Do Caos, Dalí e os idiotas | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
>>> As propriedades curativas dos cristais e das pedras Preciosa de Katrina Raphael pela Pensamento (1995)
>>> Justça Além da Vida de José Carlos de Lucca pela Petit (2001)
>>> Vida Ativa de Parker J. palmer pela Cultrix (1990)
>>> Amor e Vida de René Pessa pela Seja (1996)
>>> Você já viveu outras Vidas de Kurt Allgeier pela Ediouro (1998)
>>> A Misericórdia Divina nos liberta do passado de Izoldino Resende pela Chico Xavier (2012)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 12/9/2001
Do Caos, Dalí e os idiotas
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Daniela Mountian

Nenhuma ideologia ou religião, sob qualquer justificativa, explica a morte de inocentes. Os ataques terroristas realizados nos Estados Unidos, sob a bandeira do anti-imperialismo, da anti-globalização, da resistência islâmica, são a marca de uma guerra que em muito extrapola o que se pode considerar "civilização".

A guerra sempre fez parte da história da Humanidade. Desde o momento, para o crente, em que Caim matou Abel, instalou-se a guerra. Com o passar do tempo, o entanto, os povos foram estabelecendo regras para estes conflitos. Uma destas regras reza que um ataque não pode ser desferido sem uma declaração normal de guerra.

Não que o conflito seja mais humanitário hoje que no século V, por exemplo; estas regras foram feitas para evitar que civis sofressem em lutas que deveriam ser travadas exclusivamente por militares.

O terrorismo é a sublevação destas regras. Seu alvo principal são civis, porque a crença dos terroristas é de que a morte de um civil, em seu cotidiano pacífico, é muito mais chocante que a morte de militares no campo de batalha.

Têm razão. A implosão do World Trade Center é mais chocante que o ataque a Pearl Harbor, por exemplo, porque aniquila a vida simplória do americano médio, que se preparava, à 8h48, para começar mais um dia de trabalho na Big Apple.

O número incerto de mortos é o que menos importa, neste momento. Pensar em números extravagantes eleva o acontecimento ao nível de catástrofe, mas não revela a extensão da tragédia. Só a redução do fato ao indivíduo é capaz de tornar o seqüestro dos aviões e a posterior queda forçada dos mesmos sobre alvos estratégicos algo realmente triste, que se sobreponha aos júbilos de anti-americanismo ou anti-semitismo que por ventura se veja agora.

E que não nos seja furtada a capacidade de nos entristecermos pela inocência dos mortos. Este, sim, o verdadeiro Caos.

* * *

Duas visões da maldade humana. Uma de perto, outra pela televisão. Ambas me fazem lembrar da frase de Shakespeare: "o homem é mau, e reina em sua maldade".

A primeira destas visões que jamais vou esquecer vem de dentro da própria redação. É mais de uma da tarde e estou como um louco escrevendo sobre o atentado no World Trade Center. Estou perplexo ainda. Entra ele: jornalista, trinta e poucos anos, óculos grossos, líder de uma banda de garagem. Chega bradando aos quatro ventos dos ares-condicionados: cadê o Super-Homem agora?, cadê o Capitão América? Olho para o meu editor e apenas aceno com a cabeça. Lembro que ontem mesmo fui insultado pelo mesmo e distinto senhor, porque falei mal, numa nota, sobre o Michael Jackson. Fiquei pensando se valia a pena retribuir, nesta hora, o insulto. Valia a advertência da chefia? Provavelmente não. Afinal, o homem estava morto mesmo.

Pelo menos foi assim que o diagnostiquei mais tarde, com a cabeça mais fria. Vendo, revendo e tresvendo a cena das torres despencando, as pessoas correndo dos detritos, disse a um colega, anti-americano convicto, se duvidar até comunista, que não importava que o país atingido fosse o mais odiado do mundo; não importava que aquele acontecimento arranhasse a imagem de superpotência dos Estados Unidos. O que importava realmente, naquele momento, era a tragédia pequena, individual, que as televisões teimam em não mostrar. O colega me olhou de soslaio, como se perguntasse porque eu falava aquilo para ele.

Na tela da TV, uma mulher chorava, contando como as pessoas se jogavam das janelas. Imediatamente eles mostraram, em close, as pessoas pulando para o vazio, para uma morte mais rápida que a pelo fogo. Apontei para ele e disse que aquilo, sim, me interessava. Não Bush, o débio-mental mais poderoso do mundo. Nem Arafat, nem G-8, o escambau. Interessava-me aquele homem que se jogava da janela. E sentenciei: quem não for capaz de perceber a gravidade que é aquele homem se jogando da janela, tem mais é que dar um tiro na cabeça, porque humano, certamente, não é.

Neste momento, do outro lado do mundo, tenho mais um exemplo da maldade. Uma maldade que nada tem a ver com Hitler e seus 6 milhões de mortos em campos de concentração. Que não é a maldade das multidões, mas aquela que está concentrada num só indivíduo.

Gorda, patusca, olhos fundo-de-garrafa. Olha para a câmera empunhando uma bandeira. Qual bandeira pouco importa. Ela ri na Faixa de Gaza. Comemora o ataque no World Trade Center como quem comemora uma final de jogo de futebol. Mostra seus dentes. Balança os peitos grandes e flácidos da sua ignorância. E se regozija porque naquele exato momento, acabou de igualar-se ao mais traiçoeiro dos animais, provavelmente extinto do planeta por um raio fulminante de Deus.

Aquela senhora, assim como o jornalista de que falei, são belos espécimes da Burrice.

* * *

Dali, o pintor, era constantemente condenado por suas declarações. Falava o histriônico gênio surrealista que o mundo precisava, sim, de uma guerra. Porque a guerra, segundo Dalí, um adorador de Freud, exalta as emoções humanas, cria laços eternos, desfaz outros, enfim, transforma este ser muitas vezes enclausurado na banalidade num ser cheio de vida e fúria.

Talvez valha a reflexão.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 12/9/2001


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/11/2001
01h47min
A respeito do texto acima sobre o WTC, o escritor comparou esta tragedia com Pearl Harbor como o fizeram a maioria dos americanos e em outras partes do mundo tambem. Eu fico pensando, porque ninguem comparou com as bombas que eles jogaram no Japao? Ha muito tempo atras eu tive o privilegio de assistir a uma palestra de um simples professor de quimica, descendente de japoneses, que falou e mostrou slides sobre a bomba de Hiroshima. O professor foi simples em sua modesta palestra, com pouca gente, num dos cursinhos mais baratos de S.Paulo, mas foi comovente, ele mostrou que ate hoje, pessoas estao morrendo por causa daquelas bombas. Eu nunca esqueci daquela palestra. Quando vi as imagens do terror na TV em 11 de setembro, a primeira coisa que me veio a mente foi a sala de aula com a palestra sobre a bomba no Japao. E pensei comigo: esta acontecendo de novo, em nome de uma bandeira (ou de bandeiras?) tanta gente inocente morreu, continua morrendo. O que aconteceu no Japao nao afetou um "bom" cidadao americano. O que aconteceu no WTC afetou nao so a eles mas "ferrou" com todo mundo.
[Leia outros Comentários de Marli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LÍNGUA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO, CURSO COMPLETO (SEMI NOVO)
SIQUEIRA E BERTOLIN
IBEP
(2005)
R$ 23,27



A CONSTRUÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DO CANTOR LÍRICO
MÁRCIA ALIVERTI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



HISTORIA ECONOMICA E ADMINISTRATIVA DO BRASIL
BRASIL BANDECCHI
OBELISCO
R$ 6,00



POR QUE TE AMO?
CYNTHIA RUBERT
VERGARA & RIBA
(2004)
R$ 9,90



ESTUDO COMPARADO DE PROFICIÊNCIA ORTOGRÁFICA NO ENSINO SUPERIOR
JOÃO SAMUEL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



TUDO O QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE ASTROLOGIA
JUAREZ DE FAUSTO PRESTUPA
MADRAS
(2008)
R$ 12,00



FAUSTO
GOETHE
ITATIAIA
(1981)
R$ 49,90
+ frete grátis



PROBLEMAS E PRIVILÉGIOS DA TERCEIRA IDADE
ADEMAR DE OLIVEIRA GODOY
SOCEP
(1997)
R$ 10,00



BRINCADEIRA NO PALCO
GILDA FIGUEIREDO PADILLA
PAULINAS
(1992)
R$ 10,00



UMA VIDA SEM LIMITES
NICK VUJICIC
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 13,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês