As veias iluminadas da baleia cinza | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
Mais Recentes
>>> Conecte Gramática - Caderno de Revisão de William Cereja; Tereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> Robur, o Conquistador de Júlio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> Imagens da América de Marcos Malafaia e Fernanda Graell pela Globo (2002)
>>> Entendo a Depressão de Fabíola Luz pela Paulus (1994)
>>> Assimilação Evangélica de João Nunes Maia/espíritos Diversos pela Fonte Viva (1986)
>>> Saúde da Mulher de José Aristodemo Pinotti pela Senac
>>> Conversa Com Criança - Vol. 1 - Presença - Caminho de Daniella Freixo de Faria pela São Paulo (2013)
>>> Filosofando - Introdução à Filosofia - Volume único- Aprova Enem de Maria Lúcia de Arruda Aranha; Maria H. P. Ma pela Moderna (2013)
>>> Música ao Longe de Érico Veríssimo pela Globo (1965)
>>> Milano da Scoprire de Bruno Pellegrino pela Milanoexpo (2010)
>>> Antologia Poética de Vinicius de Moraes pela Companhia de Bolso (2010)
>>> Como Exercer Sua Cidadania de Marcos Sá Corrêa pela Bei (2003)
>>> O Vencedor Está Só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Lei de Murphy de Gerenciamento de Projetos - 431 de Eduardo Gorges pela Brasport (2007)
>>> O Poder Através da Ioga de Anna Trökes pela Vitória Régia
>>> A Física de Jornada Nas Estrelas - Star Trek de Lawewnce M. Kruss pela Makron (1997)
>>> Gagueira e Subjetividade de Silvia Friedman pela Artmed (2001)
>>> O Livro de Mesa do Executivo de Auren Uris pela Biblioteca Pioneira (1987)
>>> Mothern: Manual da Mãe Moderna de Juliana Sampaio; Laura Guimarães pela Matrix (2005)
>>> O Retorno do Jovem Príncipe de A. G. Roemmers; Paulo Afonso pela Fontanar (2011)
>>> Marketing; Direto ao Ponto de Chris Ritchie pela Saraiva (2012)
>>> Ever After High Ciencia e Feitiçaria de Suzanne Selfors; Ligia Arata Barros pela Salamandra (2016)
>>> Prostate Troubles de Leon Chaitow pela Thorsons
>>> Elementos do Direito Processo Penal de Angela C. Cangiano Machado e Outros pela Premier (2008)
>>> Quando Paris Cintila de Betty Milan pela Best Bolso (2013)
COLUNAS >>> Especial SP 450

Quarta-feira, 21/1/2004
As veias iluminadas da baleia cinza
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ouvia meu tio dizer que São Paulo era imensa, comia as pessoas, como a baleia que engoliu Gepeto. Imaginei, durante anos, uma cidade de pó e vidro, cheia de pessoas de cores diversas, desalinhadas, misturadas, com os sorrisos perdidos nos bancos de trás dos ônibus de carreira de onde migraram um dia.

Conheci um pouco mais São Paulo quando ouvi Ira. A banda de rock cantava uns preconceitos e mostrava o sotaque bandeirante daquelas plagas. O erre vibrante da fonética das Faculdades de Letras. Os tiques italianos no gesticular e no falar.

Na primeira vez que fui a São Paulo, no entanto, me encantei com a suspensão do Masp, mas algo me decepcionou na cor do céu e na largura da Avenida Paulista. Olhei apaixonada para o Tietê e ele era mesmo como aparecia na televisão. Não vi artistas e nem glamour. Imaginei a história daquela metrópole, os barões, os sobrenomes. E passei a tarde andando de metrô, na rapidez dos trilhos urbanos mais ágeis e mais ricos do país.

Fui a São Paulo muitas vezes, e numa delas vivi uma sensação belíssima. O aeroporto de Congonhas estava fechado, era noite na capital paulista, meus amigos me esperavam lá embaixo e o avião não descia. Não era pane, não era risco. O piloto avisou, pelos alto-falantes, que o presidente Lula estava desembarcando no avião presidencial, e então nenhum outro ser humano poderia descer naquele aeroporto. Questão de segurança. E para minha sorte, todos os muitos aviões que aguardavam pela autorização da torre fizeram uma belíssima ciranda sobre a cidade de São Paulo, e moveram-se num enorme círculo de asas e luzes piscantes sob um céu escuro.

Da janela da aeronave, eu via os aviões diametralmente opostos, a cidade acesa, com suas veias e artérias de luzes espaçadas. Meus olhos se franziam de miopia, cansaço e emoção. E aquela brincadeira de roda durou mais de quinze minutos, enquanto o presidente tomava o rumo de casa.

Quando descemos, senti saudade da sensação de deusa, ao ver Sampa toda de cima, como uma ex-ninfa deitada, já gasta pelo atrito com a história. A cidade me parecia segura e frágil enquanto eu a sobrevoava. As luzes mostravam a inconstância dos fluxos elétricos que aprendi no colégio. Quando desci, já não tinha mais idéia de minha localização naquela imensa baleia brasileira, encalhada no Sudeste.

Quis morar em São Paulo e mudei de idéia. Afinal, não há melhor chão do que o meu, seja lá a pena que isso me custe. Mas, sem dúvida, a capital paulista é uma musa possível. E a ciranda de aviões sobre a cidade é o quadro mais vivo que guardo na memória quando penso em São Paulo.

dá uma dorzinha fuuuuunda
assim, miúda. parece uma carícia meio belisco. enche o peito de ar e provoca ânsia. vem assim, de uma vez. acanha também, principalmente depois que esvazia, e a gente fica sem saber o que fazer o resto do dia, às vezes o resto da vida. entra e sai. mas de um jeito estranho. alivia. ah. acho que é isso: alivia. eu olho, passo a mão, apalpo, apalpo. sinto uns tremores. pequenos. parece fome. parece frio. mas depois que rola, parece um arrepio. de tesão. parece quando acaba o sono. quando morre dormindo. quando morre de tiro. de uma vez. pá. sobe mais do que desce. e a vida cresce. mas só naquele instante. instantâneo. ensandece quando não tem como tirar. depois vira uma pequena pira dentro da idéia. às vezes a gente só arremeda. outras vezes, dá licença, arreda. é isso: escrever é tipo isso. arisco. risco.

eu não sou o que você vê
não sou o que lhe pareço. nem o que quero. sou o que posso, com todos estes vincos e todas as regurgitações que a experiência sopra. duvido que você olhe o que eu olho quando me vejo no espelho. quando me miro, não me observo. apenas me imagino. e mesmo assim posso focalizar mais ou menos certas coisas. sempre reparo nos olhos redondos. eles sempre me parecem maiores que o resto. e as marcas do rosto. a boca me parece secundária. e a cor dela varia. às vezes forte, às vezes clara. sumida diante do resto. os cabelos são uma moldura. mas duvido que você os veja displicentes. e quando me miro, vejo uns olhares fundos, cheios de esconderijos. você, não. você deve ver coisas que não vejo. deve imaginar mulheres que nem cheguei a conhecer. não sei o que lhe parece mais óbvio em meu rosto. seja lá o que mais atraia você, não deve ser a mesma coisa que percebo. aposto na pinta embaixo do olho. talvez você opte por outra marca qualquer, a mancha branca, os dentes amarelados, a marca de expressão ao redor da boca. o certo é que não sou o que lhe pareço. e nem consigo ser, por fora, o que me ocorre por dentro. uma espécie de dorian gray.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 21/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A melhor Flip de Marta Barcellos
02. O mistério em Thomas Pynchon de Luiz Rebinski Junior
03. O homem da paz celestial de Alexandre Ramos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Para gostar de ler - 11/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


Mais Especial SP 450
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/1/2004
01h45min
Você me inspira! Como é bom ler o que vc escreve. Gosto do teu ponto de vista e quase sempre concordo com o que queres dizer. Continue assim. Um beijo de quem te curte muito.
[Leia outros Comentários de Nando]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História 2º Ano Ensino Fundamental
Cândido Domingues Grangeiro
Cereja
(2014)



The Big Leaf Pile
Josephine Page
Cartwheel
(2001)



Creta
Antony Beevor
Record
(2008)



Cozinhe e Congele
Maria Thereza Sampaio Cintra
Do Autor
(1989)



No Olho do Outro
Oscar Cesarotto
Iluminuras
(1996)



Uma Guerra Americana
Omar El Akkad
Harper Collins Br
(2017)



Comentários à Lei de Falências e de Recuperação de Empresas
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2005)



Sou Católico Vivo a Minha Fé
Vario
Cnbb
(2007)



A família Frank que sobreviveu: uma saga da segunda guerra
Gordon F. Sander
Zahar
(2007)



Alma de Rainha
Carol Marinelli
Harlequin
(2010)





busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês