Pastelão literário na terra do Nobel | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/5/2007
Pastelão literário na terra do Nobel
Tais Laporta

+ de 1800 Acessos

Poucos conhecem Henning Mankell no Brasil. O escritor sueco, em compensação, é um estouro em seu país de origem. Os romances da série policial protagonizada pelo inspetor Kurt Wallander já circularam o mundo com pelo menos 20 milhões de cópias vendidas. Suas sagas ganharam, inclusive, adaptações televisivas. Agora, chega aqui O homem que sorria (Companhia das Letras, 2006, 432 págs.), quarto volume da série, originalmente publicado na Suécia em 1994.

O romance integra uma coleção de obras policiais resgatadas pela Companhia das Letras. Com esses lançamentos, a editora pretende alcançar um terreno desocupado: o de sucessos pouco explorados no Brasil. As resenhas sobre a literatura de Mankell (genro, aliás, de Ingmar Bergman) são quase exclusivamente internacionais. Mas não é só aqui que o autor entra vagarosamente. O jornal britânico The Observer salienta que os ingleses não encontram familiaridade com o tom da narrativa criada pelo sueco. "Todos os romances de Mankell contêm críticas sociais, mas muitas delas parecem estranhas aos olhos britânicos", observa a publicação.

Para os brasileiros, pelo contrário, a identificação deveria ser mais latente. Quando, em O homem que sorria, Kurt Wallander descobre ligações criminosas de um empresário no exterior, o grande suspeito de intermediar as operações ilegais é o Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro seriam as "matrizes"). O senso crítico ou o conformismo presentes nos personagens de Mankell - especialmente em relação à corrupção e à impunidade - muito se aproxima do nosso. "Moral, justiça e democracia são explicitamente questionados no romance, característica incomum em ficções policiais", complementa o The Observer.

No suspense, o protagonista se vê diante de duas mortes intrigantes, poucos meses depois de pedir licença da polícia na pequena cidade de Ystad. Aterrorizado por ter assassinado um homem em sua última aventura profissional, Wallander já estava decidido a se afastar definitivamente, quando algo o impulsionou a voltar à ativa. Tudo o que tinha, inicialmente, eram dados esparsos: pai e filho mortos, ambos advogados; uma mina terrestre plantada no quintal de sua secretária; e um imponente castelo, cujo dono foi único cliente do advogado pai.

O mistério inicial segue o padrão Agatha Christie. Há um quebra-cabeças que faz o leitor pensar, repensar e, mesmo assim, nem cogitar a solução. Em Mankell, contudo, as evidências logo se escancaram diante dos policiais. Apesar de as provas apontarem para um caminho óbvio, as investigações prosseguem lentamente. Ao invés de avançar, O homem que sorria estanca em longas páginas nessa situação, até tomar subitamente um ritmo alucinante. O inspetor Wallander passa de detetive Hercule Poirot para um aventureiro agente 007.

Não é à toa que o romance parece ter sido encomendado para ganhar uma versão cinematográfica. É bem articulado no seu desenrolar, mas também serve de roteiro mastigado para o cinema e a TV - tanto que já foi adaptado para produções do gênero. Pode-se dizer que o autor já fabrica suas histórias com uma projeção hollywoodiana, embora preserve uma certa complexidade narrativa e algum aprofundamento psicológico, características essenciais em um romance.

Em certos momentos, os personagens passam batidos pela narrativa, o que evidencia um conhecimento superficial do narrador sobre seus pensamentos e motivações. Nada demais se é a linha do romance. Mas o narrador ora mergulha no personagem - descrevendo seus medos e obscuridades mais profundos - e ora é expulso de seu "eu", passando para a condição de observador alheio. Assim se sente o leitor no início do livro, quando conhece as angústias interiores de Wallander, mas não as motivações que o fazem voltar para a polícia.

Até mesmo os produtos em formato "pastelão" - que ninguém duvida ser uma fórmula comercialmente viável - têm se preocupado em encobrir algumas brechas que reforçam seu tom simplista. Não querem perder os leitores mais exigentes (os chatos, em boa tradução), tampouco aqueles que lêem a ficção por curiosidade e podem usá-la como referência para adquirir obras do mesmo autor. Não parece um cuidado presente em O homem que sorria - mas também não parece que os suecos e o resto do mundo se importam com isso.

O leitor também pode sentir falta, em certos momentos, de descrições mais minuciosas. Um exemplo é o recipiente encontrado no carro do advogado Sten Tortensson após sua morte. O perito o descreve inicialmente com tal superficialidade que fica difícil imaginar suas características, embora conhecê-las seja fundamental para acompanhar o raciocínio das investigações. Não é porque Drummond dizia que escrever é cortar palavras que se possa mutilar informações essenciais. Dizem por aí que o bom contador de histórias não atropela um raciocínio só porque já o conhece.

Entre altos e baixos, a instabilidade da saga policial pode incomodar. Que o leitor não espere ver solucionadas todas as pendências que o autor levanta. Muito menos se aprofundar nos questionamentos que surgem ao longo do livro - como a respeito da misteriosa indústria do tráfico de órgãos. Na verdade, é melhor que as expectativas se limitem ao conhecido desfecho "sentimentalóide", a saída mais rasteira para os dilemas sem solução. A crítica social e o tom jornalístico servem apenas de pano-de-fundo para esse pretenso épico.

Um país conhecido pela sua excelência literária (a Suécia é a terceira com o maior número de prêmios Nobel de Literatura) também tem seus Sidneys Sheldon e Paulos Coelho. O personagem Wallander é, de fato, um herói sueco. É tão cultuado por fãs que possui até uma entidade com seu nome. Seu site dá todas as coordenadas para quem quer conhecer a série policial. Apesar de seguir a infalível receita da saga do herói, a impressão na última página é que muitos livros começam bem, mas poucos terminam da mesma forma.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 30/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
02. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVA MAIS - VENÇA E PREVINA A DEPRESSÃO
IZAIAS CLARO
SOLIDUM
(2012)
R$ 8,90



ADVERTÊNCIAS ESPIRITUAIS - O CONSELHO PLANETÁRIO
FRANCISCO EDERALDO KORNALEWSKI
MADRAS
(2000)
R$ 12,89



LINGUAGEM LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
HEITOR MEGALE & MARILENA MATSUOKA
FTD
R$ 10,00



A 600º CELSIUS
STANLEY WILLIAMS / FEN MONTAIGNE
OBJETIVA
(2002)
R$ 11,00



VICENTE FERRER: LA REVOLUCION SILENCIOSA
ALBERTO OLIVERAS
PLANETA
(2000)
R$ 52,28



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - OS GRANDES CLÁSSICOS DA LITERATURA
JULIO VERNE
NOVO HORIZONTE
(1983)
R$ 10,00



O TELEJORNAL E O SERVIÇO PÚBLICO
FELIZBELA LOPES
MINERVA
(1999)
R$ 39,08



O GARANHÃO - 11ª EDIÇÃO
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1971)
R$ 7,00



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 5,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês