O achamento literário de Portugal | Rogério Barbosa da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/11/2005
O achamento literário de Portugal
Rogério Barbosa da Silva

+ de 3100 Acessos

Lançada recentemente em Belo Horizonte, a coletânea de poemas O achamento de Portugal organizada e editada por Wilmar Silva, numa parceria entre a editora Anome Livros e o Consulado de Portugal, põe em diálogo diversas vozes poéticas mineiras, tendo como contraponto a literatura portuguesa, representada pelo poeta e escritor contemporâneo José Luís Peixoto.

A partir da leitura do volume, percebe-se nitidamente duas dimensões de sua proposta: a primeira seria uma amostragem das vozes poéticas atuantes no cenário mineiro em que encontramos poéticas diferentes, mas não necessariamente dissonantes. Já a segunda é aquela explicitada no título da coletânea, isto é, um (re)encontro às avessas, na medida em que se propõe uma viagem reversa e alusiva à história, porém sem o impacto altissonante da idéia de "descoberta".

Evidentemente, os poetas brasileiros não descobrem agora a literatura de além-mar; desde os anos 60, pelo menos, as novas gerações de poetas dos dois lados do atlântico mantêm-se atentas às produções de seus pares. A freqüência com que podemos atestar a passagem de poetas portugueses por Minas Gerais e a publicação de textos em inúmeras revistas e jornais mineiros evidenciam essa atenção, uma vez que, nesses veículos, encontramos nomes como Fernando Aguiar, E. M. de Melo e Castro, Alberto Pimenta, César Figueiredo e Ana Hatherly, para citar alguns que foram publicados no Suplemento Literário ou nas páginas da revista Dimensão, além de cadernos de cultura dos jornais diários. Por outro lado, os mineiros freqüentam publicações como a revista portuguesa Colóquio/Letras, Apeadeiro (Wilmar Silva e Milton César Pontes são exemplos), entre outras. Também comparecem na correspondência com autores portugueses, em exposições de poesia visual, em especial organizadas desde os anos 80 por Fernando Aguiar, e em resenhas diversas. Noutras palavras, o contato existe. O que significa, então, esse "achamento" conduzido pelo projeto do poeta Wilmar Silva?

Desde o primeiro texto, "Ouro Preto na voz de minha mãe", de José Luís Peixoto, sentimos confirmarem-se as palavras do organizador: "... mais do que pensar a origem da língua que tanto nos semelha e nos distancia, meeiros, o paraíso do sonho é o deserto do desejo, o arco-íris como bodoque de uma cartografia humana, últimos ágrafos, o mundo é todo o fluxo, boca, língua, poesia, linguagem, um é todos, minas é mundos e submersa irrompe rediviva, livre, falas, palavras, poesia, poemas, um balaio de pinturas rupestres, mutantes e ultramarinos..." (pág. 11). Efetivamente, o poema do português José Luís Peixoto evidencia uma viagem feita por dentro, isto é, por baixo dos passos do viajante, ecoa a memória de uma voz que não se quer simplesmente ancestral, mas portadora de um particular acento maternal, afetivo. É a voz da mãe que oferece ao filho a singular experiência de uma terra estranha e familiar, o que o leva a dizer: "ouro preto. acabei de nascer no meio da praça. (...) ouro preto. chego pela primeira vez aonde/ sempre estive" (pág. 23).

Este é um sinal claro de que o diálogo proposto por essa coletânea se processa no interior, na própria corrente sanguínea da linguagem e do poema. Portanto, tal como em José Luís Peixoto, os poetas mineiros evocam, com freqüência, a imagem do corpo para falar desse sonho luso-americano. Por exemplo, em "Porto (infinito)", Adriano Menezes constrói imagens que trazem em amálgama o corpo, a alma, a terra firme e o fluir permanente das águas, com que metaforiza a contínua transformação do ser entre montanhas e seu dúbio desejo: do corpo que se "esvai em gomos", isto é, um corpo/encosta, que sente o paradoxo de querer "ir por águas" e de querer ser, ao mesmo tempo, cais - ponto de chegada/ponto de partida. Dessa imagética, qual mônada, derivam os versos: "o morro fabricando/ umidades sensuais que/ vão pelo mineral pétreo/ compor esse dia preso/ ao dúbio mar dos serranos" (pág. 26). Imagens como essas são recorrentes noutros poetas desta Coletânea, como podemos ver nestes versos de Milton César Pontes: "... sou este selvagem/ luso índio afro brasileiro que/ faz poemas e se arremessa atado/ a âncora com fios de cobre na artéria/ do fado que me canta o atlântico..." (pág. 66).

Neste contexto, as profundas correntes da língua poética fazem vir à tona um canto amoroso, mas, nem por isso, ingênuo ou afetado. Seria correto dizer que, no conjunto, desponta desses poemas uma linguagem transitiva, porque não isenta do afeto e tensionada para o diálogo com o outro em si mesma, como diriam os versos de Edimilson de Almeida Pereira: "a língua para os assaltos devolve o anonimato a/ pessoa. podem fremi-la os gatos em olinda e/ luanda, os barcos em litígio no faro" (pág. 43). Esta língua, nos seus inúmeros desvios e intertextos, produz o ritmo intenso da procura e nos devolve, nos seus sobressaltos, as "gestas" de uma geografia imaginária, uma vez que as paisagens portuguesas e mineiras se mesclam e as almas se confundem. Talvez porque, como já disse o poeta português António Ramos Rosa, a palavra "nasce de um vazio perante outro vazio/ e tem de inventar o seu corpo em cada sílaba". Portanto, são também diversos os itinerários dos poetas desta Coletânea ao fazerem delirar a sua lírica luso-brasileira, numa temática vária mas afinada com a aventura que se propugna neste livro.

Feito este mini-percurso, cabe ainda ressaltar que o poeta e editor Wilmar Silva nos oferece um belo volume. A começar com a capa, um belíssimo trabalho da artista Mafi Espírito Santo, em técnica mista, passando pela excelente qualidade gráfica do miolo, o livro demonstra o zelo esmerado que Wilmar Silva tem demonstrado à frente das edições da Anome. Nesta Coletânea, a organização merece também destaque, pois seu editor, em primeiro lugar, realiza um trabalho de mapeamento das vozes poéticas mineiras, colocando-as em diálogo na sua multiplicidade e em sua coerência com o projeto proposto. Assim, o poema inicial, de José Luís Peixoto, registra em primeiro plano a voz do outro (isto é, o objeto do "encontro" neste caminho reverso).

Em seguida, um fragmento de Pero Vaz de Caminha confere ao volume a nota histórica, a senda para os trinta e um poetas brasileiros, curiosamente a idade do poeta português. Entre os nomes deste primeiro conjunto, muitos são já bem conhecidos no Brasil, como Edimilson de Almeida Pereira, Fabrício Marques, Guilherme Mansur, Maria Esther Maciel, Ricardo Aleixo, Ronald Polito e o próprio Wilmar Silva. Outros, nem tão bem conhecidos, já têm história na literatura mineira e uma produção que vem sendo desenvolvida desde meados da década de 1980, na maioria dos casos. A seguir a este conjunto inicial, um verso "breve e imenso" de Gregório de Matos, conforme o editor, ilumina a poesia de outros sete poetas, a maioria ainda de estreantes, sem livros publicados, também eles navegantes nas confluências das tradições modernas e na busca do veio mais puro da lírica em língua portuguesa. Aqui se percebe a sensibilidade poética e editorial de Wilmar Silva, pois, ao mesmo tempo em que abre espaço para as novas vozes poéticas ainda inéditas, o editor sinaliza que a palavra poética renova-se a cada instante. Por isso, as três seções do volume simbolizam também o fluir permanente e a renovação. Assim, ao ciclo dos meses, representado pelo numero trinta e um, segue-se o "ciclo dos sete dias de um ciclo de semanas", e o número um, a marca do dia a repetir-se sempre, representado pelo poema de Donizeti Rosa, morto em 2004 e homenageado no presente volume. Este último é antecedido pelos versos de Cláudio Manoel da Costa, com o qual se evidencia o "ruído" da memória, como forma de reviver o extinto, mas ativando também as fontes da lírica brasileira.

Para concluir, podemos dizer que os poemas desta coletânea nos fazem sentir, como nos versos de Fabrício Marques em "Esportes radicais (1. Tiro à língua)", que uma "Certa draga/ retira do fundo do rio/ Uma língua em riste/ que diz (...)/ Muitas hão de ir/ Eu ficarei/ Eu à prova de mim" (45).

Nota do Editor
Rogério Barbosa da Silva é Doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais e leciona no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.

Para ir além
Anome Livros


Rogério Barbosa da Silva
Belo Horizonte, 29/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
02. Philip Roth e o rico diálogo entre escritores de Mauricio Tuffani
03. Meus melhores livros de 2008 de Rafael Rodrigues
04. 2008, o ano de Chigurh de Vicente Escudero
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges de Diogo Salles


Mais Rogério Barbosa da Silva
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE REDAÇÃO E ESTILO
EDUARDO MARTINS
ESTADO DE SÃO PAULO
(1997)
R$ 5,00



DEZ LEIS PARA SER FELIZ
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2003)
R$ 7,00



ESPERANÇA PARA VIVER O VERDADEIRO CAMINHO DA FELICIDADE
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA
(2007)
R$ 6,90



PENSAR É TRANSGREDIR
LYA LUFT
RECORD
(2004)
R$ 5,00



THE FABER MEDICAL DICTIONARY
SIR CECIL WAKELEYORG
FABER AND FABER
(1953)
R$ 29,18



CURSO DE DERECHO PENAL: FUNDAMENTOS Y TEORIAS GENERALES
JUAN P. RAMOS (TOMO 2) CAPA DURA
ARIEL (BUENOS AIRES)
(1928)
R$ 18,82



ARCHIPELAGO
DAVID LIITTSCHWAGER E SUSAN MIDDLETON
NATIONAL GEOGRAPHIC
(2005)
R$ 100,00



EDUCAÇÃO ARTISTICA ESTUDO DIRIGIDO 8
JUREMA BARROS WAACK E OUTROS
IBEP
R$ 6,90



FORMAÇÃO E TEMÁTICA DA SOCIOLOGIA DO CONHECIMENTO
A. L. MACHADO NETO
EDUSPCONVÍVIO
(1979)
R$ 26,00



UM BRASILEIRO NA CHINA
GILBERTO SCOFIELD JR.
EDIOURO
(2007)
R$ 13,00





busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês