Livros e ensino tecnológico | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/1/2006
Livros e ensino tecnológico
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2700 Acessos

Em 2005 eu li muito. Mas infelizmente não li livros de poemas e obras literárias de porte. Já estava tão entediada do modelão literário nacional dos 00's que resolvi me envolver com meus estudos e com o que me desse algum dinheiro para dar jeito na vida. Daí que me embrenhei por uma senda cheia de delícias sem pretensões estéticas. E foi bom para mim. Talvez possa ser para vocês também. É pelo que torço.

No começo do ano, comprei uma imensa biblioteca de livros sobre hipertexto. Nem vou me explicar muito aqui não, mas quem quiser saber o que é isso, se é um tipo de texto, um tipo de mercado, um tipo de arquitetura ou um tipo de espaço, é só dar uma busca na Livraria Cultura, por aqui mesmo, na internet, que vai achar uma série de livros sobre o tema. É instigante para os interessados em linguagens tecnológicas.

Os primeiros livros que li sobre isso, ainda em 1999, foram do filósofo Pierre Lévy. Hoje em dia, vale a pena ler As tecnologias da inteligência ao menos porque está nas bibliografias de todos aqueles que gostam do assunto e o tratam com seriedade. No Brasil, no entanto, muitos pesquisadores foram cultivar a história da leitura e do leitor. E eu me apaixonei por isso via Roger Chartier, um historiador francês especialista na França pré-revolucionária.

Para nós que queremos saber como o brasileiro começou a ser leitor e quais são as particularidades dessa história em nosso país, vale a pena ler qualquer livro da professora Marcia Abreu, na Unicamp. Nada de histeria, daquele papo jornalístico de que "o brasileiro não lê", "o brasileiro é analfabeto funcional". Nada disso. É história pura, daquela que ajuda a entender o presente e a ter algum prognóstico menos desesperado para o futuro. Ao menos o livro Livro e leitura no Brasil deve ser consultado.

Quem quiser consultar uma verdadeira bíblia sobre o livro e a leitura no Brasil deve se aproximar da obra O livro no Brasil, de Laurence Hallewell, relançado (ainda mais bonito) pela Edusp.

Embora toda essa pesquisa possa ser feita por qualquer cidadão brasileiro que queira ter mais do que uma opinião "chutada" sobre o assunto, ler essas obras tem cara de pesquisa universitária. A idéia não é só essa, mas pode ser também.

Tecnologia e educação

E já que estou falando do Brasil, país acusado de tratar mal seus leitores, editores e profissionais da informação, vou citar um acontecimento de 2005 que ganhou a minha simpatia e deve ser observado pelas pessoas que se interessam pelo crescimento desta nação: a educação tecnológica.

Educação tecnológica não é levar o computador para a sala de aula e nem ensinar a terceira idade a abrir um blog. Pode ser isso também, mas a formação do tecnólogo é uma outra coisa, muito mais abrangente.

Todo mundo sabe que os Cefets são escolas técnicas de alto nível. Há muitas décadas que elas formam técnicos em várias áreas. Junto com os Cefets estão os Coltecs, das universidades federais.

Depois que alguém sai de um Cefet, para ter nível superior, o indivíduo tem que prestar um vestibular e entrar numa faculdade. Uma vez lá, ele deve passar no mínimo quatro anos estudando uma imensa lista de disciplinas. Caso o aluno esteja numa instituição federal, muitas vezes terá que enfrentar seus estudos num viés doutrinador e pesquisador.

Tudo isso é muito bom e é sabido por qualquer brasileiro que é difícil "bater" uma federal em termos de pesquisa e extensão. Isso vale também para as estaduais fortes, como USP e Unicamp (infelizmente não sabemos o que é isso em Minas Gerais). No entanto, grande parte dos estudantes universitários não pode e nem quer ficar quatro anos enfiado numa instituição que lhe dá pouco aporte prático para, efetivamente, exercer a profissão. Quantas pessoas saídas de federais levam um choque ao entrarem no famoso "mercado de trabalho"! Até mesmo para se referir aos "dois mundos", as pessoas dizem "a academia" e "o mercado lá fora". Enfim, parece ter ruído a ponte que fazia trafegar entre uma coisa e outra.

Talvez seja desnecessário citar as estatísticas. mas sabe-se que apenas 3% da população chega à universidade. Também há controvérsia homérica sobre o perfil do estudante de escola pública superior e quem é o aluno de particular, ao menos em média. Sabe-se que para estudar durante 4 ou 5 anos em horário comercial fica difícil trabalhar. E por aí vão as agruras desse estudante-trabalhador.

Os Cefets e Coltecs eram uma saída para aqueles que queriam se profissionalizar mais cedo. No entanto, na década de 1990 ficou insustentável não ter curso superior. O que fazer? Foi aí que o governo resolveu reacender a discussão sobre o ensino tecnológico e dar uma força para a criação dos cursos tecnológicos. Esses devem ser cursos com perfil profissionalizante, especialmente para o setor de serviços, que vão formar profissionais qualificados, em nível superior, para o mercado de trabalho, sem tanta preocupação em formar pensadores e pesquisadores de laboratório.

Os cursos tecnológicos duram em média 2 anos e atingem a faixa da população que não quer e nem pode ficar 4 anos na faculdade. O perfil desse aluno costuma ser bastante diferente do de um aluno de bacharelado. Trata-se de alguém que já trabalha, tem grande experiência prática na área, prefere estudar à noite e tem uma relação muito séria com a escola.

Os cursos tecnológicos começaram a acontecer há poucos anos e estão formando as primeiras turmas. Algumas faculdades particulares oferecem boas opções, outras são oportunistas. Mas isso sempre vai acontecer. Mas e o ensino tecnológico público? Bem, o Cefet do Paraná tornou-se Universidade Tecnológica este ano, uma UTF, como eles vão se chamar. Em 2006 é provável que outras UTFs surjam, como o Cefet de Minas Gerais e outros.

É claro que há questões menos bonitinhas envolvidas. Por exemplo: os cursos de Comunicação Social têm discutido a conveniência e a seriedade da existência de cursos tecnológicos de Comunicação Empresarial. É claro que esta discussão vai derivar para aquelas da reserva de mercado, do corporativismo, etc. Mas no final das contas, o que se quer fazer, ainda que nem sempre com sucesso, é gerar oportunidades mais pragmáticas e mais rápidas de formação superior para um mercado que não se sustenta mais só com o ensino médio.

É preciso organizar e conversar muita coisa, mas o crescimento do ensino tecnológico, para mim, foi uma boa tacada em 2005. Ah, sempre bom lembrar que curso tecnológico é muito diferente de curso seqüencial. Os primeiros têm todas as características do superior. O tecnólogo, uma vez formado, pode prestar concursos públicos e fazer pós-graduação, lato ou strictu senso, como queira.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
02. Tropa de Elite 2: realidade como osso duro de roer de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês