Quando a literatura ouve os ecos da realidade | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
>>> Joelmir Beting – O jornalista de economia mais influente da história do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Forever Young - photographs of Bob Dylan de Douglas R Gilbert pela Da Capo (2005)
>>> Sacerdotes seguindo Cristo - no caminho das Bem-Aventuranças de Dom alberto taveira corrêa pela Sementes do Verbo (2021)
>>> A grande arte de Rubem Fonseca pela Círculo do Livro
>>> A Bíblia do otimismo 1991 de R. Stanganelli pela Triade (2021)
>>> Umbigo sem fundo de Dash Shaw pela Quadrinhos na Cia (2009)
>>> Te-sendo Fios de Conhecimento de Aglael L. Borges pela Uape (2005)
>>> São Miguel da Humanidade: uma proposta antropológica de Luiz Carlos Barbosa Lessa pela Alcance (2005)
>>> Memorias de uma Moça Bem-comportada de Simone de Beauvoir pela Difusão européia (1959)
>>> Imperialismo na América Latina de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1974)
>>> O que todo cidadão precisa saber sobre mercado financeiro de Carlos Eduardo Carvalho pela Global (1985)
>>> Raul da Ferrugem Azul de Ana Maria Machado pela Salamandra (2013)
>>> Os velhos marinheiros ou O capitão de longo curso de Jorge Amado pela Record (1978)
>>> Pawana de J M G le Clézio pela Cosac Naify (2009)
>>> O Marujo Figurante de Marcelo Lisboa Ferilles pela Autoral (2014)
>>> No Cais do Primeiro Amor de Roseana Murray pela Larousse Jovem (2007)
>>> Brasil Potência de Vários Autores pela Unidas (1967)
>>> Fim de Partida de Samuel Beckett pela Cosac & Naify (2010)
>>> O Clube do Suicídio e Outras Histórias de Henry James; Vladimir Nabokov pela Cosac & Naify (2011)
>>> Relatos de um gato viajante de Hiro Arikawa pela Alfaguara (2017)
>>> A Gaivota de Anton Tchekhov pela Cosac & Naify (2014)
>>> Mas Afinal... o Que é Mesmo Documentário? de Fernão Pessoa Ramos pela Senac Sp (2008)
>>> A Colônia do Medo de Thiago Fernandes pela Leitura (2007)
>>> Cristianismo de Libertação Espiritualismo e Luta Social de Jung Mo Sung pela Paulus (2008)
>>> Pais e Filhos de Ivan Turguêniev; Rubens Figueiredo pela Cosac & Naify (2004)
>>> Três Filosofias de Vida de Peter Kreeft pela Quadrante (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 2/5/2006
Quando a literatura ouve os ecos da realidade
Marcelo Spalding

+ de 4000 Acessos

Última página. Você está quase no fim, no último ponto final, mas ainda não conseguiu descobrir se aquela história é verdadeira ou não. Pode ser... os detalhes das descrições, das informações, a proximidade das personagens com as que você vê na rua, nos jornais, tudo isso indica que a história seja real. Mas você torce para que não: a brutalidade dos acontecimentos, a animalização do homem e a sensação de falta de sentido para a vida são pesadas demais. Duras demais. Exageradas, até.

Eu poderia estar falando de O Cortiço (1880), de Aluísio Azevedo, clássico romance naturalista brasileiro. Ou de Vidas Secas (1938), de Graciliano Ramos, digno representante do chamado neorealismo. Ou ainda de Feliz Ano Novo (1975), de Rubem Fonseca, conto definitivo da prosa urbana. Mas escrevo sobre Subúrbio (Objetiva, 296 págs.), romance de Fernando Bonassi que, nas palavras de seu apresentador, "atualiza a prosa urbana da década de 70 com cores ainda mais sombrias".

A síntese feita pelo apresentador de Subúrbio, Manuel da Costa Pinto, só é possível porque foi publicada nesta segunda edição da obra, uma edição consciente da importância de seu texto como marco de uma geração, da retomada do realismo e da prosa urbana, um texto que "abriu caminho para uma série de ficcionistas que fizeram da São Paulo e do Rio de Janeiro suburbanos uma metonímia da tragédia brasileira" (o romance Cidade de Deus, de Paulo Lins, tornou-se o exemplo mais célebre).

Publicado em 1994 e revisto pelo autor doze anos depois, a história suburbana centra-se em um casal de velhos, ele aposentado de uma fábrica, ela dona de casa, um casal que no tempo da história já não conversava há 18 anos. As descrições são econômicas (e nesse sentido há uma grande diferença, ou se diria um avanço, do realismo/naturalismo originais) mas dão um tom de decadência, miséria e desilusão ao velho, à rua, aos vizinhos, ao subúrbio. Em toda a primeira parte as personagens são apresentadas como subprodutos daquela realidade definitiva: Naldinho é menos um menino que o mais temido bandido do bairro; a vizinha trai o marido desde que este foi acometido por grave e escatológica doença; no barbeiro, todos caçoam e humilham o velho chamando-o de broxa; no bar, todos gastam o pouco dinheiro em bebidas e conversas; na fila do banco, um homem que perdera o braço na revolução de 32 surta e é espancado pelo segurança. Um ambiente em preto e branco, um grande vírus que vai impregnando todos, e não apenas o casal de velhos.

Na segunda parte, surge uma cor neste mundo em preto e branco. Uma pessoa em meio aos brutos. Há vida, e a vida é uma menininha muito bonitinha (sempre descrita com diminutivos pelo narrador) que o velho encontra quando ela ia para a escola (e ele, para o bar). Os dois tornam-se amigos, uma amizade improvável e revigorante para o velho, que passa a fazer exercícios, aparar a barba, beber menos. A menina encontra, no velho, um pai, já que o seu trabalhava à noite como vigia e dormia durante o dia. E também um amigo: brincam de casinha, de comidinha, de boneca. O leitor já deve ter imaginado onde vai parar esse encontro da brutalidade com a candura, do velho lobo com a menininha.

A menina, assim, é ao mesmo tempo o centro da tragédia que encerra o livro e o ponto de partida para entendermos este Subúrbio aqui animalizado, um mundo de seres não apenas explorados mas excluídos pela sociedade, seres sem nome (apenas o bandido tem nome no livro de Bonassi), sem esperança, sem perspectivas, sem forças. Seres para quem a morte é, enfim, o descanso.

Afora questões técnicas e estilísticas a respeito do texto de Bonassi, que para este resenhista parece contundente, funcional e claro, o livro reaviva uma polêmica mal resolvida na literatura que é a sua relação com a realidade. Já Platão e Aristóteles discordavam sobre a função da poética, se era imitar ou representar a realidade. E se até os anos 60 o conceito de poesia enquanto representação perdurou, a partir de Roland Barthes não se pode mais falar em representação da realidade por ser impossível captarmos essa realidade. Palavras do mestre: "a função da narrativa não é de representar, é de constituir um espetáculo que permanece ainda para nós muito enigmático".

Contrário senso, nas palavras de outro teórico, um dos supostos efeitos da convenção estética é que determinados assuntos polêmicos são mais bem tolerados pelos leitores quando apresentados na literatura (ficção, poesia), do que no mundo "real". E se trazemos a este texto tantos teóricos é para mostrar como Bonassi consegue equilibrar-se nesta tênue linha entre realidade e ficção, não se furtando a expôr um mundo que a sociedade tenta excluir, um mundo desconhecido e, a partir deste mundo, tratar de um tema extremamente sério, difícil e mais comum do que se imagina, o abuso sexual infantil.

Valendo-se da ficção, Bonassi fez mais pelo combate a esta tragédia brasileira do que centenas de pesquisas científicas, ainda que tenham sido as pesquisas fundamentais para a tomada de consciência do problema pelo escritor. E fez mais porque expôs este assunto polêmico não para sugerir o extermínio do subúrbio mas para chamar a atenção da sociedade. Por outro lado, Subúrbio não se pretende definitivo nem fidedigno à realidade suburbana brasileira, tampouco a paulista. Menos pretensioso que Cidade de Deus nesse sentido, Subúrbio limita-se à história de um casal de velhos e seus vizinhos, à relação de um velho e uma menina como exemplares de uma sociedade.

Decerto a crítica foi e ainda será pesada contra o movimento que Bonassi, não propositadamente, inaugurou, um movimento de retomada da preocupação social na literatura. Não poucos acusarão obras deste tipo como sensacionalistas, exageradas, preconceituosas, até. Mas outros, quiçá muitos, olharão debaixo do tapete, olharão além das estatísticas e descobrirão rostos, vidas, gentes, meninas que um dia serão as mulheres e as velhas do mundo que não queremos enxergar. Do mundo que a Literatura (com L maiúsculo) por vezes finge não existir.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 2/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
03. A vingança dos certinhos de Marta Barcellos
04. Guimarães Rosa: um baiano de sangue de Ivan Bilheiro
05. Palhaço de Daniel Bushatsky


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nutrição Em Saúde Pública
José Augusto Taddei
Rubio
(2011)



Cândido Ou o Otimismo
Voltaire
Clássicos Econômicos Newton
(1996)



O Roubo dos Botões Iônicos - 1ª Edição
Wilson Rocha
Moderna
(1993)



Apolo 13 - Como Estes Homens Escaparam da Morte
Manchete, Nº 941 de 2 de Maio de 1970
Bloch
(1970)



Manual de Instruções para Cegos
Marcus Vinicius
7 Letras Funalfa



Muralhas de Saudades
Otávio Galvão Vilela
L. Oren
(1977)



Los Tratados de Espinosa - La Imposible Teologia del Bugues
Universidad de Murcia
Universidad de Murcia
(2006)



O Quimo nos Concursos - Pediatria Neonatologia
Mario Novais e Outros
Águia Dourada
(2005)



Os Escravos
Castro Alves
Komedi
(2011)



Entendendo e Dominando o Hardware
Ivan Max Freire de Lacerda
Digerati
(2007)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês