Comida à moda da moda | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 30/9/2004
Comida à moda da moda
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos

Comer está na moda. Claro que a comida sempre foi muito mais do que apenas uma maneira de suprir a mais básica das necessidades humanas. Os ingredientes dos pratos, a forma de preparo dos alimentos, os locais e circunstâncias das refeições sempre mostraram que a comida tem um forte aspecto cultural. Em relação à comida, percebem-se questões sociais, econômicas, comportamentais, religiosas. O ato de comer pode ser de inclusão ou de exclusão, de privilégio ou de socialização. Enfim, comer é um ato político.

Não consigo deixar de associar comida com moda, no sentido de vestuário. A moda enquanto disciplina também está na moda. Assim como o comer, o vestir é algo que tem preocupado as pessoas não como simples usuárias, mas como especialistas. Proliferam os cursos de estilismo e também surgem aos montes os cursos de chefs, as confrarias de gourmets, as publicações sobre como e onde comer. O paradoxo é a dificuldade de se manter nas duas "modas" ao mesmo tempo. Por mais que se vestir bem e experimentar novos sabores sejam dois valores almejados pelas pessoas, um sabota o outro. É impossível estar ao mesmo tempo em dia com uma bela silhueta e com os bares e restaurantes que surgem a todo momento...

É curioso que, com tantas opções de lazer e prazer proporcionadas pela tecnologia e pela liberalidade de costumes, as pessoas acabem se voltando para um prazer primário, como o do comer. Em volta desse ato está muito mais do que o sabor da comida. O comer enquanto lazer envolve o ambiente, a personalidade do lugar, a circunstância, as pessoas que comem no mesmo momento em que você. Envolve a etnia da comida e as experiências que você pode ter durante a refeição.

Seguindo uma tendência geral de consumo, o mercado da alimentação também percebeu que a marca de um restaurante ou de um produto precisa ter personalidade, precisa proporcionar uma experiência para quem consome. Essa experiência pode ser a da sofisticação e do luxo, que traz de sobremesa um travo de arrependimento pelo valor da conta pago sem titubeio, para não passar vergonha frente ao garçon. Também pode ser a da inovação e da originalidade, que às vezes faz parecer que já estamos há muito tempo longe do conforto e da naturalidade de casa. De qualquer maneira, uma das duas experiências pode ser o pré-requisito para impressionar as rodas de amigos onde, cada vez mais, as façanhas que contam se dão ao redor de uma mesa.

Municiar essa nova legião de gourmets et gourmands abriu um novo nicho de mercado não apenas para restaurantes, bistrôs de delicatessens, mas também para o segmento editorial. Há vários títulos que abordam a comida, sozinha ou misturada com História, Geografia, Sociologia e biografias. Afinal, quando as receitas vêm acompanhadas de um contexto, o papo da mesa do restaurante pode ser muito mais proveitoso.

Entre esses lançamentos, alguns são deliciosos e honestos, mas outros cheiram a oportunismo como um falso restaurante japonês. Penso que um exemplo desse caso é o primeiro livro da editora-chefe da revista Gourmet, Ruth Reichl: A parte mais tenra: um saboroso aprendizado de vida (Objetiva, 2004, 307 p.). A autora ficou famosa com outro título na mesma linha, Conforte-me com maçãs.

A parte mais tenra mistura a história da vida da autora com receitas que marcaram momentos importantes da sua trajetória. Ela mesma avisa, porém, que nem todos os fatos representam a verdade. A verdade é preterida pela intenção de se contar uma boa história. E a história é realmente boa, assim como as receitas descritas. Mas a relevância dessas receitas só se justifica pelo seu gancho com momentos de vida. Como esses momentos podem ser ficcionais, os pratos escolhidos perdem um pouco sua razão de ser nesse contexto.

As receitas são primorosas, mas só para iniciados. De ingredientes difíceis de encontrar a formas de preparo que levam 4 dias, praticamente todas elas exigem um conhecimento mais profundo de culinária - ou tempo para aprender e experimentar. Mesmo um singelo bolo de chocolate transformou-se em um desafio de confeiteiro!

No geral, parece que as receitas foram escolhidas a dedo para impressionar. Outras, que são mencionadas nas situações vividas pela autora, talvez fossem mais relevantes. Mas, considerando que o contexto é em parte ficcional, vem aquela sensação de oportunismo. Até porque o texto tem um certo ar de auto-ajuda. Meio disfarçada, mas ainda perceptível, como aquele sabor que a gente não gosta e mesmo assim consegue sentir misturado aos outros ingredientes do prato.

Apesar desses aspectos, o livro é uma boa diversão. Também são interessantes as receitas que a autora experimentou durante suas viagens por Montreal, Itália, Túnis. No mais, para quem quiser se aventurar, o desafio culinário é grande, mas o prazer deve ser compensador. Tanto para os sentidos, ao ter a oportunidade de degustar um dos pratos descritos, quanto para o ego. Afinal, o repertório para as conversas em volta da mesa do mais novo restaurante da cidade estará garantido.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 30/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pela estrada afora de Guga Schultze
02. Os extremos do amor virtual de José Knoplich


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês