Pastelão literário na terra do Nobel | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/5/2007
Pastelão literário na terra do Nobel
Tais Laporta

+ de 1900 Acessos

Poucos conhecem Henning Mankell no Brasil. O escritor sueco, em compensação, é um estouro em seu país de origem. Os romances da série policial protagonizada pelo inspetor Kurt Wallander já circularam o mundo com pelo menos 20 milhões de cópias vendidas. Suas sagas ganharam, inclusive, adaptações televisivas. Agora, chega aqui O homem que sorria (Companhia das Letras, 2006, 432 págs.), quarto volume da série, originalmente publicado na Suécia em 1994.

O romance integra uma coleção de obras policiais resgatadas pela Companhia das Letras. Com esses lançamentos, a editora pretende alcançar um terreno desocupado: o de sucessos pouco explorados no Brasil. As resenhas sobre a literatura de Mankell (genro, aliás, de Ingmar Bergman) são quase exclusivamente internacionais. Mas não é só aqui que o autor entra vagarosamente. O jornal britânico The Observer salienta que os ingleses não encontram familiaridade com o tom da narrativa criada pelo sueco. "Todos os romances de Mankell contêm críticas sociais, mas muitas delas parecem estranhas aos olhos britânicos", observa a publicação.

Para os brasileiros, pelo contrário, a identificação deveria ser mais latente. Quando, em O homem que sorria, Kurt Wallander descobre ligações criminosas de um empresário no exterior, o grande suspeito de intermediar as operações ilegais é o Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro seriam as "matrizes"). O senso crítico ou o conformismo presentes nos personagens de Mankell - especialmente em relação à corrupção e à impunidade - muito se aproxima do nosso. "Moral, justiça e democracia são explicitamente questionados no romance, característica incomum em ficções policiais", complementa o The Observer.

No suspense, o protagonista se vê diante de duas mortes intrigantes, poucos meses depois de pedir licença da polícia na pequena cidade de Ystad. Aterrorizado por ter assassinado um homem em sua última aventura profissional, Wallander já estava decidido a se afastar definitivamente, quando algo o impulsionou a voltar à ativa. Tudo o que tinha, inicialmente, eram dados esparsos: pai e filho mortos, ambos advogados; uma mina terrestre plantada no quintal de sua secretária; e um imponente castelo, cujo dono foi único cliente do advogado pai.

O mistério inicial segue o padrão Agatha Christie. Há um quebra-cabeças que faz o leitor pensar, repensar e, mesmo assim, nem cogitar a solução. Em Mankell, contudo, as evidências logo se escancaram diante dos policiais. Apesar de as provas apontarem para um caminho óbvio, as investigações prosseguem lentamente. Ao invés de avançar, O homem que sorria estanca em longas páginas nessa situação, até tomar subitamente um ritmo alucinante. O inspetor Wallander passa de detetive Hercule Poirot para um aventureiro agente 007.

Não é à toa que o romance parece ter sido encomendado para ganhar uma versão cinematográfica. É bem articulado no seu desenrolar, mas também serve de roteiro mastigado para o cinema e a TV - tanto que já foi adaptado para produções do gênero. Pode-se dizer que o autor já fabrica suas histórias com uma projeção hollywoodiana, embora preserve uma certa complexidade narrativa e algum aprofundamento psicológico, características essenciais em um romance.

Em certos momentos, os personagens passam batidos pela narrativa, o que evidencia um conhecimento superficial do narrador sobre seus pensamentos e motivações. Nada demais se é a linha do romance. Mas o narrador ora mergulha no personagem - descrevendo seus medos e obscuridades mais profundos - e ora é expulso de seu "eu", passando para a condição de observador alheio. Assim se sente o leitor no início do livro, quando conhece as angústias interiores de Wallander, mas não as motivações que o fazem voltar para a polícia.

Até mesmo os produtos em formato "pastelão" - que ninguém duvida ser uma fórmula comercialmente viável - têm se preocupado em encobrir algumas brechas que reforçam seu tom simplista. Não querem perder os leitores mais exigentes (os chatos, em boa tradução), tampouco aqueles que lêem a ficção por curiosidade e podem usá-la como referência para adquirir obras do mesmo autor. Não parece um cuidado presente em O homem que sorria - mas também não parece que os suecos e o resto do mundo se importam com isso.

O leitor também pode sentir falta, em certos momentos, de descrições mais minuciosas. Um exemplo é o recipiente encontrado no carro do advogado Sten Tortensson após sua morte. O perito o descreve inicialmente com tal superficialidade que fica difícil imaginar suas características, embora conhecê-las seja fundamental para acompanhar o raciocínio das investigações. Não é porque Drummond dizia que escrever é cortar palavras que se possa mutilar informações essenciais. Dizem por aí que o bom contador de histórias não atropela um raciocínio só porque já o conhece.

Entre altos e baixos, a instabilidade da saga policial pode incomodar. Que o leitor não espere ver solucionadas todas as pendências que o autor levanta. Muito menos se aprofundar nos questionamentos que surgem ao longo do livro - como a respeito da misteriosa indústria do tráfico de órgãos. Na verdade, é melhor que as expectativas se limitem ao conhecido desfecho "sentimentalóide", a saída mais rasteira para os dilemas sem solução. A crítica social e o tom jornalístico servem apenas de pano-de-fundo para esse pretenso épico.

Um país conhecido pela sua excelência literária (a Suécia é a terceira com o maior número de prêmios Nobel de Literatura) também tem seus Sidneys Sheldon e Paulos Coelho. O personagem Wallander é, de fato, um herói sueco. É tão cultuado por fãs que possui até uma entidade com seu nome. Seu site dá todas as coordenadas para quem quer conhecer a série policial. Apesar de seguir a infalível receita da saga do herói, a impressão na última página é que muitos livros começam bem, mas poucos terminam da mesma forma.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 30/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. 2009: intolerância e arte de Gian Danton
03. Strindberg e o inferno de todos nós de Guilherme Conte
04. A difícil arte de viver em sociedade de Luis Eduardo Matta
05. Eles – os artistas medíocres de Julio Daio Borges


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPARATIVE CRIMINOLOGY: V. 1
HERMANN MANNHEIM
ROUTLEDGE
(1967)
R$ 85,28



POR FORA DA COPA
EDUARDO MENEZES
DUBLINENSE
(2014)
R$ 18,00



SETE FACES DO AMOR
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1992)
R$ 10,00
+ frete grátis



MARIO, O CAMISA 10
JOACHIM MASANNEK; JAN BIRCK
VIDA E CONSCIENCIA
(2012)
R$ 12,00



MEU MONSTRO DE ESTIMAÇÃO- LEIA DESCRIÇÃO
DICK KING-SMITH
RECORD
(2008)
R$ 9,00



LOUCURA E OBSESSÃO
DIVALDO P. FRANCO
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
(1997)
R$ 20,00



AMIGOS DE VERDADE
BRADLEY TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2006)
R$ 8,90



MÉTODOS E TEMPOS - ABORDAGEM GERENCIAL - RACIONALIZANDO A PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS
ROBSON SELEME
INTERSABERES
(2012)
R$ 6,00



REFORMA NA PAULISTA E UM CORAÇÃO PISADO
ELISA ANDRADE
OITAVA RIMA
(2013)
R$ 7,90



A ARTE DA GUERRA OS TREZE CAPÍTULOS COMPLETOS
SUN TZU
EDIOURO
(2009)
R$ 20,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês