Pastelão literário na terra do Nobel | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/5/2007
Pastelão literário na terra do Nobel
Tais Laporta

+ de 2200 Acessos

Poucos conhecem Henning Mankell no Brasil. O escritor sueco, em compensação, é um estouro em seu país de origem. Os romances da série policial protagonizada pelo inspetor Kurt Wallander já circularam o mundo com pelo menos 20 milhões de cópias vendidas. Suas sagas ganharam, inclusive, adaptações televisivas. Agora, chega aqui O homem que sorria (Companhia das Letras, 2006, 432 págs.), quarto volume da série, originalmente publicado na Suécia em 1994.

O romance integra uma coleção de obras policiais resgatadas pela Companhia das Letras. Com esses lançamentos, a editora pretende alcançar um terreno desocupado: o de sucessos pouco explorados no Brasil. As resenhas sobre a literatura de Mankell (genro, aliás, de Ingmar Bergman) são quase exclusivamente internacionais. Mas não é só aqui que o autor entra vagarosamente. O jornal britânico The Observer salienta que os ingleses não encontram familiaridade com o tom da narrativa criada pelo sueco. "Todos os romances de Mankell contêm críticas sociais, mas muitas delas parecem estranhas aos olhos britânicos", observa a publicação.

Para os brasileiros, pelo contrário, a identificação deveria ser mais latente. Quando, em O homem que sorria, Kurt Wallander descobre ligações criminosas de um empresário no exterior, o grande suspeito de intermediar as operações ilegais é o Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro seriam as "matrizes"). O senso crítico ou o conformismo presentes nos personagens de Mankell - especialmente em relação à corrupção e à impunidade - muito se aproxima do nosso. "Moral, justiça e democracia são explicitamente questionados no romance, característica incomum em ficções policiais", complementa o The Observer.

No suspense, o protagonista se vê diante de duas mortes intrigantes, poucos meses depois de pedir licença da polícia na pequena cidade de Ystad. Aterrorizado por ter assassinado um homem em sua última aventura profissional, Wallander já estava decidido a se afastar definitivamente, quando algo o impulsionou a voltar à ativa. Tudo o que tinha, inicialmente, eram dados esparsos: pai e filho mortos, ambos advogados; uma mina terrestre plantada no quintal de sua secretária; e um imponente castelo, cujo dono foi único cliente do advogado pai.

O mistério inicial segue o padrão Agatha Christie. Há um quebra-cabeças que faz o leitor pensar, repensar e, mesmo assim, nem cogitar a solução. Em Mankell, contudo, as evidências logo se escancaram diante dos policiais. Apesar de as provas apontarem para um caminho óbvio, as investigações prosseguem lentamente. Ao invés de avançar, O homem que sorria estanca em longas páginas nessa situação, até tomar subitamente um ritmo alucinante. O inspetor Wallander passa de detetive Hercule Poirot para um aventureiro agente 007.

Não é à toa que o romance parece ter sido encomendado para ganhar uma versão cinematográfica. É bem articulado no seu desenrolar, mas também serve de roteiro mastigado para o cinema e a TV - tanto que já foi adaptado para produções do gênero. Pode-se dizer que o autor já fabrica suas histórias com uma projeção hollywoodiana, embora preserve uma certa complexidade narrativa e algum aprofundamento psicológico, características essenciais em um romance.

Em certos momentos, os personagens passam batidos pela narrativa, o que evidencia um conhecimento superficial do narrador sobre seus pensamentos e motivações. Nada demais se é a linha do romance. Mas o narrador ora mergulha no personagem - descrevendo seus medos e obscuridades mais profundos - e ora é expulso de seu "eu", passando para a condição de observador alheio. Assim se sente o leitor no início do livro, quando conhece as angústias interiores de Wallander, mas não as motivações que o fazem voltar para a polícia.

Até mesmo os produtos em formato "pastelão" - que ninguém duvida ser uma fórmula comercialmente viável - têm se preocupado em encobrir algumas brechas que reforçam seu tom simplista. Não querem perder os leitores mais exigentes (os chatos, em boa tradução), tampouco aqueles que lêem a ficção por curiosidade e podem usá-la como referência para adquirir obras do mesmo autor. Não parece um cuidado presente em O homem que sorria - mas também não parece que os suecos e o resto do mundo se importam com isso.

O leitor também pode sentir falta, em certos momentos, de descrições mais minuciosas. Um exemplo é o recipiente encontrado no carro do advogado Sten Tortensson após sua morte. O perito o descreve inicialmente com tal superficialidade que fica difícil imaginar suas características, embora conhecê-las seja fundamental para acompanhar o raciocínio das investigações. Não é porque Drummond dizia que escrever é cortar palavras que se possa mutilar informações essenciais. Dizem por aí que o bom contador de histórias não atropela um raciocínio só porque já o conhece.

Entre altos e baixos, a instabilidade da saga policial pode incomodar. Que o leitor não espere ver solucionadas todas as pendências que o autor levanta. Muito menos se aprofundar nos questionamentos que surgem ao longo do livro - como a respeito da misteriosa indústria do tráfico de órgãos. Na verdade, é melhor que as expectativas se limitem ao conhecido desfecho "sentimentalóide", a saída mais rasteira para os dilemas sem solução. A crítica social e o tom jornalístico servem apenas de pano-de-fundo para esse pretenso épico.

Um país conhecido pela sua excelência literária (a Suécia é a terceira com o maior número de prêmios Nobel de Literatura) também tem seus Sidneys Sheldon e Paulos Coelho. O personagem Wallander é, de fato, um herói sueco. É tão cultuado por fãs que possui até uma entidade com seu nome. Seu site dá todas as coordenadas para quem quer conhecer a série policial. Apesar de seguir a infalível receita da saga do herói, a impressão na última página é que muitos livros começam bem, mas poucos terminam da mesma forma.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 30/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da fatalidade do desejo de Elisa Andrade Buzzo
02. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
03. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida de Jardel Dias Cavalcanti
04. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os 16 Heróis - E Você? Quem É?
Marcelo Assis da Silva
Madras
(2017)



Marina
Carlos Ruiz Zafón
Suma De Letras
(2011)



Os Lusíadas
Luís de Camões; Rubem Braga e Edson Braga (adap)
Scipione



Guia Prático de Labores Femininos - a Agulha e a Lã
Vários
Culturama
(1973)



New Interchange 1b
Jack C. Richards
University Press
(1997)



Os Voluntários da Patría na Guerra do Paraguai o Comando de Osório
General Paulo de Queiroz Duarte
Biblioteca do Exército
(1983)



O Amigo Imaginário
Alessandra Bourdot
Toquinha
(2007)



Nieuwe - Wereldvertaling - Heilige Schrift - (biblia Em Alemão)
Vários Autores
New World Translation Dutch
(1986)



Medicina Legal. Volume 1. Medicina Forense.
Afranio Peixoto
Livraria Francisco Alves
(1931)



Educação e Sociedade Vol. 9
Cedes
Cortez





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês