Baco está vivo e faz 4000 anos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Segunda-feira, 5/3/2001
Baco está vivo e faz 4000 anos
Rafael Lima

+ de 6100 Acessos

Na quarta capa do livro "Quatro Peças de Tema Grego" está escrito, bem nos moldes das edições da José Olympio daquela época: "Gregos com alma carioca invadem o teatro". O livro é uma coletânea de peças de Guilherme de Figueredo, entre as quais se destaca "Um Deus Dormiu Lá em Casa", texto mundialmente traduzido, encenado no Kremlim e na China, que transformou Mariinha Portocarrero em Tônia Carrero e provou a Paulo Autran que ter largado o Direito tinha sido uma opção correta. De tudo isso eu sabia quando abri o livro. O que eu não sabia é que já na década de 40 havia alguém emprestando bossa aos mitos gregos, ao juntar elementos clássicos e modernos.

Eddie CampbellAchava que era absolutamente original a idéia de Eddie Campbell, ao resgatar o deus grego Dionísio, Baco para os romanos, em inglês Bacchus, para protagonizar suas histórias em quadrinhos. Neil Gaiman já tinha utilizado divindades de um sem número de mitologias em Sandman, e ainda que as tratasse como pessoas normais, sempre deixava uma aura de reverência pairando sobre cada um deles. Inclusive porque ninguém vai se meter a bancar o engraçadinho com alguém que dispara raios de energia pelos dedos. Stan Lee, na década de 60, tinha trazido toda a família nórdica para a Marvel, transformando Thor, Loki e outro chifrudos em super-heróis, com uma linguagem teatral muito inusitada para algo tão pop como quadrinhos. Mas nenhum deles conseguira alcançar o equilíbrio de Eddie, ao retratar aqueles outrora tão poderosos seres, agora envelhecidos, decadentes, humilhados. Humanos.

Bacchus by Campbell

Na primeira página da primeira história de Bacchus, um meliante dialoga com um velho imenso trajado como um velho lobo do mar, de quepe e tudo, com uma quantidade imensa de rugas - pense no rosto do Marlon Brando de Apocalipse Now! rasgado pelo vento e pelas marés -, vizinho seu de cela na cadeia: "Por que cê veio parar aqui, ô coroa?" "Bebedeira e baderna" "Ha ha ha....Você parece velho o bastante para saber como é" "4000 anos chegam?" "Qual é o seu nome, falando nisso?" "Baco, o deus do vinho" "Vocês deuses não eram imortais?" "É mesmo" "Então como é que você ficou tão acabado assim" "Muito vinho, mulheres e música".

Joe TheseusNas próximas páginas o leitor descobre que apenas alguns dos então nobres heróis e deuses gregos (Hermes, Teseu, ou melhor, Joe Theseus) ainda estão vivos - não é por acaso que o título é Imortalidade Não é para Sempre - e sofrem as conseqüências de querelas e mal-entendidos começados há 4000 anos. Exatamente essas rixas primordiais, além de lendas e desencontros clássicos são inseridos em flashbacks onde se conta, por exemplo, como Zeus perdeu todo seu poder para The Eyeball Kid, um ser de 10 pares de olhos, filho de Argus, o monstro de 1000 olhos, que seguiu uma carreira de fora-da-lei ao longo da História, ganhando esse codinome no Velho Oeste.

Eyeball KidAs duas primeiras histórias (Imortalidade... e Os Deuses dos Negócios), além de definir um background para os personagens principais, fazendo uma verdadeira limpa, conjugam com talento mitos clássicos e sequestros de avião, problemas conjugais e filosofia, EyeBall Kid e Joe Theseus, equilibrando diálogos e cenas de ação no que provavelmente é o estilo de narrativa mais fluente nos quadrinhos de hoje. Particularmente especial é o uso das splash pages - aquelas páginas inteiramente ocupadas por um único quadrinho - seja em cenas de briga, quando a revista parece tremer nas mãos com o estrondo dos murros, seja num comovente recurso narrativo, quando após se jogar ao mar, desgostoso, Theseus ouve uma voz ao fundo lembrando-lhe de sua origem divina, e vira-se, deparando-se com a imensa imagem de Netuno a lhe proteger: "Poseidon, my father, god of all the seas!". Um deslumbre.

Essa mistura de ação e filosofia é posta de lado por Eddie nas histórias seguintes, depois de gastar algumas páginas contando o que teria acontecido com o seu elenco após o reencontro. Parte da graça aqui é observar as experimentações de técnica e estilo: do nanquim puro para retículas, passeando pela colagem; uma história inteira inspirada nos moldes de apelo visual da Image Comics. Mas o filé está mesmo em Doing the Islands e 1001 Nights of Bacchus.

A primeira se resume a um passeio pelas ilhas gregas de Bacchus e Simpson, professor de História e fiel escudeiro, onde Bacchus relembra passagens marcantes de sua vida, teoriza sobre a colheita da uva, e joga conversa fora. A segunda, parte de uma britânica aposta: os fregueses de um pub protestam quando toca o sino da última rodada, alegando que o próprio deus do vinho, emburrado, como de costume, num canto, não deveria ser contrariado. O barman topa permanecer soltando a cerveja enquanto eles conseguirem manter Bacchus acordado narrando histórias. É o mote para a melhor sequência de histórias de bar já vista, onde se recria o ambiente etílico com a mesma verve de um conto do Veríssimo, com a mesma naturalidade de uma novela do Bukowski.

O mais interessante é que depois de uma dúzia de histórias longas, Eddie Campbell parece ter se dado por satisfeito e abandonou os personagens gregos. Abandonou até os fictícios - mesmo Alec MacGarry, seu alter ego nos quadrinhos, e toda a trupe do pub King Canute, recordações proustianas dos tempos de iniciante, quando trabalhava cortando chapas de aço com uma guilhotina, foram postos de lado. A crônica passa a ser o tom, e assim somos convidados a penetrar na intimidade da família Campbell, conhecer seus filhos, entender os problemas de se levar um estúdio de quadrinhos dentro de casa, enfim, fortalecer a típica cumplicidade leitor-autor.

É hilariante, por exemplo, o choque entre o fleuma anglo-saxão de Eddie e a descontração ibérica na visita a convenções de quadrinhos espanholas. "Nada funciona na Espanha" tem um começo antológico: "A esteira das malas no aeroporto demora horas para começar a funcionar. Quando finalmente se decide, a primeira coisa que aparece é um tubo de xampu." Todo o processo de venda dos direitos de From Hell, graphic novel de 600 páginas sobre os crimes de Jack o Estripador, para Hollywood também aparece devidamente registrado sob a ótica particular do autor. Até aquela vez em que ele esqueceu um lápis quando tinha ido fazer um bico como desenhista de tribunal rende uma boa piada.

Eddie Campbell Eddie Campbell's Bacchus é auto-publicado todo mês, com aproximadamente 50% de material novo, 25% republicações de coisas antigas e 25% de amigos. No final de 99 saiu a edição completa de From Hell, em parceria com Alan Moore, depois de quase 10 anos e 2 editoras. Um filme da Touchstone está sendo produzido com Johnny Deep e Heater Graham. Portanto, quando o filme estreiar nos cinemas, não bronqueie com a açucarada que a Disney deu na violência ou com alguma incongruência do roteiro. Melhor pensar no cheque que comprou a casa nova na Austrália onde a família Campbell reside e de onde Eddie gera suas deliciosas histórias todo mês.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 5/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crise (de vergonha na cara?) de Adriana Baggio


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês