Quem é o autor de um filme? | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
Mais Recentes
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 2 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Gramática do Texto – Texto da Gramática de Samira Yousseff Campedelli & Jésus Barbosa Souza pela Saraiva (2001)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 1 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Matemática volume único ensino médio de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce e David Degenszajn pela Atual (2011)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/8/2007
Quem é o autor de um filme?
Luiz Rebinski Junior

+ de 11600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Guillermo Arriaga, um dos convidados da 5ª edição da Festa Literária Internacional de Parati (Flip), colocou em pauta uma discussão - que há tempos andava meio esquecida e que agora parece tomar corpo novamente - sobre a autoria de um filme e o papel do roteirista na construção de uma obra cinematográfica. Escritor mexicano, Arriaga ficou conhecido no Brasil pelos roteiros que fez dos três filmes de seu compatriota Alejandro Gozáles Iñáritu - Amores Brutos (2000), 21 Gramas (2003) e Babel (2006).

A parceria chegou ao fim porque Arriaga não concorda que a autoria dos longas-metragens que roteirizou seja única e exclusivamente creditada ao colega cineasta. "Não concordava em ver Alejandro dizer 'a minha trilogia' porque aquelas histórias já existiam muito antes de serem filmadas, eu as criei", disse o escritor em recente entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Autor de três romances - Um doce aroma de morte (acaba de sair no Brasil), O búfalo da noite (lançado no país pela Gryphus Editora em 2002) e Esquadrão Guilhotina (inédito) - e do livro de contos Retorno 201, Arriaga desdenha a alcunha de roteirista, preferindo ser chamado de escritor.

Para ele, um filme não é apenas do diretor ou roteirista, mas de toda a equipe que ajudou a produzi-lo, já que o cinema é uma arte onde o que prevalece é o trabalho em equipe. O diretor seria apenas um dos alicerces da produção, não necessariamente o mais importante. A discussão é bastante antiga e tem fundo ideológico.

Antes de filmar Os Incompreendidos (1959) e inaugurar a Nouvelle Vague, François Truffaut defendia, como crítico da revista Cahiers du Cinéma, um cinema calcado na liberdade do autor (leia-se diretor), desde a concepção do roteiro e filmagens até a edição final. Truffaut, então um dos críticos mais corrosivos e detestados da França, ia contra uma escola cinematográfica em que a influência do roteirista era tamanha, que alguns diretores limitavam-se a fazer apenas o que estava escrito no roteiro, como se fosse uma cartilha. Para Truffaut e seu séqüito, um filme devia ter a personalidade de quem o dirige.

No caso da trilogia de Iñaritu/Arriaga, fica claro que o roteiro é parte essencial dos filmes e que os argumentos são, em grande parte, responsáveis diretos pelo êxito das películas. Filmadas de maneira não-linear, as três histórias são contadas de forma muito parecidas, com vários pequenos dramas correndo paralelamente à narrativa principal. Para quem leu a ficção de Arriaga, os filmes não deixam dúvidas de que ele merece, sim, dividir os louros da vitória com Iñaritu.

Cinema e literatura
É fato que a literatura sempre foi um importante alicerce do cinema, seja ele comercial ou não. Muitos dos grandes filmes da história cinematográfica são adaptações de romances. Pelo menos quatro dos maiores clássicos de Stanley Kubrick, apenas para ficar em um dos grandes diretores de todos os tempos, são adaptações literárias. Lolita (1962) foi feito a partir da obra-prima de Vladmir Nabokov; Laranja Mecânica (1971) é inspirado na narrativa de Anthony Burgess; O Iluminado (1980) deriva do livro de Stephen King; e 2001, Uma odisséia no espaço é um clássico da ficção científica de Arthur C. Clarke.

Muitos escritores também prestaram serviços à indústria do cinema. Talvez um dos mais célebres seja F. Scott Fitzgerald. O autor-símbolo da "Geração Perdida" tentou carreira em Hollywood e chegou a trabalhar no roteiro de E o vento levou. Já Budd Schulberg, parceiro de Fitzgerald, foi o responsável pelo roteiro de Sindicato de ladrões, de Elia Kazan. Schulberg é autor de Os Desencantados, livro inspirado na vida errante de Fitzgerald, e de um romance esquecido chamado O que faz Sammy correr?, em que narra a ascensão e queda de um jovem roteirista de Hollywood. Ambos, assim como o hoje cultuado John Fante, escritor de Pergunte ao pó, emprestaram seus dotes à indústria do cinema, mas sem a pretensão de serem reconhecidos como autores da sétima arte. O objetivo era apenas ganhar o dinheiro dos ricos estúdios. Época em que a classe dos roteiristas atingiu o auge de sua posição devido ao processo de industrialização do cinema, responsável por motivar, em grande escala, a formação de profissionais da área.

Com o sucesso dos jovens autores franceses o roteirista perdeu status e foi alçado a uma posição de menos destaque na indústria do cinema. Hoje dificilmente o nome de quem escreve um filme ganha letras garrafais nos cartazes de divulgação. Mas há exceções. Exemplo de roteirista que conquistou a condição de autor, Charlie Kaufman virou o jogo e fez com que seu nome fosse tão cultuado quanto o de qualquer cineasta de peso.

Autor de obras como Adaptação e Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Kaufman usou sua fértil imaginação para criar tramas engenhosas e bem amarradas em que o que vale é a história bem contada e diálogos inteligentes, muito mais do que mil planos-seqüência.

Os trabalhos de Kaufman transcendem à idéia de autoria perpetrada pelos diretores da Nouvelle Vague. Os diálogos de Kaufman e suas idéias pouco ortodoxas lhe garantem a alcunha de "autor", a ponto de as pessoas aguardarem ansiosas pelo seu próximo trabalho.

No Brasil, Marçal Aquino é um dos roteiristas que já ganhou status semelhante. Os roteiros em que trabalhou, na maioria das vezes com o cineasta Beto Brant (O Invasor, Os Matadores, Ação entre amigos e Crime Delicado), têm forte conexão com sua obra ficcional. É um autor que conseguiu levar sua marca como prosador para o cinema. Assim como Arriaga e Kaufman. Mas, como se sabe, são exceções. A maioria dos roteiristas fica no anonimato e seus nomes escondidos entre os minúsculos créditos das fitas.

Porém, o cerne da discussão (quem é o autor de filme?) parece mesmo não ter resposta, já que não há parâmetros exatos que meçam a importância de uma boa história ante um bom modo de se contar uma boa história. Uma coisa está intrinsecamente ligada à outra e não tem jeito. Por ora, o que se tem certeza é que, justo ou não, um filme ainda é do diretor.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 6/8/2007


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2007
20h36min
quase sempre a arte é um trabalho coletivo e o filme é por sinal a arte mais completa...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
13/8/2007
10h31min
Entendo que o roteirista escreve a história e o diretor "conta a história" através das imagens. Se houver dois diretores contando a mesma história, um desconhecendo o trabalho do outro, certamente teremos dois filmes diferentes. Quando me aventurei num curso academico de cinema, o professor de roteiro, excelente roteirista no meu amadoristico julgamento, dizia que um diretor poderia contar mal uma boa hisória, mas dificilmente uma má história poderia ser bem contada por um diretor por mais talentoso que fosse. Não resolve a polêmica, mas indica que os dois pilares, diretor/roteirista, sustentam o filme. Quanto a equipe, não vejo polêmica. Cinema é luz. O diretor de fotografia é fundamental para contar a história através das imagens. Equipe é a base de tudo, mas quem diz onde a câmera vai ser colocada, para contar a história que o roteirista escreveu, é o diretor. E agora?
[Leia outros Comentários de Helio Araujo]
14/8/2007
09h23min
Existem inúmeras maneiras de fazer um filme, e cada um teria sua resposta diferente. No sistema de Hollywood, por exemplo, o diretor é literalmente um nada. É a peça mais substituível de todas. O roteirista é outro nada: um sujeito propõe alguma coisa, milhões mexem até chegar ao resultado final. A peça mais importante nesse contexto é o assistente de direção, que é quem garante que o filme sai mesmo. Mas também tem o filme em que um mesmo sujeito escreve, filma e monta. Tem o filme em que alguém resolve sair com uma câmera em cima do ombro. E assim por diante. De qualquer forma, cada vez mais o cinema "de autor", aquele que permite ao mesmo tempo as pontas soltas, as imperfeições e as genialidades, é coisa do passado. Não se pode mais brincar e arriscar a perder dinheiro. O controle é cada vez maior, o cinema está cada vez mais entregue a fórmulas. Se ele pode se perguntar quem é o autor, é porque o cinema não quer mais saber de autores.
[Leia outros Comentários de osrevni]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teatro de Alcione Araujo 1 - Simulaçoes do Naufrag
Alcione Araújo
Civilizaçao Brasilei
(1999)
R$ 18,00



Caderno Uniabc de Engenharia - Ano 1 - N° 8
Universidade do Grande Abc
Uniabc
(1999)
R$ 5,00



Flug in Den Weltraum Treibstoff Sr
Hans Dominik
Gebruder Weiss Berlin
(1955)
R$ 59,88



Os Primeiros Almanaques de São Paulo
Arquivo do Estado de São Paulo / José S. Witter
Imesp
(1983)
R$ 18,70



Helena
Machado de Assis
Globo
(1997)
R$ 6,90



Auditoria de Sistemas de Informação
Joshua Onome Imoniana (3ª Edição)
Atlas
(2016)
R$ 58,28



Geografia Homem e Espaço 7ª Série
Elian Alabi Lucci
Ed. Saraiva
(2000)
R$ 5,00



Rainha Vitória Vol. 11 Coleção Grandes Personagens Historia Universal
Abril Cultural
Abril
(1970)
R$ 15,00



Pesquisa FAPESP Nº 260
Diversos Autores
Fapesp
(2017)
R$ 6,50



Princípios de Morfologia - 4ª ed.
Horácio Rolim de Freitas
Oficina do Autor
(1997)
R$ 16,90





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês