Quem é o autor de um filme? | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> Los Misterios Rosacruces de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Rosa Cruz de Krumm Heller pela Kier (1944)
>>> Los Raja y Hatha Yogas de Ernesto Wood pela Schapire (1949)
>>> Autodefensa Psiquica de Dion Fortune pela Luiz Cárcamo (1979)
>>> Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna de J. Van Rijckenborgh pela Lectorium Rosicrucianum (1975)
>>> Jesus (La Mision de Cristo) de Eduardo Schuré pela Victor Hugo (1944)
>>> Amor e Sabedoria de Emmanuel de Clovis Tavares pela Calvário (1970)
>>> Rosa Esoterica de Krumm Heller pela Kier (1938)
>>> Manual Informativo do Membro da Sociedade Teosófica de Armando Sales pela Sociedade Teosófica (1951)
>>> Cartas da prisão de Frei Betto pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Los Antiguos Simbolos Sagrados de Ralph M. Lewis F.R.C. pela Suprema Gran Logica de Amorc (1950)
>>> El Hijo de Zanoni de Sévaka pela Mexicana (1975)
>>> Em Busca da Verdade de Ruth Montgomery pela Record (1967)
>>> Recolecciones de un Místico ( La Fraternidad Rosacruz) de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Enseñanzas de un Iniciado de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Principios Rosacruces de H. Hogar y los Negocios pela Gran Logica Suprema de Amorc (1929)
>>> Cristificacion Lecciones de Cultura Superior del Alma de R. Swinburne Clymer pela Kier (1946)
>>> Astrodiagnosis guia para la Curacion de Max Heindel pela Kier (1946)
>>> Misterios de las Grandes Operas de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Libertadores da América a Maçonaria e a Emancipação dos povos Americanos de A. Tenório D'Albuquereque pela O Malhete (1959)
>>> Filosofia Rosacruz en perguntas y Respuestas de Max Heindel pela The Rosicrucian
>>> Mensagens de vida de Carlos Augusto pela Celd (1995)
>>> O Espírito de Cornélio Pires de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1966)
>>> Filigranas de Luz de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1986)
>>> Gabriel Delame sua vida seu apostolado e sua obra de Paul Bodier pela União Espírita Francesa (2001)
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/8/2007
Quem é o autor de um filme?
Luiz Rebinski Junior

+ de 9900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Guillermo Arriaga, um dos convidados da 5ª edição da Festa Literária Internacional de Parati (Flip), colocou em pauta uma discussão - que há tempos andava meio esquecida e que agora parece tomar corpo novamente - sobre a autoria de um filme e o papel do roteirista na construção de uma obra cinematográfica. Escritor mexicano, Arriaga ficou conhecido no Brasil pelos roteiros que fez dos três filmes de seu compatriota Alejandro Gozáles Iñáritu - Amores Brutos (2000), 21 Gramas (2003) e Babel (2006).

A parceria chegou ao fim porque Arriaga não concorda que a autoria dos longas-metragens que roteirizou seja única e exclusivamente creditada ao colega cineasta. "Não concordava em ver Alejandro dizer 'a minha trilogia' porque aquelas histórias já existiam muito antes de serem filmadas, eu as criei", disse o escritor em recente entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Autor de três romances - Um doce aroma de morte (acaba de sair no Brasil), O búfalo da noite (lançado no país pela Gryphus Editora em 2002) e Esquadrão Guilhotina (inédito) - e do livro de contos Retorno 201, Arriaga desdenha a alcunha de roteirista, preferindo ser chamado de escritor.

Para ele, um filme não é apenas do diretor ou roteirista, mas de toda a equipe que ajudou a produzi-lo, já que o cinema é uma arte onde o que prevalece é o trabalho em equipe. O diretor seria apenas um dos alicerces da produção, não necessariamente o mais importante. A discussão é bastante antiga e tem fundo ideológico.

Antes de filmar Os Incompreendidos (1959) e inaugurar a Nouvelle Vague, François Truffaut defendia, como crítico da revista Cahiers du Cinéma, um cinema calcado na liberdade do autor (leia-se diretor), desde a concepção do roteiro e filmagens até a edição final. Truffaut, então um dos críticos mais corrosivos e detestados da França, ia contra uma escola cinematográfica em que a influência do roteirista era tamanha, que alguns diretores limitavam-se a fazer apenas o que estava escrito no roteiro, como se fosse uma cartilha. Para Truffaut e seu séqüito, um filme devia ter a personalidade de quem o dirige.

No caso da trilogia de Iñaritu/Arriaga, fica claro que o roteiro é parte essencial dos filmes e que os argumentos são, em grande parte, responsáveis diretos pelo êxito das películas. Filmadas de maneira não-linear, as três histórias são contadas de forma muito parecidas, com vários pequenos dramas correndo paralelamente à narrativa principal. Para quem leu a ficção de Arriaga, os filmes não deixam dúvidas de que ele merece, sim, dividir os louros da vitória com Iñaritu.

Cinema e literatura
É fato que a literatura sempre foi um importante alicerce do cinema, seja ele comercial ou não. Muitos dos grandes filmes da história cinematográfica são adaptações de romances. Pelo menos quatro dos maiores clássicos de Stanley Kubrick, apenas para ficar em um dos grandes diretores de todos os tempos, são adaptações literárias. Lolita (1962) foi feito a partir da obra-prima de Vladmir Nabokov; Laranja Mecânica (1971) é inspirado na narrativa de Anthony Burgess; O Iluminado (1980) deriva do livro de Stephen King; e 2001, Uma odisséia no espaço é um clássico da ficção científica de Arthur C. Clarke.

Muitos escritores também prestaram serviços à indústria do cinema. Talvez um dos mais célebres seja F. Scott Fitzgerald. O autor-símbolo da "Geração Perdida" tentou carreira em Hollywood e chegou a trabalhar no roteiro de E o vento levou. Já Budd Schulberg, parceiro de Fitzgerald, foi o responsável pelo roteiro de Sindicato de ladrões, de Elia Kazan. Schulberg é autor de Os Desencantados, livro inspirado na vida errante de Fitzgerald, e de um romance esquecido chamado O que faz Sammy correr?, em que narra a ascensão e queda de um jovem roteirista de Hollywood. Ambos, assim como o hoje cultuado John Fante, escritor de Pergunte ao pó, emprestaram seus dotes à indústria do cinema, mas sem a pretensão de serem reconhecidos como autores da sétima arte. O objetivo era apenas ganhar o dinheiro dos ricos estúdios. Época em que a classe dos roteiristas atingiu o auge de sua posição devido ao processo de industrialização do cinema, responsável por motivar, em grande escala, a formação de profissionais da área.

Com o sucesso dos jovens autores franceses o roteirista perdeu status e foi alçado a uma posição de menos destaque na indústria do cinema. Hoje dificilmente o nome de quem escreve um filme ganha letras garrafais nos cartazes de divulgação. Mas há exceções. Exemplo de roteirista que conquistou a condição de autor, Charlie Kaufman virou o jogo e fez com que seu nome fosse tão cultuado quanto o de qualquer cineasta de peso.

Autor de obras como Adaptação e Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Kaufman usou sua fértil imaginação para criar tramas engenhosas e bem amarradas em que o que vale é a história bem contada e diálogos inteligentes, muito mais do que mil planos-seqüência.

Os trabalhos de Kaufman transcendem à idéia de autoria perpetrada pelos diretores da Nouvelle Vague. Os diálogos de Kaufman e suas idéias pouco ortodoxas lhe garantem a alcunha de "autor", a ponto de as pessoas aguardarem ansiosas pelo seu próximo trabalho.

No Brasil, Marçal Aquino é um dos roteiristas que já ganhou status semelhante. Os roteiros em que trabalhou, na maioria das vezes com o cineasta Beto Brant (O Invasor, Os Matadores, Ação entre amigos e Crime Delicado), têm forte conexão com sua obra ficcional. É um autor que conseguiu levar sua marca como prosador para o cinema. Assim como Arriaga e Kaufman. Mas, como se sabe, são exceções. A maioria dos roteiristas fica no anonimato e seus nomes escondidos entre os minúsculos créditos das fitas.

Porém, o cerne da discussão (quem é o autor de filme?) parece mesmo não ter resposta, já que não há parâmetros exatos que meçam a importância de uma boa história ante um bom modo de se contar uma boa história. Uma coisa está intrinsecamente ligada à outra e não tem jeito. Por ora, o que se tem certeza é que, justo ou não, um filme ainda é do diretor.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 6/8/2007


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2007
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. A Literatura na poltrona - 13/9/2007
05. O sucesso do Cansei de Ser Sexy - 31/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2007
20h36min
quase sempre a arte é um trabalho coletivo e o filme é por sinal a arte mais completa...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
13/8/2007
10h31min
Entendo que o roteirista escreve a história e o diretor "conta a história" através das imagens. Se houver dois diretores contando a mesma história, um desconhecendo o trabalho do outro, certamente teremos dois filmes diferentes. Quando me aventurei num curso academico de cinema, o professor de roteiro, excelente roteirista no meu amadoristico julgamento, dizia que um diretor poderia contar mal uma boa hisória, mas dificilmente uma má história poderia ser bem contada por um diretor por mais talentoso que fosse. Não resolve a polêmica, mas indica que os dois pilares, diretor/roteirista, sustentam o filme. Quanto a equipe, não vejo polêmica. Cinema é luz. O diretor de fotografia é fundamental para contar a história através das imagens. Equipe é a base de tudo, mas quem diz onde a câmera vai ser colocada, para contar a história que o roteirista escreveu, é o diretor. E agora?
[Leia outros Comentários de Helio Araujo]
14/8/2007
09h23min
Existem inúmeras maneiras de fazer um filme, e cada um teria sua resposta diferente. No sistema de Hollywood, por exemplo, o diretor é literalmente um nada. É a peça mais substituível de todas. O roteirista é outro nada: um sujeito propõe alguma coisa, milhões mexem até chegar ao resultado final. A peça mais importante nesse contexto é o assistente de direção, que é quem garante que o filme sai mesmo. Mas também tem o filme em que um mesmo sujeito escreve, filma e monta. Tem o filme em que alguém resolve sair com uma câmera em cima do ombro. E assim por diante. De qualquer forma, cada vez mais o cinema "de autor", aquele que permite ao mesmo tempo as pontas soltas, as imperfeições e as genialidades, é coisa do passado. Não se pode mais brincar e arriscar a perder dinheiro. O controle é cada vez maior, o cinema está cada vez mais entregue a fórmulas. Se ele pode se perguntar quem é o autor, é porque o cinema não quer mais saber de autores.
[Leia outros Comentários de osrevni]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BOM LADRÃO
FERNANDO SABINO
TICA / SCIPIONE
(1991)
R$ 4,20



UM MUNDO SEM LIVROS
LUCIUS VINÍCIUS ( ADEILSON SALLES)
FEB
(2009)
R$ 17,00



NAS RUAS DO BRÁS
DRAUZIO VARELLA; MARIA EUGÊNIA
CIA DAS LETRINHAS
(2017)
R$ 38,00



ENSINAR JESUS
LÚCIANA REDAELLI
CBC (SP)
(2001)
R$ 7,28



COLETÂNIA DE LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
ODETE MEDAUAR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2007)
R$ 20,00



OS FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE
EMILIO MIRA Y LOPEZ

R$ 14,00



ENTRE LUTAS, NORMAS E PRECONCEITOS:
ELIETE ANTÔNIA DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A ARTE DE AMAR
CHIARA LUBICH
CIDADE NOVA
(2006)
R$ 15,00



REI LEAR
WILLIAM SHAKESPEARE
MARTIMCLARET
(2004)
R$ 39,90
+ frete grátis



DRAGON BALL EDIÇÃO BRASILEIRA N°31
AKIRA TORIYAMA
CONRAD
(2002)
R$ 10,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês