Um guia para as letras | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Segunda-feira, 11/6/2007
Um guia para as letras
Daniel Lopes

+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Para alguém que está começando a entrar no universo da leitura, penso ser importante ter contato com o maior número de culturas (e, posteriormente, de línguas) possível. Isso serve tanto como combustível para uma sólida formação intelectual como elemento fundamental para dissipar qualquer etnocentrismo ou intolerância incipiente.

Eu, que nunca fui muito fã de livros infantis, juvenis ou de histórias em quadrinhos - quando dei por mim já estava lendo livro "de adulto" - indicaria a iniciantes (e o que digo eu, que com meus parcos 23 anos de vida também não passo de um iniciante) nessa brincadeira séria que é ler literatura cinco livros de autores nacionais e cinco de estrangeiros, de vários períodos. Nada em demérito da literatura infanto-juvenil, bem entendido. É que como cada um acha que sua experiência é a mais frutífera e deveria ser copiada pelos outros, não vou fingir ser exceção.

Infância, de Graciliano Ramos, até que pode ser considerado um livro para jovens, e de fato é largamente empregado como paradidático nas nossas escolas. Mas ele não se resume a esse rótulo, e é muito melhor do que as obras que os professores comumente nos forçam a ler.

Os ratos, de Dyonelio Machado, gaúcho contemporâneo do alagoano Graciliano, tem vinte e oito capítulos curtos, é escrito de forma ágil, e, ao narrar as vinte e quatro horas que o pacato e miserável funcionário público Naziazeno Barbosa tem para conseguir arranjar os cinqüenta e três mil-réis necessários para pagar a conta do leiteiro e lavar sua honra, finca-se como um romance psicológico e social ao mesmo tempo (como se fosse possível a uma obra ser integralmente uma coisa ou outra).

Mais recente no tempo, o também gaúcho Erico Verissimo é uma excelente pedida, sempre. Incidente em Antares, apesar de suas muitas páginas, não deve espantar ninguém. Mistura elementos fantásticos e crítica social, ao fazer um bando de mortos insepultos assombrarem os bon vivants de uma cidadezinha do interior, com seus corpos putrefatos e suas línguas felinas. A narração é tão cinematograficamente construída, que não poderia ter deixado de virar minissérie televisiva.

Escritores nossos contemporâneos, o mineiro-carioca Rubem Fonseca e o amazonense descendente de libaneses Milton Hatoum devem ser sempre prestigiados. O primeiro, com seu Agosto, de enredo policial, que se passa no Brasil da época do suicídio de Vargas e é uma aula de literatura e história. O segundo, com o célebre Cinzas do Norte, obra que acompanha as andanças de Mundo, filho de conturbada família da elite do Amazonas, com narrativa ora poética ora ácida, sempre magnetizando o leitor com reviravoltas tão humanas passadas em cenários magnânimos ou paupérrimos.

Passando à literatura estrangeira, mais afastado no tempo e sempre relembrado e relido, O estrangeiro, do franco-argelino Albert Camus. Embora um leitor mais novo não possa em uma primeira lida captar todos aqueles sentidos sociológicos que muitos vêem na obra, não há como não criar de cara uma empatia pelo jeito e palavras simples que Camus usa para nos contar a estória de Mersault, homem comum que mata um árabe na praia "por causa do sol" e vai entrar em um julgamento de seqüências absurdas.

O sul-africano J. M. Coetzee, meu favorito, não poderia ficar de fora dessa lista. Embora sua obra quase completa seja feita de traços sombrios, não-convencionais e inquietantes, é preciso ter sensibilidade nula para não se deixar tocar, por exemplo, pela saga tão comum e ao mesmo tempo tão heróica do protagonista de Vida e época de Michael K.

Ainda em língua inglesa, e porque nosso jovem leitor em breve não se contentará em ler apenas traduções, é preciso conferir o breve Everyman, do estadunidense Philip Roth. Ler estórias sobre o fim de uma vida não é tarefa só de velhos. Pelo contrário, quanto mais cedo se toma conhecimento da dura e inexorável realidade que é um corpo perecível, mais chances se tem de dar à vida o seu real e insubstituível valor.

E fechemos a lista voltando à América do Sul, onde o argentino Ernesto Sabato, que ainda vive, escreveu uma obra ficcional de inegável qualidade, embora escassa. O túnel é, digamos, seu romance mais "iniciável" (Sobre heróis e tumbas deve ter sua leitura adiada, por enquanto). E, porque ler é antes de mais nada diversão, não custa sugerir As piedosas, do também argentino Federico Andahazi, que gosta de ambientar suas estórias em tempos longínquos, e aqui conta uma passada no ano de 1816, com muito mistério e suspense. O livro é eletrizante, pequeno e sem literatices. De fato, se nosso jovem não gostar de As piedosas, ele pode muito bem passar sem livros de qualquer espécie.


Daniel Lopes
Teresina, 11/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
03. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
04. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
05. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2007
20h45min
Parabéns pelo texto. Simples, mas eficiente. Gostei especialmente da indicação de Agosto, de Rubem Fonseca, um desses livros que não conseguimos largar antes da última página (sei que essa é uma definição para livros populares, mas o que impede que algo seja popular e bom?). Vale lembrar que Agosto teve uma ótima adaptação numa minissérie da Rede Globo.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
12/6/2007
10h57min
Olá! Não tenho nada contra a sua lista, tem boas indicações. Mas, em relação à literatura infanto-juvenil, discordo. Aliás, o que penso é o seguinte: não importa a faixa etária a que o livro é supostamente indicado. O livro é bom (para crianças ou adultos) ou ruim. Lembre-se de Alice no País das Maravilhas, os livros de Monteiro Lobato-Sítio do Picapau Amarelo(supostamente feito para crianças), Tarzan, Mafalda, Snoopy e tantos outros. Então se dá a diferença. Percebe-se que a boa literatura ultrapassa esse limite. Se uma criança começa a ler boa literatura e "pegar o gosto" pela coisa, certamente, quando mais madura, será uma boa leitora, ou seja, saberá distinguir o joio do trigo. Mesmo que não seja bilíngüe ou poliglota. Existem boas traduções no mercado e ela saberá escolher. Um abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Bagaceira - Capa Dura
Jose Americo Almeida
Círculo do Livro
(1980)



Aikidô e a Harmonia da Natureza
Mitsugi Saotome
Pensamento
(2000)



O Ócio Criativo
Domenico de Masi
Sextante
(2000)



Rio de Janeiro - um Passeio pela História do Nosso Estado - Vol. Único
Daniel Bahiense / André Boucinhas / Jorge B.
Moderna
(2011)



Mestres, artífices, oficiais e aprendizes no Brasil
P. M. Bardi
Banco Sudameris Brasil
(1981)



Meu Primeiro Livro de Procurar e Achar - Procurando Nemo e Dory
Disney Pixar
Publications International
(2016)



O Golpe
Christopher Reich
Arqueiro
(2019)



Currículo: uma Perspectiva Pós-moderna
William Doll
Artmed
(2002)



Table For Two
Shirley Sarvis
Doubleday e Company
(1968)



Mundo Bita. Aventuras no Mundo da Cor e da Música
Vários Autores
Pixel





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês