Jornalismo: as aulas de Joel Silveira | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Princípios de Finanças Corporativas de Brealey/ Myers/ Allen pela Mcgraw - Hill/ Bookman (2018)
>>> Livro - O Divino Jogo do Ser - Uma nova visão para o despertar espiritual de Roberto Saul pela Alaúde (2005)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Todo Mundo Tem um Anjo da Guarda de Pedro Siqueira pela Sextante (2016)
>>> Livro - A Literatura Inglesa de Anthony Burgess pela Ática (1999)
>>> Cidade dos Ossos 1 de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> Livro - As Valkírias - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Rocco (1992)
>>> Brasil/ Brazil - Lugares e Histórias/ Places and History de Beppe Ceccato pela Manole (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Cidade de Vidro 3 de Cassandra Clare pela Galera Record (2011)
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil (6ª Edição) de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (1999)
>>> Clínica do Social de Célio Garcia pela Projeto
>>> Livro - O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict pela Perspectiva (1972)
>>> Processo de Execução e Cautelar de Marcus Vinícius Rios Gonçalves pela Saraiva (2005)
>>> O Silêncio Que Eu Perdi de Roque Schneider pela Paulinas (1981)
>>> As Irmãs Penderwick de Jeanne Birdsall pela Pavio (2009)
>>> Convite para um Homicídio de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Imagens da arte brasileira de Cecília Jucá de Hollanda pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> À Imagem e Semelhança de Deus: uma Analogia Entre o Corpo Humano E... de Philip Yancey e Outros pela Vida (2003)
>>> Livro - O Orgulho de Hannah de Janet Dailey pela Record (1987)
>>> Ventilação Pulmonar Mecânica Em Neonatologia e Pediatria de Werther B. de Carvalho e Outros pela Lovise
>>> Cidade das Cinzas 2 de Cassandra Clare pela Galera Record (2017)
>>> Identificação dos Mortos? uma Sensacional Polêmica de Oscar González- Quevedo pela Loyola (2001)
>>> Livro - Minha Vida Com Boris - Coleção Folha - Mulheres na Literatura #20 de Thays Martinez pela Folha de São Paulo (2017)
>>> O Azulejo em Portugal no século XX de Edições Inapa pela Inapa (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 7/12/2004
Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 4100 Acessos

Na sala de aula, os irrequietos alunos querem a resposta para uma pergunta intrigante: "Professor, o que é jornalismo?". Tudo bem, decerto que muitas vezes essa questão não aparece assim, como direi?, tão objetivamente. Mas ela está lá, em todos os olhares, nos relatos pessoais que se pretendem reportagem; nos ataques que se supõem artigos de fundo; na historieta que se forja como crônica. Pensando bem, não é só nos cursos de jornalismo que essa pergunta surge, mas em todo lugar, todos os dias, quando alguém abre o jornal e é tomado por um misto de satisfação e desespero; entre a raiva e o prazer; entre os fatos e as versões. Como quase tudo na vida, a questão supracitada não possui resposta pronta ou acabada, muito embora existam alguns manuais e dicionários que desejam comprimir o significado do jornalismo em duas ou três frases, o que é uma pena. Isso só o empobrece. Muito mais produtivo é travar contato com o que de melhor se produz no ramo. Nesse caso em específico, a propósito dessa discussão, parte desse "melhor" está na coletânea de reportagens de Joel Silveira, cujo título é A Feijoada que derrubou o governo (Cia das Letras, 2004). Trata-se de mais um livro da coleção jornalismo literário, que já publicou inclusive outro título de Joel Silveira A milésima segunda noite na Avenida Paulista.

De início, cabe uma observação. O subtítulo do livro diz: "A política brasileira observada com o estilo e a ironia de uma víbora da reportagem". A víbora em questão é Joel Silveira, que, como escreve Leão Seva no posfácio, é o que se costuma chamar de "Testemunha ocular da história". Com efeito, ao longo das reportagens os leitores atestam a veracidade dessa informação. Alguns dos principais momentos da política nacional são analisados e, sobretudo, reportados por Joel Silveira. Desde a época do fim do primeiro governo de Getúlio Vargas, em 1943, até os anos 1976, ano da última reportagem do livro, um retrato de Juscelino Kubitschek. É necessário dizer, ainda, que o fato de o material ter sido escrito originalmente para jornal - e se referir a personagens e acontecimentos do passado - não torna os textos chatos de serem lidos. Na verdade, essa é uma das peculiaridades da obra, uma vez que os leitores sentem que as reportagens ainda têm um elemento que as conserva, principalmente no que se refere ao estilo do autor.

O estilo, porém, não é tudo. Pode-se constatar na coletânea que, além da técnica narrativa, Joel Silveira era um analista perspicaz da política nacional e dos assuntos que reportava. Exemplo disso existe aos montes nos textos, como o que segue: "Pensando bem, o sr. Antônio Carlos é quem acaba nos entrevistando. Desde que chegamos, o velho político mineiro tem nos feito perguntas a respeito de tudo: literatura, política. Falamos sobre isso. Ele sorri. (...) Um exemplo de sua curiosidade é o fato de procurar saber se um redator de jornal vive hoje com mais conforto. No seu tempo [do entrevistado], era uma vida apertada, o jornal era uma aventura, ninguém podia viver dele. (...) O jornal era um meio, nunca um fim. Através do jornal se chegava a posições políticas de prestígio".

O repórter também mostra porque levou o apelido de víbora do então magnata das comunicações Assis Chateaubriand. Ao tratar da entrada de um político para a Academia Brasileira de Letras, ele não deixa por menos: "Homem sem livros, foi a oratória que levou João Neves à Academia Brasileira de Letras, onde ele ocupa - o que não deixa de ser uma curiosidade - a cadeira que foi de Coelho Neto, autor de mais de cem obras", escreve no texto "João Neves da Fontoura, 1943". Aqui, novamente, uma pérola de comentário que, hoje, dentro do "arrojado" jornalismo de Manual de Redação, seria sumariamente cortado, sob o pretexto de ser o menos importante na hierarquia de informações da pirâmide invertida - um modus operandi jornalístico que, para o bem e para o mal, foi levado às últimas conseqüências.

Esse formato atual de fazer jornalismo não permitiria, por exemplo, a publicação de um dos mais engraçados, e não menos brilhante, textos de Joel Silveira: "Primeiro, único e desastrado encontro com Getúlio". Isso porque a reportagem, a rigor, é uma não-reportagem. Explico: Joel Silveira foi fazer uma entrevista com Getúlio Vargas. Ocorre que o então presidente não concedia entrevistas a ninguém. Desse modo, quando soube que o objetivo do repórter era entrevistá-lo, Getúlio não teve dúvidas: deu a conversa, até então amistosa, e bateu a porta na cara do jornalista. Nas próprias palavras de Joel: "E então foi o desastre! Eu disse: 'Presidente, não quero tomar o tempo de Vossa Excelência, que sei precioso. Estou aqui como jornalista, trouxe um questionário, gostaria que Vossa Excelência respondesse a algumas perguntas'. (...) Sem me olhar, Getúlio disse, quase sibilante: 'O senhor deixe o papel com o doutor Lourival. Ele lhe telefonará depois. [Getúlio] Nem ao menos me estirou a mão. Apenas a chicotada, e como doeu! E como ainda dói." Nesse texto, o curioso é que o repórter narra justamente esse acontecimento. Ou seja, o fato de Getúlio tê-lo recebido amigavelmente e, depois, tê-lo despachado sem mais nem menos é a essência deste relato. Pode não ser muito importante do ponto de vista da objetividade, mas traz um sem número de observações perspicazes acerca da personalidade de Vargas - pontos que uma entrevista "formal" talvez jamais conseguiria.

Em A Feijoada que derrubou o governo, os leitores podem perceber como o jornalismo, antes de todas as inovações técnicas e tecnológicas, era feito. É certo que muitas das peculiaridades daquela época pertencem a um passado remoto, assim como alguns dos perfilados. Contudo, trata-se de um documento fundamental não apenas para compreender um gênero cada vez mais sucateado no Brasil, que é a reportagem, mas também para compreender como funcionava a política nacional, cujos relatos, às vezes, se confundem com o enredo de um romance, da mesma maneira que o modo de Joel Silveira contar as histórias se confunde com o estilo de um romancista. Trata-se, enfim, de um ótimo jeito de aprender mais sobre o que é jornalismo.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 7/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. O que não fazer em época de crise de Fabio Gomes
03. Ossos, mulheres e lobos de Eugenia Zerbini
04. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
05. O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus de Humberto Pereira da Silva


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
03. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
04. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Three Guineas
Virginia Woolf
Hbj
(1866)



Maçonaria - Religião e Simbolismo
Samuel Nogueira Filho
Traço
(1984)



Volta às Aulas
Adeilson Salles
Feb
(2008)



Livro - Técnicas de Relaxamento - 2ª Parte: Exercícios de Movimento
Kum Nye
Tarthang Tulku
(2003)



The Pleasure Prescription
Paul Pearsall
Hunter House
(1996)



Seleções de Livros
Readers Digest
Readers Digest
(2010)



Psicanálise como Percurso
Franco Borgogno
imago
(2004)



Lições da Vida
Henrique Rodrigues
freitas bastos
(1990)



Retrato Mortal ( N. 16)
Nora Roberts J. D. Robb
Bertrand Brasil
(2011)



Pride and Prejudice - Livro de Bolso
Jane Austen
Bantam Books
(1989)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês