Quando a literatura ouve os ecos da realidade | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 2/5/2006
Quando a literatura ouve os ecos da realidade
Marcelo Spalding

+ de 3700 Acessos

Última página. Você está quase no fim, no último ponto final, mas ainda não conseguiu descobrir se aquela história é verdadeira ou não. Pode ser... os detalhes das descrições, das informações, a proximidade das personagens com as que você vê na rua, nos jornais, tudo isso indica que a história seja real. Mas você torce para que não: a brutalidade dos acontecimentos, a animalização do homem e a sensação de falta de sentido para a vida são pesadas demais. Duras demais. Exageradas, até.

Eu poderia estar falando de O Cortiço (1880), de Aluísio Azevedo, clássico romance naturalista brasileiro. Ou de Vidas Secas (1938), de Graciliano Ramos, digno representante do chamado neorealismo. Ou ainda de Feliz Ano Novo (1975), de Rubem Fonseca, conto definitivo da prosa urbana. Mas escrevo sobre Subúrbio (Objetiva, 296 págs.), romance de Fernando Bonassi que, nas palavras de seu apresentador, "atualiza a prosa urbana da década de 70 com cores ainda mais sombrias".

A síntese feita pelo apresentador de Subúrbio, Manuel da Costa Pinto, só é possível porque foi publicada nesta segunda edição da obra, uma edição consciente da importância de seu texto como marco de uma geração, da retomada do realismo e da prosa urbana, um texto que "abriu caminho para uma série de ficcionistas que fizeram da São Paulo e do Rio de Janeiro suburbanos uma metonímia da tragédia brasileira" (o romance Cidade de Deus, de Paulo Lins, tornou-se o exemplo mais célebre).

Publicado em 1994 e revisto pelo autor doze anos depois, a história suburbana centra-se em um casal de velhos, ele aposentado de uma fábrica, ela dona de casa, um casal que no tempo da história já não conversava há 18 anos. As descrições são econômicas (e nesse sentido há uma grande diferença, ou se diria um avanço, do realismo/naturalismo originais) mas dão um tom de decadência, miséria e desilusão ao velho, à rua, aos vizinhos, ao subúrbio. Em toda a primeira parte as personagens são apresentadas como subprodutos daquela realidade definitiva: Naldinho é menos um menino que o mais temido bandido do bairro; a vizinha trai o marido desde que este foi acometido por grave e escatológica doença; no barbeiro, todos caçoam e humilham o velho chamando-o de broxa; no bar, todos gastam o pouco dinheiro em bebidas e conversas; na fila do banco, um homem que perdera o braço na revolução de 32 surta e é espancado pelo segurança. Um ambiente em preto e branco, um grande vírus que vai impregnando todos, e não apenas o casal de velhos.

Na segunda parte, surge uma cor neste mundo em preto e branco. Uma pessoa em meio aos brutos. Há vida, e a vida é uma menininha muito bonitinha (sempre descrita com diminutivos pelo narrador) que o velho encontra quando ela ia para a escola (e ele, para o bar). Os dois tornam-se amigos, uma amizade improvável e revigorante para o velho, que passa a fazer exercícios, aparar a barba, beber menos. A menina encontra, no velho, um pai, já que o seu trabalhava à noite como vigia e dormia durante o dia. E também um amigo: brincam de casinha, de comidinha, de boneca. O leitor já deve ter imaginado onde vai parar esse encontro da brutalidade com a candura, do velho lobo com a menininha.

A menina, assim, é ao mesmo tempo o centro da tragédia que encerra o livro e o ponto de partida para entendermos este Subúrbio aqui animalizado, um mundo de seres não apenas explorados mas excluídos pela sociedade, seres sem nome (apenas o bandido tem nome no livro de Bonassi), sem esperança, sem perspectivas, sem forças. Seres para quem a morte é, enfim, o descanso.

Afora questões técnicas e estilísticas a respeito do texto de Bonassi, que para este resenhista parece contundente, funcional e claro, o livro reaviva uma polêmica mal resolvida na literatura que é a sua relação com a realidade. Já Platão e Aristóteles discordavam sobre a função da poética, se era imitar ou representar a realidade. E se até os anos 60 o conceito de poesia enquanto representação perdurou, a partir de Roland Barthes não se pode mais falar em representação da realidade por ser impossível captarmos essa realidade. Palavras do mestre: "a função da narrativa não é de representar, é de constituir um espetáculo que permanece ainda para nós muito enigmático".

Contrário senso, nas palavras de outro teórico, um dos supostos efeitos da convenção estética é que determinados assuntos polêmicos são mais bem tolerados pelos leitores quando apresentados na literatura (ficção, poesia), do que no mundo "real". E se trazemos a este texto tantos teóricos é para mostrar como Bonassi consegue equilibrar-se nesta tênue linha entre realidade e ficção, não se furtando a expôr um mundo que a sociedade tenta excluir, um mundo desconhecido e, a partir deste mundo, tratar de um tema extremamente sério, difícil e mais comum do que se imagina, o abuso sexual infantil.

Valendo-se da ficção, Bonassi fez mais pelo combate a esta tragédia brasileira do que centenas de pesquisas científicas, ainda que tenham sido as pesquisas fundamentais para a tomada de consciência do problema pelo escritor. E fez mais porque expôs este assunto polêmico não para sugerir o extermínio do subúrbio mas para chamar a atenção da sociedade. Por outro lado, Subúrbio não se pretende definitivo nem fidedigno à realidade suburbana brasileira, tampouco a paulista. Menos pretensioso que Cidade de Deus nesse sentido, Subúrbio limita-se à história de um casal de velhos e seus vizinhos, à relação de um velho e uma menina como exemplares de uma sociedade.

Decerto a crítica foi e ainda será pesada contra o movimento que Bonassi, não propositadamente, inaugurou, um movimento de retomada da preocupação social na literatura. Não poucos acusarão obras deste tipo como sensacionalistas, exageradas, preconceituosas, até. Mas outros, quiçá muitos, olharão debaixo do tapete, olharão além das estatísticas e descobrirão rostos, vidas, gentes, meninas que um dia serão as mulheres e as velhas do mundo que não queremos enxergar. Do mundo que a Literatura (com L maiúsculo) por vezes finge não existir.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 2/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
02. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo
03. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
04. Pantanal de Marilia Mota Silva
05. Dando conta de Minas de Marta Barcellos


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NO EXTREMO DA TERRA, A ANT?RTIDA
PIERRE AV?ROUS / EDDY KRAHENBUHL
AUGUSTUS
(1996)
R$ 4,00



CERÂMICA NO BRASIL E NO MUNDO
ARISTIDES PILEGGI
LIVRARIA MARTINS
(1958)
R$ 89,70



REVISTA DIALÉTICA DE DIREITO TRIBUTÁRIO
VALDIR DE OLIVEIRA ROCHA
DIALÉTICA
(2004)
R$ 10,00



MAL SECRETO
ZUENIR VENTURA
OBJETIVA
(1998)
R$ 10,00



BRAS BEXIGA E BARRA FUNDA
ALCANTARA MACHADO
OBJETIVO
R$ 5,00



O INCONSCIENTE POLÍTICO
FREDRIC JAMESON
ÁTICA
(1992)
R$ 190,00



PENSÃO RISO DA NOITE
JOSÉ CONDÉ
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1973)
R$ 7,90



TORNE SUA VIDA MAIS SIMPLES
KAREN LEVINE
NOBEL
(1998)
R$ 8,00



A IMITAÇÃO DOS SENTIDOS
LEOPOLDO M. BERNUCCI
EDUSP
(1995)
R$ 40,00



HISTÓRIA DA RIQUEZA DO HOMEM
LEO HUBERMAN
ZAHAR
(1972)
R$ 35,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês