Carta para Sonia Rodrigues | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
82221 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
>>> 11 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> O homem da paz celestial
>>> Na contramão da História
Mais Recentes
>>> Você Só Precisa de Amor de John W. Jacobs pela Globo (2004)
>>> Almanaque da Tv Globo de Souto Maior pela Globo (2006)
>>> Sangue e Entranhas - a Assustadora História da Cirurgia de Richard Hollingham pela Geração (2011)
>>> O verão em que tudo mudou de Gabriela Freitas Thaís Wandrofski Vinícius Grosso pela Faro Editorial (2017)
>>> O estilo mafioso de gerenciar de Michael Franzese pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Desumano e Degradante de Patricia Cornwell pela Companhia das Letras (1996)
>>> Universidade Minecraft - A invasão zumbi de Winter Morgan pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Um Amor Exclusivo de Johanna Adorján pela Geração (2011)
>>> Tá gravando. E agora? de Kéfera Buchmann pela Paralela (2016)
>>> Muito mais que 5 minutos de Kéfera Buchmann pela Paralela (2015)
>>> Sanguessugas do Brasil de Lucio Vaz pela Geração Editorial (2012)
>>> Personagens Encantados II de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Difusão Cultural do Livro (2006)
>>> Gildo de Silvana Rando pela Brinque Book (2010)
>>> Brasil Em Alta: a História de um Pais Transformado de Larry Rohter pela Geração Editorial (2012)
>>> O Aniversário de Teddy de Anne Faundez pela Ciranda Cultural (2011)
>>> Pato Atolado de Jez Alborough pela Brinque Book (2011)
>>> O Artesão de Walter Lara pela Abacatte (2010)
>>> Garrafinha de Mariana Caltabiano pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Por favor, Obrogada, Desculpe de Becky Bloom e Pascal Biet pela Brinque Book (2016)
>>> Era uma vez um gato xadrez de Bia Villela pela Moderna (2016)
>>> Leve Mente Leve de Laura Medioli pela Leitura (2010)
>>> In the Snow de Paul Shipton pela Oxford (2014)
>>> O Imperador do Olfato, Uma História de Perfume e Obsessão de Chandler Burr pela Companhia das Letras (2006)
>>> Inácio o rato sortudo de Lucia Reis pela Paulinas (2018)
>>> Finding Nemo de Melanie Williams pela Pearson (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/11/2005
Carta para Sonia Rodrigues
Adriana Baggio

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Cara Sonia,

O estilo "carta" não é muito comum quando se deseja fazer um comentário sobre um livro, com a proposta de informar os leitores do periódico em que é publicado. No entanto, à medida em que eu lia seu Amor em segredo: as histórias infiéis que aprendi com meu pai, Nelson Rodrigues (Agir, 2005, 222 págs.) e refletia sobre seus escritos, ia imaginando uma carta. Deve ser porque o tom do seu texto é extremamente intimista, praticamente uma conversa com quem está do outro lado.

A aba informa que o livro, "a meio caminho entre a memória e a reflexão", está dividido em "capítulos curtos, emocionantes e reveladores". Pois essa combinação de características me fez pensar neste livro como uma espécie de antologia de crônicas. Crônicas sobre o que você pensa do mundo e dos relacionamentos, sobre as histórias da sua família, sobre as teorias que os terapeutas, psicanalistas e psicólogos têm para nossas angústias e comportamentos.

Enfim, não me parecem capítulos. Acho que o único momento em que percebi que poderia se tratar de uma narrativa única foi no último texto, quando você diz "agora estou pronta (.)". Aliás, a declaração de estar "pronta para o amor", para "romper os laços que me prendem ao que é triste, amargo e responsável em excesso", não é "exorcizar esse mar de histórias" (e a aba do seu livro diz que não esse o objetivo)?

Estou abordando esse aspecto das incoerências não porque sejam um crime ou desqualifiquem sua obra, mas porque se realmente fosse uma narrativa, acho que seria uma das não muito boas. Uma história única presume ligação entre os capítulos, relação entre o que se diz antes e o que se diz depois. Percebo, claro, que os temas são recorrentes, que a maneira como você fala das pessoas mais importantes que permeiam essas histórias é a mesma. Mas não existe uma linearidade que caracterize uma história completa - a sua história. Por isso digo que não seria uma boa narrativa.

E enquanto escrevo "não muito boas", me vem à cabeça uma preocupação com este ato de comentar um livro. Em primeiro lugar, porque apesar de já ter escrito sobre vário livros aqui no Digestivo, não sou crítica literária profissional (então eu posso vir a falar muita asneira). Em segundo, porque criticar uma obra de ficção é uma coisa, e criticar as memórias e as histórias de alguém é outra coisa (então posso vir a cometer muitas injustiças).

Bem, podemos dizer que se critica a forma, e não a vida da pessoa. Mas é difícil separar os dois aspectos quando se trata de textos como os seus, Sonia. Uma das coisas que me incomodaram foi a menção constante, quase um mantra, sobre sua filiação. Será que precisaria repetir tantas vezes que você é filha de Nelson Rodrigues? E se o seu livro é dividido em capítulos - não em crônicas - então essa repetição não se justifica. E se forem crônicas - como eu acho que são - o fato de aglutinar vários textos no mesmo livro tem esse risco (o link leva a uma outra coluna em que falo sobre isso), que pode ser minimizado na edição.

E aqui estou eu criticando as várias vezes em que você fala do seu pai, quando o seu reconhecimento como filha dele foi um processo traumático. Eu me solidarizo com você, com a sua luta por crescer e descobrir seu lugar no mundo, mesmo com todas as dificuldades que uma infância conturbada impôs à sua vida. Mas já que a exposição que você fez da sua história pessoal me dá o direito de opinar sobre o que você tornou público, me pergunto: não seria mais valoroso ser reconhecida como a Sonia escritora, jornalista, roteirista, doutora em Literatura, ao invés da Sonia filha do Nelson Rodrigues?

Este último parágrafo é um exemplo da posição complicada de criticar histórias pessoais. Afinal, quem sou eu para dar pitaco na vida dos outros? A princípio, desnudar a alma parece um ato de coragem. Mas quando é muito freqüente, perde o efeito. Se houvesse um pouco mais de parcimônia no uso desse estratagema no livro, acredito que ele teria o tempero certo: o mistério que permanece após o vislumbre pelo buraco da fechadura - que revela só uma parte; ouvir um boato e não ter a certeza - que mantém o segredo.

Esse tipo de exposição pode ter vários significados, alguns muito mais ingênuos ou nobres dos que os que eu vou citar aqui. Um desses significados é a necessidade de chamar a atenção. Outro, é uma manobra para neutralizar críticas. Na medida em que se escancar os insucessos, os comentários alheios perdem seu poder. Mas qual a consequência disso? Para mim, é a sensação de incômodo, de constrangimento e até de ser enganada por uma possível tentativa de oportunismo (não cheguei a uma conclusão se a exposição no seu livro tem algum desses objetivos. A intenção aqui é fazer uma reflexão sobre os casos em que ela acontece).

Em algumas crônicas, me parece que o que o leitor acompanha é um fluxo de consciência. Sabe quando a gente pensa alguma coisa, mas só verbaliza quando o pensamento já está lá na frente? Nesses casos, a pessoa que nos ouve não "pega" o que quisemos dizer, porque ela só teve acesso a uma parte do raciocínio. Parece que você passa para o papel apenas alguns fragmentos, sem dar condições para que o leitor entenda a relação. Não é como o pensamento não-linear ou as elipses, que estimulam o leitor e enriquecem a leitura. É uma falta mesmo, que nos deixa ansiosos para compreender o que você realmente quis dizer.

Eu gosto de subjetividade, e talvez por isso tenha lido Amor em segredo de uma sentada, no último feriadão. Mas à medida em que passava de uma página a outra, crescia em mim um tênue déja-vu, uma sensação que demorei a identificar. Depois de um tempo, descobri: entremeado às suas palavras, ao que você realmente pensa, percebi um intertexto bem característico do divã. Imagino que você tenha feito terapia, ou lido muitos livros de auto-ajuda. Eu fiz terapia e reconheci esse discurso nas suas linhas. Pelo jeito, no que se refere a formas de lidar com frustrações, erros, autocrítica e relação com os homens, existem algumas fórmulas comuns aos consultórios de psicanálise e afins.

As histórias infiéis
Mais uma vez correndo o risco de ser abusada ou injusta, imagino que suas posições sobre infidelidade tenham a ver com sua história. É natural que você tenha uma tolerância maior a relacionamentos extraconjugais, visto que seu pai nunca assumiu os três filhos que teve com sua mãe. Você diz que a mulher que seu pai realmente amava era sua mãe. E que foi por covardia que ele não deixou a família "oficial" para ficar com ela.

Não sou moralista, muito menos ingênua. Os relacionamentos fora do casamento deixaram de ser um erro em si há muito tempo, apesar de eu acreditar que a fidelidade e o respeito são valores atemporais. O problema é: ter um relacionamento com uma pessoa casada implica clandestinidade, mentiras, ficar em segundo plano. Para quem não se importa, tudo bem. Mas se a mulher ou o homem desejam companheirismo, disponibilidade, dormir e acordar junto, não é nada saudável. E às vezes me parece que seu texto não considera esse lado e até romantiza o tal do "amor em segredo".

Qual o erro desse ponto de vista? Nenhum. Apenas acho que, no seu caso, essa visão pode ter a ver mais com uma absolvição do seu pai do que com princípios liberais em si. Uma absolvição necessária, já que você faz questão de valorizar sua ascendência. Procuro motivos para isso, além do seu possível desejo de ser reconhecida como filha do "maior artista do país", ao invés de buscar reconhecimento por si própria. Fazendo uma comparação talvez meio esdrúxula, nunca vi a Silvia se referindo a si mesma como filha do Chico Buarque. Bem, pode ser porque ela nunca escreveu livros ou eu nunca tenha lido nada dela.

Gostaria de lembrar que todas as coisas que eu disse aqui foram baseadas no que você conta no livro. As interpretações são minhas, mas os fatos são seus. Não li nenhuma biografia sobre seu pai, portanto não conheço a vida pessoal dele. Pelo que você conta, me parece que os personagens de Nelson Rodrigues são hipérboles, metonímias ou metáforas das pessoas da vida real. Aliás, pelo que ele mesmo conta: "o personagem do palco é mil vezes mais real, mais denso e, numa palavra, 'mais homem' que cada um dos espectadores. (.) Percebemos, então, que a espectadora de carne e osso não vive realmente, imita apenas a vida. (.) Nada conhece, nada sabe dos desesperos, das paixões, das agonias que a poderiam alcançar à plenitude de sua condição humana".

Seu pai escreveu essas frases em 1954, para o programa de Senhora dos afogados, encenada pela Companhia Dramática Nacional, com direção de Bibi Ferreira. E o texto completo deste programa está disponível em Peças míticas, o segundo dos quatro volumes que compõem a coleção Nelson Rodrigues: teatro completo (Nova Fronteira, 2004, 303 págs.).

Sonia, o sofrimento talvez tenha feito você "viver realmente". Mas é preciso colocar um limite entre o dramaturgo e o pai. O talento de um não desculpa os defeitos do outro. E mesmo que não se possa ser filha de Nelson Rodrigues impunemente, imagino que você poderia aproveitar melhor a genética se colocasse, em primeiro lugar, a Sonia, e depois o Rodrigues. Ou você acha que contar no blog quem é seu pai vai fazer as pessoas gostarem mais do seu texto?

Como você pode ver, os meus comentários não foram muito lisonjeiros, mas vieram em grande quantidade - o que mostra como seu livro é passional. Talvez eu não tenha refletido sobre "as armadilhas dos afetos, a liberdade de gostar, a solidão e os encontros possíveis" da minha própria vida. Mas o fiz em relação à sua. Filosofia de boteco, análise superficial, meter o nariz na vida alheia? Pode ser tudo isso. Mas é o preço que pagam aqueles que têm a audácia de abrir o coração.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 24/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
05. Correio de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/11/2005
10h45min
Adriana, já faz um bom tempo que eu tenho gostado dos seus textos escritos no Digestivo Cultural. As suas análises são muito bem feitas e coerentes, além de criativas. Continue a ser o que você é (ótima...). Abraços e mil saudações, Maurão
[Leia outros Comentários de Mauro Gorenstein]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Curso de Direito Constitucional -
Sylvio Motta e Gustavo Barchet
Campus (rj)
(2007)



Histoire de La Langue Bretonne
Fanch Broudic
Quest France
(1999)



Cidadão Cannes - o Homem por Trás do Festival
Giles Jacob
Companhia das Letras
(2010)



The Energy Crisis, Conservation and Solar
Harvey Rose e Amy Pinkerton
Ann Arbor
(1981)



Barão do Rio Branco - Pequenos Estudos Sobre Grandes Administrado
Alfredo Balthazar da Silveira
Serviço de Documentação
(1956)



Casamento, Divórcio e Novo Casamento
Hernandes Dias Lopes
Hagnos
(2005)



Dictionnaire de La Civilisation Grecque
G et M F Rachet
Larousse (paris)
(1968)



Novo Cpc e o Processo do Trabalho 1 - Parte Geral
Bruno Freire e Silva
Ltr
(2015)



Carlos Martins
Frederico Morais, Wilson Coutinho (textos)
Não Encontrada
(1985)



Ser Professor 2ª Edição
Délcia Enricone Org.
Edupucrs
(2002)





busca | avançada
82221 visitas/dia
2,5 milhões/mês