10º Búzios Jazz e Blues | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Propostas para o nosso milênio (I)
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
Mais Recentes
>>> Os donos do poder - 02 vols.
>>> Quem é Você, Alasca?
>>> O Homem do Céu
>>> Lolita
>>> Vida Querida
>>> Paula
>>> Caetés
>>> Sem Marido... E Agora?
>>> Angústia
>>> Gafe não é Pecado
>>> Se Abrindo pra Vida
>>> O Despertar da Águia
>>> Cartas
>>> Linhas Tortas
>>> São Bernardo
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
COLUNAS

Terça-feira, 14/8/2007
10º Búzios Jazz e Blues
Marília Almeida

+ de 10100 Acessos

Volta às raízes. É assim que podemos resumir o festival, que aconteceu no final de julho e que começou há dez anos, no segundo destino mais visitado do Rio de Janeiro. Mas a merecida comemoração não foi tão abrangente se comparada às edições anteriores. Houve problemas que impediram uma devida homenagem à sua primeira década. Afinal, o 10º Búzios Jazz e Blues pode ser considerado um dos mais antigos do Estado, mas, quando comparado ao Rio das Ostras Jazz e Blues, atualmente em sua 5º edição, foi ultrapassado em tamanho e qualidade.

Mas seu conceito difere muito do festival da cidade vizinha. Parece mais querer valorizar e manter o ambiente sofisticado do município e sua estrutura do que ampliá-la. E nem poderia: Búzios já está consolidada, enquanto Rio das Ostras clama por mais turistas. O show de João Donato, na penúltima noite do festival, resume bem essa proposta: foi o suficiente para lotar o Pátio Havana. Ele começou com músicas instrumentais, para depois tocar clássicos da MPB com sua voz suave. Ajudado por um contrabaixo gingado, o pianista tocou e cantou "Bananeira" e a platéia fez coro. Depois, veio "Suco de Maracujá".

As melodias só paravam de serem dançadas e cantadas quando um persistente problema de microfonia, que durou todo o show, entrava em cena. E, apesar de João ter uma equipe de produção própria, houve um atraso de quase uma hora para que começasse a levantar o público. Mas, relevemos: era noite de happy hour e o show, em compensação, foi extenso: durou quase duas horas. E a noite continuou, com "A paz", sua composição com letra de Gilberto Gil; e "Nasci para Bailar", música que a platéia aplaudiu de pé. No bis, a clássica "Chega de saudade" arrepiou e emocionou todos os presentes, que ainda pediram mais um.

Mais tarde, em uma Chez Michou Créperie lotada demais, Leo Gandelman tocou com o guitarrista Charlie Hunter e um clima de êxtase envolveu a todos: o som do saxofone de Leo era, ao mesmo tempo, pesado e etéreo, às vezes substituído por um instrumento de sopro. Não menos surpreendente foi o som da guitarra de oito cordas de Charlie, que acaba de lançar com seu trio um novo álbum, Mistico - seu virtuosismo o permitiu tocar os mais diversos ritmos e criar diferentes combinações, o que encantou os admiradores dos instrumentos e produziu um som diferenciado, leve. A percussão de Sidney Moreira ajudava a criar o ambiente exótico, complementada pela bateria de Allen Pontes, de apenas 22 anos.

A fina garoa que começou a cair na cidade não atrapalhou a apresentação, ajudada por um toldo que cobriu toda a Créperie. Mas, como o estabelecimento estava lotado, muitas pessoas que ouviam o show da rua tiveram que se agasalhar. Mas muitas continuaram firmes até o final. Surpreendentemente, a banda homenageou a música brasileira, tocou músicas da autoria de Charlie, como "Chimp Gut", de seu novo álbum, e Leo tocou até pandeiro. A banda solou cada instrumento, arrebatou a platéia e finalizou a noite.

No sábado ainda teve o show da Big Time Orchestra e da baterista Cindy Blackman. No balanço, houve uma boa dosagem de ritmos, mesmo com um menor número de shows, se comparado às edições anteriores; tradicionalismo, que não poderia faltar em um fim de ciclo, com duas atrações, Celso Blues Boy e Blues Etílicos, que tocaram na primeira edição do festival, além de Leo Gandelman, presença assídua no evento; Phil Guy, irmão mais novo de Buddy Guy, preencheu seu grande nome e não decepcionou no palco; e o festival ainda trouxe inovações, com Taryn Szpilman e Cindy. Não poderia ser diferente em um evento que já trouxe nomes como o guitarrista Stanley Jordan e o argentino Fito Páez.

Mas o problema maior foi o menor número de locais para as apresentações: os três shows por noite se transformaram em dois, pois nesse ano a prefeitura proibiu que o festival utilizasse a praça da cidade, que comporta cerca de três mil pessoas. Isso, além de restringir o número de shows, fez com que a platéia se concentrasse em apenas dois lugares e somente a Créperie não é fechada. Resultado: o público maior se concentrou no estabelecimento, que mostrou não ter estrutura para comportá-lo. O que de certa forma até ajudou o andamento do festival foi que, apesar do frio, não choveu (apenas garoou), o que evitou uma aglomeração maior, e a data do evento, que começou na quarta-feira (25) da última semana das férias de julho fez com que muitas pessoas apenas conseguissem passar o fim de semana na cidade.

Mas há um aspecto que limita a estrutura do evento: o apoio do festival. Ele é praticamente executado e organizado apenas pelo grupo Chez Michou, composto por diversos sócios, alguns estrangeiros, que são donos dos dois estabelecimentos que comportam os shows, o Pátio Havana e a Chez Michou Créperie, além do restaurante argentino Don Juan, localizado na mesma rua. Antes patrocinado pela Visa, hoje o festival leva o nome da empresa de telefonia TIM e tem apenas o apoio cultural do governo do Rio de Janeiro, enquanto que o festival de Rio das Ostras é sustentado pela prefeitura da cidade, que ainda é impulsionada pelos dólares provenientes do petróleo da região, que não atinge Búzios.

Em 2008, o público espera um festival que repense sua estrutura e data, para manter sua qualidade e conseguir fechar mais um ciclo com louvor. Uma pena que, justamente em uma grande comemoração, ele parece ter se reduzido.


Marília Almeida
São Paulo, 14/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cultura visual e a emancipação do receptor de Gian Danton
02. O goleiro que ganhou o Nobel de Celso A. Uequed Pitol
03. O direito autoral vai sobreviver à internet? de Marta Barcellos
04. Dexter Versus House de Duanne Ribeiro
05. Discos de MPB essenciais de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



THE LORD IS MY SHEPHERD AND HE KNOWS IM GAY
CHARLES L. LUCAS
A BANTAM BOOKS
(1978)
R$ 19,90



OS FILHOS DO IMPERADOR
CLAIRE MESSUD
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 5,00



DOCES MOMENTOS
DANIELLE STEEL
RECORD
(2008)
R$ 9,90



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
ASTER / CASA DO CATELO (PORTUGAL)
(1965)
R$ 8,00



O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 8,99



MEU PRIMEIRO DICIONARIO OXFORD DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
GRAHAM PEACOCK
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2016)
R$ 20,00



LORD JIM
AUTOR CONRAD
PAN CLASSICS
(1978)
R$ 8,00



SÃO PAULO PARA COLECIONADORES
ALEX XAVIER
PANDA BOOKS
(2003)
R$ 5,00



PUBLICIDADE EM CORDEL: O MOTE DO CONSUMO - GILMAR DE CARVALHO
GILMAR DE CARVALHO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês