Legião o quê? | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
Mais Recentes
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 2 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Gramática do Texto – Texto da Gramática de Samira Yousseff Campedelli & Jésus Barbosa Souza pela Saraiva (2001)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 1 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Matemática volume único ensino médio de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce e David Degenszajn pela Atual (2011)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quinta-feira, 27/7/2006
Legião o quê?
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O leitor de hoje certamente conhece a banda Legião Urbana, que encerrou sua carreira musical com a morte de Renato Russo em 1996. Com meus quase 30 anos, sou da geração que viveu o auge da banda nos anos 90, só que tem um detalhe na minha biografia que deve ser mencionado: eu não ouvia Legião Urbana, e nem gostava de bandas de rock. Era preconceituoso mesmo, só queria saber de MPB. Isso nos meus 12, 15 anos de idade.

Claro que não era tão alienado de nunca ter ouvido algumas músicas, como "Monte Castelo", "Pais e Filhos", "Eduardo e Mônica" e "Que País é Este?", mas eu era daqueles que não gostava nem de passar perto. Passava tardes gravando em K7s músicas da Musical FM e nem aí para o que todos ao meu redor e da minha idade ouviam. Queria Tom Jobim, isso sim que era música, o resto era ruído. Até hoje penso assim de algumas bandas de heavy metal...

Minha relação com o Legião Urbana começou tardiamente, quase em seu fim. Na verdade, o primeiro CD que comprei da banda foi em 1996, alguns meses antes de Renato Russo morrer. Comprei o Música para Acampamentos, uma coletânea da qual não gostei de quase nenhuma música, tirando algumas clássicas. Ainda estava ressabiado com a banda, queria abrir meus horizontes, começara a ouvir Barão Vermelho e queria conhecer mais de bandas de rock nacional. O Legião era obrigatório para qualquer garoto que quisesse ganhar alguma menina. Na época, eu não conhecia Legião e não tinha ganhado nenhuma guria também. Era um outsider completo, de certa forma ainda sou, mas há 10, 15 anos, eu era quase uma aberração.

O Legião me conquistou, por incrível que pareça, não com "Pais e Filhos", o hit intragável de "Faroeste Caboclo" ou então o grito de guerra "Geração Coca-Cola". Nada disso me instigou a ouvi-los mais e mais. O CD que me marcou foi o derradeiro da banda, A Tempestade ou O Livro dos Dias. Aquele CD em formato diferente, sem a tradicional caixinha, mas sim um livrinho direto em papel, a cor azul, o disco preso na última capa. Aquilo sim que era um CD, aquelas músicas sim que me marcaram e ouço até hoje.

Lembro que comprei logo que lançaram, na minha ânsia de abrir o leque de opções de meu toca-CD (e ver se alguma garota se interessava por mim, afinal, o must daquela época era as rodinhas de violão e o garoto que conseguisse tocar "Faroste Caboclo" de cabeça...). Renato Russo morreu poucos dias depois. Não chorei como todos da minha idade choraram. Sei de gente que sentou atrás da porta do quarto e ficou a chorar, a cair em lágrimas como se fosse a perda de um ente querido. De fato, para aqueles jovens, ele era mais que isso. Algo que eu não sei porque não vivi sua morte como algo profundo. Para mim, ouvindo aquelas músicas de A Tempestade, parecia que Renato Russo já estava dando seu adeus, já escancarava a todos sua tristeza, melancolia, sua dor e sua angústia. A Tempestade derrama angústia do início ao fim, era de fato a última balada de um adeus encenado e bem orquestrado. O cantor e compositor despedia-se de todos pela música, e isso eu percebi.

Qual o impacto de um CD desses num garoto solitário, sem garotas, amante da segunda geração do romantismo, especialmente Álvares de Azevedo e sua Lira dos 20 Anos, que adorava o tema do sofrimento e da melancolia? Foi identificação à primeira tocada. "A Via Láctea", "Longe do meu Lado", "Dezesseis", "Mil Pedaços", "Leila", "Esperando por mim" e "Quando Você Voltar", músicas que detonavam meu lado romântico e desabrochava meu espírito nada sereno de que sofrer por amor era algo digno, louvável, edificante. Até hoje corre em minha mente certa idéia de que o verdadeiro amor é aquele em que não há o toque, a paixão, o sexo, o cotidiano. Haveria forma mais pura de amor que aquele alimentado e operado dentro de nossa mente, trabalhado pelo sujeito e canalizado para outro ser sem que houvesse a presença física? Amor sem o corpo. É possível amar sem o corpo?

Para ilustrar essa idéia, recorro a dois exemplos encontrados em um filme e em uma peça teatral. O filme é Adaptação, de Spike Jonze, com Nicolas Cage. Em certo momento, os dois irmãos gêmeos estão fugindo de um homem que quer matá-los e acabam por relembrar algo da juventude, da época do colégio. Um conta para o outro que este tinha feito papel de bobo diante da menina pela qual era apaixonado, pois depois que ele falou com ela, ela falou mal dele para a amiga. O irmão ouviu, mas não contou nada, só revelando aquilo naquele momento em que suas vidas estavam em perigo. O outro responde sem se impressionar algo assim: "isso é um problema dela porque eu tinha o meu amor, eu sentia aquilo e não deixei de sentir, eu vivi aquilo e fui feliz". Era o amor independentemente de haver correspondência. O amor platônico, vivido por aquele que ama sem se importar com a contrapartida.

O outro exemplo vem de Variações Enigmáticas, peça encenada com Paulo Autran em 2003 de um texto de Eric-Emmanuel Schmitt, traduzido pelo próprio ator (lançado em livro pela Editora Francisco Alves). Autran interpreta um velho escritor que mora isolado numa ilha e que recebe um jornalista para uma entrevista. Aquele senhor é austero, cínico e não perde a chance de cutucar o jornalista, que se revela um tanto fraco emocionalmente. O centro da conversa é sobre o último livro do escritor, que é uma reunião de cartas trocadas entre um homem e uma mulher que viveram uma grande paixão e se separaram voluntariamente. Desde então, viviam do amor emanado nas cartas. O amor entre eles era plenamente vivido por cartas, por demonstrações de amor e carinho escritas, sem se apegarem ao físico, ao estar junto, ao viver e envelhecer juntos. Assustava-o a idéia do cotidiano, da degradação da relação a ponto de evitar tudo isso simplesmente pela ausência um do outro. Em certo momento, questionado por que não se casaram, ele explica:

"Eu amava Helena. Queria que o 'para sempre' das nossas juras de amor durasse para sempre de verdade. Eu sei que a eternidade das paixões dura pouco. (...) Eu impus a separação para que nosso amor se fortificasse. (...) A vida a dois desenvolvia uma tensão intolerável: o fato de estarmos juntos na mesma sala, na mesma cama, nos lembrava sem cessar que nós éramos dois e não um. Eu nunca me senti tão só como quando roçava nela o dia inteiro. Nós nos jogávamos um sobre o outro para aplacar uma sede maior que nós, uma sede interminável, que se transformava em fúria, nós fazíamos amor noite e dia... longamente, furiosamente... queríamos nos transformar numa só carne. Para nos separarmos era como se tivéssemos que amputar uma parte um do outro. (...) Você já percebeu a crueldade que existe em uma carícia? A carícia aproxima? Não, ela separa. A carícia irrita, exacerba; entre a palma da mão e a pele há uma distância intransponível, em cada carícia há uma dor, a dor de não se unir de verdade. (...) ...queríamos destruir tudo que nos separava, ser um, enfim, um só em uma fusão definitiva. Mas era inútil, eu continuava eu e ela continuava ela. Então, tínhamos ainda a esperança do orgasmo; sentíamos que ele ia chegando, irresistível, aquele segundo em que nós ficaríamos enfim juntos, onde nós íamos nos confundir um com o outro, onde talvez, enfim... Um espasmo. Outro espasmo. E novamente a solidão. O orgasmo é apenas uma maneira de recair na própria solidão.

E finaliza com o seguinte:

"Aquilo não era mais amor, era escravidão. Eu só pensava nela, eu não escrevia mais nada, eu tinha necessidade dela."

Essa concepção do amor tem eco no que tenho em mim do Legião Urbana: uma ode ao amor aos termos românticos novecentistas, ao amor sem correspondência, distante, platônico, o sentimento de autocompaixão. E isso porque sofrível, doloroso, melancólico, mesmo aqueles amores que deram certo por um tempo. Parece que o amor, em qualquer caso, vai acabar. Parece que o homem busca o amor e o vive à espera de seu fim.

Penso comigo como seria a música "Eduardo e Mônica" se composta na fase final do Legião. Imaginem a versão que sairia se composta para o CD A Tempestade... Haveria amor possível entre duas pessoas tão diferentes quanto Eduardo e Mônica?

Nota do Editor
Leia também "Todos os amores acabam".


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 27/7/2006


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2006
01. A Barsa versus o Google - 16/3/2006
02. A favor do Brasil, contra a seleção! - 22/6/2006
03. Europeus salvaram o cinema em 2006 - 21/12/2006
04. Aproximações políticas, ontem e hoje - 5/10/2006
05. Legião o quê? - 27/7/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
10h40min
Lucas, está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas não põe o Platão no meio. Olha só, Platão descreveu o amor com o sentimento de completude, aquela história de metade da laranja, alma gêmea e perfeição muito bem correspondida e realizada fisicamente, sim. No Romantismo, um personagem de Goethe, o jovem Werther, declarava seu amor platônico por uma mocinha e, por não ter seu amor retribuído, se mata. Pronto, estava feita a associação com amor platônico e não-realização. Naquela época muito mais gente leu Goethe que Platão, mas citar os gregos sempre pega bem, parece chique, de modo que até hoje permanece a idéia (errada) de amor platônico (=não correspondido), espiritualizado, não concretizado, idealizado. Você pode continuar romântico, fique à vontade, é muito bom para aprofundar a sensibilidade mas se você quer um amor platônico, vai ter que batalhar sua alma gêmea e ser feliz. Abraços, Irene.
[Leia outros Comentários de Irene Fagundes Silva]
26/7/2006
12h22min
E já que vc citou os gregos, essa associação de prazer e dor vem lá de Zeus. Diz que as serpentes que tinham esse nome eram inimigas e brigavam muito. Na tentativa de fazê-las parar, Zeus as une para todo o sempre. Daí sempre os dois sentimentos serem assim, tipo cu e bunda, unha e carne. Mas esse papo de amor sem corpo, sem carne, hum... sei não... tira dele a maior parte da graça. Bom texto, apesar da escorregada platônica. bjos
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
26/7/2006
14h12min
Caramba, o que são esses comentários? Na leitura do artigo torna-se claro que a referência ao “amor platônico” diz respeito a um uso ligado ao senso comum e não propriamente à filosofia de Platão. É injusto falar que o autor “cita os gregos” porque ele não o faz, logo, criticá-lo por esse motivo perde a legitimidade. Para mim, o artigo trata sobre o amor de forma despretensiosa e subjetiva, o que implica que não somos obrigados a concordar com esse ponto de vista, mas não devemos nos vendar para o fato de que é instigante e provocadora a noção de amor de que nos fala o autor. Livre de qualquer ameaça carnal que representaria o fim, o começo do fim – para tanto basta vermos os filmes de Ozon e Antonioni –, o autor propõe uma relação que desafia o estatuto do “amor” visto por lentes possessivas. Quanto aos comentários, não sei se chegaram a tocar no texto...
[Leia outros Comentários de Martinho Junior]
28/7/2006
10h36min
Lucas, realmente é uma pena você somente ter conhecido a linguagem urbana de Renato Russo na metade dos anos 90. Tenho 33 anos e tive a oportunidade de um dia, em 1986, ouvir pela pela primeira vez "Andrea Doria", que está no LP DOIS, com os seguintes versos: "quero ter alguém com quem conversar, alguém que depois não use o que disse contra mim". Este é o verdadeiro amor que Renato Russo gostava de expressar, sem amarras e amplo na sua totalidade. Na verdade, entendemos que o amor é tudo ou nada. E, parafraseando Russo, quem inventou o amor?Me explica por favor?
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Participação do Estado na Atividade Econômica: Limites Jurídicos
Toshio Mukai
Revista dos Tribunais (sp)
(1979)
R$ 13,82



Rumo à Liberdade
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1989)
R$ 5,90



Polifonistas Portugueses Duarte Lobo Filipe de Magalhães Francisco ...
José Augusto Alegria
Bertrand
(1984)
R$ 20,00



Gimnasia En La Infancia
Miguel J. Pérez Carrillo
Hispano
(1978)
R$ 5,00



Fundamentos Teóricos e Filosóficos do Novo Direito Constitucional
Revista Direito Federal - Ano 20 - Número 67
Ajufe
(2001)
R$ 23,28



A Relação Médico Cliente em Ginecologia e Obstetrícia 2a. Edição
Maria Tereza Maldonado Paulo Canella
Roca
(1988)
R$ 18,00



Coaching para pais - Volume 2
Iara Mastine, Maurício Sita, lohaine Thomas
Literare Books International
(2019)
R$ 49,90



Sentidos, Potencialidades e Usos da (auto) Biografia
Paula Perin Vicentini, Paula Perin Vicentini
Cultura Academica
(2010)
R$ 24,00



A Mão e a Luva
Machado de Assis
Edições de Ouro
R$ 6,90



Its Not How Good You Are, Its How Good You Want to Be
Paul Arden
Phaidon Press
(2007)
R$ 12,00





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês