Jornalismo: as aulas de Joel Silveira | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 7/12/2004
Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 3300 Acessos

Na sala de aula, os irrequietos alunos querem a resposta para uma pergunta intrigante: "Professor, o que é jornalismo?". Tudo bem, decerto que muitas vezes essa questão não aparece assim, como direi?, tão objetivamente. Mas ela está lá, em todos os olhares, nos relatos pessoais que se pretendem reportagem; nos ataques que se supõem artigos de fundo; na historieta que se forja como crônica. Pensando bem, não é só nos cursos de jornalismo que essa pergunta surge, mas em todo lugar, todos os dias, quando alguém abre o jornal e é tomado por um misto de satisfação e desespero; entre a raiva e o prazer; entre os fatos e as versões. Como quase tudo na vida, a questão supracitada não possui resposta pronta ou acabada, muito embora existam alguns manuais e dicionários que desejam comprimir o significado do jornalismo em duas ou três frases, o que é uma pena. Isso só o empobrece. Muito mais produtivo é travar contato com o que de melhor se produz no ramo. Nesse caso em específico, a propósito dessa discussão, parte desse "melhor" está na coletânea de reportagens de Joel Silveira, cujo título é A Feijoada que derrubou o governo (Cia das Letras, 2004). Trata-se de mais um livro da coleção jornalismo literário, que já publicou inclusive outro título de Joel Silveira A milésima segunda noite na Avenida Paulista.

De início, cabe uma observação. O subtítulo do livro diz: "A política brasileira observada com o estilo e a ironia de uma víbora da reportagem". A víbora em questão é Joel Silveira, que, como escreve Leão Seva no posfácio, é o que se costuma chamar de "Testemunha ocular da história". Com efeito, ao longo das reportagens os leitores atestam a veracidade dessa informação. Alguns dos principais momentos da política nacional são analisados e, sobretudo, reportados por Joel Silveira. Desde a época do fim do primeiro governo de Getúlio Vargas, em 1943, até os anos 1976, ano da última reportagem do livro, um retrato de Juscelino Kubitschek. É necessário dizer, ainda, que o fato de o material ter sido escrito originalmente para jornal - e se referir a personagens e acontecimentos do passado - não torna os textos chatos de serem lidos. Na verdade, essa é uma das peculiaridades da obra, uma vez que os leitores sentem que as reportagens ainda têm um elemento que as conserva, principalmente no que se refere ao estilo do autor.

O estilo, porém, não é tudo. Pode-se constatar na coletânea que, além da técnica narrativa, Joel Silveira era um analista perspicaz da política nacional e dos assuntos que reportava. Exemplo disso existe aos montes nos textos, como o que segue: "Pensando bem, o sr. Antônio Carlos é quem acaba nos entrevistando. Desde que chegamos, o velho político mineiro tem nos feito perguntas a respeito de tudo: literatura, política. Falamos sobre isso. Ele sorri. (...) Um exemplo de sua curiosidade é o fato de procurar saber se um redator de jornal vive hoje com mais conforto. No seu tempo [do entrevistado], era uma vida apertada, o jornal era uma aventura, ninguém podia viver dele. (...) O jornal era um meio, nunca um fim. Através do jornal se chegava a posições políticas de prestígio".

O repórter também mostra porque levou o apelido de víbora do então magnata das comunicações Assis Chateaubriand. Ao tratar da entrada de um político para a Academia Brasileira de Letras, ele não deixa por menos: "Homem sem livros, foi a oratória que levou João Neves à Academia Brasileira de Letras, onde ele ocupa - o que não deixa de ser uma curiosidade - a cadeira que foi de Coelho Neto, autor de mais de cem obras", escreve no texto "João Neves da Fontoura, 1943". Aqui, novamente, uma pérola de comentário que, hoje, dentro do "arrojado" jornalismo de Manual de Redação, seria sumariamente cortado, sob o pretexto de ser o menos importante na hierarquia de informações da pirâmide invertida - um modus operandi jornalístico que, para o bem e para o mal, foi levado às últimas conseqüências.

Esse formato atual de fazer jornalismo não permitiria, por exemplo, a publicação de um dos mais engraçados, e não menos brilhante, textos de Joel Silveira: "Primeiro, único e desastrado encontro com Getúlio". Isso porque a reportagem, a rigor, é uma não-reportagem. Explico: Joel Silveira foi fazer uma entrevista com Getúlio Vargas. Ocorre que o então presidente não concedia entrevistas a ninguém. Desse modo, quando soube que o objetivo do repórter era entrevistá-lo, Getúlio não teve dúvidas: deu a conversa, até então amistosa, e bateu a porta na cara do jornalista. Nas próprias palavras de Joel: "E então foi o desastre! Eu disse: 'Presidente, não quero tomar o tempo de Vossa Excelência, que sei precioso. Estou aqui como jornalista, trouxe um questionário, gostaria que Vossa Excelência respondesse a algumas perguntas'. (...) Sem me olhar, Getúlio disse, quase sibilante: 'O senhor deixe o papel com o doutor Lourival. Ele lhe telefonará depois. [Getúlio] Nem ao menos me estirou a mão. Apenas a chicotada, e como doeu! E como ainda dói." Nesse texto, o curioso é que o repórter narra justamente esse acontecimento. Ou seja, o fato de Getúlio tê-lo recebido amigavelmente e, depois, tê-lo despachado sem mais nem menos é a essência deste relato. Pode não ser muito importante do ponto de vista da objetividade, mas traz um sem número de observações perspicazes acerca da personalidade de Vargas - pontos que uma entrevista "formal" talvez jamais conseguiria.

Em A Feijoada que derrubou o governo, os leitores podem perceber como o jornalismo, antes de todas as inovações técnicas e tecnológicas, era feito. É certo que muitas das peculiaridades daquela época pertencem a um passado remoto, assim como alguns dos perfilados. Contudo, trata-se de um documento fundamental não apenas para compreender um gênero cada vez mais sucateado no Brasil, que é a reportagem, mas também para compreender como funcionava a política nacional, cujos relatos, às vezes, se confundem com o enredo de um romance, da mesma maneira que o modo de Joel Silveira contar as histórias se confunde com o estilo de um romancista. Trata-se, enfim, de um ótimo jeito de aprender mais sobre o que é jornalismo.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 7/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caminhos entre o Jornalismo e a Literatura de Leandro Oliveira


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VÍCIOS NÃO SÃO CRIME
LYSANDER SPOONER
AQUARIANA
(2003)
R$ 13,41



ECO EMPREENDEDOR - OPORTUNIDADES DE NEGOCIOS DECORRENTES DA REVOL
STEVEN J. BENNETT
MAKRON
(1992)
R$ 9,90



O CONFLITO
MARY WESTMACOTT
NIVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
EDIGRAF
R$ 6,28



O LEITE VOL 3 OUTROS PRODUTOS LEITEIROS
F. M. LUQUET
EUROPA-AMÉRICA
(1985)
R$ 97,00



A MÁQUINA INFERNAL DO ENGENHEIRO GÁRIN
ALÉXIS TOLSTÓI
ED. BRASILIENSE
(1959)
R$ 13,90



RETRATO FOTOGRÁFICO
MICHAEL FREEMAN
LIVROS E LIVROS
(2005)
R$ 60,00



A REBELIÃO NA TERRA SANTA - 1935
MENAHEN BEGUIN
FREITAS BASTOS
(1970)
R$ 10,00



THEMEN 1 KURSBUCH
HARTMUT AUFDERSTRASSE / HEIKO BOCK / M. GERDES / H
EPU / HUEBER
(1991)
R$ 16,00



MERGULHE NA MAGIA - OS BASTIDORES DE ANIMAIS FANTÁSTICOS...
IAN NATHAN
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 32,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês