas explodiu na capital do Uzbequistão. O governo do país, que havia adotado em sua constituição a separação entre o Estado e a religião, culpou um grupo de extremistas islâmicos pelos antentados, o Hezb-i-Tahrir. O governo já vinha desestimulando progressivamente, desde 1991, as pessoas a andar nas ruas com trajes muçulmanos, ou a falarem do Islã publicamente. Mas os atentados foram a gota d'água para ampliar de vez a repressão, especialmente no local onde o grupo e a maior parte dos extremistas islâmicos do Uzbequistão, teriam suas bases: o Vale. A presença militar foi reforçada e muitas pessoas foram presas simplesmente porque eram suspeitas de ser ativistas islâmicos. Esse hábito do presidente Islam Karimov provocou grande revolta da população e manifestações de parentes dos presos, violentamente reprimidas. A Anistia Internacional, todos os anos, repete a ladainha de que as prisões do Uzbequistão são um paraíso para os torturadores. O país, em si, está calmo. Mas quanto tempo isso vai durar? O que vai acontecer quando o presidente Karimov morrer?

Namangan é (ou era) o lar de Juma Namangani, um ativista considerado pelo governo uzbeque um dos líderes do Hezb-i-Tahrir e que teria morrido em 2001, na cidade de Mazar-i-Sharif, no Afeganistão. Embora tenha se dito que Namangani tenha morrido, ninguém sabe ao certo se isso é verdade, e provavelmente nunca saberá. E se o governo precisava de uma desculpa para manter a rédea curta para os ativistas em Namangan, aí está ela. Juma pode estar planejando, neste momento, seus novos atentados.

No centro da cidade, em uma grande área verde abriga diversas faculdades, me sentei com uns estudantes de direito para perguntar a respeito da cidade. Eu não tinha a mínima idéia do que fazer por lá, meu guia de turismo não trazia referências e eu não tinham nem sequer um mapa. Perguntei se eles sabiam onde podia comprar um mapa, e eles disseram que não sabiam. Puxei papo perguntando sobre obras arquitetônicas e mesquitas de Namangan. Me falaram de uma mesquita no centro, e perguntei a eles se iam lá com freqüência. Um deles respondeu que não, e eu perguntei por quê. Ele não soube responder. Perguntei se muitos jovens lá eram como ele: se vestiam com roupas ocidentais, não usavam o chapéu uzbeque e não iam à mesquita. Fez que sim com a cabeça. Era claríssimo que ele não queria falar sobre isso. Nem uma palavra mais.

No caminho para a mesquita, ainda na área arbolizada, vi dezenas, centenas de jovens na porta de duas ou três faculdades. Praticamente como a Universidade de São Paulo. Alguns com livros e cadernos na mão, os homens olhando para as mulheres, as mulheres ajeitando os vestidos. A uma quadra de lá, vi um cartaz no que aparentava ser uma janela de um restaurante abandonado. Era um cartaz velho, com o preto das letras e fotos desaparecendo. As fotos eram de uns 20 cidadãos acusados de "atividades extremistas". Senti uma sensação estranha. Umas crianças que estavam na rua, brincando meio longe de mim, ficaram quietas e se aproximaram um pouco. Olhei para elas e elas me fitavam, sérias. Certamente, ninguém por lá fazia o que eu estava fazendo. Sai andando, sem olhar para trás. A impressão de que, no centro de Namangan, ninguém quer ver que há problemas (e ser visto como um problema) ficou clara ao me aproximar da mesquita. Os fiéis que vi chegarem entravam rapidamente no salão para suas orações. Fui entrando para ver o pátio perto da construção e, surpresa, ninguém quis puxar papo comigo. Ninguém teve curiosidade e, espontaneamente, foi me perguntar de onde eu vinha. Me olhavam de longe.

Senti uma certa tristeza, o que foi uma ironia. Por semanas, me cansei de ser abordado pelas pessoas e ter que explicar o que um brasileiro estava fazendo tão distante de seu país. Agora, estava sentindo falta do calor e do carinho daquele povo. Fui para meu hotel.

Amanhã, volto a Tashkent e embarco de volta a Londres. Ao anoitecer, olhei pela janela e vi uma quadra poliesportiva. Jovens estavam jogando futebol. Desci e fui assisti-los mais de perto. Eles me ignoravam enquanto lutavam pela bola, se lançavam em carrinhos, cobravam seus escanteios e davam risadas. Jogavam muito mal todos aqueles jovens, alguns de shorts, outros sem camiseta. Era como meus amigos e eu jogávamos, no Brasil. De repente, senti que os problemas mudam, os lugares mudam, mas meus olhos continuam os mesmos. E que o que eu vi foi totalmente parcial. Uma outra pessoa teria prestado atenção em outras coisas. Mas eu prestei atenção no futebol ruim, na falta ou no excesso de sorrisos e curiosidade, na arquitetura diferente, na herança do comunismo, nas sobrancelhas grossas e nos chapéus pretos. Coisas que, no meu país, não existem. Que só um brasileiro no Uzbequistão poderia ver e contar.

E o que eu contei não foi metade do que eu vi.


Arcano9
Londres, 5/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Querem acabar com as livrarias de Noah Mera
02. Casa cor-de-rosa de Elisa Andrade Buzzo
03. De volta aos primórdios da imprensa no Brasil de Aline Pereira
04. Dicas Culturais: Lúcio Alves e Kathe Kollwitz de Maurício Dias
05. As 16 Datas que Mudaram o Mundo de Nanda Rovere


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. A Pérola de Galileu - 30/4/2007
03. It’s my shout - 18/3/2002
04. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
05. Sombras Persas (V) - 4/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2004
00h13min
Extraordinário artigo, do Arcano9, sobre o Uzbequistão. Informativo e poético. O que mais se pode querer de um diário de viagens? Atingiu todos os sentidos. Cordiais cumprimentos, Regina Igel
[Leia outros Comentários de Regina Igel]
23/1/2004
14h58min
Fiquei fascinada pelo seu documentário e com inveja da sua coragem de ir a um país tão remoto e creio que violento como é Uzbequistão, ainda mais sem falar o idioma do pais. Fiquei feliz por conhecer um pouco desse pais através de um Brasileiro, fecho os olhos e me imagino passando nos lugares onde passastes, olhando as pessoas que olhastes e tudo mais. Sem mais, Irailde Costa Rosa
[Leia outros Comentários de Irailde Costa Rosa]
30/1/2004
17h04min
Espero algum dia realizar uma viagem a alguma destas ex-repúblicas soviéticas. Parabenizo-lhe pela riqueza de detalhes de alguém nas diversas facetas ora abordadas. Pediria-lhe que, quando possível, me enviasse detalhes sobre como viajar para esses lugares, principalmente com relação a passaporte, custo, idioma, dificuldades de relacionamento, perigos de atentados, prisões, etc.
[Leia outros Comentários de Paulo Fernando Villa]
31/1/2004
19h29min
Será que estamos lendo um resumo de um livro/diário de viagem? Cansei de ler americanos (mal) traduzidos!
[Leia outros Comentários de jorge]
10/3/2009
21h43min
Excelente texto! Nossa! Desde os meus 6 anos (1992) que sou fascinado por estes lugares, principalmente pelas poucas informações que temos deles. Mas o que vemos? Vemos um relato fantástico sobre este país (Uzbequistão) e sobre suas vidas, seus lugares, seus problemas. E te digo: invejo-te por não ter ido nem ter tido oportunidade financeira pra fazer o mesmo que você. Como será que está este país agora, em 2009? Com certeza, semelhante!
[Leia outros Comentários de Fábio Aragão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um apólogo
Machado de Assis
DCL
(2003)



Dom Pedro I
Neil Macaulay
Record
(1993)



Meninos, Eu Vi
Joel Silveira
tribuna da imprensa
(1967)



O Infinito Em Todos os Sentidos da Vida
Emílio Lopes da Silva
Do Autor
(2003)



Oi, Eu Sou o Ronaldinho Gaucho
Mauricio de Sousa e Yara Maura Silva
Edic
(2008)



Persépolis - 3 Volumes ( 1, 2 e 3 )
Marjane Satrapi
Cia das Letras
(2004)



Confesso que Vivi
Pablo Neruda
difel
(1981)



Livro - Monstro do Pântano - Volume 3
Alan Moore - Steve Bissette - John Totleben
Vertigo



Conexão Saúde
Deepak Chopra
Best Seller
(2007)



Valores - O Bem, O Mal, A Natureza, A Cultura, A Vida
Francesco Alberoni
rocco
(2000)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês