A culpa é dos escritores, também | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estou para publicar, podem morrer
>>> O novo GPT-4o
>>> 8 Salão do Livro
>>> Da Renovação Papal
>>> Polonaises
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bobagem
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Para Gostar De Ler 17 - Cenas Brasileiras de Rachel De Queiroz pela Ática (2003)
>>> Valiant - Vol.3 Novas Espécies de Laurann Dohner pela Universo Dos Livros (2016)
>>> Manual Prático de Doenças Alérgicas de Jean Blamoutier pela Andrei (1985)
>>> Superação: Devoções para uma vida absurdamente boa de Nick Vujicic pela Novo Conceito (2014)
>>> Luz na Escuridão de Romulo Barros pela Santuário (2017)
>>> O Que Eu Sei De Verdade de Oprah Winfrey pela Sextante (2014)
>>> A Doutrina De Buda: Siddharta Gautama de Siddharta Gautama pela Martin Claret (2007)
>>> Gandhi: Por Ele Mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2024)
>>> Grandes E Pequenos Problemas de Angel Aguarod pela Feb (2006)
>>> História Concisa Do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2002)
>>> Análise Dimensional e Teoria da Semelhança e dos Modelos Físicos de Fernando L. Carneiro pela Ufrj (1993)
>>> O Teatro Brasileiro Moderno de Decio De Almeida Prado pela Perspectiva (2009)
>>> Organize-se Num Minuto: 500 Dicas Para Por Ordem Em Sua Vida de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> A Arte Do Ator Entre Os Séculos XVI e XVIII de Ana Portich pela Perspectiva (2008)
>>> Histórias De Mulheres de Rosa Montero pela Agir (2007)
>>> Arte-educação No Brasil de Ana Mae Barbosa pela Perspectiva (2010)
>>> Livro ANONÁCEAS -do plantio à colheira de Marlon Cristian T. Pereira, Aluizio Borém pela Ufv (2021)
>>> A rebelliao das massas de José Ortega pela Martins Fontes (2007)
>>> Lettera A Un Bambino Mai Nato de Oriana Fallaci pela Bur (1997)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Lair Ribeiro pela Leitura (2002)
>>> Aprenda A Viver O Agora de Monja Coen pela Academia (2019)
>>> Pedagogia do jogo Teatral: Uma Poetica do Efemero de Carmela Soares pela Hucitec (2010)
>>> Anjos E Demonios de Dan Brown pela Arqueiro (2004)
>>> Boneco De Neve de Jo Nesbo pela Record (2017)
>>> O Que Há De Melhor Em Você de Joel Osteen pela Thomas Nelson Brasil (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/1/2007
A culpa é dos escritores, também
Marcelo Barbão
+ de 9800 Acessos
+ 19 Comentário(s)

A cena é comum e recorrente. Os cenários podem sofrer ligeiras variações. No geral são botecos baratos. Podem ser lanchonetes, ou até algum restaurante melhorzinho, depende do que o sujeito em questão faça para "ganhar a vida". Pode ser jornalista, trabalhar no serviço público, dar aula, fazer bicos ou estar desempregado. Em comum, a frustração de querer ser escritor/poeta.

E o diálogo, quando encontra um antagonista na mesma situação, repete-se ao infinito. Começa com um "como anda aquela história que você estava escrevendo?", também pode ser um "o que você anda escrevendo?" se a separação entre os dois foi mais longa, e termina com um "este país de analfabetos é uma merda" com bafo e voz arrastada de cerveja.

É a velha discussão sobre a situação da literatura no Brasil. Sobre a falta de editoras com coragem para investir em novos autores, sobre a falta de distribuição, sobre a falta de divulgação, sobre a falta de espaço na mídia, sobre a falta de livrarias, sobre o analfabetismo e infindáveis etceteras.

O pior é que isso não é uma paranóia coletiva dos candidatos a escritor. Pelo contrário, tudo isso existe. As editoras vêem o livro como um investimento (e é) a longo prazo (ou seja, o retorno pode demorar) e, na dúvida, lançam somente autores já conhecidos. As livrarias são invadidas por uma enxurrada de lançamentos, na maioria caros (livro barato dá pouco lucro, não sabia?) e com pouca divulgação. Os cadernos culturais preferem dar mais destaque a música e cinema do que a literatura, afinal alguém já viu anúncio de página inteira de lançamento de livro? E de shows e estréias de cinema? É só fazer a matemática. Ou seja, sim, os ex-futuros-escritores têm muito a choramingar (e eu nem falei na porcentagem de analfabetos funcionais e dos analfabetos literários - categoria que criei depois que descobri várias pessoas com diploma universitário que afirmavam, algumas com vergonha, outras com orgulho, que nunca tinham lido um livro), não duvidamos, mas eles também têm culpa.

Como? Somos vítimas do sistema! Vítimas disso tudo. O que podemos fazer? Nada! (Grita o coro.) Errado. Existem muitas coisas a serem feitas. Aliás, os escritores nem precisam inventar fórmulas ou bolar estratagemas mirabolantes para sair dessa situação, é só copiar o que pessoas mais espertas já fizeram (e pensar que acreditamos no Leminski quando, citando Pound, falou que o "poeta é a antena da raça humana" - antena desregulada, isso sim).

Entre todas as artes milenares ou recentes, a literatura é uma das únicas que ainda vive "dependente". Parece que entre nós (sim, eu me incluo aqui), escritores, a rebeldia punk dos anos 70 não aconteceu. Olhamos para o outro lado e continuamos a mandar nossos originais xerocados para as grandes editoras, esperando que alguém nos leia e descubra "nossa genialidade".

A chamada "revolução" punk (continue, leitor, mesmo que você não goste de punk) se não criou grandes músicos e canções memoráveis (isso depende do gosto de cada um), deixou uma lição que muita gente entendeu e colocou em prática (menos nós, antenas!): o Do It Yourself.

Faça você mesmo, estúpido! Essa foi a lição. Assim, surgiram milhares de bandas independentes em todo o mundo. Gravando seu próprio disco, organizando suas próprias turnês e controlando seu trabalho. Também os cineastas independentes, com longas ou curtas, fazendo os filmes que queriam fazer. Artistas plásticos, grupos de teatro, artistas multimídias. Existe uma infinidade de pessoas que resolveram botar a mão na massa e conseguem desenvolver trabalhos criativos, "cavando" espaço onde ele não existia.

E a internet veio para ajudar, e muito, essas pessoas. Imagino como deveria ser, nos idos anos 80, divulgar sua música e como é fácil, hoje, para qualquer grupo de música, colocar um MP3 na sua página no MySpace e ter um fã-clube em uma semana.

Mas não dá para fazer o mesmo com escritor, caramba! Sim, dá! Talvez seja até mais fácil, para dizer a verdade. Afinal, os custos são menores. Você não precisa comprar nenhum instrumento, não precisa comprar material para pintura, você não precisa nem ter computador, se não quiser.

Estou exagerando mas a idéia é simples: os escritores novos precisam romper essa barreira (ou essas barreiras) que eu citei acima e o único jeito é partir para o DIY (Do It Yourself). Ah, mas sozinho, eu posso até publicar meu livro mas como vou distribuir, como vou divulgar, como vou colocar nas livrarias?

Sim, sozinho fica muito difícil. E não estou defendendo que todos nós, escritores iniciantes, fiquemos o fim de semana inteiro na porta do Espaço Unibanco (ou a versão do cinema "cabeça" na sua cidade) ou no MASP oferecendo nossos livros independentes. Estou defendendo que os escritores precisam se unir. Precisam se organizar. Que seja uma cooperativa, que seja uma editora, que seja um agrupamento.

É possível imprimir livros por um preço razoável (economiza na cerveja, que dá), é possível trabalhar com livrarias independentes ou até com distribuidoras (não é tão difícil abrir firma e distribuir notas fiscais). É até possível divulgar bem o livro! É até possível ganhar algum dinheiro assim!

Veja o exemplo das bandas de rock independentes. A primeira coisa que elas fazem é escrever umas músicas, claro. Como escritor, a primeira coisa que temos que fazer é escrever.

Depois, saem fazendo shows em lugares pequenos, vão ficando conhecidas. Os escritores pulam essa parte, já querem ir direto para uma editora e serem descobertos. Errado! Existem vários saraus acontecendo em muitos lugares. É um bom lugar para "testar" seus trabalhos e ficar conhecido. Da mesma forma, os concursos são importantíssimos. Não existem muitos saraus? Verdade, por que não se organiza mais? Por que nós não organizamos mais? Quantas livrarias existem por aí que poderiam se transformar em locais para saraus mas que em ninguém toma a iniciativa?

Depois as bandas juntam dinheiro e gravam a música. Aqui é mais fácil para o escritor, afinal ele já escreveu o texto, certo? Só é preciso editar, algo que ninguém faz. Uma revisada também ajuda.

Prensagem = impressão. Não adianta imprimir 3 mil exemplares do seu livro. A não ser que você tenha muito espaço na sua casa. Seja razoável, faça 500 livros. Faça 200 livros. Se esgotar rápido, (vai que você é realmente um gênio a ser descoberto) é muito fácil reimprimir.

Distribua e divulgue. Ou venda pela internet e divulgue. Tanto faz. Mas não trate o livro pronto como o gozo: você fuma o cigarro, dá um beijo de boa noite e vira para o lado. Se não há espaço para divulgação na grande mídia (e ele é muito pequeno), use a internet. Escritor, onde está sua página no MySpace (o Orkut já está muito batido), com trechos de seus textos em PDF para quem quiser baixar, onde está seu blog, onde está a divulgação das suas atividades? Tenho certeza que sites como o próprio Digestivo, o Desconcertos, o Cronópios e tantos outros, estão abertos à divulgação de seu trabalho. Saia com essa coisinha na mão, falando dela para todos os lados. Vou dar uma idéia que vai parecer maluca, mas não é: vamos fazer turnês!

Sim, turnês, como as bandas de rock. É assim que elas ganham dinheiro, na verdade. E juntam fãs para comprar seu próximo CD e ir para o próximo show. Como assim, turnê? Não sei se alguém aqui já participou de leituras, de leituras feitas pelos próprios escritores. Eu já e foi muito bom. Como a série de leituras que ocorreram no Itaú Cultural no ano passado. Por que isso não acontece mais vezes? Ah, porque ninguém organiza. Opa, e quem você quer que organize, rapaz/moça? Da mesma forma que ficamos esperando a editora nos descobrir, ficamos esperando "alguém" organizar?

E os escritores novos? Como participam? Ninguém me convida, ainda não fui "descoberto". Vamos olhar para nossos amigos-artistas, os roqueiros. Como os mais conhecidos ajudam os mais novos? Shows de abertura. Não é uma idéia interessante? Aliás, nada nova. Uma série de leituras organizada na Casa das Rosas, há pouco tempo, era assim. Um escritor mais conhecido escolhia um iniciante e os dois faziam leituras. Foi excelente.

Juntem 2, 3, 5, 10 escritores em uma turnê por cidades do interior e você vai ver o sucesso de vendas. Ah, claro, leve seu livro, né? Quantas vezes já fui em leituras e o livro do autor não estava lá, para ser vendido ao final do evento? Quantas? Aliás, quantas vezes fui a lançamentos em que o escritor estava ali no canto, se escondendo, louco para ir embora? Que quase não abria a boca, não fazia leituras da sua obra? Além de burrice, é manter um estereótipo de "torre de marfim" que está matando a própria literatura. Evita-se divulgar a própria obra mas gasta-se o verbo nos botecos choramingando que ninguém mais lê neste país.

Onde fazer essas turnês? Principalmente em livrarias, claro, o habitat natural do escritor, mas quem sabe o que esse Brasil pode oferecer? Escolas, teatros, centros culturais, praças, coretos, alguém tem preconceito aí? Não acho que o escritor ficará milionário dessa forma, como as bandas de rock que "dão certo". Mas será possível viver, será possível ter o suficiente para escrever o próximo livro e será uma vida bem mais divertida.

Resumindo, estou convidando escritores inéditos (e os que já publicaram mas estão descontentes com o resultado - afinal quantos de vocês concordavam com aquela capa horrorosa que o editor colocou na capa do seu lindo livro sem nenhuma consulta?) a formarmos uma cooperativa de trabalho. É possível conseguir publicar, divulgar, vender e ganhar algum dinheiro com isso. Como escritor (inédito) e editor (com um par de anos de experiência) eu acho que essa é a única saída para os bons escritores serem "descobertos". Quem topa?


Marcelo Barbão
São Paulo, 31/1/2007

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião de Ronald Polito
03. Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso de Renato Alessandro dos Santos
04. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara de Elisa Andrade Buzzo
05. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbo
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Literatura e cinema na obra de Skármeta - 13/5/2003
03. Biblioteca básica latino-americana - 22/10/2003
04. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
05. A culpa é dos escritores, também - 31/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/1/2007
11h31min
Genial esse texto. Ele me fez lembrar do projeto Jovens Escribas, que já publicou cinco livros de autores iniciantes em Natal, entre eles o meu Contos Bregas, que já foram lançados inclusive em São Paulo. Mandei o seu texto para a lista de discussão dos Jovens Escribas...
[Leia outros Comentários de Thiago de Góes]
31/1/2007
13h29min
Parabéns, Marcelo. Vc trouxe novas idéias a um tema velho e cansado. Não se limitou a reclamar da "crueldade" do mercado editorial e propôs algo. Muito bom. Já sou seu fã. Ah, e eu topo. Quando começamos? :) Maroldi
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
31/1/2007
14h24min
hahá, mas como descobriu o que fazemos nessas madrugadas? [só que se dá certo ainda não dá para advinhar]. no mínimo, a gente se diverte: www.projetoidentidade.org e em outros blogs bizarros. beijos
[Leia outros Comentários de ana rüsche]
31/1/2007
18h10min
Marcelo, nada a acrescentar ao seu texto. Lúcido e provocativo. Você sim é editor (e escritor). Abraço, Mayrant.
[Leia outros Comentários de Mayrant Gallo]
1/2/2007
09h03min
Parabéns, Marcelo! Nós, escritores, merecemos um pouco mais de respeito à nossa profissão. Por outro lado, precisamos ter um pouco mais de ousadia. Gostaria de trocar algumas figurinhas maiores com você. Abraço, Ryoki
[Leia outros Comentários de Ryoki Inoue]
1/2/2007
13h53min
Simplicíssimo é o caminho. Para quem tem talento e disposição acho que a grande dica já foi dada. É só seguir em frente... Boa sorte a todos!
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
1/2/2007
20h59min
Em todas as linhas.
[Leia outros Comentários de Claudinei Vieira]
4/2/2007
09h12min
Cobra que não anda não engole sapo. E por que o ovo da galinha tem mais procura que o de pata? Aquela faz um alarde dos maiores quando o lança no mercado. Esta fica quietinha no seu canto.
[Leia outros Comentários de Gabriel Araújo dos S]
4/2/2007
11h34min
Olá, Marcelo, parabéns pelo texto! Eu e outros escritores de vários portais literários pensamos como você e procuramos agir na medida do possível. A internet é a maior ferramenta de divulgação e a melhor - afinal "o mundo" está na Web... Por exemplo, eu divulgo os escritores que conheço, e gosto do que escrevem, e eles fazem o mesmo por mim! Por favor, se puder, me informe a respeito do projeto. Um grande abraço, com carinho.
[Leia outros Comentários de Madalena Barranco]
8/2/2007
22h10min
Barbão, concordo com tudo o que disse. Muito da culpa é certamente nossa, e o ressentimento só torna as coisas piores. Vamos nos falar. Abraço.
[Leia outros Comentários de Fernando Burjato]
9/2/2007
20h22min
Ótimo texto, Barbão. E eu estou dentro, claro! Abs.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
9/2/2007
20h38min
Em 1947, aos 33 anos, um poeta muito importante da cultura brasileira morreu. Pouco antes se designou, poeta desconhecido, e nenhuma editora na época o quis por ser inciante. Hoje, em Corumbá existe um projeto com o nome dele, para levá-lo ao conhecimento dos braileiros... Estão sendo editados os seus livros e na faculdade ele está sendo estudo e devidamente reconhecido... Seu nome, LOBIVAR MATOS... O meu nome, FERNANDA MATOS, escritora iniciante desconhecida, neta desconhecida do poeta desconhecido do Brasil... e meus livros ainda estão aqui para serem publicados... Eu quero fazer alguma coisa com vcs! Abraço.
[Leia outros Comentários de Fernanda Matos]
10/2/2007
00h24min
Parabéns, Marcelão, é isso aí... quem espera que caia do céu, cai no inferno, na maior parte das vezes. Aguardo teu livro, lembra? Abraços. Inacio Carreira
[Leia outros Comentários de Inacio Carreira]
15/2/2007
19h05min
Marcelo, achei que alguem estava verbalizando o que tantas e tantas vezes a gente conversou. Isso!!! Só conversou. Aguardo a primeira reunião... Ah!!! eu não tenho a veia de escritora, só trabalho com livros didáticos. Mesmo assim, imagino que será possível participar. Abraços, Mónica
[Leia outros Comentários de Mónica Palacios]
18/2/2007
14h54min
Eu topo! Aliás, você tirou as palavras da minha boca. Eu já havia escrito sobre a letargia desse cenário em BH. Passei 8 meses em Natal e vi que, com bem menos, eles estão conseguindo movimentar e apresentar uma cena literária independente por lá. E me irrito muito ao ver que em Minas só temos escritores frustrados que ficam chorando pelos cantos. Quero publicar algo este ano, mas em nenhum momento me passou pela cabeça a idéia de procurar uma editora. Bem, dê uma olhada no selo de Natal. Faço parte dele, mas eu queria mesmo uma iniciativa aqui em BH. Mesmo assim, SP fica bem mais perto. Quem sabe?
[Leia outros Comentários de Pilar]
23/2/2007
22h11min
...nos encontrarmos. Poderíamos verificar O QUE cada um tem a oferecer e COMO poderia ser editado (poemas, novelas, contos, crônicas, romance etc.). Caso consigamos editar e imprimir, podemos JUNTOS começar a divulgação. Tua idéia parece muito boa e acho que boa parte de quem opina já tem alguma experiência com os formatos e meios digitais. Somando, talvez possamos lançar alguns dos nossos trabalhos. Que tal?
[Leia outros Comentários de J. S. Lopes]
24/2/2007
01h54min
Maravilha de puxão de orelha!!! Estou contigo. PARABÉNS!
[Leia outros Comentários de Danton Medrado]
8/8/2008
14h37min
Belo texto; bela reflexão. A palavra de ordem para nós, escritores, é não desistir nunca. Tenho um livro publicado (A culpa é sempre do professor) e estou determinado a publicar outro. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Alexandre de Souza]
6/8/2011
22h57min
Excelente, agora não perco mais minhas esperanças de ter algum futuro brilhante na literatura. :]
[Leia outros Comentários de Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A coleira no pescoço
Menalton Braff
Bertrand Brasil
(2006)



Espaço Ser
Alexandre Chedy
Gramma
(2017)



O Jogo De Não Jogar - Conforme Nova Ortografia
Miguel Ladeira
Atual
(1994)



Livro Literatura Brasileira Iracema Coleção Travessias
José de Alencar
Moderna
(2004)



Manifesto do nada na terra do nunca 425
Lobão
Nova Fronteira



Livro História Geral In Solitary Witness The Life and Death of Franz Jagerstatter
Gordon Charles Zahn
Templegate Pub
(1986)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira The Jewels of Tessa Kent
Judith Krantz
Bantam Books
(1999)



Livro Literatura Estrangeira The Queen Of Four Kingdoms
Hrh Princess Michael Of Kent
Constable
(2013)



O Afinal Que Querem os Homens?
Zoe Strimpel
Gente
(2011)



Martins fontes coleção clássicos
Varios AUtores
Martins Fontes





busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês