Você se sente mais brasileiro por causa da Copa? | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
>>> Jovens blogueiros, envelheçam (extras)
Mais Recentes
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
>>> An Introduction To The Physics Of Semiconductor Devices (the Oxford Series In Electrical And Computer Engineering) de David J. Roulston pela Oxford University Press (1998)
>>> Manual De Mães E Pais Separado de Marcos Wettreich pela Ediouro (2006)
>>> Manual Para Não Morrer De Amor de Walter riso pela Academia (2017)
>>> Mães De Milhares De Milhares de Márcia Silva pela Vinha (2023)
>>> Patologia Geral - Bogliolo - 3ª Ed. de Brasileiro Filho Geraldo pela Guanabara (2004)
>>> Como Ensinar Seu Bebê A Ler: A Suave Revolução de Glenn e Janet Doman pela Madras (2018)
>>> A Face Cinza da Fé de Jader Guterres Hoffmeister pela Feic (2014)
>>> Introducao A Ciencia Da Computacao de Enrico Giulio Franco Polloni pela Cengage (2003)
>>> Para Tão Longo Amor Tão Curta a Vida de Luís de Camões pela Ftd
>>> Fundamentos de um ministério frutífero de Aluizio A Silva pela Vinha (2018)
>>> Como Passar Em Provas E Concursos de William Douglas pela Impetus (2024)
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Terça-feira, 20/6/2006
Você se sente mais brasileiro por causa da Copa?
Marcelo Spalding
+ de 11000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

No tempo do meu avô, brasileiros foram para a Guerra defender sua pátria e sua bandeira. No tempo do meu pai, brasileiros foram mortos e exilados por não amarem sua pátria e sua bandeira. Hoje, corpo ereto, mão direita no coração, cantamos o hino nacional em frente à televisão onde estão os onze heróis que defenderão nossa pátria e nossa bandeira. Mas, afinal, que pátria é essa?

Um intelectual muito conhecido, Homi Bhabha, tornou-se célebre pelos seus estudos acerca da nação como narração. Para ele, a idéia de nação com fronteiras bem definidas, bandeira, língua e identidade firmes e próprias é uma criação da modernidade com fins políticos (as pessoas precisavam se sentir parte do país para lutar em nome dele, respeitar suas leis e pagar seus impostos). Bhabba alerta para a diversidade existente dentro das próprias nações mesmo quando este conceito foi criado, especialmente no século XIX, e lembra como essa diversidade sempre foi reprimida por um discurso oficial e homogeneizador da nação, o discurso do estado, das escolas, da mídia, da literatura.

Verdade que hoje se tem muito mais noção de como o conceito de nacionalidade é delicado e do quanto somos dependentes dos demais países (financeira, política e culturalmente). Muitos já estudam em outro país, casam-se com mulheres de outro continente, têm filhos de outras nacionalidades. Alguns namoram uma espanhola pela internet ou investem na Bolsa de Tóquio. Ainda assim existe a Seleção Brasileira, os onze heróis e a camisa verde-amarela.

Não quero ser mais um a acusar injustamente o futebol de alienante, mas quero chamar a atenção de como a Copa do Mundo se tornou o melhor palco para a exibição do espírito nacional. Depois que as guerras perderam sentido e que todos se horrorizaram com a raça dita superior, restaram a cultura e o esporte para representar um país. A cultura, por aqui, fez e faz sua parte com Tom Jobim, Caetano Veloso, Seu Jorge, mas inevitavelmente a cultura representará mais uma classe do que a totalidade do povo. Já o esporte, e especialmente o futebol, conseguiu ao longo do tempo representar o rico e o pobre, o branco e o preto, o do sul e o do norte. E a Copa do Mundo é o grande palco para exibir essa metonímia da nação. Um jogo entre Alemanha e Polônia torna-se um ajuste de contas histórico por causa das guerras e invasões entre os dois países, uma partida entre Portugal e Angola se transforma em símbolo do embate entre capital e colônia, a primeira participação em copas de Trinidad e Tobago vira epígrafe da inserção do país no contexto internacional.

O próprio presidente da ONU, Kofi Annan, em artigo publicado pouco antes do começo da Copa, admite que a "Copa do Mundo nos enche de inveja, pois é um jogo no qual só importam duas coisas: o talento e o trabalho em equipe. Tomara tivéssemos essa mesma igualdade na arena global, um comércio livre e justo sem a interferência de subvenções, barreiras ou tarifas".

Mesmo a Copa do Mundo, porém, reflete os novos tempos da nossa sociedade, um tempo de "culturas híbridas", como gostam de dizer os intelectuais. Se você ver a fotografia de Gerald Asamoah, atacante "alemão" que jogou na Copa de 2002 e volta em 2006, dirá que pertence a qualquer seleção africana, talvez à brasileira, mas nunca a da Alemanha, país que há menos de cem anos exaltou a raça ariana. Mais incrível é o caso de outros dois atacantes (não) alemães, Klose e Lukas Podolski. Ambos nasceram na Polônia, primeiro país invadido por Hitler em 1939. É possível que algum de seus avôs ou bisavôs tenham sucumbido por uma bala alemã, mas em 14 de junho de 2006 ambos entraram em campo e cantaram o hino alemão como um dos onze heróis que arrancariam a histórica vitória dos poloneses aos 46 do segundo tempo.

Outro exemplo já clássico é o de Zinedine Zidane, filho de imigrantes argelinos e principal jogador da história do futebol francês depois da Copa de 98. Aliás, naquela seleção ainda haviam o zagueiro Desailly, nascido em Gana, o lateral Thuran, em Guadalupe, um arquipélago no Mar do Caribe, o volante Karembeu, da Nova Caledônia, um arquipélago no Oceano Pacífico, os meio-campistas Djorkaeff, de origem armênia, e Trezeguet, filho de argentinos, além de Patrick Vieira, nascido em Dakar, Senegal. Jornalistas à época diziam que a conquista do título era um "tapa na cara" de pessoas como Jean-Marie Le Pen, líder da direita francesa que fez campanha contra os imigrantes (aliás, uma luta reacendida há poucos meses com a revolta dos estudantes).

Enfim, a Copa do Mundo pode até fazer com que nos sintamos mais brasileiros ou com que aumente nosso orgulho pelo Brasil. Nada de mal em vestir verde e amarelo ou pintar o rosto de azul com estrelas brancas. Mas tomara que nunca mais essa construção narrativa que é a nação, travestida com o poder do Estado, convoque jovens para morrerem pela pátria no além-mar. Tomara que nunca mais governos autoritários exijam que se ame ou se deixe o Brasil. E muito menos que um presidente prenda e mate homens, mulheres e crianças que não tenham seu sangue em nome de uma raça. Fatos que parecem esquecidos nos livros de história mas que me vêm em mente a cada vez que ouço (nos intervalos da Copa, é claro) notícias vindas do Iraque, do Afeganistão, da prisão de Guantánamo...


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 20/6/2006

Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
03. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/6/2006
22h01min
Marcelo, isso me fez pensar que os jogadores da Seleção Brasileira: são brasileiros, mas não são (dos) nossos. Estão todos, ou quase todos, jogando fora do Brasil.
[Leia outros Comentários de Ana Mello]
3/7/2006
22h45min
Agora sinto que é besteira falar de futebol, é talvez bom falar de amor. O amor quando é grande não cabe num oceano, e quem ensinou-me isto foi o poeta e professor Antenor, já Paulo Freire dizia que o amor é a comunicação íntima que se respeita, mas eu penso que o amor é um beliscão que dói e demora passar, é um beijo que deixa marcas.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Los juegos sexuales de los niños
Nicole Dallayrac
Granica
(1972)



O Gênio do Crime - Uma Aventura da Turma do Gordo
Joao Carlos Marinho
Global
(2005)



A Arte da Pesquisa
Wayne C. Booth e Outros
Martins Fontes
(2000)



Sociedades Secretas, mais mentiras do que mistérios
Revista de História da Biblioteca Nacional
Biblioteca Nacional
(2011)



As Mulheres de Terça-Feira
Monika Peetz
Casa da Palavra
(2013)



Til
José De Alencar
Martin Claret
(2012)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira Fruto do Pecado
Nora Roberts
Harlequin Books
(2014)



Framework Level 1 a Students Book
Ben Goldstein / Ceri Jones
Richmond
(2006)



Alex Flemming - Série Artistas Brasileiros
Ana Mae Barbosa
Edusp - Imprensa Oficial
(2000)



Pauliceiq Desvelada
Marta Oliveira; Ana Lucia Queiroz (org.)
Manesco
(2011)





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês