Um guia para as letras | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Jornalista Edilson Cid Varela de Adirson Vasconcelos Junior pela Correio Braziliense (2003)
>>> Jornal Pasquim Ano XI 70/80 Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A Deusa de Jade e Outros Contos Chineses Famosos de Lin Yutang pela Irmãos Pongetti (1959)
>>> A Barca de Gleyre 2º tomo de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1948)
>>> Jornal Pasquim IX -1977 (vários números) de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A cidade e a serra de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão (1944)
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Segunda-feira, 11/6/2007
Um guia para as letras
Daniel Lopes

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Para alguém que está começando a entrar no universo da leitura, penso ser importante ter contato com o maior número de culturas (e, posteriormente, de línguas) possível. Isso serve tanto como combustível para uma sólida formação intelectual como elemento fundamental para dissipar qualquer etnocentrismo ou intolerância incipiente.

Eu, que nunca fui muito fã de livros infantis, juvenis ou de histórias em quadrinhos - quando dei por mim já estava lendo livro "de adulto" - indicaria a iniciantes (e o que digo eu, que com meus parcos 23 anos de vida também não passo de um iniciante) nessa brincadeira séria que é ler literatura cinco livros de autores nacionais e cinco de estrangeiros, de vários períodos. Nada em demérito da literatura infanto-juvenil, bem entendido. É que como cada um acha que sua experiência é a mais frutífera e deveria ser copiada pelos outros, não vou fingir ser exceção.

Infância, de Graciliano Ramos, até que pode ser considerado um livro para jovens, e de fato é largamente empregado como paradidático nas nossas escolas. Mas ele não se resume a esse rótulo, e é muito melhor do que as obras que os professores comumente nos forçam a ler.

Os ratos, de Dyonelio Machado, gaúcho contemporâneo do alagoano Graciliano, tem vinte e oito capítulos curtos, é escrito de forma ágil, e, ao narrar as vinte e quatro horas que o pacato e miserável funcionário público Naziazeno Barbosa tem para conseguir arranjar os cinqüenta e três mil-réis necessários para pagar a conta do leiteiro e lavar sua honra, finca-se como um romance psicológico e social ao mesmo tempo (como se fosse possível a uma obra ser integralmente uma coisa ou outra).

Mais recente no tempo, o também gaúcho Erico Verissimo é uma excelente pedida, sempre. Incidente em Antares, apesar de suas muitas páginas, não deve espantar ninguém. Mistura elementos fantásticos e crítica social, ao fazer um bando de mortos insepultos assombrarem os bon vivants de uma cidadezinha do interior, com seus corpos putrefatos e suas línguas felinas. A narração é tão cinematograficamente construída, que não poderia ter deixado de virar minissérie televisiva.

Escritores nossos contemporâneos, o mineiro-carioca Rubem Fonseca e o amazonense descendente de libaneses Milton Hatoum devem ser sempre prestigiados. O primeiro, com seu Agosto, de enredo policial, que se passa no Brasil da época do suicídio de Vargas e é uma aula de literatura e história. O segundo, com o célebre Cinzas do Norte, obra que acompanha as andanças de Mundo, filho de conturbada família da elite do Amazonas, com narrativa ora poética ora ácida, sempre magnetizando o leitor com reviravoltas tão humanas passadas em cenários magnânimos ou paupérrimos.

Passando à literatura estrangeira, mais afastado no tempo e sempre relembrado e relido, O estrangeiro, do franco-argelino Albert Camus. Embora um leitor mais novo não possa em uma primeira lida captar todos aqueles sentidos sociológicos que muitos vêem na obra, não há como não criar de cara uma empatia pelo jeito e palavras simples que Camus usa para nos contar a estória de Mersault, homem comum que mata um árabe na praia "por causa do sol" e vai entrar em um julgamento de seqüências absurdas.

O sul-africano J. M. Coetzee, meu favorito, não poderia ficar de fora dessa lista. Embora sua obra quase completa seja feita de traços sombrios, não-convencionais e inquietantes, é preciso ter sensibilidade nula para não se deixar tocar, por exemplo, pela saga tão comum e ao mesmo tempo tão heróica do protagonista de Vida e época de Michael K.

Ainda em língua inglesa, e porque nosso jovem leitor em breve não se contentará em ler apenas traduções, é preciso conferir o breve Everyman, do estadunidense Philip Roth. Ler estórias sobre o fim de uma vida não é tarefa só de velhos. Pelo contrário, quanto mais cedo se toma conhecimento da dura e inexorável realidade que é um corpo perecível, mais chances se tem de dar à vida o seu real e insubstituível valor.

E fechemos a lista voltando à América do Sul, onde o argentino Ernesto Sabato, que ainda vive, escreveu uma obra ficcional de inegável qualidade, embora escassa. O túnel é, digamos, seu romance mais "iniciável" (Sobre heróis e tumbas deve ter sua leitura adiada, por enquanto). E, porque ler é antes de mais nada diversão, não custa sugerir As piedosas, do também argentino Federico Andahazi, que gosta de ambientar suas estórias em tempos longínquos, e aqui conta uma passada no ano de 1816, com muito mistério e suspense. O livro é eletrizante, pequeno e sem literatices. De fato, se nosso jovem não gostar de As piedosas, ele pode muito bem passar sem livros de qualquer espécie.


Daniel Lopes
Teresina, 11/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
04. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2007
20h45min
Parabéns pelo texto. Simples, mas eficiente. Gostei especialmente da indicação de Agosto, de Rubem Fonseca, um desses livros que não conseguimos largar antes da última página (sei que essa é uma definição para livros populares, mas o que impede que algo seja popular e bom?). Vale lembrar que Agosto teve uma ótima adaptação numa minissérie da Rede Globo.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
12/6/2007
10h57min
Olá! Não tenho nada contra a sua lista, tem boas indicações. Mas, em relação à literatura infanto-juvenil, discordo. Aliás, o que penso é o seguinte: não importa a faixa etária a que o livro é supostamente indicado. O livro é bom (para crianças ou adultos) ou ruim. Lembre-se de Alice no País das Maravilhas, os livros de Monteiro Lobato-Sítio do Picapau Amarelo(supostamente feito para crianças), Tarzan, Mafalda, Snoopy e tantos outros. Então se dá a diferença. Percebe-se que a boa literatura ultrapassa esse limite. Se uma criança começa a ler boa literatura e "pegar o gosto" pela coisa, certamente, quando mais madura, será uma boa leitora, ou seja, saberá distinguir o joio do trigo. Mesmo que não seja bilíngüe ou poliglota. Existem boas traduções no mercado e ela saberá escolher. Um abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Está Escrito: Documentos Que Assinalaram Épocas
Paul Frischauer (2ª Edição)
Melhoramentos
(1973)



Silver Surfer Requiem - One of Four
Straczynski Ribic
Marvel
(2007)



O Ministério Público e o Processo Civil
José Fernando da Silva Lopes
Saraiva (sp)
(1976)



Transpantaneira Passarela de Fauna e Flora
Marcos Vergueiro
Carlini Caniato
(2006)



Como Salvar o Seu Emprego
Paul Timm
Makron Books
(1994)



Código Tributário Nacional
Juarez de Oliveira - Org
Saraiva
(1988)



A Ética e o Direito Em Farias Brito
Paulo Condorcet
Liber Juris
(1995)



Vault Guide to the Top New York Law Firms
Vera Djordjevich (2ª Edition)
Vaults
(2005)



Curso de Direito Processual Civil Vol. 1 - Teoria Geral do Direit
Humberto Theodoro Júnior (capa Dura) Volume 1
Gen; Forense
(2008)



São Bento: Pai dos Monges do Ocidente - 2ª Edição in Memoriam
Apostolado Radiofônico de D. Marco Barbosa
Vozes
(1977)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês