Los Hermanos | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Terça-feira, 4/1/2005
Los Hermanos
Marcelo Maroldi

+ de 12900 Acessos
+ 13 Comentário(s)

Já faz algum tempo, mas lembro perfeitamente daquele dia de sol quente em que comentei com um amigo próximo, pianista, que eu gostava muito de Los Hermanos. Sua resposta foi direta, dura, acertou em cheio minha face, quase me nocauteou: "Los Hermanos é banda de perdedor". A resposta teria me diminuído se eu realmente não tivesse certeza quão sensacional essa banda é, de fato. E, então, talvez eu tivesse percorrido novamente as músicas, as melodias, os encartes, a internet, procurando identificar onde eu errara, deixando-me enganar tolamente por quatro caras barbudos. Talvez cessasse minha singela admiração pelo grupo, minha identificação com as letras, as vozes, ora sofridas, ora agitadas dos intérpretes, as palavras que dizem algo, como há muito tempo nenhuma banda de rock nacional diz. Obviamente, argumentei que a banda é muito boa e procurei ouvir, já contrariado, as explicações daquele meu amigo enlouquecido. Disse ele que as letras eram tristes, obscuras, que a postura era deles era de perdedores, anti-inspiradora, ridícula. Derrotados... Por fim, limitou-se a cantarolar desgraçadamente "Anna Júlia", que eu havia me permitido esquecer há muito. Foi suficiente para perceber que ele não sabia do que falava e que, sem dúvida, não conhecia a maior banda deste país.

Certamente você, assim como meu amigo, não está muito acostumado a ver Los Hermanos na televisão, em programas como o do Gugu, da Luciana Gimenez ou da Ana Maria Braga (e eles tocam pouco nas rádios também). E não adianta procurar. Duvido que eles não recebam muitos convites dos produtores desses programas. Devem receber, mas não aceitam (ou aceitam pouquíssimos. Li até que a direção da MTV estaria chateada com a constante recusa da banda em participar dos programas da emissora). Você também não vê na televisão propaganda dos CDs e DVDs da banda. Aliás, eles nem têm DVD (nos deixando na espera, o que, finalmente, parece que chegará ao fim em breve), lançaram apenas o Luau MTV. Lembro de tê-los visto no Faustão e, lembro ainda, que eles tocaram "Anna Júlia" em respeito ao programa e os telespectadores, mas que aquela seria, segundo a banda, a derradeira execução.

Recordo, também, de tê-los visto, por vezes, na MTV, há tempos, inclusive na premiação da emissora no ano retrasado (2003, que, aliás, eles concorreram em quatro categorias, (bem) encabeçados pelo excelente "Cara Estranho". Em 2004 foram mais três indicações), festa em que Caetano Veloso "vestiu" uma barba longa e negra e característica do grupo, homenageando-os. Eles preferem apostar na qualidade e não em propaganda televisiva. Isso desde a época do Bloco do Eu Sozinho, de 2001, que representou a mudança de rumo na carreira da banda, rompendo duramente com o disco anterior (Los Hermanos, 1999) e que, segundo os próprios músicos reconhecem, esteve distante - e muito - das grandes mídias. Boicotado.

Essa espécie de antimarketing (um banda que não se mostra?), parece dar certo. Funcionou. Milhares de rapazes e senhoritas superlotam seus shows, compram seus discos e exibem, orgulhosos, camisetas da banda. Até Olavo de Carvalho já foi "acusado" de curtir um show da banda (o que, aliás, ele rebateu). No Orkut há varias dezenas de comunidades dedicadas ao grupo. Eu mesmo filiei-me a uma delas. A maior tem 19 mil adeptos, e crescendo. Outras, são de pessoas que odeiam a banda. E há, ainda, as de pessoas que odeiam quem odeia o Los Hermanos. O número de fãs parece crescer todos os dias, na base do boca a boca, sem um trabalho de divulgação digno da grande banda que eles são. Hoje, Los Hermanos já não é um grupo que apenas alguns poucos estudantes escutam. Meninas escrevem nos seus blogs sobre a banda, reproduzem músicas nos cadernos, entre um poema do Drummond e a foto do Gianecchini. Destacam frases melancólicas das músicas, resumindo suas personalidades (o about do Orkut) através delas. Querendo ser aquilo. Ou querendo aproveitar o antimarketing da banda. Afinal, Los Hermanos está na moda. Gostar deles implica, ao que me parece, em gozar de um certo status social, uma espécie de admiração alheia, como prova da intelectualidade de quem os escuta. Ou, pelo menos, prova de não imbecilidade musical, um mínimo de prestígio cultural presente.

Mas, então, quem são esses milhares de fãs da banda? E o que querem? Essa é uma ótima pergunta, sem dúvida. Obviamente, temos os aventureiros. E temos os preocupados em mais do que sons, carentes de conforto e identificação, buscando algum significado nas letras e, por que não?, na postura dos músicos. Possivelmente, eles não querem apenas se divertir - ou dançar - ouvindo "um som". Também querem poesia, querem testemunhos, querem um espelho, algo a escutar quando chega a noite veloz... E, talvez, queiram um ídolo. Um que não seja tatuado dos pés a cabeça e que seja inteligente, e um artista de verdade.

O repertório da banda contém um excessivo número de músicas que podem ser classificadas como, digamos, melancólicas. Tristes. Exemplos dessas músicas são "O Velho e o Moço", "Adeus Você", "Sentimental" (essa última, a expressão maior - e mais bela - da melancolia). Por que tanta gente tem se identificado com essas letras? "Ela é mais sentimental que eu! Então fica bem... se eu sofro um pouco mais". Deve haver muita gente descontente por aí. Há, ainda, um bom número de canções dedicadas a ausência da amada, ou suas variações: solidão, abandono, amor não correspondido, como, por exemplo, temos "Tá Bom", "A Flor", "Do Sétimo Andar", "Quem sabe" (a última é do primeiro CD). "Quem sabe o que é ter e perder alguém sente a dor que senti..." Entretanto, ao contrário do imediatamente nos ocorre, nem todas as músicas têm um andamento lento. Pelo contrário, mesmo as dolorosas são recheadas de acordes de guitarras e sensacional trabalho de metais. As letras parecem casar adequadamente com os arranjos. Certamente há uma preocupação sonora presente, e bem executada nas músicas. Há uma comunhão bem sucedida de harmonia e melodia.

As letras são bem elaboradas, sofisticadas até. Ainda que se proponham a discorrer sobre um tema comum, sei lá, o sofrimento de quem ama, as idéias parecem ser originais, não são similares as músicas desse tipo, há uma forte unicidade na banda. Há poesia, há dor e há tristeza, entretanto, elas são não gratuitas. São mensagens, são desabafos, são as verdades deles. Não temos um pedido explícito de aceitação. Se a identificação ocorre, ela é, certamente, espontânea. São tristezas, direi, bonitas, afinal, como diz aquele samba: "Tristeza feia o poeta não gosta..." E eles são, certamente, poetas. E sambistas, segundo muitas críticas que li sobre os barbudos. Os dois últimos discos provam isso. E faria, não fosse a confiança já conquistada, aguardarmos apreensivos pelo que virá no álbum seguinte, a ser gravado no início de 2005. Mas podemos dormir tranqüilos, sabendo que eles sabem o que fazem. Se vierem mudanças, porventura mudemos nós também. Como diz o site oficial da banda: "Um amigo sabiamente disse que um disco nada mais é do que uma fotografia de um determinado momento da carreira de uma banda. Na foto de Ventura, o que se vê é a mesma vontade que havia em nossos discos anteriores, de se fazer música de acordo com o que somos, mesmo que no momento seguinte sejamos uma outra coisa, mesmo que pareça fora de sintonia com nossos contemporâneos".

Na metade de dezembro de 2004, Los Hermanos encerraram a longa turnê (segundo o Correio Braziliense, até setembro de 2004 foram 120 shows) do álbum Ventura, sucessor do Bloco do Eu Sozinho. Foram tantos shows e dezenas de milhares de pessoas cantando, emocionadas, as músicas, deixando felizes os integrantes dos Los Hermanos, afinal, como diz o próprio site da banda, "...e isso para nós é ser popular de verdade, afetar as pessoas". Conseguiram.

Los Hermanos, a melhor banda de 2004, e, possivelmente, de 2005, 2006... Ah, e até meu amigo pianista enfim reconheceu o grande trabalho dessa banda.

Nota do Editor
Marcelo Maroldi assina também o blog que leva o seu nome.


Marcelo Maroldi
São Carlos, 4/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para entender o Centro da Terra de Manoel Fernandes Neto
02. A tirania do isolamento de Vicente Tardin


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2005
19h20min
Concordo. Acho que eles realmente representam algo de muito interessante no cenário musical. Já escrevi, para alguém desses sites por aí, que eles me trouxeram a mesma sensação de novidade que senti quando conheci os "Novos Baianos" naquela época em que os caras viviam juntos, música pela música (by the way, tenho 51 anos). A riqueza dos arranjos, a capacidade para fazer com que a música seja rica, apesar de pop. Estamos, eu e minha filha de 15, curtindo e vendo e lendo tudo. Há muito tempo que não tinha a sensação de gostar tanto de uma coisa como foi quando curtia os Beatles (e ainda não passou a febre), e sabia tudo dos caras. Com Los Hermanos estamos sempre querendo ouvir de novo as músicas e perceber pequenos detalhes dos arranjos. Aliás é preciso dizer que a banda tem um charme atraente e que transpira o "Bem". Carlos Wagner/BH
[Leia outros Comentários de Carlos Wagner]
5/1/2005
01h01min
Marcelo, seu amigo pianista só poderia mesmo reconhecer o valor dos Hermanos. Que dizer da única banda que diz alguma coisa de verdade aos nossos ouvidos e corações (não quero soar piegas, mas... vergonha de ser verdadeiro)? Estamos cheios de hardcore fácil para menininhas e menininhos (alguns que até escutam Los Hermanos). É preciso gente de verdade. Os barbudos em questão o são. Eu nem estou muito inspirado a continuar digitando, porque hoje me esgotei na composição de um conto, mas eu quero dizer que sinto certa pena daqueles que não gostam ou não querem prestar atenção nesta banda. Quem não admite o vazio de si mesmo, não poderá ser uma pessoa melhor... nem sei se é o caso, também. Abraço!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
6/1/2005
19h50min
Uma pausa para o(s) frances(es), lingua sem-par, escolas de valor maior, mas, musicalmente, uma negação... Los Hermanos com "Cher Antoine" conseguiram exprimir o melhor da lingua em seu sentimento. Mil perdões a Edith Piaf, mas o Los Hermanos mandou mnuito nessa musica: "tem no mercado é só pedir, me faz chorar e é feito para rir"...
[Leia outros Comentários de Glauber ]
7/1/2005
11h27min
Gosto deles, me influenciaram de certa forma na maneira em que lidam com as próprias influências musicais. Mas não gosto da idéia de "contracultura" que alguns fãs adoram idolatrar. Na realidade, a postura "antimarketing" é também uma forma de fazer marketing, como relatado acima, faz sucesso, tem seus adeptos e da mesma forma é um segmento poderoso de mercado. Se fosse a banda tomava cuidado com rótulos, pois ser anti- também se encaixa no sistema. A melhor coisa é ficar de boa e saber dosar com a imagem.
[Leia outros Comentários de Patricia Rocha]
11/1/2005
14h57min
Eu sou um que passou a gostar e a respeitar a banda. Principalmente depois do lançamento do 2º CD (O bloco do Eu Sozinho). Eles conseguem o que poucos conseguiram: se superam a cada lançamento. Apesar de ser fã, não consigo vestir esta camisa iconoclasta que tenta a todo custo matar a beleza de uma canção como "Ana Júlia". A bela e nada comum "Ana Júlia" pagou o preço por representar outros tempos dos Hermanos. De lá prá cá não precisa ser maestro pra notar um crescimento na música do grupo. Ainda assim, não vejo o 1º disco como fraco. O primeiro é sim um bom disco. O segundo é o nascimento de um grupo melhor ainda. E o Ventura é a confirmação de que o grupo carioca é o melhor do Brasil no momento. Um abraço a todos.
[Leia outros Comentários de Marcus Vinicius]
14/1/2005
23h39min
Los hermanos faz chorar, me faz rir, faz pensar!! Aguardo ansiosamente o novo cd!!
[Leia outros Comentários de alan]
19/1/2005
23h09min
Tem gente que não gosta de poesia, tem gente que não gosta de chocolate, tem gente que não gosta de ler, tem gente que não gosta do Cartola, tem gente que não gosta de viajar e tem gente que não gosta do Los Hermanos.
[Leia outros Comentários de juli]
23/11/2005
08h08min
E os caras conseguem fazer poesias e colocar uma melodia pesada como por exemplo "Quem sabe", "Descoberta", entre outras.
[Leia outros Comentários de Ede]
11/1/2006
19h33min
O que atrai nos Hermanos é que eles realmente têm algo a dizer, e isso não ocorria no Brasil há algum tempo. Sinceridade no trabalho, e talento acima da média, essa é a receita da melhor banda do país nos ultimos anos!!!
[Leia outros Comentários de luiz]
7/8/2006
10h29min
É verdade Marcelo, a maioria das pessoas q dizem não gostar da banda só conseguem citar "Anna Júlia". "Los Hermanos não é Anna Julia" diz uma comunidade do orkut. Certíssimo. Não consigo citar uma única música por q sou apaixonada, então cito o álbum "Ventura", q na minha opinião é o melhor. Essa semana houve um show deles aki em Aracaju, e uma amiga falou "Los Hermanos são decadentes", e falei exatamente o q vc citou: "Ah tah, pq não apareceram em Gugu, Faustão etc., né?". O show foi o máximo, na praia, com amantes da boa música presentes. Parabéns Marcelo, adorei seu texto.
[Leia outros Comentários de Carol Santiago]
14/9/2006
03h27min
Acredito que depois das bandas da década de 80 (e nisso eu incluo apenas a Legião, os Engenheiros, os Titãs e os Paralamas), a única banda que trouxe algo de novo e de melhor foi o Los Hermanos. De fato, há uma certa tristeza, algo que se mistura a uma melodia igualmente triste que trás, não só um sentimento de lentidão sentimental (o que é muito belo), mas sobretudo o retorno ao bom verso. Há até quem compare o Marcelo Camelo ao Chico Buarque! De toda forma, é muito bom ver e ouvir esta banda maravilhosa.
[Leia outros Comentários de Téo]
15/3/2007
21h52min
A banda é mesmo ótima. Eu mesma já fui uma "los hermaníaca". Agora dei uma relaxada... Mas o que mata mesmo são as pessoas que gostam de falar daquilo que não conhecem. Como diz o velho ditado: "em boca fechada não entra mosca". Não condeno a atitude, mas confesso que cria uma situação chata. Já ouvi muita coisa ruim vinda de pessoas que conhecem alguns dos integrantes, mas no fundo eu acredito que seja mais aquela velha "mágoa de cabloca" do que a realidade propriamente dita. A postura da banda é bacana,a música é sensacional, como disse nosso querido escritor, e é isso o que importa. Os barbudos mandam bem... :)
[Leia outros Comentários de Vânia]
26/10/2007
16h32min
Esse seu amigo pianista devia estar louco ao dizer que: "Los Hermanos é banda de perdedor". Por que uma banda que teve um disco comparado ao disco mais revolucionário da musica brasileira, como foi o "Construção" de Chico Buarque, só pode está louco. É... Só existem dois tipos de fãs dos Los Hermanos: os que odeiam e os que amam.
[Leia outros Comentários de Mark]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GIRAMUNDO - A VOLTA AO PALCO DOS BONECOS QUE FAZEM HISTÓRIA - N° 4
REVISTA GIRAMUNDO
DA PALAVRA
(1999)
R$ 7,07



PROVAS DA MODALIDADE DO AR
UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL
ESCOTEIRA
(1962)
R$ 48,00
+ frete grátis



MOVIMIENTOS SOCIALES Y CONFLICTO EN AMÉRICA LATINA
JOSÉ SEOANE (COMPILADOR)
CLACSO
(2004)
R$ 15,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA DE MODELISMO - MATERIAIS E FERRAMENTAS
VARIOS
SÉCULO FUTURO
(1988)
R$ 25,90



O QUE TODA MULHER INTELIGENTE DEVE SABER
STEVEN CARTER & JULIA SOKOL
SEXTANTE
(2009)
R$ 6,80



MÚSICA NA ESCOLA: PROPOSTAS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 11.769/08 NA REDE DE ENSINO DE GRAMADO, RS
JUSAMARA SOUZA
TOMO EDITORIAL
(2011)
R$ 28,00



LINCOLN OS ANOS DA PRADARIA OS ANOS DA GUERRA
CARL SANDBURG
ITATIAIA
(1965)
R$ 11,90



UM PRESENTE ESPECIAL
ROGER PATRÓN LUJÁN
AQUARIANA
(1992)
R$ 5,00



DOC. LINGERIE - CONTOS DE COISAS
SAMIRA CHALHUB
MALTESE
(1995)
R$ 5,00



SAFADAS: VERÃO
ALEX VARENNE | ANNIE GOETZINGER | DANIEL REDONDO | DANIEL CEPPI | DENIS FREMOND | FLORENCI CLAVE | GUY VIDAL | JEAN-PIERRE GIBRAT | LOUIS RETIF | MAX CABANES | MICHEL BLANC-DUMONT | PHILIPPE MARCELE | PHILIPPE CAZA | THIERRY SMOLDEREN
NEMO
(2014)
R$ 151,00





busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês