Pastelão literário na terra do Nobel | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
>>> A odisseia do homem tecnomediado
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
>>> Van Halen 2013
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
Mais Recentes
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
>>> O Sorriso Distante de Anita Brookner pela Bertrand (2000)
>>> O Eu e o Inconsciente - Vol. VII / 2 de Carl Gustav Jung pela Vozes (2008)
>>> Auras Humanas: Onde o Abstrato Se Cruza Com o Concreto de Colette Tiret pela Pensamento (1985)
>>> Samba na Cidade de São Paulo - 1900-1930: um Exercício de Resistência de Iêda Marques Britto pela Ffclusp (1981)
>>> Fotos e Faces do Brasil, Personae de Madalena Schwartz pela Funarte (1997)
>>> Semiologia e Comunicação Linguística de Eric Buyssens pela Cultrix
>>> Gangsta - Vol. 1 de Kohske pela Jbc (2015)
>>> Exercícios de Arte para Grupos de Marian Liebmann pela Summus Editorial (2000)
>>> Zetsuen no Tempest - Vol. 10 de Kyo Shirodaira Ren Saizaki e Arihide Sano pela Jbc (2015)
>>> Fernando e Humberto Campana de Carlos Eduardo Leite Perrone pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Relativizando Uma Introdução à Antropologia Social de Roberto da Matta pela Rocco (1987)
>>> Estudos Fotográficos, Thomaz Farkas de Thomas Farkas, Sergio Burgis e outros pela Instituto Olga Kos (2019)
>>> Curso de Direito Constitucional de Manoel Jorge e Silva Neto pela Lumen Juris (2009)
>>> Direito Constitucional de Leo van Holthe pela Podium (2007)
>>> Estratégias do Pensamento de Larry E. Wood pela Circulo do Livro (1986)
>>> História do Paraná de Romário Martins pela Farol do Saber (1995)
>>> Cien Años de Soledad - Edicíon Conmemorativa de Gabriel Garcia Márquez pela Alfaguara (2007)
>>> Direito Penal de Paulo Queiroz pela Lumen Juris (2010)
>>> Direito Civil/Teoria Geral de Cristiano Chaves de Farias/Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2010)
>>> Como Passar/Super-Revisão de Wander Garcia pela Foco (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza Vol 1 de E. L. James pela Intrinseca (2012)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos. Finanças Para Casais de Gustavo Cerbasi pela Gente (2018)
>>> Caminho Percorrido - Poesias de Vera Maria pela Folha Carioca (1961)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/5/2007
Pastelão literário na terra do Nobel
Tais Laporta

+ de 2000 Acessos

Poucos conhecem Henning Mankell no Brasil. O escritor sueco, em compensação, é um estouro em seu país de origem. Os romances da série policial protagonizada pelo inspetor Kurt Wallander já circularam o mundo com pelo menos 20 milhões de cópias vendidas. Suas sagas ganharam, inclusive, adaptações televisivas. Agora, chega aqui O homem que sorria (Companhia das Letras, 2006, 432 págs.), quarto volume da série, originalmente publicado na Suécia em 1994.

O romance integra uma coleção de obras policiais resgatadas pela Companhia das Letras. Com esses lançamentos, a editora pretende alcançar um terreno desocupado: o de sucessos pouco explorados no Brasil. As resenhas sobre a literatura de Mankell (genro, aliás, de Ingmar Bergman) são quase exclusivamente internacionais. Mas não é só aqui que o autor entra vagarosamente. O jornal britânico The Observer salienta que os ingleses não encontram familiaridade com o tom da narrativa criada pelo sueco. "Todos os romances de Mankell contêm críticas sociais, mas muitas delas parecem estranhas aos olhos britânicos", observa a publicação.

Para os brasileiros, pelo contrário, a identificação deveria ser mais latente. Quando, em O homem que sorria, Kurt Wallander descobre ligações criminosas de um empresário no exterior, o grande suspeito de intermediar as operações ilegais é o Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro seriam as "matrizes"). O senso crítico ou o conformismo presentes nos personagens de Mankell - especialmente em relação à corrupção e à impunidade - muito se aproxima do nosso. "Moral, justiça e democracia são explicitamente questionados no romance, característica incomum em ficções policiais", complementa o The Observer.

No suspense, o protagonista se vê diante de duas mortes intrigantes, poucos meses depois de pedir licença da polícia na pequena cidade de Ystad. Aterrorizado por ter assassinado um homem em sua última aventura profissional, Wallander já estava decidido a se afastar definitivamente, quando algo o impulsionou a voltar à ativa. Tudo o que tinha, inicialmente, eram dados esparsos: pai e filho mortos, ambos advogados; uma mina terrestre plantada no quintal de sua secretária; e um imponente castelo, cujo dono foi único cliente do advogado pai.

O mistério inicial segue o padrão Agatha Christie. Há um quebra-cabeças que faz o leitor pensar, repensar e, mesmo assim, nem cogitar a solução. Em Mankell, contudo, as evidências logo se escancaram diante dos policiais. Apesar de as provas apontarem para um caminho óbvio, as investigações prosseguem lentamente. Ao invés de avançar, O homem que sorria estanca em longas páginas nessa situação, até tomar subitamente um ritmo alucinante. O inspetor Wallander passa de detetive Hercule Poirot para um aventureiro agente 007.

Não é à toa que o romance parece ter sido encomendado para ganhar uma versão cinematográfica. É bem articulado no seu desenrolar, mas também serve de roteiro mastigado para o cinema e a TV - tanto que já foi adaptado para produções do gênero. Pode-se dizer que o autor já fabrica suas histórias com uma projeção hollywoodiana, embora preserve uma certa complexidade narrativa e algum aprofundamento psicológico, características essenciais em um romance.

Em certos momentos, os personagens passam batidos pela narrativa, o que evidencia um conhecimento superficial do narrador sobre seus pensamentos e motivações. Nada demais se é a linha do romance. Mas o narrador ora mergulha no personagem - descrevendo seus medos e obscuridades mais profundos - e ora é expulso de seu "eu", passando para a condição de observador alheio. Assim se sente o leitor no início do livro, quando conhece as angústias interiores de Wallander, mas não as motivações que o fazem voltar para a polícia.

Até mesmo os produtos em formato "pastelão" - que ninguém duvida ser uma fórmula comercialmente viável - têm se preocupado em encobrir algumas brechas que reforçam seu tom simplista. Não querem perder os leitores mais exigentes (os chatos, em boa tradução), tampouco aqueles que lêem a ficção por curiosidade e podem usá-la como referência para adquirir obras do mesmo autor. Não parece um cuidado presente em O homem que sorria - mas também não parece que os suecos e o resto do mundo se importam com isso.

O leitor também pode sentir falta, em certos momentos, de descrições mais minuciosas. Um exemplo é o recipiente encontrado no carro do advogado Sten Tortensson após sua morte. O perito o descreve inicialmente com tal superficialidade que fica difícil imaginar suas características, embora conhecê-las seja fundamental para acompanhar o raciocínio das investigações. Não é porque Drummond dizia que escrever é cortar palavras que se possa mutilar informações essenciais. Dizem por aí que o bom contador de histórias não atropela um raciocínio só porque já o conhece.

Entre altos e baixos, a instabilidade da saga policial pode incomodar. Que o leitor não espere ver solucionadas todas as pendências que o autor levanta. Muito menos se aprofundar nos questionamentos que surgem ao longo do livro - como a respeito da misteriosa indústria do tráfico de órgãos. Na verdade, é melhor que as expectativas se limitem ao conhecido desfecho "sentimentalóide", a saída mais rasteira para os dilemas sem solução. A crítica social e o tom jornalístico servem apenas de pano-de-fundo para esse pretenso épico.

Um país conhecido pela sua excelência literária (a Suécia é a terceira com o maior número de prêmios Nobel de Literatura) também tem seus Sidneys Sheldon e Paulos Coelho. O personagem Wallander é, de fato, um herói sueco. É tão cultuado por fãs que possui até uma entidade com seu nome. Seu site dá todas as coordenadas para quem quer conhecer a série policial. Apesar de seguir a infalível receita da saga do herói, a impressão na última página é que muitos livros começam bem, mas poucos terminam da mesma forma.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 30/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sexo, drogas e rock’n’roll de Marcelo Spalding
02. Um quarto com vista de Rafael Rodrigues
03. Um repórter a mil calorias por dia* de Paulo Polzonoff Jr
04. O bode das drogas de Ilana Mountian


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quando Ele Voltar
Ricky Medeiros
Vida e Consciencia
(2000)
R$ 8,00



A Quietude da Terra, Vida Cotidiana, Arte Contemporânea e Projeto Axé
France Morin
Museu de Arte Moderna da Bahia
(2000)
R$ 20,00



Poetry Comics a Cartooniverse of Poems
Dave Morice
Quartet Books
(1983)
R$ 60,00



Symposiumciba Tomo 09 Nª 2
Ciba
Ciba
(1961)
R$ 17,00



Fragmentos
Stanley Buchthal/Bernard Comment
Tordesilhas
(2011)
R$ 54,90



Farsália. Cantos de I a V
Lucano
Unicamp
(2016)
R$ 52,28



Para Filosofar Edição Remormulada
Cord/Santos/ Schlesener E Outros
Scipione
R$ 25,00



Las Meninas: los Enigmas de La Obra Maestra de Velázquez;
História National Geographic, Nº 144
National Geographic
(2012)
R$ 28,82



A Lei Maria da Penha em Cordel
Tião Simpatia
Armazém da Cultura
(2012)
R$ 15,00



As Fogueiras do Rei
Pedro Casals
Record
(1990)
R$ 5,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês